Conecte-se agora

Por causa de um chibé, mulher é condenada à prisão no Acre

Publicado

em

Com dois filhos, de 2 e de 5 anos, a dona de casa Cleita Fernandes de Souza, de 24 anos, pensou que faria um excelente negócio comprando por dois reais um quilo de farinha de mandioca e um quilo de açúcar. A combinação é muito utilizada na preparação do chibé, prato tradicional da região, que pode ser a única refeição do dia para muitas famílias.

O negócio foi feito no dia 2 de abril de 2016 em Mâncio Lima, no bairro São Francisco. Em 17 de outubro do ano passado, já vivendo em Bujari [a 700 km de distância de Rio Branco],  Cleita foi condenada a um ano de prisão, pagamento de multa e de indenização no valor de um salário mínimo. Segundo denúncia do Ministério Público do Acre, Cleita tinha conhecimento de que a farinha e o açúcar eram furtados, pois, o vendedor, conhecido como , era um usuário de drogas famoso no bairro do São Francisco, palco de todo o conflito. obteve a mesma condenação.

O juiz Hugo Barbosa Torquato Ferreira, da Comarca de Mâncio Lima, converteu a pena de prisão em prestação de serviço ao município vizinho de Cruzeiro do Sul, mas mesmo assim Cleita não tem dinheiro para pagar multa e indenização e tampouco com quem deixar os filhos para prestar serviço em Cruzeiro do Sul.

Por esta razão, ela procurou em Rio Branco o servidor público Janes Peteca, antigo militante do movimento dos trabalhadores rurais sem-terra, que está buscando apoio jurídico visando obter a suspensão da pena ou a substituição do local de prestação de serviços.  “Todos nós sabemos que a desigualdade social é um abismo em nossa sociedade, eu mesmo vim lá de baixo, mas quando a gente vê a forma como a Justiça atua nestes conflitos a tristeza só faz aumentar”, comenta Janes.

 

 

 

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas