Conecte-se agora

Audiência na Aleac é marcada com Jéssica Sales “incendiando” e Petecão “apagando incêndio”

Publicado

em

Audiência pública virtual promovida pela Assembleia Legislativa do Acre na tarde desta segunda-feira, 25, e se perdurou pela noite foi marcada por uma série de apontamentos de problemas no combate a pandemia no coronavírus no interior do Estado. Com os senadores e deputados da bancada federal no encontro virtual, deputados estaduais, prefeitos da região do Juruá, o secretário Alysson Bestene e o governador, em exercício, Major Rocha, puderam expor seus pontos de vistas em relação as ações de ajuda.

Primeiro a falar no encontro, o senador Márcio Bittar (MDB) destacou que o Congresso Nacional tem ajudado muito o Acre na medida do possível, principalmente na aprovação do pacote de ajuda financeira. “O Gladson receberá R$ 200 milhões para usar da melhor forma e mais R$ 140 milhões para gastar somente com saúde, além da moratória temporária de pagamento das dívidas dos Estados. Existe estudo da moratória ser estendida e sem contar que o governo federal tem facilitado a liberação de emendas para a saúde”, frisou.

O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) levantou a questão com relação aos quatro municípios isolados do Estado, Jordão, Santa Rosa, Marechal Thaumaturgo e Porto Walter com relação ao abastecimento de insumos e transporte fora de domicílio de pacientes com Covid-19. “Esses municípios tomaram decisões pesadas. Jordão já está a 30 dias no lockdown. Acredito que essas cidades precisam de suporte aéreo pronto para atender. Quando essas pessoas ficarem doentes, não terão TFD para transportar pra Cruzeiro do Sul ou de Santa Rosa para Rio Branco, essa é a grande questão”.

Já o governador, em exercício, Major Rocha, ressaltou a importância da iniciativa do encontro e destacou que é ciente dos problemas causados pela pandemia principalmente para os prefeitos do interior do Acre. “É muito difícil enfrentar uma situação dessa num grande centro, mas aqui no Acre e no interior é muito mais complicado. Acredito que a soma de esforços podemos ajudar melhor. Eu entendo a necessidade de se estreitar as relações com os prefeitos”, enfatizou.

A deputada Perpétua Almeida (Salientou) que realocou R$ 7 milhões de suas emendas para o combate ao Covid-19 e lembrou da guerra entre os governos estaduais e federal. “Essa negação da doença é muito ruim para o momento que vivemos”, lamentou a parlamentar.

A deputada Jéssica Sales (MDB) foi a responsável por quebrar o protocolo diplomático do encontro. Ela lembrou que a bancada federal vem fazendo um grande esforço, mas que não vê essa contrapartida do governo do Estado e criticou o plano de contingência elaborado pela secretaria de saúde. “O que estranha muito essas deficiências que o plano mostra e que já era pra ter uma solução. O governo nõ pode transferir esse peso em cima da bancada. Quem tem que executar é o o governo, é o secretário Alysson. Como vão ficar os municípios isolados? Precisamos de respostas. esse momento de união nunca se manteve. Fica difícil, o governo tem que trazer essas demandas, mas também não pode trazer sem matemática. Tem que saber como estão os hospitais do interior, é bom saber como estão os prefeitos. Não tem medicamentos, não tem testes rápidos. Desde o dia 12 tem R$ 6 milhões de emendas minhas na conta. O que foi feito com esse valor?”, questionou.

O secretário de Saúde, Alysson Bestene, direcionou seus respostas aos questionamentos diretos da deputada. Segundo o gestor, o plano de contingência já está em sua quinta versão e segue sendo alterado constantemente. “Agora mesmo a OMS contestou o uso hidroxicloroquina. Essas mudanças a gente vai acompanhando dentro do plano de contingência. Lá consta os trabalhos com os municípios nos trabalhos em 3 regionais”, destacou.

Bestene ainda levantou a problemática da falta de profissionais de saúde para atuar no Acre. “Nós nao temos mão de obra suficiente no Estado no Acre. Nós abrimos 150 vagas no concurso dos profissionais que passaram no concurso de 2019. Dos 150, só 37 se habilitaram. Com CRM apenas um médico se inscreveu. Como é que vou mandar médico para Santa Rosa, Jordão e Marechal Thaumaturgo?”, interrogou.

O gestor da saúde reforçou ainda para que a bancada federal ajude no pedido de profissionais do banco de dados do Ministério da Saúde. “A gente já solicitou que esses profissionais viessem ao Acre. O Amazonas chegou a receber quando tava no pico da crise. Recebeu 200 profissionais. Esse momento seria importante. A dificuldade de mão de obra local tem dificultado. A gente não tem profissional que queira ir para linha de frente e principalmente para o interior”, pontuou, enfatizando ainda que o governador Gladson Cameli colocou todos os aviões do Estado a disposição. “Praticamente semanalmente a gente tem reposto medição e EPIs em todas as unidades. Hoje nós temos aquela cápsula de transporte com paciente com Covid-19 para que não haja contaminação do ambiente no transporte aéreo”, destacou.

Após o secretário expor alguns pontos, Jéssica Sales voltou a retrucar, afirmando que suas emendas não devem ser usadas para pagar dívidas com a empresa terceirizada que gerencia o Hospital do Juruá, mas sim para comprar de materiais e ajudar na ampliação do atendimento, mas logo em seguida Bestene afirmou que o dinheiro não tem sido usado somente para esse fim.

Percebendo que o clima esquentou, o Senador Sérgio Petecão tratou de por panos quentes na discussão. “Se o Alysson tiver que prestar conta agora nesse momento, nós iremos nos deparar com um problema. Semana passada o prefeito de Acrelândia me ligou dizendo que o povo de Plácido de Castro tava usando a Caixa Econômica. Os problemas são diversos. Eu sei Alysson, eu imagino o que você está passando. Depois a gente vai saber se o governo e o secretário tava certo. Para mim o quanto pior melhor não vale e acredito que o Acre tenha ter um tratamento diferenciado pelo governo federal”, frisou o coordenador da bancada acreana em Brasília.

Anúncios

Destaque 7

Mailza participa da Carreata do 11 com Rosana e Ney, no Quinari

Publicado

em

Vários candidatos a vereador, simpatizantes, militantes e a juventude da coligação “Juntos Para Reconstruir e Avançar” participaram do movimento

A senadora Mailza Gomes (Progressistas-Acre), que interrompeu a licença- maternidade e retornou as atividades parlamentares nesta semana, chegou ao Acre na manhã deste sábado e a tarde já participou de uma carreata política promovida pela campanha eleitoral de Rosana Gomes e Ney do Miltão (PSD), candidatos à prefeitura de Senador Guiomard.

Logo na concentração, na entrada da cidade, militantes, moradores e simpatizantes se juntaram aos mais de 500 veículos que circularam pelas principais ruas e bairros do Quinari. Durante o percurso da Carreata do 11, muitos guiomarenses demonstraram carinho e apoio à candidatura de Rosana.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo

Destaque 7

Mailza retorna às atividades parlamentares no Senado

Publicado

em

Senadora foi recebida neste sábado com carinho e alegria no aeroporto de Rio Branco pelos candidatos à prefeitura de Rio Branco, Bocalom e Marfisa e a candidata a prefeita de Senador Guiomard, Rosana Gomes, e equipe

A senadora Mailza Gomes (Progressistas-AC) interrompeu a licença-maternidade para voltar às atividades parlamentares no Senado Federal e no Acre. Nesta semana ela participou de importantes votações no Senado e nesta manhã de sábado, 24, ela chegou no Acre com a Theodora, o Henry e o esposo James e foi recebida com festa pelos acreanos. Os candidatos à prefeitura de Rio Branco, Bocalom e Marfisa e a candidata a prefeita de Senador Guiomard, Rosana Gomes também estavam presente.

Durante a semana, a senadora foi ao Senado para votar as indicações do governo para Anvisa, TCU, ANP, Antaq e CVM, além da aprovação da primeira diretoria da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) e a confirmação de Kassio Nunes Marques para o Supremo Tribunal Federal (STF).

A senadora Mailza Gomes não parou, mesmo no final da gravidez ela se reunia por videoconferência com ministros e secretários cobrando soluções para os problemas do Acre. Neste ano, ela destinou mais de R$ 70 milhões para fortalecer a saúde, infraestrutura, educação e agricultura do estado e dos 22 municípios do Acre. Ela também destinou mais de R$ 21 milhões em emendas para combater o novo coronavírus.

“O meu compromisso é com as pessoas e o meu trabalho é para melhorar a vida delas. Em meu mandato temos uma missão bem clara que é: “servir o cidadão”. Então, precisamos atender às necessidades deles e levar bem-estar e tranquilidade nos serviços públicos. Por isso destinamos recursos para os gestores aplicarem de forma transparente e eficiente nas cidades e no estado. E agora é o momento. O período eleitoral é a oportunidade de analisar as melhores propostas e escolher os melhores prefeitos e vereadores para os municípios, ou seja, que tenham competência e experiência para gerir os recursos públicos”, destacou a senadora.

Continuar lendo

Destaque 7

Policial federal é condenado por assédio sexual e injúria contra colega de farda no Acre

Publicado

em

O policial federal Marcos Roberto Ugeda foi condenado, a pedido do Ministério Público Federal (MPF), pelos crimes de assédio sexual e injúria contra uma outra agente da Polícia Federal. Os fatos que ocorreram em 2018, quando Ugeda era chefe de missão no Posto de Fronteira de Assis Brasil, no interior do Acre.

Na ação penal apresentada pelo MPF, foi descrito que Ugeda, valendo-se da condição momentânea de chefia, fez três investidas (inclusive chegando a tocar o corpo da vítima) com o intuito de obter vantagem sexual, além de ter injuriado a agente de polícia em reunião profissional no Posto de Fronteira onde ambos prestavam serviço.

Na instrução do processo, a defesa do condenado tentou desqualificar a vítima imputando-lhe comportamento instável e difícil, ou até mesmo uma armação da vítima para obter vantagem em remoção para outro Estado. A Justiça entendeu que os argumentos da defesa não ajudavam o réu, pois o comportamento da vítima não apagaria, caso fosse verdadeiro, o conjunto de provas e depoimentos apresentados pelo MPF na ação penal.

Ao final da sentença, o magistrado responsável pelo julgamento somou a pena do acusado em três anos e quatro meses de detenção em regime inicialmente aberto, e cumprindo o preconizado pelo Código Penal, substituiu a pena privativa de liberdade por duas penas restritivas de direitos: a prestação de serviços à comunidade por sete horas semanais durante os mesmos 40 meses da sentença inicial, bem como a prestação pecuniária de R$ 200 Reais pelo mesmo período, para uma entidade beneficente indicada pelo Juízo.

Continuar lendo

Destaque 7

Ulysses detona Major Rocha nas redes sociais e diz que vice quer dar um golpe em Gladson

Publicado

em

Se tem uma coisa que a pandemia da Covid-19 não mudou foi a política acreana. Continua tudo igual, com tretas diárias envolvendo os personagens que fazem parte do cenário político do estado.

O “entrevero” do dia é uma carta do Coronel Ulysses publicada nas redes sociais e endereçado ao Major Rocha. Os dois, que pouco tempo atrás, eram aliados no PSL, partido que o vice-governador levou o ex-comandante da Polícia Militar do Acre, hoje são inimigos políticos declarados.

Na publicação, Ulysses replica um comentário de Rocha que afirma que o coronel PM é comunista e nunca o ajudou, e diz que o vice-governador precisa de um tratamento psiquiátrico.

Ulysses lembra que o Minoru, candidato pelo PSDB à prefeitura de Rio Branco e apoiado por Rocha, foi presidente do PT. Acusa Rocha de ter ambição apenas pelo poder e diz que Rocha faz política suja e nojenta.

No fim da publicação, Ulysses afirma querer distância de Rocha e diz que o major é “da mais alta periculosidade”.

 

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas