Conecte-se agora

Do mais rico ao mais pobre: os bens dos candidatos a prefeito do município de Brasiléia

Publicado

em

Manoel Prete e Leila Galvão triplicaram patrimônio, enquanto Fernanda Hassem teve menor evolução

Com o maior eleitorado da regional do Alto Acre, o município de Brasiléia terá uma disputa de peso nessas eleições, que será marcada por embates entre velhos conhecidos.

A atual prefeita e candidata à reeleição, Fernanda Hassem, do PT, já foi assessora de comunicação da ex-petista Leila Galvão, hoje MDB, quando esta administrou o município.

O empresário Manoel Prete, do PSDB, foi um adversário duro para Fernanda Hassem na última eleição, em 2016, quando obteve 6.013 votos contra 6.819 da petista.

Se os bens patrimoniais declarados à Justiça Eleitoral fossem critério para um bom desempenho nas urnas, Prete estaria com larga vantagem sobre as duas adversárias.

Da declaração que fez em 2016 para a atual, o empresário triplicou o seu patrimônio, que passou de R$ 1.120.703,94 para R$ 3.455.380,03.

Entre os bens declarados, destacam-se áreas de terra rurais e lotes urbanos, além de capital aplicado na própria empresa. Ele declarou um terreno de R$ 500 mil e uma antena parabólica de R$ 1.040,97.

A ex-prefeita e ex-deputada estadual Leila Galvão também triplicou o seu patrimônio desde a declaração de bens que fez à Justiça Eleitoral quando foi eleita para administrar o município, em 2008.

Naquele ano, ela declarou R$ 340.164,76 que evoluíram para R$ 504.110,53 quando foi eleita deputada estadual, em 2014, e para R$ 914.685,22, quando não conseguiu se reeleger, em 2018. Na atual declaração, ela cadastrou R$ 921.788,61 em bens.

Entre os bens declarados por Galvão, estão três propriedades rurais avaliadas em R$ 296 mil, um lote de terra urbano avaliado em R$ 219 mil, além de prédio comercial, casa residencial e veículos.

Já a atual gestora, Fernanda Hassem, tinha R$ 178.500,00 quando foi eleita vereadora, em 2012, evoluiu para R$ 366.595,00, em 2016, quando se elegeu prefeita, e decaiu para R$ 341.925,90 na atual declaração de bens.

O patrimônio declarado por Hassem consta de uma casa com terreno, avaliados em R$ 250.000,00, e um carro Honda FIT – Cor Preta – Ano 2018/2019 financiado, no valor R$ 71 mil, além de investimentos e aplicações bancárias.

Vale lembrar que o valor dos imóveis declarados nem sempre significa o que valem hoje. Normalmente se declara o quanto se pagou pelo imóvel na época da compra – ou no máximo se adiciona ao valor da compra o que foi gasto com obras e reformas.

Evolução patrimonial dos candidatos em Brasiléia

Fernanda Hassem (PT)

2012 – R$178.500,00

2016 – R$ 366.595,00

2020 – R$ 341.925,90

Manoel Prete (PSDB)

2016 – R$ 1.120.703,94

2020 – R$ 3.455.380,03

Leila Galvão (MDB)

2008 – R$ 340.164,76

2014 – R$ 504.110,53

2018 – R$ 914.685,22

2020 – R$ 921.788,61

Anúncios

Destaque 4

Dupla do CV é condenada a 318 anos de prisão por chacina ocorrida em Assis Brasil

Publicado

em

O 2º Tribunal do Júri condenou nesta segunda-feira, 19, Isaquiel Nascimento Teixeira e Antônio Russenildo Lopes da Costa, integrantes do Comando Vermelho, acusados de serem os autores de uma chacina que aconteceu em Assis Brasil (AC).

O crime ocorreu no dia 1 de julho de 2018. De acordo com a denúncia, a dupla do Comando Vermelho invadiu uma casa, localizada na Rua 4, bairro Bela Vista, onde estavam as vítimas, que seriam de uma organização criminosa rival.

Durante o ataque, Lucas Klauman da Silva, Luiz Felipe Gonçalves e os irmãos Francinildo e Renato Moçambite da Silva foram executados a tiros. Na mesma ação, outras quatro pessoas foram baleadas.

A dupla foi condenada por quatro homicídios, quatro tentativas de assassinatos, corrupção de menores e por integrar organização criminosa. Outros dois acusados do crime foram absolvidos em julgamento realizado em Assis Brasil (AC).

Os criminosos foram condenados a 318 anos de prisão pelo envolvimento na chacina. Isaquiel Nascimento recebeu a maior pena: 164 anos 1 mês e 10 dias. Enquanto, Antônio Russenildo Lopes da Silva foi sentenciado a 154 anos e 8 meses.

Continuar lendo

Destaque 4

Mortes Violentas Intencionais crescem no Acre, mas ficam abaixo da média nacional

Publicado

em

O número de mortes violentas intencionais no Brasil cresceu 7,1% no primeiro semestre de 2020, revela a 14ª edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, lançada na manhã desta segunda-feira. Foram registradas 25.712 mortes, o que representa uma pessoa assassinada a cada dez minutos em meio à pandemia de Covid-19, mesmo com as medidas de isolamento social no período. Os dados indicam uma interrupção de uma tendência de queda dos crimes violentos registrada a partir de 2018, com aumento também dos feminicídios, e das vítimas de intervenções policiais e de policiais mortos. O Anuário também compilou as ocorrências registradas ao longo do ano de 2019, que revelam informações sobre o perfil das vítimas da violência letal no país, crimes sexuais e contra as mulheres, crimes contra o patrimônio, apreensões de drogas, registros de novas armas, números do sistema prisional, gastos com segurança pública, entre outros. Além disso, a publicação fez um levantamento inédito sobre a participação de membros das forças de segurança pública nas eleições.

O Anuário Brasileiro de Segurança de Pública é elaborado desde 2007 pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, por meio da compilação de dados sobre o setor obtidos junto às unidades da federação e da União. O principal indicador apresentado na publicação é o de registros das Mortes Violentas Intencionais (MVI), baseado nos números absolutos e na taxa de homicídios, latrocínios, lesões corporais seguidas de morte, feminicídios, homicídios de policiais e mortes por intervenções policiais registrados no Brasil em números absolutos e em taxas a cada 100 mil habitantes.

O aumento de 7,1% das mortes violentas intencionais – 25.712 mortes contra 24.012 do ano passado – foi puxado pelas ocorrências de 21 estados, com destaque para o aumento de 96% no Ceará, muito acima do cenário verificado nas demais Unidades da Federação, e que pode ser reflexo da crise no setor no início de 2020, com a greve da Polícia Militar. Paraíba (19,2%), Maranhão (18,5%), Espírito Santo (18,5%), Sergipe (16,8%), Alagoas (15,1%), Paraná (14,8%), Santa Catarina (14%), Rondônia (13,4%), Tocantins (12,5%), Pernambuco (11,8%), Rio Grande do Norte (11,8%), Bahia (10,1%) e São Paulo (8,2%) também apresentaram crescimento acima da média nacional.

Mato Grosso do Sul (6,2%), Acre (5,1%), Amapá (5,1%), Amazonas (3,8%) e Minas Gerais (2,1%), e Mato Grosso (1,4%) também registraram altas, mas ficaram abaixo da média nacional. Apenas seis estados tiveram redução no período: Pará (-25,1%), Roraima (-23,4%), Rio de Janeiro (-10,9%), Rio Grande do Sul (-7,2%) e o Distrito Federal (-2,1). Goiás também apresentou redução de 17% nos registros, mas o estado não disponibilizou o número de mortes decorrentes de intervenção policial para o 1º semestre de 2020.

Nos casos de violência contra a mulher, os casos de feminicídio subiram 1,9%, com 648 mulheres mortas nos primeiros seis meses do ano, os registros de agressões em função da violência doméstica caíram no período e os chamados ao 190 cresceram. Essa incongruência entre aumento de mortes, queda de registros em delegacias e crescimento dos acionamentos à PM pode ser reflexo da dificuldade de as mulheres comparecerem às delegacias para o registro das ocorrências em meio às medidas rígidas de isolamento social necessárias à contenção da pandemia.

Violência contra a mulher

Nesse caso, há uma piora significativa em todos os crimes de violência contra a mulher, com 1.326 vítimas de feminicídio, um aumento de 7,1% na comparação com 2018. A análise dos registros policiais revela que a grande maioria dessas mulheres foi morta por seus próprios companheiros (89,9%), são negras (66,6%) e jovens (56,2% na faixa entre 20 e 39 anos). Outro dado que chama a atenção é a maneira como essas mulheres foram mortas: 53,6% das vítimas de feminicídio foram vítimas de arma branca, 26,9% de armas de fogo e 19,5% por outros meios (como agressão física e asfixia mecânica). Os registros de agressão doméstica também cresceram 5,2% no mesmo período, num total de 266.310 ocorrências – uma a cada dois minutos no país. Pela primeira vez o Fórum coletou o número de medidas protetivas de urgência solicitadas nas delegacias de Polícia no âmbito da lei Maria da Penha e, mesmo com 2/3 dos estados sem capacidade de informar o número, o total chega a 349.942 solicitações, quase mil por dia.

Continuar lendo

Destaque 4

Ex-prefeito e secretários terão de devolver mais de R$ 350 mil aos cofres públicos

Publicado

em

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) condenou o ex-prefeito de Marechal Thaumaturgo, Aldemir Lopes, e dois ex-secretários a devolverem mais de R$ 350 mil aos cofres públicos em razão da falta de comprovação dos serviços realizados por uma terceirizada contratada pela prefeitura. A decisão foi publicada nesta segunda-feira, 19, no Diário Oficial do TCE.

Cada um dos gestores terão de desembolsar de forma solidária à devolução de R$ 202 mil mais multa de 10% sobre o valor a ser devolvido com fundamento no artigo 88 da Lei Complementar 38/1993.

Além disso, Aldemir da Silva Lopes, prefeito à época de Marechal Thaumaturgo, e João Luciano da Costa, ex-secretário municipal de Saúde e Saneamento, foram condenados a devolver de forma voluntária R$ 40 mil aos cofres públicos.

Em outro trecho, a ex-gestora Maria Rosineide de Lima Bezerra, ex-secretária municipal de Educação, Cultura e Desporto e o ex-prefeito Aldemir Lopes terão que devolver a quantia de R$ 148 mil mais uma multa de 10% em cima do valor com fundamento no artigo 88 da Lei Complementar 39/1993.

Continuar lendo

Destaque 4

TCE quer Alysson Bestene explicando irregularidades em contratos com fornecedores

Publicado

em

A conselheira-substituta do Tribunal de Contas do Estado, Maria de Jesus de Carvalho, instaurou nesta segunda-feira, 19, no Diário Oficial do TCE, quatro processos para inspecionar e acompanhar os contratos celebrados entre a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) e empresas privadas contratadas para o enfrentamento da emergência da Covid-19, sem licitação.

A inspeção trata de apurar e acompanhar dois contratos entre a Sesacre e a empresa Recol Distribuição e outros dois com a empresa Eireli acerca de aquisições de medicamentos para atender as necessidades da rede hospitalar estadual.

Em todos, a Conselheira deu prazo de 15 dias, para o secretário de saúde, Alysson Bestene Lins, apresentar justificativas acerca das irregularidades encontradas no Relatório de Procedimento de Investigação Preliminar. No entanto, a publicação não cita detalhes de que irregularidades foram encontradas.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas