Conecte-se agora

Acre caminha em meio ao caos rumo a 1 milhão de habitantes

Publicado

em

Quase 900 mil habitantes. Parece pouco se tratando de um estado brasileiro (4º maior do mundo em extensão), mas um número bastante expressivo se levada em conta a história de um povo que sofreu algumas batalhas até conseguir a sonhada emancipação, há pouco mais de 58 anos. Os números indicam que o Acre deve ser o próximo estado a ter uma população na ‘casa do milhão’. Nessa semana o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a nova estimativa oficial da atual população local, que está estimada em 894.470 habitantes.

Centro de Rio Branco – Foto: ac24horas.com/Sérgio Vale

Apesar de ainda ser uma das três unidades federativas do país com menos de um milhão de habitantes e com o menor número de cidades, o Acre – que no inverno amazônico ainda respira ares menos poluídos – caminha, mesmo que sem pressa, para ser detentor de uma metrópole. A depender do povo trabalhador que por aqui vive, essa deve se tornar uma realidade num futuro bem próximo. Houve um aumento na população de 802.091 habitantes nos últimos 100 anos, desde que o Acre passou a integrar os dados do IBGE, em 1920.

De lá pra cá, houve muitos fatos históricos e crescimento populacional. A média de aumento no número de habitantes, que é atualizado a cada 10 anos pelo IBGE, tem girado em torno de 100 mil moradores a mais a cada Censo Demográfico. “A gente sonha com um estado de oportunidades, né? Um estado que ofereça boa expectativa de vida. Que nos faça querer ficar aqui e não procurar espaço em outras cidades Brasil a fora”, diz a estudante Ana Carolina Oliveira, de 23 anos, moradora do bairro Estação Experimental, na capital acreana.

Rio Branco continua tendo a maior população no estado. Em 2020, a capital acreana chegou a 413.418 habitantes, o que representa 46,11% de toda a população do Acre. O segundo maior contingente populacional se concentra em Cruzeiro do Sul, atualmente com 89.072, um total de quase 10%. A terceira cidade com mais habitantes é Sena Madureira com 46.511 pessoas. As menores populações estão em Jordão (8.473 pessoas), Assis Brasil (7.534) e Santa Rosa do Purus (6.717).

Desde março de 2020 o estado enfrenta um novo e desconhecido desafio: o enfrentamento de uma pandemia. Mesmo com dificuldades, o Acre tem se destacado frente à União pelo bom emprego dos recursos do governo federal na aplicação de ações de combate e prevenção ao novo coronavírus (Sars-Cov-2). No último mês de julho, o Ministério da Saúde (MS) liberou mais R$ 45 milhões para ajudar no enfrentamento da Covid-19.

Foto: ac24horas.com/Sérgio Vale

Enquanto isso, a economia local tenta sobreviver ao caos instalado pela pandemia. Governo, Federação das Indústrias (FIEAC) e Associação do Comércio têm buscado alternativas para minimizar os impactos da Covid-19 nas atividades comerciais e ainda assim seguir prevenindo a contaminação do vírus. “Queremos evitar o crescimento do desemprego no Acre. Tivemos um encaminhamento positivo para que diversos setores da economia possam voltar a trabalhar, mas, obviamente, respeitando todas as condições e orientações de saúde pública, evitando aglomerações, com total proteção ao trabalhador, entre outras normas.”, disse o presidente da FIEAC, José Adriano, ao anunciar a criação do comitê de acompanhamento da pandemia no estado.

Com o passar dos anos, uma problemática aflige drasticamente o território: queimadas ambientais. A situação se repete ano após ano e a bacia hidrográfica mais importante da região tem sofrido com a seca e a poluição diária. Com 1,47 metros, o Rio Acre se aproxima este ano de atingir a menor marca já registrada no período de estiagem.

Entretanto, com toda problemática digna de uma verdadeira “cidade grande”, moradores dos 22 municípios acreanos ainda criam boas expectativas de viver com qualidade de vida no lugar que nasceram e se criaram. Os acreanos do ‘pé rachado’ são conhecidos por serem bastante politizados. “O estado vive dias de muitas lutas, mas mantemos otimismo que dias melhores virão. O povo do Acre é uma referência em termos de fé, esperança e coragem. Tem sido uma luta difícil, mas unidos venceremos e em breve teremos o estado todo livre do coronavírus”, disse o governador Gladson Cameli ao comemorar os 58 anos emancipação política.

Além do Acre, com 894.470 habitantes, outros dois estados brasileiros também têm menos de 1 milhão de população: Roraima (631.181) e Amapá (861.773). O Brasil o tem precisamente 211.755.692 habitantes.

Diferença homens X mulheres

O Censo do IBGE também analisou a população de homens e mulheres presentes no Acre. A lenda de que o estado possui mais mulher do que homem deve cair por terra, pelo menos por agora. As estatísticas oficiais do país apontam, conforme projeção em 2020, que dos 896.543 habitantes, 448.361 são homens e 448.182 mulheres. Ou seja, a disputa é acirrada e a diferença é mínima. Diante a população geral, o Acre tem 50,01% de homens e 49,99 de mulheres, o que faz com que a diferença entre um gênero e outro seja de apenas 179 pessoas. No entanto, as projeções do IBGE mostram que em 2021 as mulheres voltarão a ter um percentual maior da população.

Anúncios

Destaque 6

WWF incentiva uso de drones contra crimes ambientais no Acre

Publicado

em

A organização WWF está apostando no uso de drones para monitoramento de áreas remotas e desde o ano passado, com o registro de altas taxas de desmatamento e queimadas na Amazônia brasileira, deu início a um projeto de utilização de veículos aéreos não tripulados –popularmente conhecidos como drones- para monitorar territórios e tentar antecipar problemas.

Desde então, foram doados 19 drones para 18 organizações diferentes, espalhadas em seis estados do Norte do Brasil –num investimento que, apenas em equipamentos, soma cerca de R$ 300 mil. Essas organizações recebem ainda capacitações e outras ferramentas que otimizam o uso dos dados gerados pelos drones, como GPS, telefones celulares e notebooks.

Entre as organizações que estão recebendo este apoio estão o Batalhão de Policiamento Ambiental do Acre; a Apitem (Associação do Povo Indígena Tenharim Morõgwitá), no Sul do Amazonas; a Amoprex (Associação dos Moradores e Produtores da Reserva Extrativista Chico Mendes), em Xapuri, no Acre; o Instituto Kabu, no Pará; e as prefeituras das cidades amazonenses de Boca do Acre, Apuí e Humaitá.

Continuar lendo

Destaque 6

Imac já emitiu 4 mil licenças ambientais no governo Cameli

Publicado

em

O governo do Acre publicou nesta sexta-feira, 18, um comunicado afirmando que o Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac) “trabalha dentro legais e de forma não burocrática” e que, em função disso, já expediu cerca de 4 mil licenças ambientais desde 2019 até este mês de setembro.

Esse trabalho, diz o órgão, possibilita a aquisição de linhas de crédito junto às instituições bancárias pelos produtores.

Atualmente, no instituto, não existe nenhum licenciamento atrasado, informou o presidente do Imac, André Hassem. “A demora maior dos licenciamentos é daqueles que não preenchem as formalidades requeridas pela legislação estadual e federal. Quando assumimos, havia processos parados desde 2011, hoje não há mais”, esclareceu.

Continuar lendo

Destaque 6

Acre supera 6 mil focos de queimadas em 2020, mostra o Inpe

Publicado

em

Desde 2016, o Acre não registrava essa quantidade de focos de calor no período de 1º de janeiro a 17 de setembro. Naquele ano, foram 6.588 contra 6.260 em 2020.

Com relação a 2019, há um crescimento de 15% no número de focos detectados pelo satélite de referência AQUA Tarde – 6.260 contra 5.417 focos.

No total de focos por estado, o Acre está em 8º lugar no Brasil, com 4,4% do total acumulado nas 27 unidades da federação. Nas últimas 24 horas, foram 314 registros, 57 apenas em Rio Branco.

Sena Madureira (56), Xapuri (43), Bujari (36), Brasiléia (16) e Porto Acre (14) foram os outros municípios acreanos com mais registros nesta quinta-feira,17 de setembro.

A Amazônia tem a maior quantidade de focos de queimadas desde o ano de 2010. Em 2020, são 68.486 focos registrados contra 60.470 do ano passado, uma diferença de 13%.

A situação mais dramática do fogo hoje no Brasil é a do Pantanal, com 15.835 focos de queimadas, 202% a mais do que em 2019, quando foram registrados 5.233 focos.

Os dados completos estão no Boletim de Monitoramento de Focos de Calor do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – Inpe.

 

Continuar lendo

Destaque 6

Prefeito de Porto Walter tem prestação de contas negada

Publicado

em

O prefeito de Porto Walter, Zezinho Barbary (MDB), que é o atual presidente da Associação dos Municípios do Acre (Amac), teve sua prestação de contas do exercício de 2017 considerada irregular pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), que aponta uma série de erros do gestor.

A Corte de contas encaminhou cópia da prestação ao Ministério Público do Estado do Acre e à Câmara Municipal de Porto Walter para adoção de procedimentos administrativos.

Segundo o TCE, Barbary descumpriu o limite máximo de 54% da receita corrente líquida com despesas de pessoal e não criou o sistema de controle interno da gestão. Segundo o conselheiro Ronald Polanco, a prefeitura deixou de contabilizar R$ 43 mil do valor integral das Obrigações Patronais, além de empenho em valor maior que o contratado, referente ao contrato nº 001/2016, firmado com a empresa Vance Assessoria & Auditoria Contábil Eireli – ME. As informações são do Diário Eletrônico do Tribunal de Contas.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas