Conecte-se agora

Poder é para ser exercido; ser manipulado é para os fracos

Publicado

em

Esta pandemia tem revelado um lado do governador Gladson Cameli que não mostrou ao longo do primeiro ano da sua administração, quando passou a imagem de um gestor sem pulso, titubeante, e que não suportava pressões, capitulando em várias ocasiões da sua autoridade. Neste momento grave do Estado de alta contaminação pelo Covid-19, virou outro Gladson; trouxe as decisões para o seu colo, exibindo uma personalidade forte, não aceitando pressões de grupos econômicos e mostrando que, quem tem a caneta é ele. Na parte política, quando colocado no canto do ringue pelo MDB e PSDB, com um cruzado atrás do outro, saiu das cordas, meteu a caneta nos principais afilhados dos dirigentes dos dois partidos, e os levou ao nocaute técnico. Esta sua última decisão de não aceitar ser manipulado por forças econômicas para quebrar o isolamento social, num momento agudo da pandemia, com o aumento dos casos e mortes, consolidou o perfil de um governador que manda e não de um áulico. Ensinam os orientais a milhares de anos que, o exército só é forte quando tem um comandante forte. O Gladson, ao que mostram os fatos, resolveu ser um comandante forte.

BARRADO NO BAILE

 O PSDB deu um “não à proposta de emissário do PROGRESSISTAS, de uma aliança em que o PROGRESSISTAS indicaria o nome a prefeito e o PSDB o vice. Um tucano de alta plumagem, comentou com ironia ao BLOG o episódio: “quem é mesmo o candidatos deles á PMRB”?

NAU SEM RUMO

A questão é que o PROGRESSISTAS é uma nau sem rumo na sucessão municipal. Na última declaração pública da sua maior autoridade partidária, o governador Gladson Cameli, este disse que vê com simpatia apoiar a candidatura da prefeita Socorro Neri, que é do PSB.

LIÇÃO DE CASA

Parece que não fizeram a primeira lição de casa, que é conquistar o apoio do maior eleitor do partido, o governador.

APOSTA ERRADA

Os dirigentes do PROGRESSISTAS fizeram uma aposta errada ao pensar que os demais partidos da coligação que elegeu o Gladson, viriam pelo beiço para serem puxadinhos na eleição municipal, por estarem no poder. O MDB e o PSDB se organizaram e definiram os candidatos.

NÃO TEM VOLTA

Esqueçam o MDB e o PSDB. O MDB vai de Roberto Duarte para prefeito de Rio Branco, e o PSDB de Minoru Kinpara. É miragem pensar que um dos dois partidos vai voltar atrás.

CHAPA PENSADA

Há na cúpula palaciana quem sonhe com uma chapa para a prefeitura de Tarauacá, tendo o Abdias da Farmácia (DEM) como candidato a prefeito e a vereadora Janaína Furtado (PROGRESSISTAS) de vice. Não sei se vai se concretizar, mas seria uma chapa bem competitiva.

MAIS UM NOME NA MESA

Quem manda uma postagem ao BLOG é o sargento da PM, Adonis Sousa, revelando que, as Associações Militares do Juruá vão lançar seu nome com pré-candidato a prefeito de Cruzeiro do Sul. A candidatura espera agregar todos os operadores da segurança no município.

NÃO HÁ BOA VONTADE

Ouvi ontem de uma figura palaciana, ser “difícil” acontecer uma união de forças em torno da candidatura à reeleição do prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro. “A gente nota sua boa vontade, tem ações na cidade, não é omisso, mas o entrave é sua rejeição”, disse ao BLOG.

TAMBÉM CONCORDO

Também endosso que o Ilderlei não é um prefeito parado, é trabalhador, mas a questão é que em termos de imagem há uma rejeição quando se coloca seu nome para reeleição. Não sei se vai conseguir suplantar esta barreira, ainda tem um verão para deslanchar. As pesquisas dirão.

A TERRA NÃO É PLANA

Costumo ouvir idéias de políticos com as quais não comungo, por uma questão democrática. Hoje, ás 16 horas, tem uma Live do senador Márcio Bittar (MDB), do deputado federal Osmar Terra, e do advogado Valdir Perazzo, defendendo tese contra o isolamento social nos moldes atuais. Espero que em meio às defesas das suas teses, não digam ser o Covid-19 coisa de comunista e a terra ser plana. Mas se disserem, mesmo não concordando, vamos respeitar.

 PARA LEMBRAR

A contaminação pelo Covid-19 deu uma acelerada esta semana no Estado. Já são 404 pessoas infectadas e com 19 óbitos. Isso é fruto do Acre ser o lugar em que menos se obedeceu as orientações do governo, para as pessoas ficarem em casa. Se afrouxar vira uma Manaus.

É PARA EVITAR O CAOS

Quando se defende o isolamento social e a paralisação das atividades comerciais é para não agravar a pandemia. E quem diz isso são as maiores autoridades mundiais na área da saúde.

NÃO TEM MILAGRE

Na crise econômica que gerou o Covid-19 no país, com reflexos diretos no Acre, não há como o governador Gladson fazer uma contratação imediata dos policiais civis aprovados no concurso. Ou alguém acha que se isso pudesse ser feito, não teria sido feito? Até porque são necessários.

NÃO PODE COMPROMETER A FOLHA

Não tenho nem dúvida que os concursados da polícia civil serão contratados, quando houver brecha financeira. A gestão em tempo de crise tem de ser feita com muita responsabilidade, porque contratar sem previsão no orçamento, poderá levar ao atraso da folha de pagamento.

RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

As relações políticas entre o governador Gladson Cameli e o vice Major Rocha, não são de afinação, mas também não são de briga. Para sintetizar: estão no nível do institucional.

POINT DO PATO DELIVERY

Ligue 99246-6692 ou 99938-3414 e receba seu pedido em casa.

NADA FEITO 

O deputado Gerlen Diniz (PROGRESSISTAS), soube agora, tentou levar a ex-prefeita Toinha Vieira do PSDB para o PROGRESSISTAS e não conseguiu. Com a oposição esfacelada em Sena Madureira a missão de derrotar o prefeito Mazinho Serafim (MDB) ficou mais difícil.

SEM GRANDES ALIANÇAS

O MDB e o PSDB se organizaram internamente para disputar a prefeitura da capital, mas nenhum conseguiu até aqui um partido de peso para se aliar, estão na base de que, quem não tem cão caça com gato. O grande sonho de consumo do PSDB era o PROGRESSISTAS indicar o vice da sua chapa. E o MDB, do PSD do Petecão indicar seu vice. Ambos não conseguiram.

COMPASSO DE ESPERA

O DEM do deputado federal Alan Rick está em compasso de espera para ver qual será o passo político do governador Gladson Cameli para acompanhar. Na mesma situação está o senador Sérgio Petecão (PSD), o mais votado da eleição passada, que também não definiu seu apoio.

DISCUSSÃO INTERNA

O PT está apenas na discussão interna sobre a sucessão municipal, não fala sobre quem será seu candidato à PMRB; e de definição, só tem que sairá de candidatura própria. Se o PT já escolheu o nome do candidato a prefeito da capital não vazou, está muito bem guardado.

GRANDE DESAFIO

Aliás, as eleições municipais serão o primeiro desafio do PT após a sua fragorosa derrota na última eleição e a perda do poder. Dos quatro vereadores que tinha na Câmara Municipal de Rio Branco, três não disputarão eleição pelo partido, e nomes de peso como do ex-prefeito Raimundo Angelim e do ex-senador Jorge Viana não querem disputar a PMRB.

PEDRAS BRANCAS OU PRETAS

As eleições deste ano também são importantes para a maior liderança da oposição no Estado, o ex-governador Jorge Viana (PT). Para o JV é importante que o PT não encolha ainda mais, porque isso pode ser prejudicial para quem como ele, pretende voltar a ser senador. O resultado das disputas municipais vai determinar se começa o jogo de xadrez de 2022, com as pedras brancas ou pretas.

NÃO ESTÁ MORTO

O Jorge Viana perdeu a eleição porque o PT caiu na egoísta burrada de lançar dois candidatos a senador, mas num cenário em 2022, em que a oposição tenha mais de uma candidatura a senador, dividindo os votos, o JV entrará forte, tem ainda uma faixa de eleitores cativos.

SERIA BOM QUE PUDESSE

A deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) defende que o governador Gladson Cameli chame os médicos brasileiros formados na Bolívia para prestar serviço na pandemia. Seria ideal que pudesse, mas a legislação federal proíbe o trabalho de quem não tem CRM.

FRASE MARCANTE

“Quando tiver que pegar cobra use a mão do inimigo”. Ditado persa.

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas