Conecte-se agora

Gladson faz mudanças nas secretarias de Planejamento e Desenvolvimento Urbano

Publicado

em

A edição do Diário Oficial do Estado desta segunda-feira, 9, traz uma série de mudanças nos primeiros e segundos escalões do governo do Acre.

A primeira mudança realizada pelo governador Gladson Cameli trata do remanejamento de Vinicius Otsubo Sanchez, então diretor da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), para o cargo de Secretário de Estado de Desenvolvimento Urbano e Regional – SEDUR.

Outra mudança efetivada pelo Chefe do Palácio Rio Branco é a saída de Luiz Victor Diniz Bonecker do cargo de secretário da SEDUR, para exercer o cargo de Secretário Adjunto da Seplag.

Claire Cameli, prima do governador, também foi remanejada. Ela deixa o cargo de Secretária Adjunta da Seplag para exercer o cargo de diretora na mesma pasta.

Anúncios

Acre 01

Após resultado negativo nas urnas no 2º turno, Socorro Neri desiste de entrevista coletiva

Publicado

em

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

A candidata do PSB, prefeita Socorro Neri, desistiu de comparecer ao comitê de campanha de sua coligação para conceder entrevista coletiva conforme havia sido combinado previamente, independentemente do resultado da eleição.

A informação foi confirmada por uma das assessoras da coligação liderada pelo PSB assim que os números apontaram como irreversível a vitória do candidato Tião Bocalom na eleição municipal de Rio Branco.

O clima no comitê de Neri era completamente o oposto do que ocorria no do candidato do Progressistas desde o fim da votação. Enquanto no primeiro havia uma clara atmosfera de velório, no segundo a festa começou junto com os primeiros votos apurados.

Já Bocalom, antes mesmo da confirmação oficial de sua vitória, se dirigiu ao estúdio do ac24horas, onde – já prefeito eleito – conversou com jornalistas Marcos Venícios, Luís Carlos Moreira Jorge e Astério Moreira.

Na conversa, o novo prefeito de Rio Branco a partir de 1º de janeiro do ano que vem foi objetivo em dizer que não haverá loteamento de cargos em sua gestão e afirmou que quer um governo que cuide dos mais pobres.

Continuar lendo

Acre 01

A vitória do feijão com arroz sobre o esperançar

Publicado

em

ABRO O BLOG DO CRICA pinçando a frase acima de um comentário de uma colega jornalista, que retrata com nitidez o que foi a vitória do candidato Tião Bocalom (PP) sobre a candidatura da prefeita Socorro Neri (PSB), na disputa pela prefeitura de Rio Branco.

Foi a vitória de uma campanha organizada, planejada, do feijão com arroz, com um bom jingle, e o melhor programa eleitoral entre todos os candidatos, e de uma muito competente coordenação de campanha.

O Tião Bocalom (PP) falou a língua dos grotões, aquilo que a periferia queria ouvir. A sua coordenação levou o seu nome para a periferia, com músicas ao som do Funk e do Rap, estilos musicais que se identificam com os jovens, que acabaram virando hits dos grotões. Some-se a isso a memória eleitoral de outras eleições do Tião Bocalom (PP), e de ter um condutor de campanha que fala a língua do povão, que praticamente transferiu a sua casa para os bairros, junto com a vice e sua esposa Marfisa Galvão (PSD), o senador Sérgio Petecão (PSD).

O Petecão foi o grande condutor da campanha vitoriosa do candidato do PP. Quase conseguiram mudar a imagem do “bom velhinho” cultivada pelos seus marqueteiros, que foi quebrada na reta final pela declaração polêmica do Bocalom, ao estilo maluco beleza do bolsonarismo, da chamada “imunização de rebanho,” pela qual todos devem pegar a Covid para a população ficar imunizada.

Esta tese nada científica só não causou estragos de maiores proporções, por dois motivos: foi dita há 48 horas da eleição, e a equipe de marketing da candidata Socorro Neri (PSB) não foi competente para massificar a dita bobagem.

Mas não se pode deixar fora deste contexto da discussão da derrota da prefeita Socorro Neri (PSB) o fato de que, ela foi apoiada pelas duas máquinas mais poderosas do estado, e ainda pessoalmente pelo governador Gladson Cameli.

Fica mais uma vez a lição de que, ninguém é dono dos votos ao ponto de transferir uma votação pessoal para terceiros.
Comentei por diversas vezes neste espaço que, o fato da prefeita Socorro Neri (PSB) ser apoiada pelo governador Gladson não a tornava favorita e, tampouco, era garantia da sua vitória. E citei vários exemplos que mostravam eleições ganhas contra as máquinas estadual e municipal.

O mais recente exemplo foi a vitória do Gladson Cameli contra toda a estrutura do PT, na última disputa do governo. Mas voltando para a campanha do Tião Bocalom (PP), os seus coordenadores souberam dosar as ações políticas, o que culminou por forjarem uma imagem mais doce do candidato, e que o levou a cair na graça popular. E, quando um candidato cai na graça da população, é como água de morro abaixo, ninguém segura.

Bote tudo o que aconteceu na campanha do Bocalom no liquidificador e se terá a receita para ganhar uma eleição majoritária.

Outra lição que fica desta eleição municipal: o voto da classe média, da elite, não define uma eleição, o que define são os votos dos bairros da periferia. Nesta vitória do Tião Bocalon, não se pode deixar de fora duas figuras políticas: a presidente do PP, senadora Mailza Gomes, e o deputado José Bestene (PP), que impediram o governador Gladson Cameli de levar o PP para apoiar a candidatura da Socorro Neri (PSB), fincaram os pés na candidatura própria, e sem as suas ações enérgicas de peitar o governador, o Bocalom nem candidato seria.

Mas o que falar da campanha da prefeita Socorro Neri (PSB), que não seja a de que foi uma campanha amadora, sem planejamento, e comandada por um comitê inexperiente, que nunca tinham conduzido uma campanha majoritária?

Se levassem seus principais coordenadores de campanha vendados para o bairro Wilson Ribeiro, por certo não saberiam voltar para a prefeitura sem a ajuda de uma informação. Deram um show de amadorismo.

O PSB sempre foi um puxadinho do PT. Nunca foi protagonista na extinta Frente Popular do Acre. Era o PT que comandava as campanhas. Não dá nem para pinçar um nome do comitê de campanha do PSB, que tenha conseguido escapar do desastre e da mediocridade. Se nivelaram por baixo. Foi uma sucessão de erros.

A campanha no rádio e na televisão da candidata Socorro Neri (PSB) não empolgou, as suas peças eram sem vida, era aquela coisa arrastada e piegas.

Um programa eleitoral tem que ser para cima, vibrante, para prender o telespectador e o ouvinte da rádio. O seu programa foi uma antítese. Parecia que, o que estava em disputa era a reitoria da UFAC, tal rebuscado linguajar no vídeo. Começou o seu programa convocando a população a “esperançar”. Ora, ora dona Aurora! Vá perguntar nas entranhas de um bairro periférico se alguém sabe o que é “esperançar”, com certeza ninguém sabe. A campanha começou apática e terminou apática.

Não conseguiram chegar á população as virtudes da gestão da prefeita Socorro Neri (PSB), que se queira ou não, foi uma administração numa boa média e com conquistas que não foram exploradas.

Não foi uma má prefeita. Com absoluta certeza. Mas para quem queria disputar mais um mandato cometeu um erro que lhe foi fatal: fez gestão, mas não fez política.

Faltou também na candidata desenvoltura no vídeo, ser mais convincente.

Que a prefeita Socorro Neri (PSB) entrou de mãos limpas na prefeitura e estará saindo de mãos limpas, não se discute. O que se discute foi o motivo pelo qual o governador Gladson Cameli abandonou todos os aliados que o elegeram, para apoiar a candidata do PSB, que foi vice do PT.

Politicamente, por mais que busque uma justificativa, são todas vazias. Errou na estratégia de que partidos não são importantes e, só ele poderia eleger a candidata Socorro Neri (PSB).

Não é assim que o boi dança na política.

Muitos dos seus votos para governador vieram dos partidos. Poderia muito bem não ter apoiado nem um candidato a prefeito de Rio Branco. Estaria saindo hoje por cima e não como adido da derrota da candidata Socorro Neri (PSB).
Mas agora Inês e morta!

Fica a lição nesta vitória do Tião Bocalom (PP) que o poder pode muito, mas não pode tudo. A vitória do Bocalom foi a vitória de uma campanha do feijão com arroz contra a campanha do esperançar da prefeita Socorro Neri (PSB). E, como diz o ditado: “aos vencedores, as batatas”.

Continuar lendo

Acre 01

Gladson não descarta Socorro em seu governo, mas acredita que ela continuará na prefeitura

Publicado

em

O governador Gladson Cameli (Progressistas), ao acompanhar a atual prefeita e candidata à reeleição pelo PSB, Socorro Neri na manhã deste domingo, 29, durante a votação, não descartou que Neri possa ingressar no seu governo, caso seja derrotada pelo Progressista, Tião Bocalom.

Cameli afirmou ao ser questionado se Socorro Neri teria uma vaga em seu governo, caso ela perca as eleições, que ela deve ter sim uma posição no governo, mas que não acredita que ela irá precisar.

“A coisa que eu mais quero é ela do meu lado. Eu não tratei de nenhum assunto sobre isso com ela, mas a partir das 17 horas, vou chamar ela pra ir pra Brasília comigo pra ver o que a gente consegue fazer sobre a pandemia da Covid-19. É uma ótima ideia, mas eu acho que num vai, porque ela vai ter uma prefeitura para cuidar por mais quatro anos”, destacou Cameli.

Cameli (Progressistas) salientou a importância de todos os rio-branquenses irem às urnas neste domingo (29).

“É importante votar. Cada homem e cada mulher devem cumprir o seu dever. Quem seja o vencedor fica a recomendação que as eleições têm demonstrado a vontade popular e o que a população espera. Irei trabalhar com todos”, destacou.

Na coletiva antes da votação, Neri criticou os apoios de Bocalom e afirmou que os seus adversários querem usar a Prefeitura como trampolim para as eleições de 2022.

“Eles [população] saberão reconhecer o que vem sendo feito e darão a oportunidade de fazer muito mais nos próximos quatro anos. A prefeitura tem uma importância extraordinária e não pode ser usada como trampolim pelos adversários. Não podemos permitir que Rio Branco tenha retrocesso. Estamos vendo essa ânsia de poder, desse ajuntamento das velhas figuras agora tentando colocar as mãos na Prefeitura de Rio Branco”, criticou Neri.

 

Continuar lendo

Acre 01

Bocalom votou na Baixada da Sobral afirmando que terá grande vitória no 2º turno

Publicado

em

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

O candidato do Progressistas (PP), Tião Bocalom, chegou à escola  Serafim da Silva Salgado, na Baixada da Sobral, por volta das 9 horas da manhã, onde votou na seção 233.

Bocalom chegou à seção acompanhado da sua candidata a vice-prefeita, Marfisa Galvão (PSD), da senadora Mailza Gomes (PP) e do deputado estadual José Bestene (PP).

Na hora do voto, Bocalom chegou a puxar Marfisa para a cabine de votação, mas foi contido pelos mesários. Após votar, o candidato falou a uma multidão de jornalista que cobriam o momento.

“Cravamos o 11 aqui, agora, e temos certeza de que a população, em sua grande maioria, vai cravar o 11 e à noite, se Deus quiser, teremos uma grande festa”, disse.

Perguntado se a expectativa realmente era de confirmação da vitória, ele afirmou que o resultado do primeiro turno é uma demonstração da vontade do eleitor pela mudança.

“Basta ver o resultado do primeiro turno. E a alegria, a empolgação e a vontade da mudança continuou nesse segundo turno. Então, não tenho dúvida nenhuma de que termos uma grande vitória”.

Sobre o tema pandemia, Bocalom disse que o TRE administrou bem a situação no processo eleitoral, garantindo que as eleições ocorressem sem nenhum problema.

O candidato também fez um apelo para que o eleitor compareça às urnas, diante da possibilidade de o índice elevado de abstenção no primeiro turno ser ainda maior no segundo.

Bocalom foi o candidato mais votado no primeiro turno das eleições em Rio Branco, com  87.987 votos, 49,58% do total válido. A sua adversária neste segundo turno, Socorro Neri (PSB), alcançou 40.250 votos, 22,68% do total validado pelo TRE.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas