Conecte-se agora

Fanatismo

Publicado

em

A sabedoria lusitana eternizou um ditado popular: “os extremos se encontram”. Pode até parecer contraditório, mas é verdadeiro.

No caso da política brasileira atual, o fanatismo político é um dos pontos de interseções mais visível desse infeliz encontro, sempre marcado pelo desprezo à democracia e à ciência.

Se não bastasse a terra deixada arrasada pelos sucessivos e vergonhosos escândalos de corrupção, o PT abriu o caminho para um deputado medíocre, do subterrâneo do Congresso Nacional, emergir como o salvador da pátria e o pai de todas as virtudes.

Em verdade, esses extremos sempre se valeram do fanatismo de seus seguidores alienados para insultar desafetos.

No Acre, não é necessário dar muitos passos para trás para relembrar como o PT se referia aos seus adoradores e como rotulava e perseguia seus opositores.

O estrato social formado pelas “pessoas de bem” era composto exclusivamente pelos que não discordavam em nada da receita companheira.

Até cair em desgraça, se o comando partidário dissesse que pau era pedra não adiantava contrapor-se ao bando fanáticos: pau era pedra e pronto.

Quem estivesse fora desse radar era crucificado politicamente e considerado do time que “‘remava para trás”, “inimigo do projeto” e “desagregador”.

Em nível nacional, o adversário invisível do projeto petista era a tal “elite”, embora a história brasileira não contemple outro período no qual os banqueiros tenham auferido exorbitantes lucros.

O sujeito poderia ser até um “Zé Ninguém”, mas se fosse contra o PT, imediata e automaticamente, passava a ser considerado um integrante do alto clero da elite brasileira.

Em tempos de Bolsonaro nada mudou. O fanatismo não apenas prosseguiu como se aprofundou com o agravante do componente religioso.

Nunca se usou tanto em vão o santo nome de Deus.

Conhecidos “pastores”, especialistas e hábeis em tomar dinheiro de fiéis em troca de salvação, são influentes e assíduos frequentadores do palácio do planalto.

As milícias digitais atuam freneticamente nas redes sociais para espalhar notícias falsas.

Politicamente, até nas sombras os bolsonaristas enxergam a ameaça do comunismo. E é perda de tempo tentar lembrar-lhes que o Partido Comunista não atingiu sequer o número de votos necessários para superar a cláusula de barreira para existir, de fato, como partido político.

Se há um perigo que o Brasil não corre é o de ser dominado por comunistas e socialistas.

O fanatismo transformou gente que vive na fila do SUS e faz parte do Cadastro Social Único em ardoroso defensor das teses de “direita”.

Na travessia dessa pandemia de coronavírus, Bolsonaro insiste em contrariar as recomendações de seu próprio ministério ao “ tocar” a população para o matadouro e, mesmo assim, ainda tem razoável apoio popular.

Na falta de argumentos consistentes e inteligentes, qualquer um que se posicionar contra as maluquices de Bolsonaro é considerado comunista ou petista.

Isso faz parte da estratégia: pelo legado que deixaram é fácil combater o petismo.

Aliás, nem são necessários muitos argumentos para sair vencedor dessa peleja.

No entanto, o tempo se encarregará de mostrar que no Brasil há mais gente sem viseira do que fanáticos petistas e bolsonaristas.


 

Luiz Calixto escreve todas às quartas-feiras no ac24horas.  

Anúncios

Luiz Calixto

Direito de viver no governo Bolsonaro

Publicado

em

Continuar lendo

Luiz Calixto

O papagaio e o arame

Publicado

em

Continuar lendo

Luiz Calixto

Fogueira da paixão

Publicado

em

Continuar lendo

Luiz Calixto

Pandemia de ignorância à brasileira

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas