Conecte-se agora

Efeito da pandemia na produção de frutas gera perda de renda e já causa desemprego no setor

Publicado

em

Abacaxi, laranja, acerola, açaí, cajá, caju, cupuaçu, goiaba, graviola, manga e maracujá. Sabores conhecidos e consagrados pela população acreana que, além de enriquecer a alimentação de crianças, adultos e idosos, geram emprego e renda para centenas de agricultores em todo o estado.

Porém, essa área altamente promissora da agricultura familiar no Acre entrou no rol das muitas atividades agroextrativistas ameaçadas pelos efeitos da pandemia do novo coronavírus, a exemplo do que ocorre também com a castanha-do-brasil e outros produtos acreanos.

Com o fechamento obrigatório de escolas, lanchonetes, hotéis, pousadas e restaurantes, para onde vai grande parcela da produção de polpas de frutas, o prejuízo não tardou a bater à porta de muitos produtores que tiveram grande parte das compras suspensas pelas agroindústrias locais.

Manoel Monteiro de Oliveira, superintendente da Cooperativa Central de Comercialização Extrativista do Acre (Cooperacre), que administra a maior agroindústria de processamento de frutas do estado, explica que esse forte impacto é causado porque quase a totalidade da produção de polpas de frutas ainda é vendida apenas no mercado local.

“A falta de investimentos em um sistema de produção com alta tecnologia dificulta o escoamento da produção para outros mercados, fazendo com que, por enquanto, a única opção seja a venda dentro do próprio estado”, diz.

Monteiro afirmou ainda que todo o fornecimento de polpas de frutas foi paralisado pelas ações de contenção à covid-19 prejudicando toda a cadeia de produção. Com os estoques lotados, a agroindústria foi obrigada a suspender as compras causando perdas de produção aos agricultores.

“Também suspendemos as atividades das indústrias, dando férias coletivas aos funcionários na esperança de que os efeitos da crise causada pela pandemia passem logo, pois caso a situação se prolongue muito, teremos que rescindir”, acrescentou.

Cerca de duzentas famílias produziam frutas para a Cooperacre antes da chegada da pandemia. Anualmente, a cooperativa processa cerca de 500 tonelada de frutas, volume que deve cair para um patamar de 150 a 200 toneladas.

A empresa do segmento de polpas Só Frutas, estabelecida no bairro do Calafate, em Rio Branco, também relata as dificuldades nos negócios causadas pela pandemia. De acordo com o proprietário, Joci Souza do Nascimento, o volume de compras este ano caiu de 200 para 150 toneladas, isso porque a safra de algumas frutas já havia passado até a chegada da pandemia.

A queda mais brusca, no entanto, foi nas vendas de frutas in natura, com destaque para a laranja, que, segundo Souza, teve uma redução de 95% nas quase 500 toneladas comercializadas anualmente por sua empresa. Com isso, o quadro de funcionários que contava com 100 colaboradores foi reduzido para 70.

“O reflexo negativo do fechamento do comércio foi enorme, pois causou a queda imediata nas compras junto ao produtor. E se o comércio não abrir logo, a tendência é a de que nós demitamos mais colaboradores”, ele diz.

E há mais um risco de os prejuízos serem maiores, caso as restrições sanitárias demorem ainda mais. Como no Acre a grande maioria dos plantios de frutas não são irrigados, a produção e a coleta da maior parte das espécies se dá no período chuvoso, que se aproxima do fim.

O ac24horas conversou com o secretário de estado de Produção e Agronegócio, Edivan Azevedo, sobre como o governo está acompanhando a crise no setor causada pela pandemia. Segundo ele, a SEPA está intensificando o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) com compra dos produtos da agricultura familiar e com doação simultânea para às instituições de saúde, casas de abrigos e famílias em insegurança alimentar e nutricional.

O secretário afirmou que para esse fim o Ministério da Cidadania aportou emergencialmente R$ 1,7 milhão para que o programa atue nos 22 municípios acreanos. Além do PAA, Edivan Maciel citou também o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), por meio da Secretaria de Estado de Educação, e as compras institucionais da UFAC, 7º BEC e do 4ºBIS, que totalizam R$ 31 milhões para aquisição de alimentos da agricultura familiar, beneficiando diretamente 6 mil agricultores.

“Em breve o BID/PDSA (Programa de Desenvolvimento Sustentável do Acre com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento) também liberará R$ 7,5 milhões para compra emergencial da produção dos beneficiários em todo o estado com doação simultânea para 6 mil famílias em situação de vulnerabilidade e 16 unidades de acolhimento. Com isso o governo do Estado está garantindo renda ao agricultor familiar, e ao mesmo tempo, alimentando os mais vulneráveis”, explicou o secretário.

Anúncios

Destaque 6

35% dos rio-branquenses acham governo Bolsonaro ruim

Publicado

em

A pesquisa Ibope divulgada pela Rede Amazônica neste sábado, 21, também avaliou o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) junto aos moradores de Rio Branco.

Os eleitores entrevistados classificaram a gestão federal em ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo. Conforme o percentual, 39% dos entrevistados acham o governo Bolsonaro ótimo/bom, 25% avaliam como regular e 35% como ruim/péssimo. 1% não sabem avaliar.

Com uma margem de erro de 4 pontos percentuais para mais ou para menos, a pesquisa foi encomendada pela Rede Amazônica Acre e ouviu 602 eleitores da cidade de Rio Branco no período de 18 a 20 de novembro. A pesquisa está identificada na Justiça Eleitoral com o registro: AC-06347/2020.

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.

Continuar lendo

Destaque 6

Ibope: 40% acham gestão de Gladson Cameli ótima

Publicado

em

A Rede Amazônica divulgou neste sábado, 21, a avaliação da população de Rio Branco para com as gestões do governador Gladson Cameli (sem partido) e da prefeita Socorro Neri (PSB) na capital acreana. Esta é a primeira pesquisa Ibope do segundo turno.

De acordo com os resultados de avaliação de Socorro Neri, 31% dos entrevistados consideram a gestão da prefeita como ótima/boa; 41% como regular e 26% como ruim/péssima. Neste critério, 2% não sabem avaliar.

Com relação ao percentual de aprovação da prefeita candidata à reeleição, 44% dos entrevistados aprovam e 47% desaprovam a gestão de Socorro. 9% não sabem avaliar.

Em relação aos percentuais de avaliação das administrações do governador do estado, Gladson Cameli, 40% dos entrevistados consideram ótima/boa, 40% acham regular: 40% e 17% avaliam como ruim/péssima. 4% não sabem avaliar.

Com uma margem de erro de 4 pontos percentuais para mais ou para menos, a pesquisa foi encomendada pela Rede Amazônica Acre e ouviu 602 eleitores da cidade de Rio Branco no período de 18 a 20 de novembro. A pesquisa está identificada na Justiça Eleitoral com o registro: AC-06347/2020.

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.

Continuar lendo

Destaque 6

Em outubro, Acre contribuiu com 9% na devastação da Amazônia

Publicado

em

Nos últimos meses, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon vem detectando um aumento no número de áreas de floresta derrubadas na Amazônia. Em outubro não foi diferente. Os satélites registraram um desmatamento de 890 km², o maior do mês de outubro dos últimos dez anos. De janeiro a outubro deste ano, a Amazônia perdeu 6.920 km² de área verde, 23% a mais que no mesmo período do ano passado. Na análise somente do mês de outubro, o crescimento do desmatamento foi de 49%, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (19).

No ranking dos estados que mais desmataram a Amazônia, o Pará aparece em primeiro lugar com mais da metade (53%) do total registrado no mês. Em seguida vem Rondônia (12%), Acre (9%), Mato Grosso (9%), Amazonas (9%), Maranhão (5%), Roraima (2%) e Amapá (1%). O Pará também domina o ranking dos municípios que registraram mais destruição da floresta: nove dos dez municípios na lista são paraenses.

No último mês, a degradação cresceu 279% na Amazônia, segundo o sistema de monitoramento do Imazon. Ao todo, as florestas degradadas totalizaram 2.351 km². Os incêndios florestais são alguns dos exemplos de degradação. Esses incêndios podem ser causados por queimadas controladas em áreas privadas para limpeza de pasto, por exemplo, mas que acabam atingindo a floresta e se alastrando. A extração seletiva de madeira para fins comerciais é outro exemplo de degradação.

O Sistema de Alerta de Desmatamento, desenvolvido pelo Imazon, é uma ferramenta que utiliza imagens de satélite para monitorar a floresta. Além do SAD, existem outras plataformas que vigiam a Amazônia: Deter, do Inpe, e o GLAD, da Universidade de Maryland. Todas essas plataformas são importantes para a proteção do nosso patrimônio ambiental, pois garantem a vigilância da floresta e a emissão de alertas dos locais onde há registro de desmatamento. Os dados fornecidos ajudam a subsidiar os órgãos de controle ambiental a planejar operações de fiscalização e identificar desmatadores ilegais. (Imazon)

Continuar lendo

Destaque 6

INSS bloqueia mais de 20,1 mil contas do seguro defeso

Publicado

em

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) bloqueou 55.503 parcelas de 20.189 contas do Seguro-Desemprego do Pescador Artesanal (Seguro Defeso), após a análise de 261 mil requerimentos do benefício, com auxílio de tecnologia e monitoramento diário.

A medida representa um valor total de R$ 58.000.635,00. O bloqueio está entre os primeiros resultados do grupo de trabalho criado com o objetivo de detectar, corrigir e prevenir irregularidades e fraudes no seguro, apresentados nesta quarta-feira (18/11) durante o Encontro de Integridade e Combate a Fraudes, promovido pelo INSS.

Outra medida já adotada foi a campanha de conscientização na segurança de senhas pessoais. Durante o evento, o grupo de trabalho – composto por integrantes da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia (ME), INSS, Polícia Federal, Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev), Secretaria de Aquicultura e Pesca e Caixa – foi formalmente criado com a assinatura da Portaria Conjunta nº 83/2020. O GT ocupará uma sala de situação, inaugurada na sede do INSS, para atuar na detecção de fraudes.

O INSS também publicou portaria que estabelece uma rotina de apuração da integridade dos dados repassados ao instituto relacionados à concessão de Seguro Defeso. Ao invés de buscar o ressarcimento, a medida visa bloquear pagamentos indevidos antes mesmo que eles sejam efetivados. Essa verificação será feita de modo permanente pelo GT e repassado pela Dataprev e validada pela Diretoria de Governança, Integridade e Gerenciamento de Riscos (Digov) do INSS.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas