Conecte-se agora

No Acre, queimadas urbanas crescem mais que rurais

Publicado

em

É possível que este ano esteja ocorrendo uma mudança de comportamento quanto às queimadas no Acre, já que há a percepção do aumento das queimadas urbanas em comparação ao que acontece no meio rural.

Em 2020, a constatação do Corpo de Bombeiros é que até este momento do verão há maior incidência de queimadas urbanas que rurais, guardadas as proporções.

Sexta-feira, sábado e domingo são os dias da semana em que mais se registram queimadas urbanas no Acre, especialmente em Rio Branco.

E o momento atual é muito delicado: as queimadas urbanas que incomodam, poluem e destroem matas e vidas. Além de intoxicar quem provoca as chamas, causam inúmeros problemas à vizinhança.

Para crianças, idosos e pessoas com problemas respiratórios a gravidade é multiplicada principalmente em tempos de pandemia. Esse costume ancestral não se limita somente à queima de folhas nas calçadas e quintais.

Anúncios

Destaque 6

Condutor de BMW que matou jovem durante racha é filho de advogado e da presidente do SinproAcre

Publicado

em

A trágica morte de uma mulher de 30 anos ocorrida na manhã desta quinta-feira, 6, em Rio Branco, envolveu a prática de uma corrida ilegal entre automóveis conhecida como “racha”, que coloca em risco a vida, tanto dos participantes, quanto de pessoas inocentes, como Jonhliane Paiva de Souza. O ac24horas apurou que o condutor da BMW que atingiu a vítima é Icaro Pinto, de 33 anos. Icaro é filho do advogado aposentado José Teixeira Pinto e da professora Alcilene Gurgel, presidente do Sindicato dos Professores da Rede Pública de Ensino do Estado do Acre (SinproAcre).

O veículo de luxo usado no racha que acabou vitimando a funcionária do Arasuper, uma BMW, está no nome do pai do motorista envolvido no acidente. A reportagem entrou em contato com Alcilene, mãe de Icaro, mas a mesma preferiu não comentar o assunto e pediu que retornasse a ligação no período da tarde. Uma pessoa próxima a ela disse ao ac24horas que a presidente do SinproAcre se encontra em estado de choque.

“Neste momento é muito difícil. Nenhuma mãe permite ou quer que os filhos cometam estes atos. É impactante para uma mãe saber que o filho tirou uma vida dessa forma”, disse a fonte. Icaro pode responder por homicídio doloso, quando há intenção de matar.

Imagens de câmera de segurança de um estabelecimento localizado na Avenida Antônio da Rocha Viana mostra o exato momento em que Icaro e outros motoristas passam em alta velocidade durante o racha.

Entenda

A vítima estava se dirigindo ao trabalho, o supermercado Arasuper do 2° Distrito de Rio Branco, situado no bairro Seis de Agosto, quando morreu após ser atropelada e arrastada pela BMW que fazia racha com outro veículo no momento da fatalidade. Os dois homens que faziam o racha em dois veículos na Avenida Antônio da Rocha Viana, no bairro Santa Quitéria, fugiram do local sem prestar socorro à mulher. O carro BMW foi encontrado abandonado atrás de uma academia de ginástica situada na região.

De acordo com informações repassadas pela polícia, Jonhliane estava trafegando na sua motocicleta modelo Honda Biz, cor vermelha, no sentido bairro-centro da avenida quando o condutor de uma BMW a atingiu.  A BMW que fazia o racha a arrastou por muitos metros junto com a motocicleta.

Veja o vídeo do racha:

 

Continuar lendo

Destaque 6

Geoglifos do Acre estão sendo aterrados para plantio de soja

Publicado

em

O paleontólogo Alceu Ranzi denunciou nesta quarta-feira, 5, a destruição de geoglifos no Acre. Segundo ele, imagens de satélites constataram “valas de três estruturas milenares de geoglifos do sítio arqueológico da Fazenda Crixá II, no município de Capixaba (AC), que teriam sido aterradas por tratores para o plantio de soja. O caso veio a tona após o jornalista Altino Machado compartilhar a denuncia em suas redes sociais.

Alceu Ranzi classificou a ação como “crime imperdoável” e cobrou do Iphan e MPF adoção de providências cabíveis. “O patrimônio do Acre deve ser protegido, respeitado e valorizado, pois “é necessário que cada acreano veja e reveja o solo sagrado onde pisa” e tenha “um sentimento de responsabilidade sobre essa riqueza tatuada na pele de nossa terra”.

Alceu Ranzi é paleontólogo e o maior entusiasta de pesquisas, divulgação e preservação dos geoglifos da Amazônia. Ele cita o exemplo da Fazenda Crixá que teria aplainado parte dos geoglifos catalogados como patrimônio histórico.

“A partir de Agosto de 2011, o geoglifo Fazenda Crixá aparece no dispositivo Google Earth e seguem imagens históricas de Agosto 2013… A próxima imagem em setembro de 2019, mostra o complexo geoglifo Fazenda Crixá totalmente aterrado ou aplainado. A razão da destruição desse monumento pré-histórico precisa ser averiguada e o autor identificado e responsabilizado”.

“As terras na região, originalmente ricas em seringueiras e castanheiras, após a derrubada e queima foram utilizadas para pecuária, depois para o plantio de cana de açúcar e agora chegou o tempo da cultura da soja. Os bois poderiam continuar pastando e uma tonelada de cana ou soja, por safra, não justifica a destruição do geoglifo Fazenda Crixá ou de qualquer outro monumento pré-histórico acreano”, avaliou.

O paleontólogo lembra que em abril de 2001, através da Lei de Incentivo à Cultura e ao Desporto da Fundação Elias Mansour do Governo do Estado do Acre, foi aprovado o Projeto “Geoglifos – Patrimônio Cultural do Acre”. À época centenas de registros foram catalogados como “monumentos pré-históricos” do Acre.

“Um desafio a ser trabalhado pelo Poder Público será a gerência desse acervo patrimonial. Vários aspectos precisam ser avaliados e levados em conta, a exemplo do uso da terra onde ocorrem os geoglifos, para que os mesmos não sejam vistos como um impedimento ao desenvolvimento de atividades agrícolas e pecuárias, mas sim como oportunidade de geração de emprego e renda”.

Com informações de Altino Machado

Continuar lendo

Destaque 6

Baixo índice de internações por Covid-19 assegurou avanço do Acre para a Bandeira Amarela

Publicado

em

Dentre os sete indicadores analisados para determinar a situação da pandemia da Covid-19 no Acre, o índice de ocupação em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e clínicos são um dos mais importantes. E foi justamente este que permitiu maior confiabilidade para que o Acre avançasse para a Bandeira Amarela (atenção) em relação à contaminação local.

A apresentação da nova classificação de risco, realizada nessa quarta-feira, 5, mostrou que o Estado se encontra numa situação confortável no que diz respeito ao índice de pacientes internados com coronavírus. Conforme o boletim epidemiológico mais recente, as taxas de ocupação em UTI de Covid-19 estão em 44% em todo o Acre. Já as taxas de ocupação de leitos clínicos estão em 42%.

De acordo com o Grupo de Apoio ao Pacto Acre sem Covid, o Acre está numa posição de folga em relação ao atual cenário do sistema de saúde pública, ao atingir uma taxa de internação inferior a 50%. A secretaria de Estado de Saúde (Seacre) também salienta o fato de ter zerado a fila de exames, após chegar a mais de mil amostras em espera de resultado em momento crítico da Bandeira Laranja (alerta).

O governo do Acre comemora a melhora na estrutura assistencial da saúde com a implementação de 90 leitos de UTI e 352 leitos clínicos destinados aos pacientes infectados por Covid-19. Apesar de focar na retomada gradual da economia em meio à pandemia do vírus, Gladson Cameli observou que a população deve se manter atenta aos cuidados de higiene e distanciamento para evitar que o vírus continue com força. “Muitos dos cuidados precisam ser mantidos, como o distanciamento social, uso de máscaras, a limpeza das mãos e a desinfecção de roupas, objetos e alimentos”.

Além da taxa de internação em UTI e leitos clínicos, também são mensurados: isolamento social; notificações por síndrome gripal; novas internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave; novos casos por síndrome gripal Covid-19 e novos óbitos por Covid-19

Continuar lendo

Destaque 6

MP dá parecer favorável a prisão domiciliar da esposa de Fonseca

Publicado

em

O Ministério Público do Acre deu parecer favorável para que Delba Nunes Bucar, dona da Bucar Engenharia e esposa do ex-diretor do Depasa, Tião Fonseca, cumpra a prisão temporária, expedida pela 4 Vara Criminal, em domicílio.

A empresária está em Brasília se tratando de um câncer e por isso não foi presa junto com o seu marido, Tião Fonseca.

Devido as circunstâncias em que ela se encontra, o MP decidiu atender a demanda da defesa do casal e conceder o benefício do cumprimento da medida cautelar em casa.

O posicionamento do MP agora está concluso para despacho do juiz Cloves Augusto, responsável por autorizar a prisão do casal, que é investigado por supostamente desviar recursos públicos.

Nesta quarta-feira, 5, o desembargador Pedro Ranzi, do Tribunal de Justiça do Acre, negou o pedido de revogação de prisão temporária do ex-diretor do Depasa, Tião Fonseca. Os advogados prometeram recorrer no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas