Conecte-se agora

Publicada instrução normativa que reconhece Acre zona livre de aftosa sem vacinação

Publicado

em

Apesar da grande publicidade do feito, apenas nesta sexta-feira (14) é que o Governo Federal publicou no Diário Oficial da União a instrução normativa 52, de 11/8/2020, que reconhece como livres de febre aftosa sem vacinação os Estados do Acre, Paraná, Rio Grande do Sul, Rondônia e regiões dos Estados do Amazonas e de Mato Grosso.

O fim da vacinação contra aftosa já era esperada no Acre. A IN é do Ministério da Agricultura.

Em maio de 2005, a Organização Internacional de Epizootias (OIE) declarou o Acre como área livre de aftosa com vacinação. Desde então, o Estado vinha trabalhando arduamente para obter o atual status.

Anúncios

Destaque 3

Nova classificação de risco da Covid-19 no Acre será divulgada nesta sexta-feira (2)

Publicado

em

A nova classificação de risco da Covid-19 no Acre será divulgada às 15 horas desta sexta-feira, dia 2, pelo Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19. Atualmente, o Acre encontra-se na Bandeira Amarela (nível de atenção) na classificação de risco.

Nessa fase, a maioria dos estabelecimentos tem atendimento presencial e operam com 60% de sua capacidade em muitos casos. A apresentação será feita em coletiva de imprensa por teleconferência.

Na última coletiva, os representantes do Comitê alertaram que o avanço dos casos de coronavírus pode complicar a situação do Estado em relação ao funcionamento dos comércios. Foi destaca a necessidade de a população continuar mantendo os cuidados para evitar a proliferação do vírus, como manter o distanciamento entre pessoas, usar máscara e fazer higienização frequente das mãos.

Nesta quinta, dia 1º, o Acre chegou aos 28.409 casos confirmados da doença e 661 óbitos em decorrência de complicações daCovid-19.

Continuar lendo

Destaque 3

Altas médicas para pacientes com Covid-19 ultrapassam 25 mil no Acre, informa Sesacre

Publicado

em

O número de altas médicas a pacientes contaminados com Covid-19 ultrapassaram a marca de 25 mil no Acre essa semana. Nesta quinta-feira, dia 1º, o Estado contabiliza 25.195 pessoas que já receberam altas.

Das 72.428 pessoas avaliadas até o momento, 44.153 exames foram descartados e 28.222 apresentaram resultado positivo para a doença.

Cerca de 53 exames ainda estão em análise. Na distribuição de casos confirmados por município, a cidade que acumula o maior número de casos continua sendo Rio Branco (10.606), seguida de Cruzeiro do Sul (3.494) e Tarauacá (2.361).

Continuar lendo

Destaque 3

Pesquisa aponta crescimento na aprovação do presidente da República Jair Bolsonaro

Publicado

em

Por

A percepção dos brasileiros sobre o governo Bolsonaro se manteve estável. É aprovado por 52%. Outros 42% desaprovam, e 6% não souberam ou não responderam, segundo pesquisa PoderData feita por telefone entre os dias 28 a 30 de setembro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

A rejeição ao trabalho do presidente, no entanto, apresenta tendência de queda. A avaliação ruim ou péssimo variou de 34% para 30% nos últimos 15 dias. Dentre os que mais aprovam 61% têm 25 a 44 anos, estudaram até o ensino fundamental (59%), são moradores do Norte (63% e são desempregados ou sem renda fixa (61%). Já dentre os quem mais desaprova tem 60 anos ou mais (63%), moradores do Sudeste e Sul (48% em ambos), tem ensino superior (61%) e ganham de 2 a 5 salários mínimos (61%).

Continuar lendo

Destaque 3

Desemprego no Brasil bate recorde e taxa chega a 13,8% em 2020, informa o IBGE

Publicado

em

Por

A taxa de desemprego no Brasil foi de 13,8% no trimestre de maio a julho de 2020, a maior da série histórica, iniciada em 2012, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgados nesta quarta-feira, 30, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No mesmo período de 2019 a taxa ficou em 11,8% e no trimestre de fevereiro a abril deste ano, em 12,6%.

A população desocupada chegou a 13,1 milhões de pessoas, aumento de 4,5% (561 mil pessoas) em relação ao mesmo período de 2019.

O total de brasileiros ocupados recuou para 82 milhões, o menor resultado da série, com queda de de 8,1% (menos 7,2 milhões pessoas) em relação ao trimestre anterior, e de 12,3% (menos 11,6 milhões) ante o mesmo período de 2019.

Segundo a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, as quedas no período da pandemia de covid-19 foram determinantes para os recordes negativos deste trimestre encerrado em julho. “Os resultados das últimas cinco divulgações mostram uma retração muito grande na população ocupada. É um acúmulo de perdas que leva a esses patamares negativos”.

Outro indicador que está no menor patamar na série histórica é a força de trabalho (pessoas ocupadas e desocupadas), que chegou a 95,2 milhões de pessoas, com queda de 6,8% (ou 6,9 milhões) frente ao trimestre anterior, e de 10,4% (ou 11 milhões de pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2019.

A taxa de informalidade foi de 37,4% da população ocupada (o equivalente a 30,7 milhões de trabalhadores informais), ante 38,8% no trimestre anterior e 41,3% no mesmo período de 2019.

Fonte: UOL

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas