Conecte-se agora

Escopo da nova educação

Publicado

em

A Nova Educação tem no conhecimento sobre o funcionamento do cérebro o grande aliado para a materialização da formação humana integral que a contemporaneidade demanda. Para isso, dois conjuntos de atributos precisam ser incorporados no processo formativo: a capacidade de perceber e entender os fatos e fenômenos do mundo, por um lado, e ser capaz de agir em conformidade com padrões de eticidade e alteridade individuais e grupais. Sinteticamente, o primeiro conjunto tem o desafio de tornar o mundo mais íntimo, enquanto o segundo visa à produção do bem. Ambos os conjuntos, porém, são convergentes de que a finalidade da educação é a promoção da felicidade individual e coletiva. Não há mais, portanto, a ideia de se educar para o trabalho, sucesso ou qualquer outra finalidade limitadamente egoísta. Trabalho e sucesso, por exemplo, trazem apenas contentamento temporário. Apensas a produção constante do bem é capaz de proporcionar mais momentos felizes e duradouros. Este ensaio tem como objetivo apresentar o escopo da Nova Educação.

Grandes educadores ao longo da história apontaram sempre o mesmo sentido da educação: o entendimento do mundo. Era e é necessário que saibamos como o mundo funciona, qual é a lógica que está por trás de cada fato e fenômeno que o compõem, para que possamos saber como agir. É preciso entender não apenas para a contemplação, como equivocadamente interpretaram os gregos, mas para agir. A moderna neurociência tem a resposta de por que agir assim: é a ação que consolida, retifica e amplia o que está sendo aprendido. Nenhum conhecimento é definitivo. Está sendo sempre alterado. A cada vez que nos lembramos, a própria lembrança já o altera. E é preciso saber por que e como isso acontece.

Mas não basta qualquer agir. A ação precisa ser benéfica, trazer como consequência algo efetivamente bom. E algo efetivamente bom é aquele que, no presente e no futuro, não apresenta consequências maléficas. É preciso, portanto, um cálculo utilitário de consequência, de maneira que se possa aferir a adequação ou inadequação de uma ação ou de um entendimento. E o referencial para a avaliação é sempre a bondade, o bem. Dessa forma, a educação passa a ter um caráter teleológico, uma finalidade, que parametriza tanto o processo de aprendizagem quanto o aprendizado auferido.

Os atributos da Nova Educação que são direcionados para o alcance da intimidade com o mundo partem da essencialidade da vida humana e vão se ampliando gradativamente. O indivíduo não começa conhecendo a si mesmo, mas aquilo que lhe é mais próximo, mais essencial, como comer, beber, abrigar-se etc. Quando conhece essa essencialidade, conhece um pouco de si, mesmo não tendo consciência desse conhecer. Em seguida amplia o foco da aprendizagem para os relacionamentos familiares e tudo o que dali advém, e então novamente conhece um pouco mais de si, também de forma inconsciente. Nova amplitude é verificada nos grupos de amizades e vizinhança com novos entendimentos, que outra vez se voltam para o indivíduo, ampliando e aprofundando o que sabe sobre si. E essa ampliação prossegue infinitamente, até que consiga entender o funcionamento dos infinitos universos, tornando-se membro de uma comunidade cósmica, quando obtém vasto e profundo conhecimento de si mesmo.

Nesse vai-e-vem de entender e agir, o indivíduo vai pouco a pouco entendendo a limitação das explicações humanas. Compreenderá que não pode ter uma única visão do que quer que seja. O autor A, por mais conhecido e amado que seja, apresentará sempre uma visão extremamente limitada e falha da realidade. É preciso a ajuda dos autores B, C, D e E, conjugada com o auxílio dos profissionais Alfa, Beta, Gama e Ômega. Mas também isso não é suficiente para gerar o entendimento que se quer. É imperioso conhecer todas as visões contrárias e aparentemente contraditórias. É só quando conheço todos os pontos de vistas e perspectivas é que sei o que o ser humano sabe. E é quando percebo o quão limitado é o saber que se tem. E é quando sou chamado a contribuir para aperfeiçoar esse saber. A Nova Educação não dogmatiza, portanto, e nem discrimina: todas as contribuições são extremamente importantes porque representam o grande esforço humano do conhecer. São as pequenas contribuições individuais e grupais para o grande projeto humano de ser feliz.

Não existe, portanto, a ideia de que essa teoria é mais interessante do que aquela. Não é a teoria que nos interessa. É o conhecimento sobre cada fato e sobre cada fenômeno do mundo o que importa. As teorias, todas elas, por mais díspares que possam ser, se focam determinado fato ou fenômeno, apresentam uma lógica no seu conjunto. É essa lógica que se tem o desafio de conhecer. Cada teoria toca um instrumento na grande sinfonia da conquista da intimidade com o mundo. A teoria só provoca dissonância sozinha. E quando ela quer o lugar privilegiado no palco é sinal quase inconteste de que precisa ser descartada, porque não mais pretende gerar música. A Nova Educação visa à alteridade, ao outro. Cada teoria é direcionada para servir às outras teorias sobre o mundo, da mesma forma que o bem só pode ser gerado para alter. É no bem gerado ao outro que o indivíduo encontra o bem que procura para si.

E para que minha ação se direcione ao bem, preciso aprender a fazer ao outro aquilo que eu gostaria que o outro fizesse para mim. Como consequência, preciso conhecer o outro e a mim, para que eu possa produzir ações éticas. Esse direcionamento ao outro, à alteridade, é o desafio de aprender a servir. O sucesso ou o que quer que seja não vem com a produção do mal, vem com o bem. As pessoas se aproximam não pela quantidade e qualidade da maldade que produzem, mas pelo bem que fazem aos outros. Mas para fazer o bem, o que os outros querem e o que eu também quero, é preciso conhecer. E não há aprendizagem nem aprendizado efetivo sem que se conheça as potencialidades e as limitações do cérebro.


 

 

Daniel Silva é PhD, professor,  pesquisador do Instituto Federal do Amazonas (IFAM) e escreve todas às sextas-feiras no ac24horas. 

Anúncios

Daniel Silva

Estratégias organizacionais 

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Desenho de estratégias

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Objetivos de curto prazo 

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Alinhamento: o segredo dos objetivos 

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas