Conecte-se agora

PF e MPF devem investigar caso de medicamento que sumiu do Hospital da Criança

Publicado

em

O caso do medicamento que sumiu do depósito do Hospital da Criança, em Rio Branco, deve ganhar uma investigação em breve da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. A afirmação é do deputado estadual Jenilson Leite (PSB), que esteve na manhã desta terça-feira, 10, na Unidade Hospitalar para obter mais informações a respeito.

“O medicamento estava sendo utilizado para tratar duas crianças com doenças raras que é a distrofia muscular. Esse medicamento é alto custo, cada dose custa quase R$ 300 mil e as crianças, uma não respirava sem aparelhos e a outra não andava. Com a aplicação e início do tratamento elas começaram respirar sem aparelho e andar. Só que foi um sujeito lá e roubou as últimas doses do medicamento. É impensável uma pessoa fazer isso com crianças naquela situação. Vamos apresentar uma queixa no Ministério Público Federal porque esse medicamento foi doado pelo Ministério da Saúde, para que a Polícia Federal possa investigar isso e tomar as devidas providências”, argumentou o deputado em vídeo que circula nas redes sociais.

O medicamento chegou ao estado do Acre para ser aplicado pela rede pública pela primeira vez, ofertado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), em janeiro de 2020. A aplicação gratuita do Spiranza – usado para tratamento de atrofia muscular – em três crianças, foi amplamente divulgada pelo governo. O custo do tratamento das crianças, conforme o Estado, deve ser de um ano, totalizando um gasto R$ 1,5 milhão.

O Acre foi o único estado da Região Norte a receber a medicação pelo Ministério da Saúde (MS). Às crianças, foi garantido tratamento feito por meio de injeções na coluna em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Uma das pacientes é a pequena Letícia Lima, de apenas 7 anos, natural de Cruzeiro do Sul e que sofre de Atrofia Muscular Espinhal (AME). Foi o próprio governador Gladson Cameli quem garantiu aos pais da menina que ela iria receber o medicamento para tratar a doença.

Para que o medicamento pudesse vir para o Acre, foi necessária a avaliação da geneticista Dra. Bethânia de Freitas, da neuropediatra Dra. Bruna Beyruth, além da fisioterapeuta Fabiana Almeida, do farmacêutico Gustavo Dias e da coordenadora da equipe de enfermagem, Suane Dias.

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas