Conecte-se agora

Médico boliviano denuncia abandono da saúde em Pando e pede ajuda ao governo do Acre

Publicado

em

O médico ortopedista boliviano Orlando H. Ramos Cardozo divulgou um vídeo por meio do Facebook no qual expõe a situação de abandono da saúde pública no departamento de Pando pelo governo nacional e pede a ajuda do governo acreano.

De acordo com o profissional, faltam de medicamentos e equipamentos em Cobija, destacando que pessoas estão morrendo por falta de uma situação mínima de manejo de baixa e alta complexidades.

“A UTI está colapsada, não tem medicação para sedação, pessoas que comandem essas situações complexas, e o governo largou de mão de nosso estado definitivamente”, diz ele em um trecho do vídeo.

Orlando diz que está apelando de alguma forma por ajuda, pedindo que o governador Gladson Cameli estenda a mão para o povo de Pando, pois estão sem medicamentos para sedação e tubos endotraqueais, além de outros itens considerados básicos para atender à população.

De acordo com o jornal O Alto Acre, de Brasiléia, o médico confirmou por WhatsApp as denúncias feita no vídeo e pediu que de alguma forma a mensagem de apelo chegue às autoridades do Acre, para que possam ajudar de alguma maneira.

“Sabemos que o senhor (Cameli) já tem seus problemas, mas se tiver uma opção mínima que for, faça chegar alguma ajuda”, suplica o médico boliviano.

A Bolívia registrou um dos maiores números de infecções nos últimos dias. De acordo com o rastreador Bing Covid, da Microsoft, o país tem 56.102 casos de coronavírus, com 2.049 mortes – 65 nas últimas 24 horas. No departamento de Pando são 1.045 casos positivos, com 83 mortes – 12 novos casos e 4 óbitos registrados nas últimas 24 horas.

 

Anúncios

Destaque 3

Acre é o quarto estado do país que mais aplicou recursos em saúde durante a pandemia

Publicado

em

Um levantamento do G1 nacional mostra que o Acre está entre os estados brasileiros que mais investiu recursos em saúde durante a pandemia da Covid-19.

De acordo com os números do levantamento, 18 dos 27 estados do país, aplicaram mais do que o mínimo de 12% em saúde estipulado pela lei. O Acre é destaque com a quarta posição em investimentos. O estado aplicou durante a pandemia 15,58% considerando os recursos provenientes da Receita Corrente Líquida (RCL). O Acre ficou atrás apenas dos estados do Tocantins com 17,86%, seguido por Pernambuco (17,2%) e Pará (16,47%).

A RCL é o somatório das receitas tributárias, de contribuições, patrimoniais, industriais, agropecuárias, de serviços, transferências correntes, deduzidos, principalmente, os valores transferidos.

Minas Gerais é o estado que menos investiu em saúde neste ano, considerando os recursos provenientes da Receita Corrente Líquida (RCL). No primeiro semestre, quando se preparava para o pico da Covid-19, o governo aplicou R$ 1,9 bilhão, o que corresponde a 7,76% da RCL.

Continuar lendo

Destaque 3

Upa do Segundo Distrito volta com atendimentos ambulatoriais nesta segunda-feira

Publicado

em

A partir desta segunda-feira, dia 10, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) localizada no Segundo Distrito de Rio Branco retorna com os atendimentos ambulatoriais que fazia antes da pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2). A unidade passou o final de semana fechada para passar por desinfecção, uma vez que era referencia no atendimento de pacientes com confirmação ou suspeita de Covid-19.

Desde o início da semana passada, a secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) começou transferir os pacientes da UPA para a nova unidade referência durante a pandemia, o Instituto de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into) e também ao pronto-socorro.

A UPA do Segundo Distrito havia parado de atender regularmente em março, mas, após o Acre alcançar a bandeira amarela da pandemia, a Sesacre viu a necessidade de retomar com esses atendimentos, uma vez que a população estava desassistida.

Produtos químicos foram usados também nas paredes e no estacionamento da UPA. Desde as 7 horas desta segunda, o atendimento normal volta com serviço 24 horas em Rio Branco.

Continuar lendo

Destaque 3

Mega-Sena acumula e vai a R$ 11 milhões no próximo sorteio; veja números

Publicado

em

O prêmio de R$ 6,5 milhões do concurso 2287 da Mega-Sena acumulou.

Em sorteio realizado em São Paulo, ninguém acertou as seis dezenas (02—04-06-29-41-56) sorteadas pela Caixa. Por conta disso, o próximo sorteio terá uma premiação máxima de R$ 11 milhões.

45 apostas acertaram a quina, ganhando R$ 45.775,06 cada.

Também houve 3.261 bilhetes que acertaram a quadra. Eles embolsarão R$ 902,38.

Quando será o próximo sorteio da Mega-Sena?

O concurso 2288 está marcado para a próxima terça-feira (11). O evento começará a partir das 20h (horário de Brasília) e terá transmissão ao vivo pela internet, no canal oficial da Caixa no YouTube, e com possibilidade de exibição simultânea pela RedeTV! (o calendário oficial de loterias não informa mais com antecedência qual sorteio será exibido em TV aberta, sendo sempre um por dia).

Como faço para participar do próximo sorteio da Mega-Sena?

Você precisa fazer uma aposta de seis a 15 números nas lotéricas credenciais pela Caixa, ou no site especial de loterias do banco. Participam do próximo concurso todas as apostas registradas até 19h da terça-feira.

Quanto custa apostar na Mega-Sena?

Depende de quantos números você pretende colocar no jogo. A aposta mínima agora custa R$ 4,50, e você tem direito de escolher seis dezenas de 1 a 60. Se quiser colocar um número a mais para aumentar as chances de acerto, o preço do jogo sobe para R$ 31,50. No cenário mais caro, com 15 números no volante, a aposta chega a custar R$ 22.522,50.

Continuar lendo

Destaque 3

Mortes por Covid-19 cai 4% e consolida tendência de redução no Acre na fase amarela

Publicado

em

Vários Estados, entre eles o Acre, apresentaram desaceleração na média móvel de mortes por Covid-19 nesta sexta-feira (7). Conforme dados levantados pelo consórcio de imprensa, apenas cinco estados registraram movimento oposto, com escalada na variação dos últimos 14 dias. Os dados são do UOL.

Na média móvel das duas últimas, o número de mortes caiu 4% no Acre, taxa que recoloca o Estado na zona de queda ou estabilização da doença.

Depois de subir muito no fim de julho, a média móvel começou a cair no começo de agosto. A tendência se confirma mesmo que o Estado tenha avançado para a fase amarela do risco de Covid-19.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.