Conecte-se agora

Com o Acre em emergência, governo não reabrirá comércio a partir desta terça-feira

Publicado

em

O governo do Acre apresentou na tarde desta segunda-feira, 22, o projeto que pretende possibilitar a retomada das atividades comerciais no Estado, chamado agora de “Pacto Acre sem Covid”. Durante a reunião, ocorrida de forma online, foi dito que o decreto que impõe o isolamento social não será encerrado, mas sim prorrogado a partir desta terça-feira, 23, a contragosto da classe empresarial. A partir de agora, as prefeituras terão de fiscalizar o cumprimento do decreto de isolamento social.

Uma edição extra no Diário Oficial do Estado (DOE) será publicada ainda nesta segunda para esclarecer as medidas que seguem restritas. Em tom de desabafo, o governador Gladson Cameli ressaltou que a situação requer medidas mais enérgicas e agora cabe às prefeituras impor autoridade, com plano de ação imediato e apoio do governo, e adotar medidas de prevenção. “As autoridades municipais vão ter que começar a agir. Determinar o que fica aberto ou fechado, de acordo com a sua realidade”, explicou o chefe do Palácio Rio Branco.

O atual cenário do estado diante da pandemia do novo coronavírus impede a região de reabrir, mesmo que gradualmente, as atividades econômicas. “Não adianta mais a palavra flexibilizar. Vamos entrar nas regras. Jamais vou mudar meus posicionamentos. A pandemia veio para que cada um saiba qual a sua obrigação e a população tem que saber que tudo que é do Estado é dela, se o Estado quebrar, quase um milhão de pessoas serão prejudicadas”.

O coronel Ricardo Brandão, da secretaria de Planejamento, disse que o plano contou com apoio de diversos órgãos e entidades empresariais que, segundo ele, puderam dar suas propostas. “Uma metodologia que possa dar segurança a todos”, disse.

O plano consiste na manutenção da saúde da sociedade e economia dentro das regras estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O governo destaca que a resposta ao sistema de saúde no enfrentamento ao vírus foi positiva, com abertura de leitos, Unidades de Terapias Intensivas (UTIs) e hospitais de campanha, além de trazer 21 mil testes rápidos e 129 respiradores e ter contratado 810 novos profissionais de saúde pra ampliar as equipes.

No entanto, com todas essas ações e investimento de R$ 53 milhões, a pandemia conseguiu manter uma taxa de crescimento considerável, fazendo com que o Acre não adote novos meios de frear a epidemia do vírus.

“Se não fosse o primeiro decreto de 17 de março, a tendência de infectados seria bem maior. Hoje nos encontramos aumentando o número de casos, mas num ritmo mais lento. As medidas de retomada para estabilidade da economia vão depender do envolvimento da população”, disse Brandão.

A metodologia aplicada agora passa para uma nova etapa, a de respostas mais estruturadas com todos os poderes públicos unidos para garantir o achatamento da curva. Passado esse tempo de resposta, que durar em torno de um mês, vem a fase chamada de recuperação, que é a conhecida “flexibilização”, com um conjunto de preocupações e desafios, e também monitorando a evolução da curva para que não tenha mais infectados.

“Esse é um esforço diferenciado de monitoramento para que não ocorra uma nova onda de infectados, e conta com apoio da sociedade. Pacotes e estímulos econômicos deverão ser voltados à construção civil, para finalmente chegar na fase de sustentação, que é quando se supera a crise”, disse o gestor. Essa última fase está prevista para início de 2021.

As novas diretrizes básicas para retomada gradual e responsável pela retomada econômica é embasada em evidências científicas. “Essa metodologia conta com níveis de classificação de risco, em cada nível, pode funcionar determinados estabelecimentos comerciais. Com isso, a cobrança é de todos, Depende do conjunto da sociedade. Em 48 horas vamos emitir uma resolução indicando os estabelecimentos comerciais que poderão funcionar em cada um desses níveis e cor de bandeira.

Anúncios

Destaque 6

Papa aprova união civil entre homossexuais: “filhos de Deus”

Publicado

em

Foto: Divulgação 

O Papa Francisco aprovou as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo pela primeira vez como pontífice. O fato ocorreu quando ele foi entrevistado para o documentário “Francesco”, que estreou no Festival de Cinema de Roma nesta quarta-feira, 21.

O apoio papal apareceu no metade do filme, que investiga as questões que mais preocupam Francisco, como meio ambiente, pobreza, migração, desigualdade racial e de renda, e aqueles mais afetados pela discriminação.

“Os homossexuais têm o direito de ter uma família. Eles são filhos de Deus”, disse Francisco em uma de suas entrevistas para o filme. “O que precisamos ter é uma lei de união civil, pois dessa maneira eles estarão legalmente protegidos.”

Quando era arcebispo de Buenos Aires, Francisco apoiava as uniões civis para casais homossexuais como alternativa ao casamento homossexual, mas nunca se pronunciara a favor das uniões civis desde sua eleição como papa.

O jesuíta que mais fez para construir pontes para os gays na Igreja, o padre James Martin, elogiou as observações do pontífice como “um grande passo adiante no apoio da Igreja à comunidade LGBT”. “O pronunciamento do papa em favor das uniões civis também é uma mensagem forte para lugares onde a Igreja se opôs a essas leis”, disse Martin em um comunicado.

Continuar lendo

Destaque 6

Fies abre vagas remanescentes no dia 26 de outubro

Publicado

em

As inscrições para as vagas remanescentes do programa de Financiamento Estudantil (Fies), iniciam segunda-feira, 26, e dividem-se nos seguintes critérios: de 26 a 27 de outubro, inscrição somente a vagas remanescentes em cursos de áreas e subáreas de conhecimento prioritárias; de 26 outubro a 3 de novembro, inscrição de candidatos não matriculados no curso/turno/local de oferta/Instituição de Educação Superior em que deseja se inscrever à vaga remanescente e 26 outubro a 27 de novembro, inscrição de candidatos matriculados no curso/turno/local de oferta/Instituição de Educação Superior em que deseja se inscrever à vaga remanescente.

As inscrições podem ser feitas pelo site do Fies. Veja AQUI o passo a passo para fazer a inscrição e não perca essa oportunidade.

Continuar lendo

Destaque 6

TSE identifica e desmente fake news sobre urnas eletrônicas

Publicado

em

A Coalizão para Checagem e o Comitê Estratégico, dois grupos voltados para o combate à desinformação nas Eleições 2020, identificaram notícias falsas sobre urnas eletrônicas. As fake news, publicadas em 2018, voltaram a circular em redes sociais nos últimos dias, às vésperas do pleito de 2020.

Uma delas, diz que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) recusou consultoria do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e do Instituto Militar de Engenharia (IME) para desenvolver um modelo de urna com impressão do voto.

Na nota de esclarecimento publicada em 2018, o TSE já desmentido a informação. Tanto o Exército quanto a Marinha e a Aeronáutica – bem como o próprio TSE – negaram a existência da proposta de consultoria.

A respeito da segurança do processo de votação, o TSE destaca que a urna eletrônica, utilizada desde 1996 nas eleições brasileiras, é auditável, além de os sistemas serem abertos para fiscalização e possibilidade de aperfeiçoamento.

Na semana passada, os sistemas eleitorais foram lacrados em evento que contou com a presença de representantes do Ministério Público Eleitoral, da Polícia Federal e da Ordem dos Advogados do Brasil.

A lacração é uma espécie de blindagem que impede qualquer tentativa de alteração dos sistemas da urna eletrônica.

Continuar lendo

Destaque 6

Acre teve 248 mil hectares de florestas queimadas em 3 meses

Publicado

em

O Acre registra cerca de 248 mil hectares de ‘cicatrizes’ de queimadas ocorridas em 2020 entre o mês de julho até o dia 18 de outubro. Os dados são do Laboratório de Geoprocessamento Aplicado ao Meio Ambiente, órgão da Universidade Federal do Acre.

O ano de 2020 se mostra o mais crítico em termos de área queimada desde 2010 e os municípios com maior área de queimadas são Sena Madureira, Feijó, Rio Branco, Tarauacá, Brasiléia, Manoel Urbano e Cruzeiro do Sul.

Esses 8 municípios representam 72% do total queimado em todo o Acre mas 82% das queimadas estão em terras públicas, assentamentos e propriedades particulares.

Entre as unidades de conservação a Resex Chico Mendes é a mais crítica, seguido por outras UCs: Cazumbá-Iracema, Floes Afluente, Alto Juruá, Floes Antimary.

Com o nível alto de queimadas, a qualidade do ar continua crítica na maior parte do Acre, até 18 de outubro foram registradas 14 sedes municipais com mais de 30 dias fora do recomendado pela OMS (25 ug/m3).

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas