Conecte-se agora

Pelotão de frente terá disputa equilibrada

Publicado

em

O chamado “pelotão de frente” da disputa pela prefeitura de Rio Branco terá nomes experientes, nenhum novato em política, todos já tendo participado de eleições. O único dos partidos grandes que não escolheu ainda o nome que disputará a PMRB é o PT. O PP sairá com o ex-prefeito de Acrelândia, Tião Bocalom, que tem um forte nicho eleitoral, provado nas suas campanhas para prefeito da capital e governador. A prefeita Socorro Neri, PSB, tenta um novo mandato, em cima de uma boa administração e uma gestão sem nódoas. O PSDB foi buscar no PT o ex-presidente da sigla, Minoru Kinpara, muito bem votado na capital a senador, para ser o seu nome a prefeito. E o deputado Roberto Duarte (MDB), que foi o mais votado em Rio Branco, e tem um partido muito bem organizado. Ninguém pode ser apontado ainda como favorito, por três motivos: a população não sabe nem ainda quem são os candidatos; não se sabe em que alianças estes nomes virão ancorados, e a campanha não se iniciou. No outro pelotão virão os partidos menores. Algum destes pode passar para o “pelotão de elite”? Claro que pode: a política não é uma ciência exata. O que vai balizar é a campanha. É então a mais pura ilação se dizer que este ou aquele candidato estará com vaga no segundo turno.

NOVO ADVERSÁRIO

O TRE-AC e o Ministério Público Eleitoral terão que se estruturarem para combater um novo adversário da democracia, nesta eleição municipal: a Fake News. A eleição está longe, e já começou ser usada. A prefeita Socorro Neri, que será candidata, foi a última vítima.

MALANDRAGEM POLÍTICA

Quem mora na aldeia conhece os índios. A prefeita Socorro Neri não procure entre os petistas o autor da campanha de Fake News contra a sua honra, tem cheiro de um DNA bem conhecido.

MUSAS DA CAMPANHA

Nas conversas políticas as candidatas a vereadoras Lana Vaz e Gabriela Câmara já são apontadas como as prováveis “musas” da campanha por vagas na Câmara Municipal de Rio Branco. E ambas, pelas estruturas fortes, entram na disputa no time dos competitivos.

SEM JUDICIÁRIO, NÃO HÁ DEMOCRACIA

Lamentável, condenável, vinda de cabeças toscas, a campanha contra o Supremo Tribunal Federal, a maior instituição jurídica do país. Sem justiça livre não há democracia, mas ditadura. Os que atentam contra o STF, são arautos de um regime totalitário, como na Venezuela.

CINISMO AO EXTREMO

O Lula deu entrevista em que diz que o seu governo foi exemplo de combate à corrupção e que, ele tem muito que ensinar neste campo. A declaração se insere num alto grau de cinismo.

UMA MOEDA DE DOIS LADOS

Um deputado do Juruá ligou ontem para comentar sobre o encaminhamento para que o vice-prefeito Zequinha (PP), venha ser o candidato a prefeito do governador Gladson: “Luiz Carlos, o Gladson tem que avaliar que, uma derrota, não será uma derrota do Zequinha, mas dele”.

O PERIGO DO AMADORISMO

Com a experiência de mandatos de deputado federal, senador, o governador Gladson era para ter aprendido que, o amadorismo é um caminho errado na política. Devia ter trabalhado no início do mandato, dois nomes para as prefeituras de Rio Branco e Cruzeiro do Sul.

 PERDIDO NO TIROTEIO

Estamos chegando próximo às convenções municipais – dia 20 de julho – e não tem um nome de densidade eleitoral do seu partido em Cruzeiro do Sul; e em Rio Branco, enfrenta fortes reações do seu grupo, pela sua simpatia em apoiar o nome da prefeita Socorro Neri, do PSB.

PODERIA ESTAR SURFANDO

“A prefeita Socorro Neri poderia estar surfando com o apoio sem contestação dos aliados do Gladson se tivesse se filiado ao PP, o que não iria lhe desmerecer em nada, porque na política, não é nada aético”. A afirmação, eu ouvi de político importante ligado ao Palácio Rio Branco.

FIZERAM A LIÇÃO DE CASA

No contexto da sucessão municipal quem fez o dever de casa com competência foi o MDB e o PSDB, com candidatos bem posicionados nas pesquisas em Cruzeiro do Sul e em Rio Branco. Enquanto isso o PP do Gladson está atarantado nos dois municípios, sem uma definição.

MARCAR POSIÇÃO

Um amigo tucano comentou ontem que, em Sena Madureira o PSDB vai disputar a eleição para marcar posição, porque falhou o plano de ter a ex-prefeita Toinha Vieira como candidata única da oposição. Com três candidatos a prefeito, a oposição abre caminho para a reeleição do prefeito Mazinho Serafim. Não é preciso ser entendido em política para prever o desfecho.

MUDANÇA NA ELEIÇÃO

A ideia que toma corpo no TSE, segundo matéria do Estadão, é que a eleição tenha o prazo de votação estendido das 8 ás 20 horas. Votariam, inicialmente, os eleitores do grupo de risco. A única dúvida é se a votação seria em novembro ou dezembro, depende do pique da Covid-19.

LIVRE TRÂNSITO

O político acreano de mais livre trânsito no governo do Bolsonaro é o senador Márcio Bittar (MDB), o que é uma porta para a vinda de recursos ao governo do Gladson. Bittar se afina com todas as idéias da direita conservadora e extremadas, defendidas pelo bolsonarismo.

CONVITE PESSOAL

A vinda do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ao estado, foi fruto de um convite do Bittar.

NINGUÉM MAIS QUE O ALAN

E na bancada federal acreana, ninguém transita melhor que o deputado federal Alan Rick (DEM), nos ministérios, na presidência, e entre as correntes bolsonaristas no parlamento.

DO GENERAL AO CABO

Ninguém da comitiva do ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, poderá reclamar da visita ao Acre, porque todos serão medalhados pelo comando da Polícia Militar, do general ao Cabo da PM de São Paulo, Tiago Soares de Freitas. Ao todo, sete receberão medalhas da PM.

ACERTO DE ALIADOS

O articulador político do senador Sérgio Petecão (PSD), professor Carlos Coelho, adiantou ao BLOG que será feito um acordo no grupo de partidos aliados que apoiará Tião Bocalom (PP) na capital, para que nos municípios as pesquisas definam os melhores nomes, para candidaturas únicas. Será preciso muito desprendimento para que isso venha a ser fechado.

MODELO DO MDA

É o mesmo modelo adotado pelo MDA, coligação da então oposição, que derrotou com o Flaviano Melo (MDB), o candidato petista Raimundo Angelim, com o Jorge Viana no governo.

A POLÍTICA E O OPORTUNISMO 

Quando se lê comentários contra os governos do PT, por figuras que participaram com cargos de confiança em todas as gestões petistas, e de se matutar o que a perda do poder faz na política. Sabe quantas vezes estariam criticando, se o Marcus Alexandre tivesse vencido? Zero.

É DO SEU PERFIL

A prefeita Socorro Neri é exatamente aquele perfil retratado na sua entrevista no “Bar do Vaz”, no ac24horas, o de não fazer barganhas com cargo público para montar alianças. Conheço a Socorro de muito tempo, sempre foi uma pessoa de conduta reta na gestão.

UNIDADE DIFÍCIL

Um político que conhece bem a política de Tarauacá comentou ontem ao BLOG ser difícil uma candidatura única da oposição, naquele município. E cita como empecilho a candidata Néia (PDT), que justifica a sua candidatura a prefeita, como um pedido feito por Jesus Cristo.

QUESTÃO RELIGIOSA

A Néia (PDT), uma católica fervorosa, esposa do deputado federal Jesus Sérgio (PDT), conta sempre que recebeu dois pedidos de Jesus Cristo para ser candidata à prefeitura de Tarauacá. No primeiro, ela pediu para pensar; mas no segundo, não teve como recusar o pedido.

COMPORTAMENTO DA COVID-19

O que vai nortear a decisão do governador Gladson Cameli de normalizar as atividades comerciais não essenciais será o comportamento da Covid-19. Terá que sair do vermelho.

CONDICIONANTES

Duas candidaturas condicionantes para 2022. A deputada federal Jéssica Sales (MDB) somente será candidata a senadora se o governador Gladson Cameli não for. E o senador Sérgio Petecão (PSD) só sairá para o governo se o Gladson não disputar a reeleição. Este é o jogo real.

TORCENDO NA ARQUIBANCADA

E na arquibancada o ex-senador Jorge Viana (PT), torcendo para que o governador Gladson busque um novo mandato, para ele entrar com boa chance para o Senado na eleição de 2020.

COMO VÃO FICAR OS SECRETÁRIOS?

Muitos dos secretários são indicações de partidos que terão candidatos à prefeitura de Rio Branco. A dúvida é que, se eles engajaram nas candidaturas de suas siglas, ou acompanharão o candidato que o governador Gladson vir a apoiar?

FRASE MARCANTE

“Corte o pano conforme a roupa”. Ditado vietnamita  

Anúncios

Blog do Crica

Os pilares do Tião Bocalom 

Publicado

em

A CANDIDATURA do Tião Bocalom (PP) só vingou por três firmes decisões. A primeira foi a senadora Mailza Gomes (PP), que resistiu a todas as investidas do governador Gladson Cameli para vetar o seu nome. Se não tivesse sido firme, a tese do governador teria vencido. A reação foi reforçada pela ação do deputado José Bestene (PP), que retirou sua candidatura à PMRB, já homologada pelo partido, para ser substituído por Bocalom. E o terceiro foi o senador Sérgio Petecão, que se somou a ambos, e acabou sendo o grande condutor da campanha vitoriosa no primeiro turno, e que se encaminha para ser chancelada no segundo turno. Não fosse a ação do trio, o Bocalom não seria candidato e nem estaria preste a ser prefeito de Rio Branco. Mailza Gomes (PP), Sérgio Petecão (PSD) e José Bestene (PP) foram os pilares para manter a sua candidatura.

NOME NA PAUTA

O VEREADOR eleito Samir Bestene (PP) tem tudo para ser o próximo presidente da Câmara Municipal de Rio Branco. O PP, seu partido, elegeu três vereadores e é aliado do Bocalom ((PP), que desponta como favorito para vencer a eleição de domingo.

MARFISA, A GUERREIRA

QUANDO se fala na garra do senador Petecão (PSD) na campanha do Tião Bocalom (MDB), não se pode deixar de lembrar que a candidata à vice-prefeita Marfisa Galvão (PSD), não fica atrás em entusiasmo. Marfisa tem sido uma guerreira.

RECONHECENDO O ÓBVIO

POR DIVERSAS vezes coloquei no BLOG que, os entraves na campanha da prefeita Socorro Neri (PSB), eram a falta de um coordenador político experiente e planejamento. Exatamente o que reclamou ontem seu aliado, o deputado Luiz Tchê (PDT).

DESCOBRIU TARDE

O DEPUTADO TCHÊ (PDT), como político experiente era para ter feito o alerta no primeiro turno, apontar para um erro que era gritante; só agora, no fim do segundo turno, não adianta nada.

NÃO FORAM OUVIDOS

OUVI de várias figuras de proa do governo, que ainda tentaram mostrar que a campanha estava sendo mal conduzida, mas se queixam de que não foram escutados e tiveram de recuar.

ATACADOS PELA COVID

O PREFEITO de Sena Madureira, Mazinho Serafim, e sua mulher, a deputada Meire Serafim (MDB), estão internados na PRONTO CLÍNICA, onde se recuperam. O BLOG deseja saúde a ambos.

TAMBÉM CONTAMINADO

QUEM TAMBÉM foi contaminado pela Covid-19 foi o prefeito eleito de Santa Rosa, Tamir de Sá (MDB), em recuperação na PRONTO-CLÍNICA. A pandemia deu uma acelerada nos casos.

SUPORTE FINANCEIRO

CASO SEJA ELEITO DOMINGO, como as pesquisas indicam, Tião Bocalom terá a sorte de receber uma prefeitura enxuta, e contar com três senadores para lhe destinar recursos e emendas.

FINANÇAS SANEADAS

A PREFEITA Socorro Neri conseguiu em dois anos deixar a prefeitura mais enxugada e com as suas finanças saneadas.

MOSTRAR HABILIDADE

O GOVERNADOR Gladson Cameli vai precisar usar de muita habilidade para compor uma base política à sua campanha de reeleição, em 2022. O seu apoio à candidatura da prefeita Socorro Neri (PSB), deixou a sua antiga base política esfacelada.

REFORÇAR O INIMIGO

OS PREFEITOS eleitos pelo PT não esperem serem abençoados com emendas parlamentares de outros partidos, no próximo ano. 2022 será ano de eleição, devem investir em 2021 em suas bases eleitorais. Na política, não se cria cobra para ser picado.

SERIA INFLAR O JV

REFORÇAR financeiramente as prefeituras governadas por petistas seria o mesmo que construir uma ponte para reforçar uma candidatura do Jorge Viana (PT) ao Senado, em 2022.

PLANO MODIFICADO

A VITÓRIA do Zequinha (PP) a prefeito de Cruzeiro do Sul deve modificar o plano político do ex-prefeito Vagner Sales (MDB) de lançar a deputada federal Jéssica Sales (MDB) para o Senado.

DOBRADINHA COM BITTAR

O GRUPO do ex-prefeito Vagner Sales (MDB) deve fazer uma dobradinha em 2022, com o senador Márcio Bittar (MDB), que ficou ao seu lado no apoio ao candidato Fagner Sales (MDB).

POSSIBILIDADE ABERTA

PODEM ANOTAR para conferir em 2022, caso o contexto político lhe seja favorável, o senador Márcio Bittar (MDB) pode abandonar meta de lançar a mulher Márcia Bittar a deputada federal, e colocá-la como candidata a senadora. Este é o jogo.

INTERESSA AO BOLSONARO

A HIPÓTESE de ter a Márcia Bittar como candidata a senadora já foi alvo de uma conversa entre o senador Márcio Bittar (MDB) e o presidente Jair Bolsonaro, que é simpático a esta possibilidade.

ESQUERDA NA GESTÃO

O PCdoB e o PT estavam na chapa que elegeu o Zequinha a prefeito de Cruzeiro do Sul, e por certo participarão da gestão. Zequinha deixou o PCdoB, mas manteve relação com a cúpula.

ESCOLHA MERECIDA

O JORNALISTA Ailton Oliveira deverá integrar a equipe de comunicação do candidato Tião Bocalom (PP), se este vencer no domingo. Será merecido. Acompanha de longas data o Bocalom.

PAPEL DA LEALDADE

A SECRETÁRIA de Comunicação da PMRB, Socorro Camelo, publicou um artigo duro na defesa da prefeita Socorro Neri. É o papel de quem é leal a quem lhe foi leal. Não cabe por isso, nenhuma crítica. Não se abandona os amigos no infortúnio.

MESMA PEGADA

FALTAM cinco dias para a eleição e a campanha do favorito a vencer a disputa pela PMRB, Tião Bocalom (PP), continua na mesma pegada de mobilização. Ontem, fechou o dia com um grande bandeiraço. Com Petecão, Bocalom e companhia limitada.

FORA DAS RUAS

A CAMPANHA da Socorro Neri não é vista mais nas ruas, ela tem se limitado a cumprir agenda de visitas. A sua campanha, indicam pesquisas, não criou clima de virar no segundo turno.

FRASE MARCANTE

“Dizem que o tempo muda as coisas, mas é você que deve mudá-las”. Andy Warhal.

Continuar lendo

Acre

Não esperem um cabide de emprego  

Publicado

em

Foto: Sérgio Vale/ac24horas 

NÃO CONHEÇO tanto o candidato Tião Bocalom (PP),  para mensurar como será a sua administração, se for eleito domingo. Mas em conversa ontem com pessoas mais próximas dele, que o conhecem bem de perto, estas foram unânimes em afirmar ao BLOG que, caso ele  vença a eleição para a prefeitura da capital, jamais vai transformar o órgão num cabide de emprego. Bocalom, segundo estas fontes, será de chegar cedo na prefeitura e querer encontrar os secretários. Não é de fazer acordos políticos ou empresariais nada republicanos, afiançam os que lhe são mais próximos. O consideram austero e muito exigente com os que lhe são subordinados. Que não é de fazer bandalheiras, é o que se ouve sobre ele. Mas isso é o normal que pode se esperar de qualquer gestor, o principal é saber como tocará uma prefeitura praticamente dependente do FPM e das emendas parlamentares, com arrecadação própria a desejar, e com os problemas dos bairros sendo bem maiores que a receita municipal. Falar que vai fazer, é uma coisa; fazer é outra bem diferente. Aguardemos as urnas de domingo. Se confirmarem a vitória do Tião Bocalom (PP) como mostram as pesquisas, vamos saber a partir de janeiro se as promessas de campanhas serão cumpridas. Ou se será mais um a ficar nas promessas eleitorais.

DIAS CONTADAS

MAS NUM PONTO, não tenho nenhuma dúvida em afirmar que, ninguém que teve cargo de confiança no governo passado do PT, vai ser chamado para trabalhar na sua gestão. Nisso, estou certo.

MAZINHO FORTALECIDO

O PREFEITO Mazinho (MDB) não saiu forte só porque foi reeleito, mas também porque os seus aliados Tanízio de Sá (MDB), em Manuel Urbano; e, Tamir de Sá (MDB), em Santa Rosa, também ganharam para prefeito. Por isso, estará forte na mesa da sucessão estadual na eleição de 2022. O Mazinho sabe jogar.

OPÇÃO A SER FEITA

O GOVERNADOR Gladson Cameli não tem outra opção a ser feita depois da eleição municipal: ou se afasta de partidos como o PDT e PSB, ou seu rompimento com o senador Márcio Bittar (MDB) é inevitável. O Bittar é bolsonarista radical, e o PDT e o PSB não estarão no palanque do Bolsonaro na eleição de 2022.

NÃO É MINHA PRAIA

NÃO ESPEREM que, na eventual derrota que é mostrada da prefeita Socorro Neri (PSB), que este BLOG entre numa campanha de tripudiar sobre o fracasso, podem esquecer isso.

NÃO ENGRANDECE NINGUÉM

FAÇO O ALERTA por algumas peças que estão sendo preparadas como uma comemoração de uma eventual derrota domingo.

MAIS UMA LIÇÃO

QUEM ACOMPANHA este BLOG e puxar pela memória irá se lembrar de que, várias vezes alertei que, o fato de um candidato ter o apoio do governo e da prefeitura não significava vitória por antecipação. Está se provando mais uma vez que ninguém é dono dos votos, e que sem a empatia com o povão, não se ganha eleição majoritária. A máquina só ajuda até um certo ponto.

FATOR QUE AJUDOU

UM FATOR que ajudou a candidatura da prefeita Socorro Neri a não decolar nesta eleição, foi o PSB. O partido não tem uma base política na capital, não tem militância, e tampouco um líder.

ASSIM O BOI NÃO DANÇA

DE NOME MESMO, só a prefeita Socorro Neri (PSB), porque está no comando da PMRB. O deputado Jenilson Lopes (PSB) tem base em Tarauacá, e o deputado Manoel Moraes (PSB), em Xapuri. Ambos não influenciam em nada. O restante é figuração.

POLÍTICA É ASSIM MESMO

A PREFEITA Socorro Neri é um nome limpo, foi boa gestora, mas isso não é suficiente para ganhar uma eleição. A sua campanha não empolgou. A campanha foi mal conduzida, e não decolou.

COMANDO E ALEGRIA

O QUE FALTOU na campanha da Socorro Neri, teve de sobra na campanha do Tião Bocalom. Sob o comando do senador Sérgio Petecão (PSD) a campanha do Bocalom foi forjada nos grotões. Tinha organização, alegria, comando, a da Socorro foi formal.

COMANDO FALHOU

E PELO FATO da Socorro Neri (PSB) ter iniciado o segundo turno muito atrás do Tião Bocalom (PSB), para se pensar numa reversão, teriam que ser criado fatos novos, buscando aliados, para criar um clima de virada, mas seu comando de campanha falhou. E chega na última semana de campanha quase solitária.

NÃO HÁ LUGAR PARA AMADOR

E NINGUÉM pode acusar a Socorro Neri (PSB) por sua campanha não decolar. Se a candidata não tem um bom coordenador de campanha, o programa eleitoral foi ruim, ficou cercada de amadores na política, a culpa da coisa não dar certo não é dela.

TRADUZINDO EM MIÚDOS

O TODO este final trágico da sua campanha pode ser traduzido numa frase: -uma campanha a prefeito não pode ser comandada por amadores. Sem planejamento, organização, é difícil vencer.

APALAVRADOS COM O GOVERNADOR

OUVI do governador Gladson Cameli que vai retornar ao PP, do qual pediu afastamento. E também que, dois prefeitos da oposição estão apalavrados para lhe acompanhar no partido.

GRANDE VENCEDOR

O PP pode fechar a página da eleição municipal como o grande vencedor. Fez os prefeitos de Tarauacá, Senador Guiomard, Cruzeiro do Sul e pode fazer domingo o de Rio Branco.

MAIORES COLÉGIOS ELEITORAIS

É BOM lembrar que, Cruzeiro do Sul e Rio Branco são os dois maiores colégios eleitorais do estado, o que o deixa numa condição em que a sucessão estadual passará pelo partido.

AMIGOS DE CARGO

CASO não vença a eleição no próximo domingo, a prefeita Socorro Neri vai passar a viver uma nova situação, de janeiro em diante, para a qual tem que se preparar emocionalmente. Muitos dos aliados, ocupantes de cargos de confiança, vão se afastar.

MUNDO CÃO

SEJA quem for o político que deixa o poder, ele não escapa do  abandono pela maioria esmagadora dos aliados. Alguns, até cruzam a rua para não cumprimentar. É o mundo cão da política.

FRASE MARCANTE

“Se você for bem sucedido, entra pela porta da frente, com as flores, caso contrário, sai pela porta dos fundos com o lixo.” Robert Stack.

Continuar lendo

Blog do Crica

Rumo à esquerda separa Bittar e Gladson

Publicado

em

O RESULTADO DA ELEIÇÃO MUNICIPAL deixou o senador Márcio Bittar (MDB) e o governador Gladson Cameli, no caminho de rompimento político. As alianças com a esquerda foram o pomo da discórdia. Entre as reclamações abertas do Bittar estão o não cumprimento de acordo pelo qual o Gladson apoiaria a candidatura do Fagner Sales (MDB) a prefeito de Cruzeiro do Sul, e a candidata do MDB a prefeita de Brasiléia, Leila Galvão (MDB). Em Cruzeiro do Sul, o apoio foi para a chapa do professor Zequinha (PP), na qual estavam o PT e o PCdoB. E, em Brasiléia, nem apareceu na campanha da Leila, o que favoreceu a candidatura da prefeita Fernanda Hassem, que é do PT. Se engajar no palanque da prefeita Socorro Neri, onde estão PDT, PSB e PV, que no plano nacional fazem oposição ao presidente Jair Bolsonaro, de quem Márcio Bittar (MDB) é um árduo defensor, também é um ponto que ajudou no seu afastamento do governador. Para fechar o pacote, Bittar diz que, se sentiu traído e confrontado ideologicamente em Mâncio Lima, onde o governador Gladson colocou um adesivo com o 13 no peito, e apoiou à reeleição o petista Isaac Lima. “Não aceito”, enfatiza. São posições de quem não me quer ao seu lado na eleição de 2022, revela um irritado Márcio Bittar (MDB). Márcio diz que vai comandar a campanha de reeleição do Bolsonaro no estado, e no seu palanque não haverá espaço para aliados de partidos de esquerda, como o PDT, PV e PSB. Bittar promete estar num palanque alternativo na eleição presidencial e na disputa do Governo e Senado, no Acre. Para mostrar o seu descontentamento, foi o primeiro a declarar apoio ao candidato  Tião Bocalon (PP); na disputa da PMRB, que não é apoiado pelo Gladson. É um nó górdio político para o governador desatar.

IBOPE CONFIRMA FAVORITISMO
A RODADA de pesquisa do IBOPE, a primeira no segundo turno, mostrou o que está na boca da população, que o candidato Tião Bocalon (PP) é amplo favorito na corrida para o segundo turno. O Bocalon apareceu com 65% das intenções de votos contra 28% da prefeita Socorro Neri (PSB). É muito voto para dar uma virada.

TESE ERRADA
SEMPRE disse aqui no espaço do BLOG que segundo turno é uma outra eleição, apenas em tese. Mas na prática é uma continuidade do primeiro turno. Quem votou no Tião Bocalon (PP) tende a votar de novo, e ainda ganhará mais votos com base nas novas alianças. O IBOPE apenas confirmou esta realidade

TERRA DE MURO BAIXO
PARA A SUA PROPOSTA de tentar reverter a derrota larga no primeiro turno para o candidato Tião Bocalon (PP), o primeiro programa eleitoral da candidata Socorro Neri (PSB) pode ser considerado bom e mais planejado politicamente. Mas erraram quando colocaram para tecer elogios á sua gestão, assessores e ex-assessores da prefeitura municipal, todas figuras conhecidas.

NÃO VAI PESAR
TANTO PARA a candidata Socorro Neri (PSB), como para o candidato Tião Bocalon (PP), o horário eleitoral não terá o dom de mexer no resultado, até porque faltam só seis programas.

EMPATIA COM ELEITOR
O QUE PODE mexer no resultado do segundo turno seria quem chegou atrás conseguir uma empatia com o eleitor que não teve no primeiro turno. Teria de haver uma reversão de 47 mil votos. Uma missão, convenhamos, muito complicada e difícil de ocorrer. O tempo é exíguo e não aconteceu nenhum fato novo.

TIRO CURTO
O QUE TORNA a eleição de segundo turno mais complicada para reverter votos é o fato de ser uma campanha de tiro curto. No domingo da próxima semana, todos voltarão às urnas para votar.

JOGO DO PODER
O TIROTEIO do primeiro turno contra a prefeita Socorro Neri (PSB) por parte dos outro seis candidatos, foi um fato natural. Porque a briga era exatamente em torno do cargo que ocupa.

NÃO SE PODE NEGAR
E DENTRO deste contexto não há como negar que foi uma briga desproporcional. Alguns candidatos entraram só para descontruir a sua imagem de boa gestora, esquecendo suas candidaturas. E, teve que passar a campanha na defesa. Faltou no caso, uma boa assessoria política na condução da campanha.

NINGUÉM PODE NEGAR
A PREFEITA Socorro Neri (PSB) cometeu muitos erros políticos, isso é inquestionável. Não se preparou politicamente para uma campanha, não se planejou para quem queria ser candidata, mas ninguém pode deixar de reconhecer que, ela foi uma gestora honesta e vai concluir este mandato sem mácula. Perder é do jogo.

OS CAMINHOS SÃO ÍNGREMES
ACONTECE é que numa campanha política, existem outros ingredientes que estão mais além do que uma boa gestão. Quando um candidato cai na graça do povo, é difícil mudar. A Socorro foi uma boa gestora, mas não foi uma boa política.

CHEIO DE EXEMPLOS
E quando um candidato cai na graça do povão, não tem máquina estatal, municipal, apoio de partido político que consiga reverter,  a tendência de votar num determinado nome. Exemplos de quem ganhou eleição majoritária sem a máquina do poder: Jorge Viana (PT), Flaviano Melo (MDB) e Gladson Cameli (PP) e etc…

DIFÍCIL, MUITO DIFÍCIL
TENHO COLOCADO neste espaço que não existe nada mais difícil na política do que a transferência de votos. Se o leitor atentar para as pesquisas, mesmo a sua candidata Socorro Neri (PSB) não tendo se saído bem no primeiro turno, a avaliação do governo e do governador sempre ficaram num patamar positivo.

MIRANDO 2022
MAS, O GOVERNADOR Gladson  vai ter que, em 2021 refazer pontes que foram quebradas com aliados na campanha municipal. Vai ter que começar por uma repactuação de cargos no poder com os partidos, onde siglas de pouca ou nenhuma expressão têm mais de cem cargos, enquanto partidos grandes ocupam pequenos espaços ou nenhum. Isso é desproporcional.

NÃO ESTAVA NO SCRIPIT
QUEM FEZ uma campanha que atropelou as pesquisas foi o prefeito eleito Delegado Sérgio Lopes (PSDB), em Epitaiolândia. Nunca foi tido favorito, mas na reta final decolou e se elegeu.

PROJEÇÃO PESSOAL
O Delegado Sérgio Lopes (PSDB) pode se jactar de ter vencido  a eleição; por conquistar a confiança do eleitorado, não teve nenhum medalhão político que tenha influenciado na sua vitória.

DERROTA DE UM CLÃ
A VITÓRIA do Delegado Sérgio Lopes (PSDB) teve o condão de derrotar o clã dos Hassem, em Epitaciolândia, comandado pelos ex-prefeitos Luiz Hassem e André Hassem, varridos da cena política nesta eleição. Acabou a hegemonia naquele município.

PASSO PARA DEPUTADO
O CANDIDATO derrotado Everton Soares (PSL), foi o segundo colocado, mas como é um nome novo na política pode ter dado um passo importante para disputar vaga na ALEAC em 2022.

APOSTANDO ERRADO
QUEM ESTÁ APOSTANDO que uma vitória do Tião Bocalon (PP) para a prefeitura de Rio Branco vai significar entupir as secretarias de afilhados está enganado, não vai jogar fora conseguir o poder fora depois de cinco derrotas seguidas.

FRASE MARCANTE
“Liberdade significa responsabilidade. É por isso que tanta gente tem medo dela”. Bernard Shaw.

Continuar lendo

Blog do Crica

Até que se prove ao contrário

Publicado

em

A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA deu ontem uma prova de autonomia do poder, ao não conceder a licença pedida pela justiça para o afastamento do deputado Nicolau Júnior (PP) da presidência da ALEAC. Mantê-lo afastado da presidência seria como que, chancelar uma condenação antecipada de alguém que não foi denunciado pelo MP, que não foi condenado, e sobre quem pesam apenas suposições. Aplique-se ainda ao caso a cláusula constitucional da chamada “presunção de inocência”. Foi uma decisão sábia. E se deixe que se cumpram todos os ritos processuais, que o deputado Nicolau exerça o seu amplo direito de defesa, até que saia a decisão final sobre as acusações que foram formuladas contra a sua pessoa. Assim é no Estado de Direito. Ninguém pode ser condenado sem antes se defender.

PODEMOS DEIXA SOCORRO

O PODEMOS, dos irmãos Raimundinho da Saúde e vereador Railson Correia, comunicou ontem à prefeita Socorro Neri que, deixou a sua candidatura e vão apoiar o candidato Tião Bocalom (PP). Junto vai o vereador eleito, Pastor Arnaldo Barros.

ACOMPANHOU O PACOTE

O EX-SECRETÁRIO de Saúde da prefeita Socorro Neri, Oteniel, subscreveu a carta de despedida da candidatura do PSB.

PERSPECTIVA DE PODER

ESTE TIPO DE MUDANÇA é natural quando um candidato chega disparado no segundo turno, com uma grande diferença de votos sobre o adversário, como no caso do Tião Bocalom (PP), que colocou 47 mil votos de dianteira sobre a Socorro Neri (PSB). É a chamada perspectiva de poder.

SEM VOLUME

ATÉ ONTEM a campanha da candidata Socorro Neri (PSB) estava sem volume nas ruas. Em compensação, a do candidato Tião Bocalom (PP) fez uma carreata com 400 carros pelo 2º Distrito.

FUTURO A SER PENSADO

O EX-SENADOR Jorge Viana (PT) precisa começar a pensar no seu futuro. O PT, obteve apenas 7 mil votos em Rio Branco, e não fez um vereador. E elegeu quatro prefeitos em municípios de baixa densidade eleitoral. Pouco para quem quer voltar para o Senado.

PP SAINDO POR CIMA

QUEM CRESCEU muito foi o PP, que elegeu o prefeito de Cruzeiro do Sul, e com chance concreta de bisar a dose em Rio Branco. Notadamente, os maiores colégios eleitorais do estado.

NÃO ESTÁ NO CALENDÁRIO

NÃO CONSTA no calendário político do governador Gladson de após a eleição municipal na capital, conversar com o MDB. Segundo um de seus assessores, o MDB tem muitos donos.

SEM COMANDO UNIFICADO

NO ÂMAGO, não é falsa a premissa deste assessor. Não há um comando unificado no MDB. Há o MDB do Flaviano Melo, o MDB do Márcio Bittar, o MDB do Vagner Sales, todos independentes entre si. E, cada qual com pontos políticos de vista diferentes.

PRIMEIRA MINISTRA

A SECRETÁRIA DE COMUNICAÇÃO, Silvânia Pinheiro, é um dos nomes que está entre os mais fortes do governo. O governador Gladson Cameli se refere a ela como “minha Primeira Ministra”.

FASE LARANJA

O BLOG tem a informação que o governador Gladson antecipou para hoje a reunião do Comitê da Covid-19, que estava marcada para a sexta-feira da próxima semana. A capital pode voltar de novo à “fase laranja”, devido ao aumento de contaminados.

RESTRIÇÕES AO COMÉRCIO

NESTA FASE voltaria a limitação da abertura do comércio às atividades consideradas essenciais. Enquanto não vier a vacinação vamos ter de conviver com o sobe desce da pandemia.

COMPRA DE VOTOS

PELO MENOS dois vereadores eleitos terão problemas para manter os seus mandatos, pelo flagrante de compra de votos por seus cabos-eleitorais. A festa da vitória pode acabar em choro.

ANOTEM PARA CONFERIR

NINGUÉM SE ADMIRE se alguns dos prefeitos que foram eleitos venham a ter problemas com a justiça. Seria a repetição do filme de prefeitos da safra passada, que foram afastados dos cargos.

CAMINHO DAS PEDRAS

O EX-PREFEITO James Gomes sabe o caminho das pedras em Senador Guiomard. Conseguiu eleger a irmã Rosana Gomes (PP) prefeita, contra nomes ditos como sendo favoritos na disputa.

PROBLEMA NA MESA

O GOVERNADOR Gladson Cameli tem um problema para resolver urgente: quem é quem vai ocupar a liderança do governo na ALEAC, até aqui comandada pelo deputado Gerlen Diniz (PP). 

NOME SEM ARESTAS

UM NOME NOVO, com conhecimento jurídico, de diálogo, que bem poderia vir a ocupar a função é o do deputado Pedro Longo (PV), que se situa como um político de centro e moderado.

CANETA AZUL

O MÉRITO da contratação dos integrantes do cadastro de reserva da Polícia Militar, anunciado para o mês de fevereiro, deve ser debitado ao governador Gladson, que é quem tem a caneta azul.

 FATURA LIQUIDADA

A FATURA entre o governador Gladson Cameli e seu vice Major Rocha está liquidada. O governador considera o rompimento como caminho sem volta. Não era outro o desfecho esperado.

SAIU IMPRESSIONADO

O GOVERNADOR GLADSON CAMELI revelou ao BLOG que saiu impressionado com a fluidez política da Degmar Kinpara, mulher do ex-candidato à PMRB, Minoru Kinpara, na visita que fez a ele.

ESTOU NO SALDO

 “ELEIÇÃO é assim mesmo, já derrotei esta turma do PT por várias vezes, estou no saldo. Vamos juntar os soldados que restaram para a grande batalha de 2022”. Comentário do ex-prefeito Vagner Sales, sobre a derrota do Fagner Sales em CZS.

FRASE MARCANTE

“DEVEMOS ter sempre velhas lembranças e esperanças novas.” Houssaye

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2020 ac24Horas.com - Todos os direitos reservados.