Conecte-se agora

Homens são mais de dois terços das mortes por Covid-19 no Acre

Publicado

em

Pela faixa etária, idosos também são maioria entre os que não resistem às complicações da doença

Um estudo publicado na revista científica Frontiers in Public Health diz que homens e mulheres são igualmente propensos a contrair o novo coronavírus, mas os primeiros têm mais chances de sofrer efeitos graves da doença e vir a falecer.

No Acre, onde 78 pessoas já sucumbiram ao vírus, a tendência demonstrada pela pesquisa se confirma. Desse total, 54 (69%) óbitos ocorreram no sexo masculino e 24 (31%) no sexo feminino, segundo dados mais recentes do Departamento Estadual de Vigilância Epidemiológica.

Nos grupos estudados pela pesquisa, mais de 70% dos pacientes que morreram eram homens, o que significa que eles têm quase 2,5 vezes a taxa de mortalidade de mulheres, praticamente a mesma verificada nos números da realidade acreana.

Em nível nacional, desde o começo da pandemia da Covid-19, também morrem mais homens do que mulheres pela doença. Para cada dez pessoas que vão a óbito pelo novo coronavírus no Brasil, seis são homens e quatro são mulheres, assim como ocorre na Espanha.

O estudo afirma que mais pesquisas são necessárias para determinar exatamente por que os homens com Covid-19 tendem a piorar mais do que as mulheres. Ainda assim, a constatação pode ter implicações importantes no atendimento ao paciente.

Publicação da revista Exame diz que para descobrir os motivos exatos para a maior taxa de mortalidade entre os homens com Covid-19, os governos e hospitais do mundo todo precisariam compartilhar mais dados sobre os mortos pela doença, o que ainda não ocorre.

Já um informe recente do Istituto Superiore di Sanità, da Itália, diz que há evidências de que existem diferenças de gênero na infecção, no tratamento e na gravidade dos casos em relação à Covid-19. A publicação italiana aponta três hipóteses para essa diferença significativa:

Maior tendência dos homens a fumar (fator de risco para contrair a infecção e desenvolver um quadro clínico mais sério da doença);

– Mulheres têm como hábito dedicar um tempo significativo da rotina à higiene pessoal;

– Possível resposta imune, inata e adaptativa, mais rápida e eficaz em mulheres do que em homens.

A pandemia no Acre

Outros dados importantes sobre a pandemia no Acre são quanto a faixa etária e comorbidades. Dentre os 78 óbitos, 78 deles tinham alguma comorbidade e 22% das pessoas que evoluíram para o óbito não tinham histórico de doenças preexistentes. Quanto à idade, 66,7% dos óbitos (52 casos) ocorreram em pessoas acima dos 60 anos.

As notificações para o novo coronavírus no Acre começaram a ocorrer a partir do dia 2 de março, seguindo até o dia 15 em média com 2 notificações diárias. Após a confirmação dos primeiros casos as notificações aumentaram significativamente. No Estado até o momento são 9.800 casos notificados, tendo sido 5.144 (52,5%) casos descartados, 3.103 (31,7%) confirmados e 1.556 (15,9%) seguem aguardando resultado de exame laboratorial por PCR.

Nos últimos dias, de acordo com a análise dos casos acumulados, vem ocorrendo um aumento significativo no número de casos confirmados, sendo que no dia 11 de maio ocorreu o registro do maior número de casos (323). Atualmente, o Acre tem o registro de 78 óbitos por covid-19, que ocorreram entre os dias 6 de abril a 21 de maio.

A incidência da doença no Acre é de 351,8 casos por 100.000 habitantes, sendo que os municípios de Plácido de Castro e Acrelândia apresentam as maiores incidências do estado com 678,1 e 648,9/100.000 habitantes, respectivamente.

Quanto à distribuição geoespacial dos casos confirmados no Acre, 22 municípios, 19 (86,4%) apresentam casos positivos da doença. No município de Rio Branco estão concentrados 67,9% dos casos do estado. Apenas Jordão, Manoel Urbano e Porto Walter ainda não registram casos de covid-19.

No Brasil e no mundo

O novo coronavírus já contagiou globalmente mais de 5 milhões de pessoas e, considerando os números da Universidade Johns Hopkins, 330 mil morreram por complicações da covid-19. No Brasil, o número de casos é acima dos 310 mil e as mortes ultrapassaram 20 mil nesta quinta-feira, 21.

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas