Conecte-se agora

Zamora: “a velha política ganhou  mais uma batalha”

Publicado

em

O ex-candidato a prefeito de Rio Branco, Fernando Zamora, (foto), deixou ontem o PSL, após o partido ter sido ocupado pelo grupo do vice-governador Major Rocha, e que cuja primeira exigência foi a de vetar a sua candidatura à PMRB. Em nota, Zamora diz que, quem muito criticou o PT, não se mostra diferente em nem um centímetro no afã de manter-se e aumentar o poder. Justifica a sua saída do partido, com críticas ao candidato do PSDB, Minoru Kinpara. O new tucano, segundo ele, não se enquadra no princípio do liberalismo, porque sua origem é petista, tendo sido presidente do Partido dos Trabalhadores e candidato pela REDE SUSTENTABILIDADE. “Não compactuamos com sua ideologia, princípios e projetos”, destaca Zamora. Opinou que seria mais legítimo Minoru permanecer em partidos com viés, cuja compactuação ideológica de esquerda, não conseguiu negar nas entrevistas, quando disse que saiu do PT em razão de corrupção e não por causa de princípios, da ideologia e do projeto, comentou. Zamora se diz vítima de um ardil político de quem tem como projeto unicamente o poder. Sobre o seu futuro político e quem, ele apoiará, Fernando Zamora não se pronunciou

NÃO PODE RECLAMAR

O governador Gladson não pode se queixar e nem culpar o MDB por ter feito uma aliança com o PSDB em Cruzeiro do Sul, para disputar a prefeitura do município. Com a mais absoluta certeza os dirigentes locais do MDB não colocaram nenhuma faca no pescoço dos tucanos.

NÃO ESTÃO ERRADOS

Com o PROGRESSISTAS indefinido até hoje, o MDB e o PSDB não erraram em se juntarem.

MUDANÇA RADICAL

Favor não considerar o atual quadro político de alianças na capital como fechado, ainda deve acontecer coisas do arco da velha. Até as convenções de setembro a chapa vai esquentar. É bom não marcarem comemoração de vitória antes da hora, para não chorar a desilusão.

POLÍTICO TEM QUE TER PALAVRA

Surpreso, mas nem tanto, com a nota vinda do deputado federal Manuel Marcos (REPUBLICANOS), porque de político se espera tudo, negando o que disse ao BLOG. Na política, rapaz, a palavra é o passaporte da credibilidade. Sem esse passaporte, o político nunca será levado a sério. Nem tenho relações com este moço, e foi ele quem me ligou a pedido do deputado Roberto Duarte (MDB), para dizer que os REPUBLICANOS e o MDB tinham fechado uma aliança à PMRB. E que a decisão passou pela direção nacional. Se por algum motivo o parlamentar resolveu recuar, por pressão, é outra conversa. O que me disser daqui em diante sobre política vai entrar por um ouvido e sair por outro. A vida segue, com as suas curvas.

NÃO O COLOQUE FORA DE TEMPO

É um erro ficar dando o deputado Roberto Duarte (MDB) como fora do jogo político na disputa da PMRB. O MDB é um partido estruturado, o Roberto foi o mais votado na capital, a sua atuação parlamentar não decepciona, pelo contrário, é atuante, e é ativo durante a campanha.

QUE DEUS O RESTAURE

Minhas orações estão centradas na recuperação não do chefe do gabinete civil, mas do amigo, Ribamar Trindade, acometido pela Covid-19. Que Deus o restaure com a sua cura. Oremos!

TERÁ DIFICULDADES

O articulador político do governo, Moisés Diniz, terá dificuldade em convencer as lideranças dos PROGRESSISTAS a deixar o Tião Bocalom (PROGRESSISTAS) de lado e apoiar a candidatura da prefeita Socorro Neri a mais um mandato. Há uma sedimentação da candidatura própria.

BRIGA DE TUBARÃO 

Esta questão se o Gladson vai manter o apoio à candidatura da prefeita Socorro Neri ou se irá com o candidato do seu partido, é uma briga de tubarão político, onde a sardinha não entra. Viu, meu bom Moisés!

SEIS POR MEIA DÚZIA?

Andei lendo comentários sobre o seu profissionalismo, da minha parte, nada a comentar por enquanto sobre a atuação da jornalista Ana Cristina á frente da comunicação da PMRB. Até porque chegou agora. A conferir se a sua contratação não foi a troca de seis por meia dúzia.

MULHER NA DISPUTA

Mais uma mulher entra na disputa de uma prefeitura. A servidora pública Odaiza Gomes (PROS) será candidata à prefeita de Santa Rosa. Nesta eleição, bateu o recorde mulheres candidatas.

MUITO DISPUTADO

O grupo da deputada federal Antônia Lúcia (PR) está sendo muito disputado para compor alianças na disputa da prefeitura de Rio Branco. Só conversa, por enquanto, nada fechado.

NADA DO QUE NÃO FOI PEDIDO

Não tem “prato feito”. O senador Sérgio Petecão (PSD) diz que está fazendo apenas o que foi pedido pelo governador Gladson Cameli, de articular uma aliança com o PROGRESSISTAS, e da aliança tirar um candidato para ter o seu apoio. “Não faço nada além”, justifica Petecão.

NÃO CRÊ EM RECUO

O senador Sérgio Petecão (PSD) disse ao BLOG que não crê num recuo dos PROGRESSISTAS, e não vê outro cenário que não seja o do Gladson Cameli apoiando um candidato do seu partido.

TUTELA POLÍTICA

Depois da sua crítica á forma como o governo vem conduzindo a pandemia, não tinha mais como o Coronel Ulysses Araújo permanecer no Comando da PM. A sua exoneração mostrou estar sob a tutela do grupo do Rocha, de quem ganhou de mimo a presidência do PSL.

JOGO BRUTO

O que pesa em Brasília para os partidos é ter deputado federal ou senador. Como o Major Rocha acenou com a entrada da deputada federal Mara Rocha (PSDB) no PSL, quando abrir a nova janela partidária, e o Pedro Valério não tinha nada a oferecer, perdeu o Valério.

 FRAGILIDADE

Este episódio do PSL serviu para mostrar que os partidos no Brasil são balcões de negócios.

ÚNICO NOME

Na eleição para a prefeitura de Cruzeiro do Sul o único nome certo para a disputa é o do Fagner Sales (MDB). Ele vem ancorado na força política da família, que tem o pai e ex-prefeito Vagner Sales; a mãe deputada Antônia Sales, e a irmã, deputada federal Jéssica Sales (MDB).

NEM PISTA

Sobre quem será o candidato do grupo do governador Gladson Cameli, nem pista, continua um puxa e encolhe sem se ter um nome definido. Não se sabe nem como ficará o prefeito Ilderlei Cordeiro, se será julgado antes da eleição, se será mantida a sua cassação, ou se será absolvido.

NÃO PODE CULPAR NINGUÉM

O que está faltando ao governador Gladson Cameli é ser duro no enfrentamento político, como vem sendo duro no enfrentamento da pandemia da Covid-19. O seu problema é que anuncia uma medida, em seguida volta atrás. Disse ontem num rompante que não aceitaria palpite na indicação do novo comandante da PM, em seguida diz que não disse o que disse, e acusa a imprensa de querer lhe jogar contra o vice. Fico observando e lamentando ser refém.

TUDO PARA LIDERAR

O Gladson tinha tudo para hoje estar liderando o seu grupo político sem ter de ceder às pressões de aliados. Errou ao lotear o governo e entregar secretarias de porteira fechada a partidos. Muitos desses secretários não estão ai para ele, batem continência para quem os indicou. A sua situação me lembra o episódio do imperador romano Júlio César, golpeado pelas costas por quem mais confiava. Gladson, na política você não vale pelo bem que pode fazer, mas pelo mal que pode causar. Ainda é tempo de dizer que, quem manda é o governador. Ou muda essa estratégia, ou terminará o governo completamente isolado.

NÃO SE DEIXA PELO CAMINHO

Basta você dar uma olhada para uma foto do palanque que elegeu o Gladson Cameli governador que vai ver que hoje, muitos desses foram deixados pelo caminho, e substituídos por figuras que estiveram de corpo e alma na campanha do petista Marcus Alexandre. Isso tem um preço a pagar. Não se quebra pontes sobre as quais você terá um dia que voltar a passar.

FRASE MARCANTE

“Os políticos não conhecem nem o ódio, nem o amor. São conduzidos pelo interesse e não pelo sentimento”. Philip Chesterfield. Repito a frase por ser sempre atual.

Anúncios

Blog do Crica

A roleta vai girar, faça seu jogo, aposte no seu candidato 

Publicado

em

A eleição para prefeito de Rio Branco será diferente porque vai acontecer em meio a uma pandemia, com suas restrições de aglomerações, e sob a égide das redes sociais. Mas também por outro aspecto: o maior número de candidatos disputando o comando da prefeitura, onze no total. Nomes qualificados. E nenhum que tenha a imagem de um cômico, daqueles que entram apenas para fazer graça. Vamos aos candidatos: Jarbas Soster (AVANTE), Socorro Neri (PSB), Tião Bocalom (PROGRESSISTAS), Roberto Duarte (MDB), Minoru Kinpara (PSDB), Pedro Longo (PV), Jefferson Barroso (PDT), Leandro Costa (CIDADANIA), Jebert Nascimento (REPUBLICANOS), Jamil Asfury (PSC) e Daniel Zen (PT). Um fator que motivou os pequenos partidos a terem candidaturas majoritárias próprias é devido o fim das chamadas coligações proporcionais, forçando a se ter chapa própria de candidatos a vereador, para atingir o teto da Cláusula de Barreira, sob pena de não atingindo, perderem o tempo de televisão e o Fundo Partidário. E, quase impositivo terem candidato a prefeito para dar palanque. Durante a campanha vai acontecendo a depuração natural pelo eleitor, deixando de lado os que não apresentarem um plano de trabalho exequível, e não conseguirem conquistar a confiança e a empatia do eleitorado. A roleta da eleição começou a girar, façam seus jogos senhores!

TANTO FAZ COMO TANTO FEZ

Pouco importa se o prefeito Ilderlei Cordeiro será absolvido ou terá a confirmação da cassação do seu mandato mantida pela justiça eleitoral. O que se questiona é a demora de quatro anos para se julgar um recurso, o que reforça a imagem de morosidade do judiciário em suas ações.

ACABE DE UMA VEZ POR TODA

Que nesta quarta-feira não apareça mais um estranho defeito no cabo ótico da OI.

REGISTRO COM SATISFAÇÃO

Sempre sou pela tese de não se votar em pessoas despreparadas para o parlamento. Por isso, abro sempre espaço para registrar bons candidatos. Nomes de qualidade que disputam a eleição de vereador na capital: professor Marcos Luís (MDB), Oséias Silva (MDB), Evandro Cordeiro (PROGRESSISTAS), Zé Buchim (PSD), Gabriela Câmara (PR), Rila Freze (PSL) e Rodrigo Forneck (PT).

CHAPAS COMPETITIVAS

Troquei ontem idéias com um velho amigo que conhece bem de campanha política, sobre a eleição para a Câmara Municipal de Rio Branco. E chegou-se na mesma conclusão: as chapas do PDT e do PSB estão entre as mais fortes desta disputa municipal. Muito bem montadas.

O DESAFIO DO VELHO CACIQUE

O velho cacique, o ex-prefeito Francimar Fernandes (MDB), se elegia dando lambuja aos adversários. Foi um gestor bem avaliado na população. Nesta eleição enfrenta o desafio de conquistar o eleitorado mais jovem, que não conhece sua gestão como prefeito de Feijó.

BOM LEMBRAR

É bom sempre lembrar que a deputada federal Mara Rocha (PSDB) não deixou a presidência do PSDB, apenas afastou-se, e caso queira poderá voltar a qualquer momento ao comando tucano. Uma entrada do Gladson Cameli no PSDB passa por uma afinação política com ela.

NÃO TIRO DE TEMPO

Estamos distantes de 2022. Mas acho que a possibilidade do governador Gladson Cameli ser candidato ao Senado não é algo que possa ser descartado. Fala muito em reeleição. E até está certo para não desestimular a equipe, mas ser senador novamente não está fora do seu radar.

NÃO QUEBRAR PONTES

Gladson Cameli tem de ter a habilidade de não quebrar pontes com os aliados na campanha.

TENDE SER VIRULENTA

Esta campanha tende a ser virulenta, candidato algum a prefeito controla a sua militância.

DIREITO NATURAL

Não entro no mérito político da candidatura, mas é um direito do jornalista Chiquinho R7 (PTB) de ser candidato a prefeito de Tarauacá. E o eleitor é que terá de decidir se vota ou não nele.

NINGUÉM É DONO DOS VOTOS

Numa eleição majoritária ninguém é dono dos votos, e quantos mais candidatos a prefeito se apresentarem, melhor para a democracia. É na campanha que se vê quem tem café no bule.

TREMENDA HIPOCRISIA

Vez por outra vejo candidatos a vereadores se posicionando pela “nova política”. Não há nada mais hipócrita que esta frase. No regime eleitoral em que as eleições são travadas, as disputas continuarão sendo em cima de fisiologismo, acôrdos, toma lá e dá cada e, troca de favores.

NÃO É PARA O DALAI LAMA

Toda eleição majoritária é repleta de sujeiras nos bastidores, que acabam vazando para a opinião pública. E em tempos de redes sociais uma palavra mal dita se transforma em escândalo. Quem não quiser passar por perrengues, melhor não entrar neste tipo de disputa. Não é uma eleição num mosteiro budista para escolher o novo Dalai-Lama.

PRAZO CORRENDO

O prazo está correndo para os candidatos majoritários escolherem os seus vices, porque no dia 31 deste mês abre-se o calendário para as convenções municipais que homologarão as candidaturas a prefeitos e vereadores. A escolha errada de um vice é tormento ao vencedor.

DANDO A COLABORAÇÃO

O Ministro do STF, Gilmar Mendes, está louco para livrar o lula das condenações e liberar sua candidatura. Pode pensar que com isso contraria o Bolsonaro, puro engano! Tudo que o presidente Bolsonaro sonha é enfrentar o Lula em fim de linha, na disputa da presidência.

NADA QUE NÃO MIRE O PT

O presidente Bolsonaro não faz um movimento que não seja buscar uma polarização com os petistas na eleição de 2022, evitando ter de enfrentar um nome novo e sem o desgaste do PT. E goste-se ou não do Bolsonaro, ele conseguiu se sedimentar no eleitorado conservador.

DISCURSO COM NOVIDADES

O ex-prefeito Marcus Alexandre já se sabe que fará uma campanha do faz de conta na eleição para a prefeitura da capital, só saindo para pedir votos para o candidato à PMRB, Daniel Zen (PT), em domingos e feriados. E o Jorge Viana, vem para o jogo bruto ou ficará só nas lives?

CALÇAR SANDÁLIA

Alguém precisa dizer ao Marcus Alexandre e ao Jorge Viana e companhia limitada que, não estão mais no poder, não poderão contar com o exército de ocupantes de cargos de confiança para ir às ruas e balanças bandeira. Terão que calçar sandálias e caírem no corpo a corpo.

PODE SAIR GIGANTE

O MDB é hoje o partido mais poderoso da coligação que elegeu o governador Gladson Cameli. E pode ao final desta eleição municipal sair mais forte ainda, caso consiga eleger o maior número de prefeitos. Isso deixaria o Glorioso do Dr. Ulysses Guimarães, com cacife para 2022.

NÃO TEM COMO FICAR

O senador Márcio Bittar (MDB), já definiu que a sua mulher Márcia Bittar será candidata a deputada federal pelo partido em que o Bolsonaro estiver. Por isso acho que, em 2022, estará no partido bolsonarista, se assim não fosse, o natural seria a Márcia disputar pelo MDB

CÉU OU INFERNO

As eleições municipais funcionam como uma espécie de um treino de apronto para a disputa do Governo e do Senado, em 2022. O resultado pode cacifar uma liderança política com uma vitória ou lhe jogar no bornal dos derrotados, de onde não se consegue sair facilmente.

A HISTÓRIA REGISTRA

Fico só matutando sobre alguns comentários feitos no açodamento da acusação política. Dos candidatos a prefeito de Rio Branco; o único que pode bater no peito e dizer que, nunca esteve no palanque do PT: é o deputado Roberto Duarte (MDB). Até o Gladson Cameli veio da FPA

PASSOU DE TEMPO

E caminhando para o segundo ano de mandato, o grupo que chegou ao poder não pode mais ficar atirando nos defeitos petistas, porque a campanha acabou e tem é de mostrar serviço.

 CONTINUA DISPARADO

Na última pesquisa feita por encomenda do grupo palaciano o presidente Jair Bolsonaro continua com uma aceitação espetacular no Acre. O que mostra que manteve a popularidade.

MUDAR O DISCURSO

O Jorge Viana foi um bom governador, um bom prefeito, é a minha opinião. Mas o seu discurso continua tão velho como quando disputou pela primeira vez o governo. Não empolga mais o discurso só surrado do Lula lá e nós aqui: nós somos os puros, e os adversários impuros. 

FRASE MARCANTE

“Toda pessoa que encontro é superior a mim em alguma coisa, e nesse particular aprendo com ela”. Emerson.

Continuar lendo

Blog do Crica

TRE pode colocar  fim na novela Ilderlei hoje  

Publicado

em

O julgamento do prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, foto, que se arrasta como uma lesma há quatro anos nos tribunais, se não houver mais nenhuma chicana jurídica e for transferido mais uma vez, deve acontecer hoje no plenário do Tribunal Regional Eleitoral, que julgará através de vídeo conferência. Numa manobra para colocar mais uma vez o processo na gaveta do esquecimento, a transferência da sessão chegou a ser pedida pelos defensores, sob a argumentação protelatória de que a internet no Juruá não é de boa qualidade, o que foi negado pelo tribunal. Se o argumento fosse aceito estava aberta a temporada de desmoralização da justiça eleitoral do Acre, que já sofre um processo de desgaste pelo caso não ter sido julgado. Em primeira instância, o prefeito de Cruzeiro do Sul teve o seu mandato cassado por acusação de compra de votos durante a sua campanha de reeleição. O que se espera é que o colegiado de juízes do Tribunal Regional Eleitoral do Acre acabe de vez hoje com esta novela, seja mantendo a cassação do prefeito Ilderlei Cordeiro ou o absolvendo.

MAL NA FITA

Demorar quatro anos para julgar um recurso, convenhamos, é um tempo demasiado, e já deveria ter acontecido há muito tempo seja para absolver ou manter a condenação. Não pode é transferir novamente este julgamento, porque deixa a justiça mal na fita e gera impunidade.

VIROU CHACOTA

O julgamento do prefeito Ilderlei Cordeiro virou chacota em Cruzeiro do Sul e motivos de apostas entre os políticos que acreditam que o julgamento vai ocorrer hoje e, os que acham que, mais uma vez será arranjado um meio do processo sair da pauta e voltar para a gaveta.

ESCOLHA PELOS VEREADORES

Caso seja mantida a cassação do prefeito Ilderlei Cordeiro será feita uma eleição na Câmara Municipal de Cruzeiro do Sul para escolher um vereador, para ocupar o cargo de prefeito até o fim de dezembro, quando se encerrará o mandato atual. Isso se daria após publicação da condenação. Teria que ser um vereador que não vai disputar a reeleição este ano.

GRUPO MAJORITÁRIO

Na correlação de forças dentro da Câmara Municipal de Cruzeiro do Sul o grupo do ex-prefeito Vagner Sales é majoritário e assim indicaria o vereador que vai ocupar o mandato de prefeito. O grande favorecido politicamente seria a candidatura de Fagner Sales (MDB), líder das pesquisas.

BOMBA NO PROGRESSISTAS

A condenação do prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, cairia como uma bomba política dentro do PROGRESSISTAS, porque evitaria que dispute a reeleição. Teriam de buscar um nome de densidade eleitoral na sigla, que não têm com o mesmo potencial do atual prefeito.

FORA DO JOGO

Sobraria como único nome forte o deputado Nicolau Junior (PROGRESSISTAS), mas ele já descartou qualquer cenário que o leve a disputar a prefeitura de Cruzeiro do Sul. Até porque recentemente foi reeleito para mais dois anos de mandato como presidente da ALEAC.

APOSTA NO TIO

No caso da cassação de Ilderlei, este poderia indicar o tio Rudiley Estrela como candidato.

CONVERSA NÃO FECHADA

A conversa final para afinar ou desafinar de vez as relações entre o vice-governador Major Rocha e o governador Gladson Cameli acabou acontecendo no sábado, mas sem um desfecho. Rocha avisou que sem uma repactuação de espaços se afastará de todas as atividades do governo. A demissão de todos os indicados por Rocha na Segurança foi o estopim da crise.

VOU CUIDAR DA MINHA VIDA

Caso uma repactuação de espaços não seja feita, Rocha tem dito que, vai se limitar apenas ao ritual do cargo de vice-governador e que o governador Gladson não conte com ele para nenhum cenário político futuro. A conversa final acontecerá no retorno do Gladson ao Acre.

NÃO PODE SER CANDIDATO

Leitor atento mandou ontem um comentário dizendo que o Coronel Ulisses Araújo não poderá ser o vice na chapa do professor Minoru Kinpara para a prefeitura de Rio Branco, por ter durante a sua passagem pelo comando da PM ter sido ordenador de despesas.

AVALIAÇÃO DO JC

O experiente deputado João Correia (MDB) disse em postagem no Facebook que se zebra existir nesta eleição poderá se chamar Daniel Zen (PT). Cita ser um nome qualificado, e também ao fato do PT ter um eleitorado cativo na capital. E que o PT não está morto.

FATOR QUE FAVORECE

Se o deputado Daniel Zen (PT) vai chegar ao segundo turno é lá com o eleitor. Que é extremamente qualificado para ser prefeito, isso é verdade. O que poderá favorecer uma candidatura do PT também é o fato de que teremos onze candidaturas para a PMRB. O voto será pulverizado.

RILA FREZE

Para quem for do campo liberal e conservador, Rila Freze (PSL) é boa candidato a vereadora.

NÃO TEM DESPREPARADO

O que deixa uma esperança para o eleitor é que entre os onze candidatos a prefeito de Rio Branco não existe um nome que possa ser considerado como inapto para gerir a prefeitura.

ZÉ BUCHIM

O candidato a vereador de Rio Branco, Zé Buchim, já definiu quem será o seu coordenador financeiro da campanha: Hilário Melo. O Zé está começando por cima da carne seca.

SEM DEFINIÇÃO

O grupo da ex-deputada federal Antônia Lúcia já conversou com vários candidatos a prefeito de Rio Branco, mas não fechou ainda com nenhum. Tem um bom nicho eleitoral na capital. Deve em meio às conversações querer indicar um nome para compor como vice.

NUNCA ARREDOU

Impressiona a garra com que o deputado federal Alan Rick (DEM) encampou a luta para que seja regulamentada a realização da prova do Revalida, que acabou de passar pelo Senado, e foi para a Câmara Federal. Mesmo tendo de enfrentar o poderoso lobby do CFM, não esmoreceu.

IGUAL CORUJA

O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) continua que nem coruja, com os olhos esbugalhados, mas não fala sobre quem seu partido apoiará em Rio Branco. Quer ver primeiro o quadro. O PCdoB integra a base de apoio da prefeita Socorro Neri na Câmara Municipal de Rio Branco.

ABANDONARÁ O COMPANHEIRO

O PCdoB vai pular do barco do PT, em que tinha um camarote cativo nos 20 anos de poder?

MÍNIMO DE DOIS

O PSD é hoje um dos partidos mais organizados do estado. A sua chapa de candidatos a vereadores na capital tem potencial para eleger dois para a Câmara Municipal de Rio Branco.

VALE PELAS CHAPAS

Essa frente de quatro partidos puxada pelo PODEMOS têm como principal atrativo para uma aliança com um dos partidos mais fortes na disputa da PMRB, o tempo do PODEMOS na televisão, e as chapas para vereadores, que seria um plus a mais para um candidato a prefeito.

PASSA PELA VICE

Qualquer aliança com este grupo passará pela indicação do vereador Railson Corrêa (PODEMOS) como candidato a vice-prefeito. Estão conversando neste sentido.

AJUDANDO A CANDIDATURA

Esta ação do movimento gay e do MP procurando punir o candidato a vereador Nelson da Vitoria (PSL), por supostas atitudes de homofobia, vai ajudar ele a ganhar votos no meio evangélico, onde entre a maioria de seus integrantes prevalece o seu mesmo modo de pensar.

FRASE MARCANTE

Falar é bom e calar é melhor, mas ambos são desagradáveis quando levados ao exagero”. La Fontaine.

 

Continuar lendo

Blog do Crica

Marcus Alexandre não vai para a campanha de mala e cuia

Publicado

em

O ex-prefeito Marcus Alexandre (PT) – derrotado na última eleição para o governo estadual – não vai entrar com todo o seu potencial na eleição municipal deste ano. Marcus, foto, que ainda detém boa parcela da simpatia do eleitorado da capital descartou ao BLOG se afastar do cargo de assessor que ocupa no Tribunal de Justiça do Acre, para ficar à disposição da candidatura do deputado Daniel Zen (PT) a prefeito de Rio Branco. Falou que vai manter o seu compromisso com o presidente do TJ, Francisco Dijalma, e estará fazendo a campanha do candidato petista à PMRB, apenas durante os finais de semana e os feriados. Seria uma espécie de apoio meia boca. Não desembarcaria na agenda do petista de mala e cuia. A sua primeira participação foi a de fazer com o candidato Daniel Zen (PT) uma visita aos mercados que foram recuperados na sua gestão, pautas que deverão se repetir. Marcus deixou um recado: “não vou atacar nenhum adversário durante a campanha, a minha ajuda será a de fazer visitas com o nosso candidato ao que fizemos de bom na minha gestão”. Sobre a eleição de 2022 disse ser cedo ainda para fazer uma projeção de que forma vai participar, se como candidato ou não. Na eleição deste ano, por força da legislação, Marcus Alexandre não poderá ser candidato a nenhum cargo político eletivo. No máximo poderá ser um cabo-eleitoral.

QUANDO MAIS PRECISA
Esperava-se mais do ex-prefeito Marcus Alexandre, que deve tudo politicamente ao PT.

PODEMOS ABRE CONVERSA
O vereador Railson Corrêa (PODEMOS), que congrega uma aliança de quatro partidos, embora da base da prefeita Socorro Neri, abriu conversa com o PSDB, para debater sua inclusão como vice do candidato Minoru Kinpara (PSDB). Na conversa, envolveu o vice Major Rocha (PSL).

NÃO INVALIDA
Para Railson, isso não invalidará uma conversa no mesmo sentido com a Socorro Neri, já que, o debate com os tucanos não ficou fechado. Ou seja: o PODEMOS continua livre para alianças.

NÃO FUNCIONA ASSIM
Tenho lido postagens de grupos de que o Tribunal Regional Eleitoral do Acre, por pressão do poder político, vai retirar de pauta o julgamento do processo do prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, que se arrasta na côrte. Acho que o julgamento vai acontecer amanhã, o TRE-AC não age sob pressão para favorecer a este ou àquele político, em nenhum cenário.

NOVELA MEXICANA
Mas, este julgamento do prefeito Ilderlei Codeiro tinha virado uma novela mexicana sem fim.

MEXE COM TODO CENÁRIO
O resultado do julgamento de amanhã do Ilderlei Cordeiro mexe com todo cenário político da sucessão municipal em Cruzeiro do Sul. Por conta do caso ainda nem julgado o grupo palaciano não tem ainda uma chapa definida para enfrentar o favorito a prefeito, Fagner Sales (MDB).

POLITICAMENTE CERTO
Não entro em outro mérito, apenas no político: se o PROGRESSISTAS não tivesse mantido a posição de ter uma candidatura própria para a prefeitura de Rio Branco, além de virar um paxadinho, prejudicaria a chapa de candidatos a vereador, não teria votos de legenda.

CANDIDATURA MANTIDA
Caso o deputado Luiz Tchê (PDT) não esteja como algumas vezes jogando, deverá ser mantida a candidatura do Jefersson Barrosos (PDT), o que seria apostar no novo e preparando quadros para embates futuros. Ou entra por esta linha ou será um eterno puxadinho de outras siglas.

SEMPRE VOLTA ATRÁS
Vamos ver se o deputado Tchê (PDT) vai bancar mesma a candidatura própria para a prefeitura de Rio Branco, em eleições passadas fez só barulho, para conseguir emplacar um vice, como foi no caso do Emylson Farias (PDT), que acabou empurrando para vice do Marcus Alexandre (PT).

FALANDO NO ASSUNTO
E falando no assunto, até hoje escuto a lamúria de figuras importantes do PT de ter aceito colocar o Emylson Farias de vice do Marcus Alexandre; que não queria ele, porque naquele momento atravessava um perído de baixa popularidade, pelo fracasso na Segurança.

SEM BAIXAR O NÍVEL
Este BLOG tem por princípio não baixar o nível dos debates, nesta campanha nós vamos divulgar o que acontecer nos bastidores, sem censura, ouvindo o contraditório e passando longe do lado pessoal. A influência do poder no BLOG é zero, o compromisso é com o leitor.

POR PRINCÍPIO
Tenho por princípio que, no jornalismo pode se brigar com tudo, menos com a notícia.

ISSO JAMAIS
O BLOG não será manipulado para atacar e prejudicar a este ou àquele candidato a prefeito.

ERRO AMADOR
No atual sistema ninguém governa sem os políticos. O Bolsonaro começou trombando com o sistema, teve derrotas em pautas importantes no Congresso, e abriu as portas do governo para negociar com o Centrão e distribuir cargo. O Gladson erra ao pensar que pode governar só.

NÃO É O CAMINHO
Não sei quem é o governador Gladson está ouvindo para trombar com a classe política. Seu tio Orleir Cameli foi por este caminho e terminou o governo isolado, abandonado pelos aliados. Volto a lembrar que tinha apoio majoritário na ALEAC e Câmara Federal , e acabou seu governo apenas com o deputado federal Osmir Lima (MDB) na sua cabeceira e no ostracismo.

 ENSINAMENTO
Há uma frase pragmática do senador Renam Calheiros (MDB): “você pode ganhar a eleição com as redes sociais, mas não governa sem os políticos.” Verdade. Para aprovar projetos tem de ter votos. O regime não é monárquico, em que você tem o poder absoluto para decidir só.

FALANDO NO BOLSONARO
Nova pesquisa foi divulgada sobre a eleição presidencial, desta feita pela Poder Data. Repete as de outros institutos que colocaram o Bolsonaro descolado na frente. No cenário bate todos adversários no primeiro turno e empataria tecnicamente com o Moro num segundo turno.

TEM UMA BASE
Ou os seus adversários gostando ou não o presidente Bolsonaro conseguiu montar uma base conservadora que lhe é fiel. Se disser amanhã que Melhoral cura a Covid-19, todos acreditam.

NÃO SE GANHA ANTES DA CAMPANHA
Poderia citar vários episódios em que candidatos eram apontados como majoritários e acabaram por perder a eleição. É, pois, a mais pura fantasi pensar que se pode ganhar a eleição antes da campanha começar. É durante a campanha que o eleitor se decide.

NADA DECIDIDO
Uma boa fonte me falou ontem de que não há martelo batido acerca do nome do Coronel Ulysses Araújo (PSL) para vir a ser o vice do candidato a prefeito Minoru Kinpara (PSDB).

VICE PROBLEMÁTICO
A candidatura de vice do Ulysses Araújo tem um perfil que poderia ajudar o candidato a prefeito Minoru Kinpara, mas tem uma personalidade de achar que é o Rei da Cocada Preta, e se a chapa ganhasse poderia querer ser mais que o próprio prefeito. Está não é uma visão do BLOG, mas de quem já conviveu com o Ulysses politicamente. É o pró e o contra.

FORMA DE PRESSIONAR
Aquele lançamento do Coronel Ulysses Araújo (PSL) a prefeito da capital, sem ouvir o partido, por exemplo, foi uma estratégia só sua de colocar seu nome no debate, para tentar emplacar ser o vice do tucano Minoru Kinpara.

PTB COM BOCALON
O PTB fechou aliança com o PSD e PROGRESSISTAS, para apoiar a candidatura do Tião Bocalon (PROGRESSISTAS) a prefeito de Rio Branco. O afastamento do Gladson favoreceu a aliança.

LOBBY PODEROSO
A matéria passou no Senado. Mas tem duas batalhas à frente para fixar um calendário das provas do REVALIDA: a aprovação na Câmara Federal e evitar um veto do Bolsonaro, por pressão do Conselho Federal de Medicina. O deputado federal Alan Rick (DEM) está na luta.

FRASE MARCANTE
“O pobres não foram feitos para a política, mas para sustentar o poder dos políticos.” Ilário Dias Cardoso Filho.

Continuar lendo

Blog do Crica

Uma campanha sem favorito 

Publicado

em

Dentro da lógica da estrutura que cada um terá na campanha, e até mesmo por não serem novatos em eleição, no chamado pelotão de largada teremos quatro nomes fortes disputando a prefeitura de Rio Branco, entre os onze que já se manifestaram como postulantes ao cargo de prefeito. Um é a prefeita Socorro Neri (PSB), que tem ao seu favor uma boa gestão e o apoio do governador Gladson Cameli. Outro o Tião Bocalom (PROGRESSISTAS), com um eleitorado cativo, que disputou campanhas majoritárias com a cara e a coragem, por pouco não se elegeu governador, e desta feita tem aliados fortes na capital, como o senador Sérgio Petecão (PSD) e o deputado José Bestene (PROGRESSISTAS). O MDB virá com o deputado Roberto Duarte (MDB), o mais votado para a Assembléia Legislativa, em Rio Branco. E o professor Minoru Kinpara (MDB), que teve excelente votação para o Senado num partido nanico,  neste cenário está num partido estruturado e ancorado no apoio dos irmãos, deputada federal Mara Rocha (PSD) e o vice-governador Major Rocha (PSL). Seria fazer uma ilação apontar um dos quatros com lugar cativo no segundo turno. A campanha para valer começará na segunda metade de setembro, quando estarão definidas as chapas com os seus vices nas convenções municipais. Não tem amador nesta disputa. Esta é uma eleição que poderá ser decidida por detalhes. Não creio em nenhuma zebra fora destes quatro nomes.

EMBORA EXISTAM

Muito embora em campanhas políticas vez por outra as zebras costumam mostrar as caras.

MUITO NATURAL

O senador Petecão (PSD) disse ontem ao BLOG que, caso só um candidato do PSD-MDB-PSDB-PSL chegue ao segundo turno na disputa da prefeitura da capital, uma união entre quem não for para o turno final é tão natural, que não precisa nem ser combinado entre suas lideranças.

NÃO AGRESSÃO

Um pacto de não agressão durante a campanha foi firmado entre os líderes destas siglas.

ESTAVA DEFINIDA

Para o senador Sérgio Petecão (PSD) a candidatura do Tião Bocalom (PROGRESSISTAS) a prefeito de Rio Branco estava definida, mesmo antes do Gladson Cameli se afastar da sigla.

VEM FLECHADA

Corre uma investigação acerca dos números da Covid-19, no Acre. Vem flechada a caminho.

CABEÇA POR CABEÇA

Pesquisa feita por um dos institutos  mais respeitados do estado, para consumo interno do poder, mostrou três candidatos cabeça com cabeça disputando a PMRB.

A EMPATIA DECIDE

Numa disputa majoritária um leque de apoio ajuda muito, mas não é decisivo para eleger um candidato. O que decide na verdade, é a empatia que o candidato conseguirá com o eleitor.

AVISO AOS NAVEGANTES

Ninguém se entusiasme com pesquisa eleitoral neste momento, sem a campanha ter começado, porque boa parte da população não conhece ainda nem os nomes dos candidatos.

NÃO EMPLACOU

Quem não emplacou no PROGRESSISTAS foi o ex-deputado Ney Amorim. Foi lembrado no ardor das discussões como candidato à PMRB, depois a vice, e não conseguiu se viabilizar.

PEDRA CANTADA

Comentário de um experiente político de Cruzeiro do Sul ao BLOG: – caso a cassação do prefeito Ilderlei Cordeiro seja mantida na sessão do TRE-AC da próxima segunda-feira, e for mantido no cargo, mesmo sem puder ser candidato, vai impor o nome do Tio Rudiley Estrela.

NÃO NECESSARIAMENTE

Como o Gladson Cameli se afastou do PROGRESSISTAS, não necessariamente terá que apoiar um candidato que for lançado pelo partido para disputar a prefeitura de Cruzeiro do Sul.

JUSTIÇA É JUSTIÇA

Ninguém sabe o que passa pela cabeça de um magistrado de uma corte da justiça, mas pelo que tenho ouvido de advogados da área eleitoral, a cassação do Ilderlei Cordeiro é provável.

CARGA PESADA

Passou da hora de privatizar o DEPASA, uma carga pesada que o governo carrega nos ombros.

O JOGO SERÁ BRUTO

A campanha para a prefeitura da capital será dolorida para os candidatos. Com o fim da importância da imprensa escrita, que tinha uma pauta mais ética, o campo de batalha será nas redes sociais, onde ninguém tem o controle de ninguém. O Facebook é uma terra sem dono. 

PAUTA DE CAMPANHA

O governador Gladson e a prefeita Socorro tiveram a primeira reunião de pauta de campanha.

PRAZO CORRENDO

Até agora não foi escolhido o nome do vice na chapa da prefeita Socorro Neri, mas o prazo está correndo, a escolha terá de ocorrer até 31 deste mês, quando se iniciam as convenções.

DADO NOVO

O PCdoB tem um dado novo na mesa. Com a oficialização do apoio do Gladson Cameli à candidatura da prefeita Socorro Neri, se optar por lhe apoiar, terá o governador de aliado.

PARA CHAMAR DE SUA

Virou moda, cada grupo que tem um candidato a prefeito, monta uma enquete para chamar de sua, manipula os dados e joga nas redes sociais, para induzir falsamente a opinião pública.

GOLPE NA LAVA JATO

Impressionante! Quando se vê ministros da côrte mais alta do país tomando posições que podem implicar no enfraquecimento da lava jato, é de se lembrar a célebre frase do estadista francês De Gaulle: “o Brasil não é um país sério”. E fazem isso sem nenhum pudor.

VIROU RELIGIÃO

O senador Márcio Bittar (MDB) comenta sempre que vai trabalhar para ser o coordenador da candidatura do presidente Jair Bolsonaro, no Acre. O bolsonarismo virou religião para o Bittar.

ÍDOLO DE CABECEIRA

O ídolo de cabeceira do senador Márcio Bittar (MDB) é o ministro da Economia, Paulo Guedes.

MULHERES CHEGANDO

Pelo menos oito mulheres da lista de candidatas a vereadora de Rio Branco são muito competitivas. Seja porque já são vereadoras, ou porque terão boa estrutura de campanha.

NOMES NO FOCO

O PCdoB vai focar em reeleger o vereador Eduardo Farias (PCdoB) e o PT, na reeleição do vereador Rodrigo Forneck (PT). Diga-se: ambos cumprem mandatos participativos.

CAMPANHA NA RUA

Pele movimentação das notícias nas redes sociais os candidatos a prefeito de Rio Branco, Minoru Kinpara (PSDB), Tião Bocalom (PROGRESSISTAS) e Roberto Duarte (MDB), já estão no mundo pedindo votos e amarrando apoios. Esta campanha será uma das mais renhidas.

 MOVIMENTAÇÃO BRECADA

A pandemia brecou a participação presencial do presidente do MDB, deputado federal Flaviano Melo, nas articulações da pré-campanha à prefeitura da capital. Isolado na sua chácara, Flaviano deu carta branca ao candidato à PMRB, Roberto Duarte, para fazer alianças.

PESQUISAS MONITORAM

Flaviano Melo monitora o quadro de cada candidatura do MDB a prefeito nos municípios, através de pesquisas periódicas. Flaviano, sabe ler, como poucos, pesquisas nas entrelinhas.

COMENTÁRIO ABALIZADO

O que torna o presidente Jair Bolsonaro como apto a disputar a reeleição, não é a faixa de 30% que tem no eleitorado, mas por não ter aqui um adversário forte. O comentário, com o qual concordo, foi feito ontem na GLOBO NEWS, pela jornalista Eliane Catanhêde. 

FRASE MARCANTE

“A grande vaia é mil vezes mais forte, mais poderosa, mais nobre do que a grande apoteose. Os admiradores corrompem”.  Nelson Rodrigues, jornalista e dramaturgo.  

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.