Conecte-se agora

Mesmo com recomendação para ficar em casa, movimento na Estação Experimental é intenso

Publicado

em

Um dos bairros mais movimentados de Rio Branco, a Estação Experimental, continua com com seu comércio em pleno funcionamento. A circulação de pessoas continua nas ruas e lojas na rua mais movimentada da região. Ainda tem muita gente alheia ao perigo de contágio com o coronavírus, mesmo diante dos casos já confirmados em Rio Branco.

Um dos exemplos claros desse risco é a fila quilométrica que se forma na entrada da Agência da Caixa econômica Federal da Estação Experimental. As pessoas estão ignorando a restrição de aglomerações em ambientes fechados. Na Agência bancária facilmente se tem mais de 100 pessoas no mesmo ambiente vindas de vários pontos da cidade. O local é um potencial para proliferação do vírus.

Até o momento, o estado registra quatro casos confirmados, aguardando a contraprova do Instituto Evandro Chagas de Belém do Pará. O vídeomaker do ac24horas relata que a rotina do bairro mudou completamente, após a chegada do vírus no Acre.

“A movimentação está assim aqui na Estação Experimental. Muitos pessoas circulando, e poucas lojas estão fechadas. A fila da Agência da Caixa Experimental está enorme. Não está tudo parado como as autoridades pedem”, avaliou o vídeomaker.

Os mototaxistas, que trabalham na Estação Experimental, estão usando álcool gel para higienizar seu local de trabalho.

“O movimento está fraco e o comércio também. Com o povo se isolando, o movimento deu uma baixa. Já passou mais da metade do mês. Esperamos que o movimento irá melhorar no próximo mês”, afirmou um dos mototaxistas.

O vendedor de salgados, César, informou que está tomando todas as precauções que foram repassadas pelas autoridades sanitárias.

“O movimento deu uma parada, mas estamos conseguindo vender bem. Agora, é seguir as recomendações que foram repassadas. Tem muitas fake news por aí. As providências que o nosso governador deu foi coerente. Vamos seguir as normas”, relatou.

Anúncios

Destaque 4

OAB/AC e CAA/AC entregam parlatórios e se reúnem com a advocacia de Cruzeiro do Sul

Publicado

em

As diretorias da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Acre (OAB/AC) e da Caixa de Assistência dos Advogados (CAA/AC), e presidentes de comissões, participaram de atividades na Subseção Vale do Juruá, em Cruzeiro do Sul, entre os dias 21 e 23 de outubro. Assistência às comunidades do Rio Croa, inauguração de novos espaços e escutas com a advocacia local foram algumas ações realizadas pelos dirigentes.

No dia 21, a OAB/AC prestou assistência jurídica aos moradores das comunidades ribeirinhas do Croa, durante a ação do Outubro Rosa. No dia 22, os advogados entregaram a reforma de dois parlatórios no Presídio Manoel Neri e inauguraram o terceiro. Essa foi a 2ª fase do Projeto Parlatórios, gerenciado pela Caixa de Assistência com o apoio da Ordem dos Advogados.

Para Thiago Poersch, presidente da CAA/AC, o ato representa o compromisso da gestão com a advocacia criminal e os advogados do interior do estado. “A advocacia local recebeu com muita alegria este projeto. Por várias vezes o atendimento era realizado em pé, na grade, mas agora os atendimentos podem ser realizados de forma segura, digna e reservada com o cliente”. A entidade também construirá um parlatório no Presídio Feminino e uma sala de amamentação para as mães advogadas, no Fórum da cidade, além de ampliar a rede de convênios na região.

A visita também proporcionou encontros com a jovem advocacia e com as mulheres advogadas, além de fortalecer e esclarecer sobre as prerrogativas da classe. Erick Venâncio, presidente da Ordem, destacou o empenho dos profissionais em exercerem a advocacia. “Nas nossas visitas ao interior é possível observar que os advogados são verdadeiros guerreiros, já que o acesso a algumas ferramentas é limitado para o pleno exercício do trabalho. Esses dias aqui representam o nosso empenho em oferecer melhores condições aos colegas”, pontuou.

 

Continuar lendo

Destaque 4

Indígenas investem em segurança alimentar para reduzir impacto da Covid-19 em aldeias

Publicado

em

Foto: Divulgação/The Nature Conservancy

Agentes agroflorestais Indígenas no Acre junto com as comunidades vêm há mais de 25 anos enriquecendo as florestas com Sistemas Agroflorestais (SAFs). Graças a estas iniciativas, uma grande quantidade de alimentos é produzida localmente, nas Terras Indígenas, reduzindo a saída em direção às cidades para comprar alimentos.

“Uma das maiores forças do trabalho dos agentes é justamente animar as famílias a plantarem, produzindo a recuperação de áreas degradadas. Esse trabalho valoriza muito a segurança alimentar”, disse Julieta Matos, da Comissão Pró-Índio do Acre, em podcast sobre o tema.

A segurança alimentar nas aldeias diminui as chances de contaminação da doença Covid-19. O projeto Experiências Indígenas de Gestão Territorial e Ambiental no Acre é executado pela CPI com apoio do Fundo Amazônia/BNDES, e parceria com as Associações das Terras Indígenas, a Associação do Movimento dos Agentes Agroflorestais Indígenas do Acre e Organização dos Professores Indígenas do Acre.

Continuar lendo

Destaque 4

Simulação de 2º turno põe Socorro vencendo Minoru Kinpara, Bocalom e Roberto Duarte

Publicado

em

Os números da pesquisa Real Time Big Data divulgados nesta sexta-feira, 23, que colocaram Minoru Kinpara (PSDB) e Socorro Neri (PSB) empatados com 27% na pesquisa estimulada, trazem também a simulação de um eventual segundo turno entre os quatro candidatos melhores colocados no levantamento. De acordo com a simulação, a candidata socialista à reeleição, Socorro Neri, venceria Minoru Kinpara (PSDB), Roberto Duarte (MDB) e Tião Bocalom (PP).

Na avaliação do 1º cenário, onde Socorro disputa com Bocalom, a candidata socialista registra 51% contra 31% do Progressista. Branco ou nulo registrou 12% e não souberam ou não responderam marcou 6%.

Já no cenário 2, onde Neri enfrenta Duarte, a Socialista registra 47% enquanto o emedebista marca 30%. Branco e Nulo marca 12% e não souberam ou não responderam registrou 11%.

No cenário 3, Socorro marca 41% contra 33% do tucano Minoru Kinpara. Branco e nulo registrou 10% e não souberam e não registraram, marcou 16%.

A pesquisa Real Time Big Data ouviu 850 pessoas e foi realizada entre os dias 17 a 21 de outubro. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. O levantamento está registrado no Tribunal Regional Eleitoral do Acre com o número AC 06308/2020.

Continuar lendo

Destaque 4

Presidente Jair Bolsonaro tem aprovação de 55% dos acreanos que residem em Rio Branco

Publicado

em

Foto: Divulgação 

A pesquisa Real Time Big Data divulgada pela TV Gazeta/Rede Record nesta sexta-feira, 23, também trouxe a avaliação das gestões da prefeitura de Rio Branco, governo do Estado e também da presidência da república.

De acordo com o levantamento, quando o eleitor é questionado sobre a satisfação do mandato de Socorro Neri (PSB), 36% considera ótimo/bom e 38% acreditam ser regular. 23% acham ruim ou péssimo e não souberam ou não responderam marcou 3%.

Já com relação a aprovação, 53% dos entrevistados afirmaram aprovar a gestão da socialista e 37% afirmaram desaprovar. Não souberam ou não responderam marcou 10%.

Quando o eleitor avalia o governo de Gladson Cameli, segundo a pesquisa, 49% aprovam e 38% desaprova. Não souberam ou não responderam marcou 13%.

Com relação ao presidente Jair Bolsonaro, 55% dos entrevistados em Rio Branco aprovam a sua gestão e 34% desaprovam. 11% não souberam ou não responderam.

A pesquisa Real Time Big Data ouviu 850 pessoas e foi realizada entre os dias 17 a 21 de outubro. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. O levantamento está registrado no Tribunal Regional Eleitoral do Acre com o número AC 06308/2020.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2020 ac24Horas.com - Todos os direitos reservados.