Conecte-se agora

Dólar cai abaixo de R$ 5,25 após vitória de Biden sobre Trump

Publicado

em

Foto: REUTERS/Dado Ruvic

O dólar opera novamente em queda nesta segunda-feira (9), caindo abaixo de R$ 5,25, depois da vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais americanas, apesar da recusa de Donald Trump a reconhecer a derrota, e após análise preliminar apontar que a vacina da Pfizer contra Covid-19 é mais de 90% eficaz.

Às 11h, a moeda norte-americana caía 2,44%, a R$ 5,2605. Na mínima até o momento chegou a R$ 5,2247, menor cotação intradia desde 16 de setembro (R$ 5,2123). Veja mais cotações.

Já o Ibovespa opera em forte alta, chegando a subir mais de 4%.

Na sexta-feira, o dólar fechou em queda de 2,78%, a R$ 5,3920, acumulando baixa de 6,03% na semana e na parcial do mês. No ano, ainda acumula alta de 34,47%.

O Banco Central anunciou para esta segunda-feira leilão de swap tradicional para rolagem de até 12 mil contratos com vencimento em abril e agosto de 2021.

Cenário externo e local

“Há coisas boas e ruins (para os mercados financeiros) com a vitória de Biden, mas ao menos o risco de um processo eleitoral prolongado desapareceu”, declarou Shoji Hirakawa, estrategista do Instituto de Pesquisas Tokai Tokio.

Os mercados repercutiam também o anúncio da Pfizer, informando que sua vacina experimental é mais de 90% eficaz na prevenção à Covid-19, segundo dados iniciais do estudo da fase 3.

“Isto é muito importante (notícia) porque valida a visão do mercado de que a economia e os resultados podem voltar aquele caminho de crescimento que tinham antes da crise (COVID-19) ter ocorrido”, disse Andrea Cicione, chefe de estratégia da TS Lombard de Londres.

O otimismo vem dominando os mercados desde quarta-feira da semana passada, com os investidores aliviados com os resultados das eleições nos Estados Unidos, diante da percepção de que o equilíbrio de poder que se perfila entre republicanos e democratas no Congresso dificultará a execução de grandes mudanças, incluindo um aumento de impostos, um endurecimento das regulamentações ou controle mais rigoroso de grandes empresas.

Entre os investidores, há também a percepção de que as políticas de Biden colaborariam para um dólar globalmente mais fraco, principalmente com a expectativa de aprovação de novas medidas de auxílio fiscal na maior economia do mundo, o que pode dar apoio a moedas de países emergentes.

Embora o índice do dólar contra uma cesta de pares fortes apresentasse leve alta de 0,12%, a divisa norte-americana apresentava amplas perdas contra algumas das principais moedas arriscadas, como peso mexicano, lira turca, rand sul-africano e dólar australiano.

Biden disse que convocará uma força-tarefa sobre coronavírus nesta segunda-feira para examinar o problema número 1 que enfrentará quando assumir o cargo em janeiro.

Na agenda de indicadores domésticos, os economistas do mercado financeiro elevaram sua estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, de 3,02% para 3,20% em 2020. Já a projeção para tombo do PIB no ano foi revisada de 4,81% para 4,80%. O mercado segue prevendo estabilidade na Selic em 2% ano até o fim de 2020 e taxa de câmbio de R$ 5,45 no final do ano.

Por aqui, permanecem, porém preocupações em torno da trajetória da dívida pública, com os investidores à espera de uma indicação clara sobre se o governo respeitará ou não seu teto de gastos. A principal dúvida é sobre como um pacote de auxílio social seria financiado diante de um orçamento apertado para 2021, e se o governo conseguirá dar prosseguimento à agenda de reformas estruturais.

Esse cenário, somado ao patamar extremamente baixo da taxa Selic e a um crescimento econômico fraco, ajudam a explicar a forte alta dólar no ano ante o real.

Anúncios

Destaque 6

35% dos rio-branquenses acham governo Bolsonaro ruim

Publicado

em

A pesquisa Ibope divulgada pela Rede Amazônica neste sábado, 21, também avaliou o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) junto aos moradores de Rio Branco.

Os eleitores entrevistados classificaram a gestão federal em ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo. Conforme o percentual, 39% dos entrevistados acham o governo Bolsonaro ótimo/bom, 25% avaliam como regular e 35% como ruim/péssimo. 1% não sabem avaliar.

Com uma margem de erro de 4 pontos percentuais para mais ou para menos, a pesquisa foi encomendada pela Rede Amazônica Acre e ouviu 602 eleitores da cidade de Rio Branco no período de 18 a 20 de novembro. A pesquisa está identificada na Justiça Eleitoral com o registro: AC-06347/2020.

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.

Continuar lendo

Destaque 6

Ibope: 40% acham gestão de Gladson Cameli ótima

Publicado

em

A Rede Amazônica divulgou neste sábado, 21, a avaliação da população de Rio Branco para com as gestões do governador Gladson Cameli (sem partido) e da prefeita Socorro Neri (PSB) na capital acreana. Esta é a primeira pesquisa Ibope do segundo turno.

De acordo com os resultados de avaliação de Socorro Neri, 31% dos entrevistados consideram a gestão da prefeita como ótima/boa; 41% como regular e 26% como ruim/péssima. Neste critério, 2% não sabem avaliar.

Com relação ao percentual de aprovação da prefeita candidata à reeleição, 44% dos entrevistados aprovam e 47% desaprovam a gestão de Socorro. 9% não sabem avaliar.

Em relação aos percentuais de avaliação das administrações do governador do estado, Gladson Cameli, 40% dos entrevistados consideram ótima/boa, 40% acham regular: 40% e 17% avaliam como ruim/péssima. 4% não sabem avaliar.

Com uma margem de erro de 4 pontos percentuais para mais ou para menos, a pesquisa foi encomendada pela Rede Amazônica Acre e ouviu 602 eleitores da cidade de Rio Branco no período de 18 a 20 de novembro. A pesquisa está identificada na Justiça Eleitoral com o registro: AC-06347/2020.

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.

Continuar lendo

Destaque 6

Em outubro, Acre contribuiu com 9% na devastação da Amazônia

Publicado

em

Nos últimos meses, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon vem detectando um aumento no número de áreas de floresta derrubadas na Amazônia. Em outubro não foi diferente. Os satélites registraram um desmatamento de 890 km², o maior do mês de outubro dos últimos dez anos. De janeiro a outubro deste ano, a Amazônia perdeu 6.920 km² de área verde, 23% a mais que no mesmo período do ano passado. Na análise somente do mês de outubro, o crescimento do desmatamento foi de 49%, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (19).

No ranking dos estados que mais desmataram a Amazônia, o Pará aparece em primeiro lugar com mais da metade (53%) do total registrado no mês. Em seguida vem Rondônia (12%), Acre (9%), Mato Grosso (9%), Amazonas (9%), Maranhão (5%), Roraima (2%) e Amapá (1%). O Pará também domina o ranking dos municípios que registraram mais destruição da floresta: nove dos dez municípios na lista são paraenses.

No último mês, a degradação cresceu 279% na Amazônia, segundo o sistema de monitoramento do Imazon. Ao todo, as florestas degradadas totalizaram 2.351 km². Os incêndios florestais são alguns dos exemplos de degradação. Esses incêndios podem ser causados por queimadas controladas em áreas privadas para limpeza de pasto, por exemplo, mas que acabam atingindo a floresta e se alastrando. A extração seletiva de madeira para fins comerciais é outro exemplo de degradação.

O Sistema de Alerta de Desmatamento, desenvolvido pelo Imazon, é uma ferramenta que utiliza imagens de satélite para monitorar a floresta. Além do SAD, existem outras plataformas que vigiam a Amazônia: Deter, do Inpe, e o GLAD, da Universidade de Maryland. Todas essas plataformas são importantes para a proteção do nosso patrimônio ambiental, pois garantem a vigilância da floresta e a emissão de alertas dos locais onde há registro de desmatamento. Os dados fornecidos ajudam a subsidiar os órgãos de controle ambiental a planejar operações de fiscalização e identificar desmatadores ilegais. (Imazon)

Continuar lendo

Destaque 6

INSS bloqueia mais de 20,1 mil contas do seguro defeso

Publicado

em

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) bloqueou 55.503 parcelas de 20.189 contas do Seguro-Desemprego do Pescador Artesanal (Seguro Defeso), após a análise de 261 mil requerimentos do benefício, com auxílio de tecnologia e monitoramento diário.

A medida representa um valor total de R$ 58.000.635,00. O bloqueio está entre os primeiros resultados do grupo de trabalho criado com o objetivo de detectar, corrigir e prevenir irregularidades e fraudes no seguro, apresentados nesta quarta-feira (18/11) durante o Encontro de Integridade e Combate a Fraudes, promovido pelo INSS.

Outra medida já adotada foi a campanha de conscientização na segurança de senhas pessoais. Durante o evento, o grupo de trabalho – composto por integrantes da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia (ME), INSS, Polícia Federal, Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev), Secretaria de Aquicultura e Pesca e Caixa – foi formalmente criado com a assinatura da Portaria Conjunta nº 83/2020. O GT ocupará uma sala de situação, inaugurada na sede do INSS, para atuar na detecção de fraudes.

O INSS também publicou portaria que estabelece uma rotina de apuração da integridade dos dados repassados ao instituto relacionados à concessão de Seguro Defeso. Ao invés de buscar o ressarcimento, a medida visa bloquear pagamentos indevidos antes mesmo que eles sejam efetivados. Essa verificação será feita de modo permanente pelo GT e repassado pela Dataprev e validada pela Diretoria de Governança, Integridade e Gerenciamento de Riscos (Digov) do INSS.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas