Conecte-se agora

Até aqui, sob fogo cerrado, Bolsonaro segue firme

Publicado

em

Nos últimos dias, algumas declarações e matérias jornalísticas, incluindo editoriais, mantiveram alta a temperatura no cenário político, dando corda a movimentos que até parecem caóticos, mas não são, aliás, nessa área nada é por acaso, tudo faz sentido.

Em primeiro, menciono o artigo (07/07) em que o colunista da “Folha de São Paulo”, Hélio Schwartsman, disse torcer para que o presidente Jair Bolsonaro morra. O autor justifica o desejo macabro recorrendo a uma ética consequencialista, segundo a qual, as consequências de sua morte – de Bolsonaro, seriam mais vantajosas do que a sua permanência vivo. É a mesma ética que para muitos justifica o aborto, ou seja, a morte do feto traria menos problemas do que a sua sobrevivência. Ao cabo, é o relativismo moral que preside o esquerdismo militante, que esconde, permite, perdoa ou até comemora, por exemplo, a roubalheira geral e as dezenas de milhões de assassinatos em seus regimes ao redor do mundo. A história é testemunha.

Em segundo, registro o pedido de perdão ao PT, feito pelo experiente e prestigiado jornalista de “O Globo”, Ascânio Seleme, em artigo indecente do dia 12/07. Sugere o editorial que a sociedade teria que perdoá-lo pelo “erros cometidos” tendo em vista que o agrupamento petista, por ele estimado em 30% da população brasileira (sic), fiéis ao partido, não pode ser alijado da política. O troço é tão mal resolvido que o jornalista evita as palavras roubo e corrupção. 

Em terceiro, ainda em curso, destaco o inquérito malsão promovido pelo STF, via Toffoli e Alexandre de Moraes, que visa intimidar e perseguir apoiadores do governo, ainda que para isto sucumba a liberdade de expressão. Da sanha autoritária não escaparam sequer jornalistas e parlamentares, cujo mister é a palavra e a expressão da opinião. Mandados de busca e apreensão foram distribuídos à baciadas, jamais alvejando os esquerdistas opositores ao governo, embora constituam estes a maior e mais profunda ameaça à democracia. Querem saber, perguntem ali na Venezuela.

Em quarto, mais recente, vem a estupidez suprema, digo, do ministro, que produziu um verdadeiro ataque ao Exército e ao Governo Federal. O ministro do STF, Gilmar Mendes, aquele que fala mais fora do que nos autos e dedica-se com mais zelo a enriquecer seu Instituto e tirar folgas em Portugal do que em guardar a Constituição Federal, acusou o presidente Bolsonaro de genocida e o Exército de associar-se a este crime (genocídio). 

O Ministério da Defesa acionou a PGR, entendendo que o Gilmar Mendes violou a legislação militar e pratica delito claramente tipificado no artigo 23 da Lei de Segurança Nacional – LSN, que prevê como crime a prática de incitar “a animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições civis”. Além disso, vislumbra-se crimes de calúnia e difamação. Apesar de tímida e legalista, a reação das FFAA emite sinais relevantes. Me pergunto em que outro país, um membro da Suprema Corte se daria a tal expediente sem ser imediatamente enquadrado e defenestrado. O Senado, ao qual caberia o contraponto via processo de impeachment do referido, faz cara de paisagem, lembrando que parte dos senadores possuem tem contas a acertar na Corte.

Sob toda essa espuma virulenta, Marcelo ODEBRECHT, o príncipe das propinas, delata certas contribuições feitas ao atual ministro do STF Dias Toffoli. A notícia, gravíssima, foi ignorada pela grande mídia e virou comentários de mídias sociais. A turma de cima tem a “boa vontade” dos editores.

Quem acompanha a movimentação política se pergunta por que no Brasil esses fatos, embora graves, acontecem assim, sob olhar complacente de nossa gente. É espantoso, mas, creiam, há uma lógica nisso tudo. O alvo é o governo Bolsonaro, sua pauta conservadora e sua gestão liberal da economia. 

Sucintamente, se poderia dizer que o Congresso Nacional atua para emparedar e desacreditar o governo, a mídia para potencializar seus erros, esconder seus acertos, proteger e promover a oposição e o STF para criminalizá-lo (o governo). A intenção é chegar ao impeachment, se não der, o governo segue enfraquecido e desgastado continuamente. Na torcida, se acotovelam o petismo restaurado(?), Luciano Huck, Sérgio Moro, Mandetta e Ciro, já que Dória foi pro brejo com tucano e tudo.  

O passo pós pandemia está sendo preparado. Apesar das medidas relativas ao vírus serem de competência de estados e municípios conforme decisão do próprio STF, é sobre o Governo Federal que recairá, segundo a mídia, a responsabilidade pelas mortes. Somando-se a isto, também está na chapa a culpa pelo desemprego e óbvia lentidão na retomada da economia. Os governadores e prefeitos fizeram as burradas, alguns se locupletaram, mas das três fontes (Mídia, CN e STF), se ouvirá que Bolsonaro falhou no combate ao vírus e na gestão da economia. Aguardem.

Ocorre que não combinaram com os “russos”. Apesar do ataque mais feroz, múltiplo, amplo e permanente que já se viu no mundo contra um presidente da república, todas as pesquisas reconhecem que pelo menos 30% a 40% da população são fiéis ao Bolsonaro. Tais números, aliás, explicam por que os pedidos de impeachment seguidamente apresentados pela esquerda e seus sequazes não são pautados pelo presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, que responde pela alcunha “botafogo” nas planilhas da propinagem da ODEBRECHT. Vontade não lhe falta, é que não há impeachment sem povo e, normalmente, não há povo se não existe uma motivação clara e inconteste.

Por outro lado, parece que o bicho econômico não será assim tão violento quanto desejaria a esquerda. Paulo Guedes mostra a que veio. O agronegócio deu demonstração de grande vigor e apresentou crescimento! O índice BOVESPA passa dos 100 mil pontos, a atividade econômica já mostra recuperação, a taxa de juros é a mais baixa da história, a inflação é baixa e sob controle, privatizações e reformas estão na agenda… enfim, para inviabilizar o governo a oposição terá que fazer muito mais contra o Brasil do que fez até agora. 

Pelo andar da carruagem, desconfio que a contragosto da “Folha de São Paulo” e de outros da espécie, Bolsonaro continuará vivo e no cargo que conquistou pelo voto. Quanto ao perdão proposto pelo “Raskolnikov” de “O Globo”, penso que o pedido não pode ser terceirizado, a contrição terá que ser pública, autêntica e veemente até que, cumprida a penitência, o povo diga “vá e não peque mais”.


Valterlucio Bessa Campelo escreve às sextas-feiras no ac24horas

Anúncios

Cotidiano

Gerente, açougueiro e vendedor: veja as 21 vagas do SINE desta quarta-feira

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

Prefeitura de Rio Branco realiza atividade do Dia Mundial de Luta contra HIV

Publicado

em

Continuar lendo

Acre 01

Após decisão liminar, TCE marca posse de Ribamar Trindade para quinta-feira (3)

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

Justiça do Acre negou oito pedidos de revalidação de diploma de medicina

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas