Conecte-se agora

Moradores e ativistas criticam cortes de árvores no centro

Publicado

em

Mesmo estando localizada no meio da floresta amazônica, Rio Branco figura entre as cidades menos arborizadas do país. Se não bastasse isso, o corte das árvores em frente ao Palácio das Secretarias, que fica localizado próximo ao Palácio Rio Branco, chamou atenção de moradores e ativistas ambientais.

Para o engenheiro florestal, Lucas Matos, a supressão de árvores se trata da política da motosserra no meio urbano.

“Somos a capital com a menor taxa de arborização no país, apenas 14%, aqui o porque desse baixo índice. Tem necessidade??? Não tem. Pedem consciência ambiental da população, mas nossos gestores não dão exemplo, é a política da motosserra no meio urbano, já que essas árvores não apresentavam risco de queda e as raízes não estavam colocando em risco a estrutura do prédio”, afirmou.

O Secretário Municipal de Meio Ambiente (Semeia), Aberson Carvalho, emitiu uma Nota de esclarecimento afirmando que em 2017, a então Secretaria de Gestão Administrativa (SGA), solicitou a Semeia autorização para o corte de 02 castanholas e 02 espécies não identificadas, localizadas em frente do Palácio das Secretarias.

Segundo o Secretário em 2018, foi autorizado apenas o corte das duas espécies não identificadas, por atender o Art. 94 da Lei nº 1330/1999.

“No que se refere às 02 castanholas que foram cortadas, foi orientado apenas a poda de limpeza das árvores com a finalidade de eliminação dos galhos afetados com espécie parasitárias (ervas de passarinho) e posterior regeneração das copas das mesmas”, afirmou.

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas