Conecte-se agora

Pesquisador da UFAC diz que calor excessivo no Acre é causado pela falta de chuvas

Publicado

em

Pode perguntar para qualquer acreano, depois da segurança pública, a maior queixa do morador de Rio Branco é o calor.

Mesmo, obviamente, não se tratando de nenhum levantamento, não seria de se admirar caso uma pesquisa fosse feita e desse esse resultado. Em qualquer conversa de esquina na capital acreana, o calor excessivo dos últimos dias é motivo de queixa.

As altas temperaturas, além da sensação de desconforto, podem se transformar em um problema de saúde. Por isso, é preciso evitar longo tempo de exposição ao sol e abusar da ingestão de líquidos. Ficar hidratado é extremamente importante para não ficar doente.

Os termômetros têm marcado máxima que chegam a 35 graus, com sensação térmica acima de 40 graus, o que faz lembrar a temperatura dos meses de agosto e setembro.

Segundo o pesquisar e professor da UFAC, Alejandro Fonseca, o forte calor é provocado pela ausência de chuvas para o período, fenômeno chamado de veranico.

“Estamos sob o efeito de uma anomalia negativa das chuvas. Significa que tem chovido bem abaixo do esperado para este mês de janeiro. Com a falta de nuvens e de chuva, obviamente o sol tem predominado e as temperaturas estão mais altas, durante as tardes. É normal que em períodos das chuvas aconteça tal fenômeno de secura relativamente prolongado, chamado de veranico. Pode acontecer e está acontecendo”, afirma Alejandro.

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas