Conecte-se agora

Acertou no milhar 

Publicado

em

O senador Márcio Bittar (MDB) passou a ter um papel importante para o governo Gladson Cameli, a partir do momento em que foi destacado para ser o relator do orçamento geral da União para 2021, porque poderá remanejar maiores recursos ao Estado. O ano de 2021 será o desaguadouro natural de todos os reflexos negativos na economia nacional, com a quebradeira que virá naturalmente ao fim desta pandemia do Covid-19. Será a grande oportunidade para o governo Gladson formular grandes projetos para o Acre. É uma oportunidade de ouro. Ter um relator amigo é um presente gordo de Natal antecipado para um Estado, principalmente, um Estado quebrado como o Acre, que vive basicamente de recursos do FPE. Será como uma bonança depois da praga de saúde e econômica do Covid-19. Para quem não acompanha a política, o relator do orçamento da União é o posto mais cobiçado no Senado. É o sonho de todo senador. É como a cereja do bolo no debate econômico da destinação sobre os recursos da União. Não deve ter sido fácil a costura do Márcio para conseguir a indicação, deve ter pesado a sua natural sagacidade e o fato de ser um dos maiores defensores do bolsonarismo, ao ponto de declarar que é mais direita que o presidente Bolsonaro. Na escolha teve o dedo do ministro da Economia, Paulo Guedes, que jamais daria o seu aval a alguém que não fosse um defensor intransigente do seu projeto para a economia do país. Se fosse no “Jogo do Bicho”, diria que, o Gladson Cameli acertou no milhar com o fato do senador Márcio Bittar vir a ser o relator do orçamento federal para 2021.

CAPACIDADE DE PROJETOS

Tem gente que não tem a ideia do poder que o senador Márcio Bittar (MDB) vai ter como relator, na montagem do orçamento da união para 2021. Será o senador mais paparicado pelos governadores, ávidos por um quinhão maior na repartição do bolo orçamentário.

 ENGENHEIRO NOS BASTIDORES

Você pode contestar o senador Márcio Bittar (MDB) por suas posições extremadas de direita na política, pode não gostar dele por outro motivo, mas não pode deixar de reconhecer a sua capacidade de articulação. Como deputado federal ocupou o segundo posto mais importante da Câmara Federal, o de primeiro secretário. E no Senado, o de relator do orçamento da União. O Bittar não pesca piaba na política.

NENHUM PEGOU ESTA BOMBA

Nenhum governador acreano pegou um quadro de mais difícil governabilidade do que o Gladson, o de uma pandemia, uma situação fora de qualquer planejamento. Quem imaginava no início de governo, que viria uma pandemia? E isso num Estado que depende do FPE.

POLÍTICA DE LADO

Vamos deixar de lado a política, as paixões ideológicas, esquecer o olhar para as eleições de 2020 e 2022, e sem isso não há como criticar o Gladson como omisso nesta grave crise do Covid-19, que tantas vidas já levou. Dentro do pífio orçamento estadual, ninguém faria melhor.

NÃO HÁ DISCIPLINA

O que acontece é que o brasileiro é indisciplinado. Cientificamente está provado que o isolamento social é eficaz para não deixar subir a curva do Covid-19. Mas vai quase todo mundo para a rua, sem máscaras, não se importando se será contagiado ou contaminará.

O ACRE NÃO DIFERE

O Acre não é diferente. As ruas continuam lotadas, aglomerações continuam a acontecer, o isolamento social não é seguido pela maioria, por isso vamos caminhando rápido para se ter em breve batido no teto dos mil casos de contaminação. Vai chegar a hora de ter lockdown , limitando o tráfego de pessoas, em vigor em São Luis e estudado por outros Estados.

CASA DE MÃE JOANA

A burla ao decreto governamental vem sendo em grande escala. Você passa pelo camelódromo e as lojas estão abertas. Ou o governo endurece o jogo ou mais famílias vão chorar a perda de um ente querido. A economia se recupera, as vidas, jamais!

APONTEM OUTRA SAÍDA

A única maneira de o Governo manter os servidores do Pró-Saúde nos seus cargos, é criando o Instituto de Saúde. A sua não aprovação implica em demissões, ou o governador poderá ser acionado por crime de descumprimento judicial. Apontem outras saídas, senhores deputados que são contrários ao projeto. Terceirizado, o Pró-Saúde já é desde o governo Binho, ora, pois!

NENHUMA VOZ

E não vi nenhuma voz da oposição, que na época estava ligada à Frente Popular, se levantar contra o governador Binho Marques (PT), que foi o criador do Pró-Saúde. Bateram foi palma. 

APRESENTAR UMA SOLUÇÃO

A crítica é um caminho na democracia, mas deve sempre vir acompanhada com uma solução para o que é criticado. Ser contra apenas porque se é da oposição, perde a credibilidade.

TIROU DO BURACO

Manuel Urbano não é a sétima maravilha do mundo, continua carente de tudo, mas se encontra numa situação melhor do que a que foi recebida pelo prefeito Tanízio Brasil (MDB).

ENFIM, UMA VOZ LÚCIDA!

O empresário George Pinheiro, que sempre foi uma voz equilibrada no meio empresarial, defendeu a postura adotada pelo governo de manter o isolamento social e não liberar as atividades comerciais. Os que são contra falam em perdas econômicas, pouco se importando com as perdas de vidas. O governo está sendo correto em manter a luta para preservar vidas.

NÃO SERÃO OS COBRADOS

O que defendem a tese da “gripezinha” e levantam a bandeira da perda econômica com a paralisação das atividades comerciais, se tudo for liberado como querem, e os casos do Covid-19 explodirem, não serão nas suas costas as pesadas críticas que por certo irão ocorrer.

A LEI É PARA TODOS

Tenho ouvido algumas críticas de lideranças religiosas por conta do isolamento social, que proibiu a reunião nos templos. Não se trata de nenhuma perseguição religiosa, como alguns aventaram. Ser evangélico é apenas um livre arbítrio de fé, mas a lei é para todos.

EXTREMAMENTE BEM COLOCADO

Ninguém melhor do que o respeitado Padre Mássimo Lombardi, colocou até agora esta questão no debate religioso: “Se cada um não fizer a sua parte e não ficar em casa, não adianta rezar”.  Padre Mássimo, tem razão: o Covid-19 é um fato de ciência e não religioso.

NÃO COMPORTA FANATISMOS

A pandemia do Covid-19 não comporta no seu debate nem o fanatismo político e nem o fanatismo religioso. É uma questão de saúde pública. E é assim que deve ser encarada.

PARA OS DESCRENTES

Os casos de contaminação no Estado continuam altos, exatamente, por não ser seguida como uma regra, o isolamento social. Já são 817 contaminados pelo Covid-19 até o último boletim. E o número de óbitos chegou a 29. A continuar o pouco caso, os números vão disparar.

NÃO É FRACO

Posso afirmar que não é fraco o grupo mais ligado ao governador que defende o seu apoio à candidatura da prefeita Socorro Neri, para mais um mandato. No combate ao Covid-19 já estão perfeitamente afinados. Uma união das máquinas do governo e do município seria poderosa nas eleições municipais. 

QUARENTENA POLÍTICA

O ex-deputado Ney Amorim não está apenas de quarentena no isolamento social, mas também em quarentena política, depois que se filiou ao PROGRESSISTAS. Não dá um pio. No que não está errado, num momento que o quadro político não se encontra definido, falar demais fora de hora nunca deu certo na política.

FRASE MARCANTE

“é melhor uma chama que nos aquece do que um incêndio que nos queima”. Ditado francês.

Anúncios

Blog do Crica

A política tem que ser feita com elegância

Publicado

em

Sou um defensor de que na política o debate pode ser duro, mas sempre na defesa de uma ideia, de uma corrente de pensamento, mas que não pode nunca descambar para a chacota ou para a diminuição pessoal do adversário, quanto mais de um aliado. A elegância cabe também na política. Neste debate sobre a entrada do governador Gladson Cameli no PSDB, a deputada federal Mara Rocha (PSDB), destemperou e deu um exemplo de como não se deve fazer política: com rancor. A sua postagem que circulou no grupo de deputados foi um ataque desnecessário à figura do governador. O tratou de forma irônica, humilhante, o diminuindo, ao se posicionar que, ele poderia vir para o PSDB, mas como mero “cabo-eleitoral” para balançar bandeira com os militantes tucanos em todo estado, e o alertando, como se fosse um Zé Mané, que no PSDB tem deveres e se exige fidelidade partidária. Ao contrário dos presidentes dos diretórios estadual e municipal, que o trataram com o respeito devido, mesmo lembrando ter o PSDB candidato a prefeito da capital. Foi um texto humilhante que nada engrandece a biografia da parlamentar. Até porque se desconhece desde a sua chegada ao poder uma frase, uma menção, de ataque do Gladson a quem quer que seja. Até quando se referiu ao PT. Não resta ao governador neste contexto outro movimento que não seja o de tirar da pauta a sua entrada no PSDB, para evitar novos ataques á sua pessoa, que serão inevitáveis. Se ainda nem se filiou e foi tratado desta maneira, avalie então, como será nas discussões internas! E também, porque o Gladson como governador não precisa do PSDB. Pode compor maioria na ALEAC sem os tucanos. E conhecendo os deputados tucanos naquela casa, acredito que não avalizam a maneira como o governador foi tratado neste episódio. Como disse Che Guevara, na sua célebre frase, de que se pode ser duro, mas sem perder a ternura. E a elegância também cabe na política partidária. E a deputada federal Mara Rocha (PSDB) foi deselegante no presente caso.

NÃO CRITICO A PESSOA

Nunca me furtei no BLOG de fazer algumas críticas às posturas políticas do governador Gladson. E farei de novo, se necessárias. Mas sempre passando longe do ataque pessoal. Quando o ataque passa a ser diretamente à pessoa, deixa de ser debate para ser agressão.

SIMPLES SOLUÇÃO

O governador Gladson Cameli tem uma solução muito simples para sair deste foco com pauta negativa. Reúne os presidentes de partidos, defenda uma chapa de consenso à PMRB, não vai conseguir, mas depois ninguém vai dizer que não tentou. E depois escolha quem quiser apoiar.

NÃO PRECISA DE PARTIDO

Caso o governador Gladson Cameli queira mesmo levar o apoio à candidatura da prefeita Socorro Neri não precisa estar filiado a um partido. Monta um leque de aliança com os partidos que queiram lhe acompanhar, e vai para a campanha. Evitaria estar se desgastando.

OUTRA OPÇÃO

Há ainda outra opção. A de ficar como magistrado e não apoiar ninguém no primeiro turno.

CORRIDA AO CONFESSIONÁRIO

O governador Gladson não assimilou ainda que a sua posição é privilegiada. Não é candidato a nada. E o prefeito que se eleger, não terá outro caminho a seguir do que depois da eleição correr para o seu confessionário para pedir parceria, porque as prefeituras estarão quebradas.

CRISE INEVITÁVEL

A crise econômica deve após esta pandemia se abater ainda mais firme sobre as prefeituras. Será inevitável. E qual é o prefeito que não vai querer ter uma ajuda do governo para sua administração? Todos vão querer uma parceria administrativa, isso é mais do que lógico.

QUESTÃO DE HONRA

Em todas as conversas políticas o senador Márcio Bittar (MDB) tem dito que, será questão de honra na eleição de 2022, ele eleger a mulher Márcia Bittar, companheira das suas batalhas eleitorais. Não tenho dúvida que pelo trabalho que realiza, no mandato, conseguirá o intento.

MAIS ARTICULADO

Entre os candidatos a prefeito dos partidos pequenos o que está melhor se articulando nos bastidores é o empresário Jarbas Soster (AVANTE), e navegando bem nas redes sociais, com um discurso forte centrado na livre iniciativa. E terá estrutura de campanha bem montada.

PARA EVITAR PROBLEMAS

Pelo fato do governo ter secretários de partidos que têm candidatos a prefeito na capital, se o governador Gladson Cameli não quiser ter problemas deve manter rédeas curtas para evitar o uso desta ou daquela secretaria na campanha. Ou poderá ter sérias complicações eleitorais.

BATEU NO TETO

As pesquisas internas de partidos estão mostrando que teve candidato que bateu no teto, e não tem mais o protagonismo das pesquisas iniciais. Na política se denomina de “cavalo paraguaio”, o candidato que dispara na dianteira e no curso da campanha cansa e desaba.

 RESPEITOSO, MAS COM POSIÇÃO

O senador Sérgio Petecão (PSD) tem sido sempre respeitoso, mesmo discordando, quando se refere ao governador Gladson Cameli, pontuando que ele pode ter o candidato que bem que entender, é seu direito; mas que no seu caso, manterá o apoio à candidatura do Velho Boca.

A GRANDE INTERROGAÇÃO

Continua como a grande interrogação desta eleição municipal a definição em Cruzeiro do Sul qual será o candidato a prefeito do grupo de aliados do Palácio Rio Branco. Enquanto não se tiver uma solução jurídica para o caso do prefeito Ilderlei Cordeiro ficará em banho-maria.

SEM CANDIDATO

As pesquisas não mostraram até aqui um candidato que possa derrotar o Bolsonaro, em 2022.

NÃO VAI VINGAR

Deve ficar apenas na vontade a candidatura do Coronel Ulysses Araújo a prefeito de Rio Branco, a depender da direção regional. Ao não ser que, seja avalizado pela direção nacional.

ÁGUAS CALMAS

A candidatura do prefeito Mazinho Serafim (MDB) à reeleição continua a navegar em águas calmas, com a oposição dividida. Mazinho é situado como favorito até pelos oposicionistas.

VOLTA Á ATIVA

O chefe do gabinete civil, Ribamar Trindade, voltou a despachar após ter se recuperado da Covid-19. Não tivesse se mantido afastado o céu político do governo não estaria escuro. Teria, por certo, tido a habilidade, de evitar que o governador entrasse em debates infrutíferos.

EVANDRO CORDEIRO

Quem está na disputa por uma vaga de vereador da capital na eleição deste ano é o jornalista Evandro Cordeiro. O Evandro, qualificado, é um bonachão do qual ninguém consegue ter raiva.  Com anos de militância no colunismo político; poderá se eleito, vir a ser um bom vereador.

ESPERANDO O RESCALDO

O PT ainda não definiu quem será o vice na chapa do deputado Daniel Zen (PT) para a prefeitura de Rio Branco. Deve estar esperando o rescaldo das definições partidárias para uma composição na busca de um vice. Tivesse o PT no poder, teria uma fila de pretendentes a vices.

LONGE DO FURACÃO

A prefeita Socorro Neri tem passado longe do furacão político, levando frentes de serviços aos bairros. Ganha muito mais politicamente com essa ação, de que entrar em discussões estéreis.

FICA EM SUSPENSE

Somente com a chegada do governador Gladson Cameli na próxima terça-feira é que se vai ter uma noção mais exata se entrará ou não no PSDB. Depois dos últimos episódios é de repensar.

FRASE MARCANTE

“Não é uma qualidade rara que faz o encanto de uma pessoa, mas a harmonia entre todas as qualidades dela.” Diane.

Continuar lendo

Blog do Crica

Espatifado no ninho tucano

Publicado

em

O que era para ser uma festa no ninho tucano, acabou num espatifado, em bicadas. O anúncio do governador Gladson Cameli que iria se filiar no partido com “carta branca” e manteria seu apoio à candidatura da prefeita Socorro Neri, foi como jogar gasolina para apagar fogo.

O presidente do diretório municipal do PSDB, Mário Paiva, veio com uma nota oficial dizendo ser a candidatura do professor Minoru Kinpara (PSDB) a prefeito da capital, consolidada e inegociável.

Liguei para o Minoru Kinpara para ouvir a sua opinião. Foi pragmático, a pontuar que sua candidatura à prefeitura da capital está
mantida, que se preparou para isso, e não aceita ser vice da prefeita Socorro Neri, hipótese levantada por Cameli.

Mas a sapatada de sapato com salto alto bico fino veio da deputada federal Mara Rocha (PSDB), ao avisar que ninguém tira a candidatura do Minoru, que tem para isso apoio da bancada federal do PSDB, e alertou ao Gladson que, ele pode se filiar, mas se manobrar para mexer na candidatura do Minoru, ela reassume a presidência do PSDB (está licenciada) e pede sua expulsão do partido.

lu

 

Na outra ponta da confusão o vice-governador Major Rocha teve que intervir para acalmar os pitbulls tucanos, que estavam numa guerra nas redes sociais, alertando ao governador, dizendo que ninguém tira o Minoru da disputa da prefeitura da capital.

Quem pintar outro quadro que não seja o de uma grande confusão tem nariz de Pinóquio. O PSDB pode virar num palco de disputas internas. Repetindo a novela do PROGRESSISTAS, cujos capítulos todos assistiram.

POLÍTICA  E  PRUDÊNCIA

A boa política está na arte de cultivar a prudência, diz um velho ditado. Antes de se tomar uma decisão há que se analisar sempre o pró e os contra. Dentro deste quadro belicoso nos tucanos, o Gladson Cameli deveria pensar e repensar antes de uma decisão antes de tomar.

NÃO TERIA BOM DESFECHO

Uma intervenção do diretório nacional na executiva regional e municipal para ele assumir o comando total do PSDB, está longe de ser o ideal. Como são diretórios eleitos, e existe jurisprudência, o caso seria judicializado e a intervenção cairia por terra. Daria uma briga.

O DILEMA DO GLADSON

Esta confusão vai deixar o governador Gladson num brutal de um dilema: se entrar no PSDB chega sabendo que, vai ter que enfrentar uma briga feroz para remover a candidatura do Minoru Kinpara (PSDB) à PMRB, consolidada, e a substituir pela da prefeita Socorro Neri.

FORA DE COGITAÇÃO

E também está fora de cogitação conseguir convencer o Minoru a ser o vice numa chapa encabeçada pela prefeita Socorro Neri. Primeiro que o Minoru já disse que não aceitará. E segundo porque a deputada federal Mara Rocha (PSDB) e o seu grupo também rejeitam.

NEM POR BRINCADEIRA

Falei ontem com dirigentes do MDB sobre o boatos que corria de que o deputado Roberto Duarte (MDB) poderia ser um vice da prefeita Socorro Neri, numa composição, com a benção do Gladson. Com todos com os quais conversei a resposta foi do tipo “nem por brincadeira”.

SITUAÇÃO É CLARA

A situação é bem clara. A filiação do governador Gladson ao PSDB não é rejeitada, desde que venha para somar na candidatura do Minoru a prefeito de Rio Branco. Mas se vier com o apoio à prefeita Socorro Neri na cabeça, melhor desistir da filiação, porque vai enfrentar confusão.

“ULYSSES É UM OPORTUNISTA”

A frase acima foi dita ontem ao BLOG pelo vice-governador Major Rocha (PSL) sobre a postagem do Coronel Ulysses Araújo, se colocando à disposição para ser o candidato do partido a prefeito de Rio Branco. Rocha descartou qualquer possibilidade disso acontecer.

SEM CONFUSÃO

Não estou impondo o meu nome, mas o colocando à disposição do partido, porque acho que uma sigla como o PSL, que teve candidato a governador, tem de ter candidato para a PMRB. Foi a explicação ao BLOG. Mas ressaltou que, acatará a decisão que vier do PSL a respeito.

NÃO VAI ACUSAR O GOLPE

Sobre a confusão no PSDB com o anúncio da entrada do governador Gladson, o vice-governador Rocha (PSL) disse que, embora não seja do partido não seria contra, mas considera um erro se a entrada for com a intenção de detonar a candidatura do Minoru (PSDB) à PMRB.

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO

Estão atribuindo nos bastidores toda esta confusão ao senador Márcio Bittar, e que estaria por trás da entrada do Gladson Cameli no PSDB, e da ideia de detonar a candidatura do Minoru, com o objetivo de enfraquecer politicamente o grupo dos Rochas – Mara e Major Rocha.

NEGA AS INICIATIVAS

Ouvi ontem o senador Márcio Bittar (MDB) a respeito de toda esta boataria o colocando como o articulador. “Estão me dando um poder que não tenho”, reagiu com ironia ao BLOG. Não negou que conversou com o Gladson, mas não para articular a manobra do PSDB.

ESTÁ DESCONFORTÁVEL

Uma coisa o senador Márcio Bittar (MDB) não pode negar, por ser evidente: o seu claro desconforto dentro do MDB, onde não conseguiu ter um papel de um protagonista.

SAPATEANDO EM BRASA

De quem não se consegue arrancar uma posição além da de que o Gladson Cameli será bem vindo no PSD, é do presidente da executiva regional, Correinha. Quando se fala de tirar a candidatura do Minoru, fica sapateando descalço na brasa, e diz não estar em discussão.

ROSAS OU JASMINS

O Manoel Pedro, o Correinha, que é secretário de cultura no governo do Gladson, e presidente do PSDB, deverá ir ao aeroporto recebê-lo e lhe dar boas vindas pelo PSD. A dúvida é sobre quais flores levará: Rosas ou Jasmins. Mas não passará no fundo de um ato litúrgico.

SEMANA FATAL

A semana que entra poderá ser fatal para o futuro político do prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, caso entre em pauta seu julgamento. Mantida a cassação está fora do páreo. Talvez por estar nesta dependência é que, ele tem se omitido em falar sobre sua candidatura.

PRUDENTE

O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) tem sido prudente sobre com que partido os comunistas vão estar no palanque na eleição municipal deste ano, na capital. Antes quer ver quem serão os parceiros de campanha, para não sair um casamento de sucuri com jacaré-açu.

NÃO ESTÁ NA CONTA

O prefeito de Senador Guiomard, André Maia, não está na contabilidade do MDB como um dos candidatos favoritos a ganhar a eleição para a prefeitura. Está na contabilidade dos chamados meia-boca, que por estar no poder pode até ganhar, mas não entra como favorito.

PARADA DIFÍCIL

Quando se ouve até de dirigente do seu próprio partido de que o prefeito Gedeon Barros (PSDB) vai ter uma parada indigesta para derrotar o candidato a prefeito de Plácido de Castro do MDB, Francisco Tavares, é porque a situação para o atual gestor não é um mar de rosas.

NÃO ARRISCO NADA

Perguntaram ontem se eu achava se o Gladson Cameli se filiaria ou não no PSDB, depois de toda esta confusão que está gerando. Minha resposta: – de Gladson, só quem entende, é o próprio Gladson. Qualquer previsão que se fizer corre o risco de ir por águas abaixo.

SOBRE A ELEIÇÃO

Agora, sobre a eleição, não vejo como provável nenhuma mexida no atual cenário, que não seja das candidaturas dos partidos tradicionais mantidas: Socorro Neri (PSB), Minoru Kinpara (PSDB), Tião Bocalom (PROGRESSISTAS), Roberto Duarte (MDB). Estão todas solidificadas.

FRASE MARCANTE

“O que é verdadeiramente imoral é ter desistido de si mesmo”. Clarice Lispector.

Continuar lendo

Blog do Crica

Os tucanos coloquem os seus bicos de molho; Gladson não assinou

Publicado

em

Para início de conversa: o governador Gladson Cameli não se filiou ao PSDB. Prometeu se filiar. Vamos então começar esta prosa por este ponto, por esta hipótese.

Caso se filie ao PSDB (quero ver primeiro a ficha assinada e registrada no TRE-AC), ele tem que começar colocando na cabeça que não está entrando num partido nanico, mas num partido estruturado e com diretório eleito. Não é uma executiva municipal provisória que você pode entrar e trocar todo mundo. Neste caso teria que haver uma intervenção da direção nacional. E viraria uma grande confusão. Mas não seria impossível.

Outro aspecto: o PSDB tem um candidato a prefeito de Rio Branco disputando entre os favoritos, o professor Minoru Kinpara (PSDB). Durante todo este processo pré-eleitoral, ele anunciou que a sua candidata a prefeita de Rio Branco é a Socorro Neri. Não foi ela quem se insinuou, não foi ela quem pediu; mas ele que, espontaneamente, disse por diversas vezes que não abriria mão do seu nome.

Como é que ficaria entrando no PSDB?

Como cumpriria sua promessa de apoiar a prefeita Socorro (PSB) a mais um mandato?

Para isso acontecer teria que degolar a candidatura do Minoru.

Não há alternativa.

Outra pergunta: o que ganha o Gladson entrando no PSDB, a não ser a antipatia do presidente Jair Bolsonaro, porque o seu adversário em 2022 será o manda-chuva do PSDB, João Dória?

Um estado pobre como o Acre, que vive basicamente do FPE, pode se dá ao luxo de optar por ser adversário de quem preside o país?

São situações que não podem ficar fora desta complexa alquimia política. Por isso vou me colocar entre os céticos ante a esta cantada em prosa e versa filiação ao PSDB.

Os tucanos coloquem os seus bicos de molho. Como São Tomé, eu prefiro ver para crer. Até lá vou ficar na arquibancada. E bem distante com as bicadas.

NÃO MESMO!
Não vão mesmo me deixar doido com esta história, quero ver a ficha assinada e registrada.

NÃO ABREM MÃO
Disparei ontem telefonemas a políticos do PSDB. E com os quais conversei deixaram claro que a chegada do Gladson não implicaria na retirada da candidatura do professor Minoru Kinpara (PSDB). E que, depois que se filiar, vão lhe convencer a entrar na campanha do Minoru.

O CÉU NÃO É DE BRIGADEIRO
Mas fosse o Minoru Kinpara (PSDB) não dormiria tranquilo até este nó ser desatado. Há muitos jogos de interesse políticos para esta eleição e para a eleição de 2022. E neste tabuleiro de xadrez o Minoru é a peça mais fraca. Não vejo mais seu nome navegando em céu de brigadeiro.

NÃO VERIA COM FELICIDADE
Por isso não veria como ele diz ver, com felicidade, um pouso do Gladson no ninho tucano.

COMO DIZER QUE MUDOU DE IDÉIA?
Outro complicador para a imagem do governador Gladson Cameli é chegar agora e dizer que, não apoiará mais a candidatura da prefeita Socorro Neri a um novo mandato. Não ficaria mal para ela, mas muito mal para ele, para a sua imagem. Voltar atrás lhe seria desgastante.

DITO EXAUSTIVAMENTE
E mesmo porque este apoio já foi dito e repetido exaustivamente por ele na imprensa.

MEDIDO E PESADO
Tudo neste possível cenário deve ser medido e pesado para não dar revertério no futuro.

NÃO APOSTA NA SAÍDA
Conversei ontem com o deputado José Bestene (PROGRESSISTAS) sobre a notícia. Disse que falou com o governador, não crê na sua saída, e recomendou que ninguém aposte na sua filiação ao PSDB. Ele fica no seu partido, o PROGRESSISTAS, comentou um tranquilo Bestene.

NÃO MUDA NADA
O senador Petecão (PSD) disse ontem ao BLOG que não comentaria a notícia antes de ver a filiação do governador Gladson ao PSDB. Mas que, caso ocorra, não causará nenhuma mudança na aliança PROGRESSISTAS-PSD, que apoia Tião Bocalom (PROGRESSISTAS) à PMRB.

VÃO DE VELHO BOCA
Petecão lembrou que o Velho Boca e sua vice Marfisa já estão em campanha nos bairros.

VÃO PARA A PRESSÃO
Os líderes evangélicos vão para a pressão em cima do governo para que mantenha os seus templos abertos. E com a tese de confronto, de que o MP não manda no estado, e que se as igrejas forem fechadas tem que fechar todo o comércio. Vão dar esta alerta a uma reunião que acontecerá segunda-feira no gabinete civil. Esta pressão está dando muito na vista.

É SÓ RELIGIOSA?
Esta pressão para a abertura das igrejas é só religiosa? É a pergunta que começa a ser feita.

NÃO PODERIA PULAR
Não tenho dúvida de que se houver uma virada de mesa e os templos forem abertos no atual cenário de pandemia crescente, o MP conseguirá uma Liminar na justiça para o fechamento.

PODE ATÉ NÃO CONCORDAR
Esta é uma observação deste BLOG neste filia ou não filia o Gladson no PSDB. A sua entrada vai significar o fim da era do grupo dos Rochas na sigla – leia-se vice-governador Rocha e deputada federal Mara Rocha – os longos anos de jornalismo me ensinaram ler política nas entrelinhas.

NÃO É NENHUM TOLO
O vice-governador Major Rocha pode até de público ficar falando que a entrada é bem vinda, mas sabe que no âmago, o jogo não lhe seria mais favorável ao seu grupo no ninho tucano. Uma coisa é navegar tranquilo num partido, a outra é com uma sombra poderosa.

DEIXEMOS A HIPOCRISIA DE LADO
E vamos deixar a hipocrisia de lado. O governador Gladson e seu vice Major Rocha nunca tiveram um entendimento que possa ser considerado como ideal, mas cheio de idas e vindas. Embora de público não admitam isso, quem acompanha os bastidores sabe ser verdade.

DORME E ACORDA
O senador Márcio Bittar (MDB) sonha e acorda em um cenário em que leve o governador Gladson a disputar o Senado, e ele sair candidato a governador na eleição de 2022. Claro que vai negar, nem seria tolo de admitir isso agora, mas dorme e acorda articulando este cenário.

ÚNICO HORIZONTE
Conheço o senador Sérgio Petecão (PSD) bem antes dele ser político, depois de dar uma palavra não volta atrás. A única hipótese de abandonar a candidatura do Tião Bocalon (PROGRESSISTAS) a prefeito de Rio Branco seria o Bocalon desistir da candidatura. E só.

O JOGO DE CRUZEIRO DO SUL
Em Cruzeiro do Sul o PSDB indicou o vice na chapa do candidato a prefeito Fagner Sales (MDB). Caso o Gladson entre no PSDB teria que apoiar esta chapa. Seria a lógica. E neste caso o grande prejudicado seria o grupo do prefeito Ilderlei Cordeiro (PROGRESSISTAS).

CONTRATAÇÃO MANTIDA
O que este BLOG publicou já se confirmou, de que a diretoria do Rio Branco Futebol Clube não voltaria atrás na contratação do goleiro Bruno. Inclusive, já fez o primeiro treino no clube.

FRASE MARCANTE
“A liberdade é mais importante que o pão”. Nelson Rodrigues, dramaturgo.

Continuar lendo

Blog do Crica

MDB abre as portas para a filiação do governador Gladson Cameli

Publicado

em

Numa coordenação que envolve o senador Márcio Bittar (MDB), a executiva regional, com a anuência do presidente e deputado federal Flaviano Melo (MDB), o MDB convidou oficialmente o governador Gladson Cameli para se filiar ao partido. Houve uma primeira conversa em Brasília e deverá ser finalizada no retorno do governador a Rio Branco, nesta segunda-feira. A proposta dos emedebistas é que com a vinda de Gladson acabariam os seus problemas, porque não haveria como contestar a sua decisão, já que além do MDB ser o maior partido do estado, foi seu principal aliado na campanha, e lhe daria a garantia de apoiar a sua reeleição. Membros do MDB com os quais conversei ontem dão as conversas como bem avançadas. Antes da sua viagem à Brasília esta semana, o Gladson chegou a dizer numa breve conversa pelo celular ao BLOG, que na sua volta iria explodir uma “bomba política”. A sua ida para o MDB, segundo alguns emedebistas, seria uma reação natural á aliança entre o senador Petecão (PSD), Major Rocha (PSL) e o PSDB, e a deputada federal Mara Rocha (PSDB).

NÃO SERIA O CARDEAL

Uma entrada do Gladson Cameli no MDB não lhe daria o comando do partido, pode esquecer esta alternativa. Poderia no máximo ser um presidente de honra, mas o Cardeal que manda no cardinalato emedebista continuaria sendo o deputado federal Flaviano Melo (MDB).

MATARIA UM COELHO

Por outro lado, com o Gladson Cameli no MDB, ele mataria um coelho que poderia lhe atrapalhar em 2022: teria a garantia que, na sua reeleição o MDB estaria na composição da sua chapa. E, neste caso, o MDB iria querer indicar o vice do partido, seria o óbvio. 

MUDANÇA NA CONFIGURAÇÃO

Uma entrada do governador Gladson no MDB não deixaria de ser o fato político mais relevante desta eleição, porque mexeria com o tabuleiro da sucessão municipal. O candidato do MDB, deputado Roberto Duarte, por exemplo, ganharia mais corpo na disputa da PMRB.

SEM DÚVIDA

Não tenho nenhum temor de errar ao afirmar que, este movimento sobre o governador Gladson ir para o MDB é uma reação das conversas políticas que estão tendo os dirigentes do PSDB-PSL-PSD, partidos com três deputados federais, vários estaduais, prefeitos e senador.

OUTRO FATOR

Com o Gladson Cameli hipoteticamente apoiando a candidatura do Roberto Duarte (MDB) a prefeito poderia trazer novos aliados à chapa do MDB, como os deputados federais Alan Rick (DEM) e Vanda Milani (SD), que acompanham politicamente o governador.

PORTAS ABERTAS

O deputado Roberto Duarte (MDB), um crítico do governo Gladson na ALEAC – posição que arrefeceu durante a pandemia – disse ontem à noite ao BLOG, que o Gladson Cameli seria recebido de portas abertas e, que foi o primeiro a fazer este convite ao governador.

É BOM NÃO COMEMORAR POR CONTA

Consultando cá os meus botões, caso fosse dirigente do MDB, não comemoraria por conta esta anunciada filiação do governador Gladson Cameli no partido. Esperava primeiro assinar a ficha de filiação e o devido registro em cartório. Evitaria a carne do churrasco de estragar.

CORAÇÃO VOLÚVEL

Digo isso porque o coração do governador Gladson Cameli é volúvel politicamente. Ontem, disse ao colega do ac24horas, Marcos Venicios, que nesta sua passagem por São Paulo iria conversar com o governador  João Dória, sobre o PSDB. E não deverá ser sobre receita de bolo. Só tem um problema: o diretório regional do PSDB é eleito, e ele não poderia chegar intervindo. De tudo o que me parece mais certo é que não ficará no PROGRESSISTAS.

ABRIU MÃO DO  PROGRESSISTAS

Nesta questão do PROGRESSISTAS a melhor decisão que podia ter tomado foi a de não ficar se desgastando pelo comando do partido, deixando fluir a candidatura do Tião Bocalom (PROGRESSISTAS) a prefeito de Rio Branco e, ele indo apoiar a prefeito a quem bem entender.

DESGASTE DESNECESSÁRIO

Na verdade, o Gladson Cameli foi submetido a um desgaste desnecessário por conta de corda dos seus velhos falcões importados, sabia que havia uma decisão firmada do PROGRESSISTAS de ter candidato próprio a prefeito, o que é essencial para uma chapa de vereadores.

MANDARIA PARA O ESPAÇO?

Mas vamos jogar com o hipotético cenário da filiação do Gladson Cameli no MDB. Isso acontecendo, automaticamente, o seu apoio prometido à prefeita Socorro Neri iria para o espaço,  e seu candidato natural á PMRB seria o deputado Roberto Duarte (MDB).

BOMBA OU TRAQUE?

Caso a filiação aconteça seria a “bomba política” anunciada pelo governador Gladson ao BLOG, antes de embarcar para Brasília. Mas não ocorrendo o fato esperado pelos emedebistas, os líderes do MDB teriam que se contentar com o traque falho. 

PAPO DIRETO

E neste redemoinho todo o governador Gladson fez uma ligação ao senador Sérgio Petecão (PSD) o convidando para terem uma conversa política nesta sexta-feira. Petecão disse ao BLOG não saber o motivo, mas descartar quebrar o compromisso com o Tião Bocalom à PMRB.

NATURAL DA POLÍTICA

Não vejo como nada anormal estas rodadas de conversas do governador com o MDB, com o governador João Dória, com o senador Petecão (PSD) e com a Socorro Neri (PSB). Mas se me perguntarem qual será a decisão final do Gladson, com quem caminhará na eleição municipal, se ficará de fora do processo, confesso que não saberia responder. O Gladson é indecifrável.

FESTA NO INTERIOR

Desde ontem uma comissão de políticos do MDB, entre eles o senador Márcio Bittar (MDB) e o deputado Roberto Duarte (MDB) está percorrendo os municípios do Alto Acre conversando com os candidatos a prefeito. No final de semana estarão em Xapuri, Brasiléia e Assis Brasil.

CANDIDATO DE TODOS

O deputado Roberto Duarte (MDB) fez mexidas erradas no mandato para quem queria ser candidato a prefeito da capital. Fosse habilidoso não teria entrado em conflito com o governo, e hoje seria o candidato do grupo que elegeu o Gladson. Teve péssimos conselheiros políticos.

QUADRO QUE NÃO SE DESFAZ

Conversas podem acontecer aos montes até o início das convenções municipais em 31 de agosto. Mas não vai mudar esta conjuntura, nos grandes partidos: Daniel Zen (PT), Minoru Kinpara (PSDB), Socorro Neri (PSB), Tião Bocalon (PROGRESSISTAS) e Roberto Duarte (MDB).

CORRENDO CAMPO

Os demais candidatos coloquem os pés nas ruas. Ontem, a dupla Bocalom – Marfisa saiu seis horas da manhã, entrou pelo Ramal da Judia, e visitaram todos os comércios da Chico Mendes.

DECISÃO ESPERADA

O novo fechamento dos templos religiosos, agora por recomendação do MP, já era esperado. As igrejas não estão entre as atividades essenciais no cronograma da COVID-19, e só poderiam abrir quando a classificação estivesse na faixa amarela. Estamos na faixa laranja.

NÃO ADIANTA FORÇAR A BARRA

Enquanto a pandemia não chegar na faixa amarela, não há como reabrir os templos religiosos.

NADA CONTRA FÉ

Não se trata de medida com o objetivo de perseguir as religiões, não é isso que se encontra em discussão. Estamos numa fase atípica de uma pandemia da Covid-19, que já causou 500 mortes, e na qual todos devem dar a sua colaboração para diminuir a  contaminação.

 CONTRATAÇÃO MANTIDA

O ex-goleiro do Flamengo, Bruno, deverá chegar mesmo amanhã, e terá a sua contratação mantida, pela direção do Rio Branco Futebol Clube. Usa o argumento que a lei permite. A meta do clube é formar um bom time, ganhar o campeonato local e subir da Série D para Série C.

SÓ PARA O ANO

Com a previsão da chegada da vacina contra a Covid-19 para o final do ano, morre qualquer chance de termos sessões presenciais na Assembléia Legislativa ainda este ano. E também logo mais estaremos na fase das eleições municipais, com os deputados correndo para suas bases.

ELEIÇÃO INDIRETA

Caso se confirme a manutenção da cassação da candidatura do prefeito Ilderlei Cordeiro, cujo julgamento pode entrar em pauta na próxima semana, segundo advogado consultado pela coluna a tendência é que aconteça uma eleição indireta entre os vereadores para escolha do o prefeito-tampão de Cruzeiro do Sul.

MANDATO ATUANTE

O deputado federal Alan Rick (DEM) mantém um mandato atuante, faz questão de destinar as suas emendas parlamentares para obras consideradas essenciais. Ainda agora esteve em Epitaciolândia cumprindo agenda de entrega de um caminhão para servir à comunidade rural.

FRASE MARCANTE

“No Brasil, quem não é canalha na véspera e canalha no dia seguinte”. Jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues.

 

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas