Conecte-se agora

Bolsonaro é alvo do desamor ao Brasil

Publicado

em

Antes de atingir o pico (ponto máximo da curva de mortes diárias), várias vezes adiado e ainda alvo de estudos e modelagens cujas estimativas vão de milhares a milhões dependendo do freguês, nas últimas semanas a COVID-19 teve que dividir as atenções dos brasileiros com um verdadeiro pandemônio político, instaurado pela demissão de Henrique Mandetta do Ministério da Saúde e agravado pela demissão do Sergio Moro do Ministério da Justiça, sem contar com o stress na área econômica provocado pelo Plano Pró-Brasil elaborado e anunciado fora do controle do Ministro da Economia, Paulo Guedes.

O presidente Jair Bolsonaro, democraticamente eleito por 57 milhões de brasileiros, vê diminuir seu capital político. A cada evento desses, ele fica mais fragilizado, tendo que, para sobreviver, recorrer à radicalização bolsonarista de uma parcela da população que lhe é fiel e a velhos expedientes de cooptação parlamentar. Figurativamente, como um animal sob ataque e em desvantagem, o presidente vale-se da força e dos golpes ainda restantes, sejam quais forem, na tentativa de, ultrapassada a crise, se libertar e sobreviver. Em uma situação assim, chutes, mordidas e caneladas são perfeitamente compreensíveis.

A última investida ele vem sofrendo do Supremo Tribunal Federal – STF, a partir das declarações de Sergio Moro que não mediu as consequências do ato, restringindo-se ao que chamou de zelo pela própria biografia. Moro, ainda que tenha saído politicamente viável para futuras disputas conforme assinalam algumas pesquisas e análises especializadas, poderá soçobrar no emaranhado que caracteriza o processo político brasileiro. Fato é que, de modo improvável em outro contexto, o ministro Alexandre de Moraes resolveu, neste caso, suspender ato legitimo de nomeação do diretor geral da polícia federal, por alegada quebra de impessoalidade entre outras, o que fez pasmar boa parte dos brasileiros. Como assim? O presidente pode nomear e empossar o ministro da justiça e não pode nomear cargo hierarquicamente inferior?

Pergunta-se, com razão, de que modo foram alçados ao STF a maioria, senão a totalidade de seus membros. Alguns deles, aliás, diferentemente do delegado Alexandre Ramagem, sequer cumpriam integralmente os requisitos exigidos pelo cargo, a rigor, nem o próprio ministro Alexandre de Moraes pode dizer-se escolhido e nomeado por Michel Temer de modo impessoal. Pensemos: Que tribunal no Brasil resistiria impunemente a um exame de impessoalidade nas nomeações de todos os seus membros e cargos comissionados?

Ao integrar nestes termos o movimento de desgaste do presidente, a Corte Suprema renuncia ao papel moderador que lhe incumbe e veste a camiseta de ativista político. O cenário é, no mínimo, nebuloso. Bolsonaro está cercado pela mídia, STF, governadores e parlamento em meio a uma crise econômica brutal e um imenso cortejo fúnebre provocado pela COVID-19. Nenhum presidente da república na história brasileira teve contra si tantos elementos e tal circunstância, ao ponto de, ligeira e irresponsavelmente, julgando-o moribundo, verdadeiras hienas políticas lhe prepararem o golpe fatal, o impeachment, como se a nação brasileira estivesse à mercê de seus jogos de poder. Outros, hipócritas e dissimulados, o acossam ofertando o cálice da renúncia, numa espécie de ameaça “renda-se ou será violentado”.

Reconheçamos, cada passo, palavra ou ato do presidente Bolsonaro é monitorado politicamente, juridicamente e pela imprensa sob filtros jamais aplicados a qualquer outro, praticamente impedindo-o de presidir, função para a qual foi eleito pela maioria do povo brasileiro. Colocaram-no no corner e o golpeiam incessantemente. Se fizermos um exercício de memória e expusermos Temer-Porto de Santos, Dilma-Petrolão, Lula-Mensalão-Petrolão e FHC-Compra de Mandato ao massacre que sofre Bolsonaro, veremos que nenhum deles resistiria. Não por acaso, toda essa gente está hoje, às claras ou na penumbra, impulsionando a derrocada do governo, como se humilhar e depor o presidente resolvesse a gravíssima crise que vivemos. Não resolve, não é prudente, não é digno.

Sim, há problemas. O presidente reage muito mal às críticas, é impulsivo e inábil com as palavras, possui um viés mandonista, criou em seu entorno o mesmo tipo de influência rombuda e eventualmente erra como seria normal, contudo, pelo que se sabe essas características não se traduziram concretamente em ofensa à constituição federal. Trata-se, portanto, de uma marcha contra um presidente eleito em confronto com o establishment.

A situação nos leva a refletir se há nisso tudo algum compromisso com o Brasil. Em que outro país no mundo, se pode encontrar tanta falta de amor e tal desapego ao povo? Em todos os lugares, do ocidente ao oriente, observamos a união entre contrários para o enfrentamento da crise sanitária. Partidos e líderes, até mesmo religiosos, baixam a guarda, oferecem uma trégua, adiam disputas, para que sejam preservadas as condições mínimas de enfrentamento dessa doença infernal. No Brasil, os derrotados nas últimas eleições apenas buscam uma oportunidade para a revanche, para o alcance do poder.

Neste momento, o Brasil precisa desesperadamente que haja moderação na política, que seus agentes guardem provisoriamente seus projetos pessoais e partidários, e que permitam ao presidente a governabilidade necessária à superação da crise avassaladora que enfrentamos. Decididamente, a conflagração atual da luta política tendo como objetivo o impedimento do presidente – imagine-se os efeitos de uma troca de governo, não é patriótica, atenta contra a democracia e dificulta a construção do país que queremos para nossos filhos.


 

 

Valterlucio Bessa Campelo escreve às sextas-feiras no ac24horas

Anúncios

Cotidiano

Gerente, açougueiro e vendedor: veja as 21 vagas do SINE desta quarta-feira

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

Prefeitura de Rio Branco realiza atividade do Dia Mundial de Luta contra HIV

Publicado

em

Continuar lendo

Acre 01

Após decisão liminar, TCE marca posse de Ribamar Trindade para quinta-feira (3)

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

Justiça do Acre negou oito pedidos de revalidação de diploma de medicina

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas