Conecte-se agora

Após HC negado, filho e cunhado de Manoel Moraes se entregam a polícia sorrindo

Publicado

em

Os empresários Cristian Sales e Manoel de Jesus, filho e cunhado do deputado estadual Manoel Moraes (PSB), se entregaram na tarde deste sábado, 11, na delegacia onde funcionava o 1° DP, no bairro Bosque, em Rio Branco. Acompanhado de uma tropa de advogados e assessores, os investigados se apresentaram ao delegado Alcino Júnior, que preside as investigações da Operação Mitocôndria, que na última quinta-feira, 9, por meio da justiça decretou a prisão de 7 pessoas e 20 mandados de busca e apreensão na capital e interior.

A apresentação dos investigados ocorreu após seus advogados terem o pedido de habeas Corpus negado pelo desembargador Pedro Ranzi, do Tribunal e Justiça do Acre.

Alguns assessores e advogados chegaram a delegacia antes, para averiguar o perímetro. Uma hora depois, às 16h, acompanhado do advogado Valdir Perazzo, Cristian e Manoel chegaram ao recinto. O filho do deputado aparentava tranquilidade e em certos momentos até sorria. O cunhado usava máscara.

Cristian Sales e Manoel de Jesus tiveram suas prisões decretadas pela 4ª Vara Criminal de Rio Branco na quinta-feira, 9, durante os desdobramentos da Operação Mitocôndria, da Polícia Civil, que investiga desvio de recursos na distribuição da merenda escolar no Estado. Como ambos supostamente não estariam em Rio Branco, pois estariam participando de uma pescaria no interior de Rondônia, a polícia os considerou foragidos. Um sobrinho do deputado, identificado como Thiago, também foi preso durante a operação, mas o pedido de HC não se estendia a ele.

>>> Esquema na merenda pode ter movimentado R$ 20 milhões no Acre e envolve empresas “laranjas” ligadas a deputado

>>> Inquérito que investiga “Prato Extra” terá desfecho com prisões a qualquer momento em todo o estado

ÚLTIMO RECURSO

Com o HC negado, os advogados da família Moraes peticionaram ainda na manhã deste sábado, 11, um pedido para que o Juiz Cloves Augusto, da 4° Vara Criminal, reconsiderasse a decisão de prisão baseado na soltura de três servidores públicos que foram presos, mas foram soltos sob a alegação de saúde pública devido a Pandemia de Coronavírus.

O ac24horas apurou que o argumento foi analisado pelo Ministério Público, que aconselhou o magistrado a não acatar o pedido. O pedido da defesa foi negado.

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas