Conecte-se agora

“As ruas de Rio Branco respiram medo”, diz rapper que gravou clipe sobre a violência no Acre

Publicado

em

O artista de rap Zedequias Alves, o “Mano Z”, 24 anos, morador da Baixada da Sobral, em Rio Branco, ganhou as redes sociais quando gravou um clipe chamado “Vivências”. O clipe retrata o momento que o Estado do Acre vive.

“Escrevi a letra do meu rap sobre esse momento que estamos enfrentando [violência] nosso Estado. Sinceramente, as ruas do nosso estado respira medo”, explicou.

Em entrevista ao ac24horas, o artista conta que descobriu o Rap, em 2010 e, em 2013, o Samyron, dos Cobras Dance, o convidou para participar de algumas atividades de rap em Rio Branco.

“Me apaixonei pela cultura e estou aqui até hoje. Antes do Hip-Hop, eu não estudava, quando conheci, já me matriculei na escola novamente. Fiz um curso técnico, iniciei uma faculdade. Vivo na periferia e, por aqui, é difícil estudar e trabalhar ao mesmo tempo, por isso tive que trancar minha faculdade. Hoje, eu quero que outros jovens de periferia escutem minha música e pense positivo. É ruim saber que tem amigos e pessoas tão jovens se matando”, afirmou.

O desejo de “Mano Z” é mostrar através do clipe que a cultura pode salvar pessoas.

“Meu foco é esse, que eles conheçam e aprendam que a cultura salva. O Augusto do Hip-Hop foi o primeiro a me ceder um estúdio. Desde então sonho em viver disso: em colocar o Acre como referência no cenário de rap e batalhas. O rap me salvou, e eu quero salvar outras pessoas com minhas letras”, contou.

“Eu quero transmitir através das minhas letras que as pessoas acreditem mais em si. Quando comecei diziam que não levava jeito, e que fazer esse estilo de música no Acre era pedir pra morrer de fome, que não daria futuro, então, escrevi sobre alguns frutos que conquistei com minhas rimas, minhas letras”, contou o jovem que já foi um dos finalistas da batalha de rap em Belo Horizonte e Minas Gerais.

Veja o vídeo:

 

Anúncios

Destaque 4

Quase meia tonelada de maconha aprendida no Rio Juruá era trazida do Peru a Cruzeiro do Sul

Publicado

em

A polícia descobriu que dois homens que transportavam 415 quilos de maconha no Rio Juruá, estavam trazendo o entorpecente do Peru para Cruzeiro do Sul. A dupla foi presa nas primeiras horas da manhã desta quinta feira, 24, ainda no rio, nas proximidades de Rodrigues Alves. Uma arma também foi encontrada com a dupla que transportava a droga em canoas.

Por volta de 2h30 da madrugada de hoje, os policiais encontram uma pequena quantidade da maconha em uma canoa de pequeno porte e prenderam o condutor. Uma hora mais tarde, abordaram um segundo barco, de médio porte, onde estavam mais dois suspeitos e a maior parte da droga. Um deles pulou na água e conseguiu fugir entrando na mata bruta. O segundo suspeito foi preso.
Como a origem da droga é peruana, tudo foi levado para a delegacia da Polícia Federal, onde os suspeitos disseram pertencer a uma organização criminosa e revelaram inclusive o nome da pessoa a quem iriam entregar o entorpecente.

Os homens serão conduzidos para o Complexo Penitenciário Manoel Neri em Cruzeiro do Sul, onde aguardarão à disposição da justiça e responderão pelo crime de tráfico de entorpecentes, podendo pegar até 15 anos de prisão.

O delegado da Polícia Federal de Cruzeiro do Sul, Fabrício Silva, disse que as investigações continuam e que o objetivo é chegar ao dono do entorpecente. O delegado de Polícia Civil, Venicius Almeida, e o comandante da Polícia Militar, tenente-coronel Evandro Bezerra, ressaltam a importância da integração das forças de segurança do Juruá, que apreenderam esse ano, mais de uma tonelada de maconha e cocaína.

A investigação, abordagem e prisões foram feitas pelas Polícias Civil, Federal, Companhia de Operações Especiais (COE) da Polícia Militar e pelo Grupamento Especial de Fronteira (GEFRON).

Continuar lendo

Destaque 4

Avô acusado de violentar duas netas é solto após 3 dias preso, denuncia mãe das vítimas

Publicado

em

Avô paterno foi solto sem uso de tornozeleira eletrônica e as vítimas estão em pânico, relata a mulher

Em Cruzeiro do Sul, a mãe de duas meninas, de 4 e 12 anos, que foram abusadas sexualmente pelo próprio avô, denuncia que o homem de 64 anos só ficou preso por 3 dias e foi solto sem tornozeleira eletrônica. Segundo ela, as meninas estão em pânico. A mulher, que é técnica de enfermagem, flagrou o ex-sogro, Raimundo Justino de Oliveira, abusando sexualmente da filha mais nova, foi à Delegacia Geral de Polícia e uma equipe prendeu o homem em flagrante.

A mais velha, de 12 anos, resolveu então contar que era abusada desde os 7 anos pelo avô paterno, o que foi confirmado por meio de exame de conjunção carnal. “O hímen da mais velha está rompido porque ele sempre agia com os dedos. Na mais nova, o exame comprovou que ele mexia sim. Um monstro porque a mais velha é neta legítima e a mais nova é por consideração. Elas estão traumatizadas e frequentando psicólogos”, conta a mãe.

Segundo ela, no dia do crime, por ser feriado, a Delegacia da Mulher estava fechada e teve de ser atendida na Delegacia-Geral de Cruzeiro do Sul pelo delegado Venicius Almeida, que prendeu seu ex-sogro em flagrante. Ela afirma que Raimundo Justino foi levado para o Complexo Penitenciário Manoel Neri no dia 3 de agosto, mas saiu no dia 6 sem tornozeleira eletrônica.

“Desde o fato minhas filhas estão com acompanhamento psicológico. Quando souberam da soltura do avô, o pânico delas aumentou. Já ele está livre e vai pra todo lugar, não pegou sequer prisão domiciliar, nem usa tornozeleira eletrônica”, desabafa revoltada a mãe das meninas.

O delegado Venicius Almeida afirma não saber o motivo de o homem ter sido liberado pela Justiça, mas acredita que seja por causa da idade, 64 anos e devido à pandemia de Covid-19.

Continuar lendo

Destaque 4

Com asfalto criticado, Duarte promete pavimentar 100% das ruas de Rio Branco

Publicado

em

O debate público acerca da qualidade do asfaltamento de ruas está dando muita dor de cabeça para muitos candidatos à Prefeitura de Rio Branco, principalmente, à prefeita Socorro Neri.

Nos últimos dias, as redes sociais têm sido palco de uma guerra declarada entre o candidato Jarbas Soster e a Chefe do Executivo Municipal, que é criticada por “maquiar” a cidade em plena campanha eleitoral.

Nesta quarta-feira, 23, o candidato à prefeitura de Rio Branco pelo MDB, Roberto Duarte, postou um vídeo nas suas redes sociais, prometendo à população de Rio Branco se, caso eleito, pavimentar 100% das ruas da capital em quatro anos.

Em um vídeo curto, o advogado e deputado estadual diz que a proposta de pavimentar 100% de Rio Branco contará com o apoio do senador Márcio Bittar (MDB), que é relator do Orçamento Geral da União (OGU).

Roberto afirmou que Bittar se comprometeu em colocar uma emenda no Orçamento Geral da União (OGU) trazendo 200 KM de asfalto para o Acre, sendo 100 KM de asfalto, apenas para Rio Branco.

Roberto argumentou que no primeiro ano à frente da Prefeitura de Rio Branco irá pavimentar 100 Km. “Isso será um compromisso de campanha com a nossa gente!”, afirmou.

Continuar lendo

Destaque 4

Surpresa, lágrimas e solidariedade marcam sessão da Aleac após cassação de Juliana

Publicado

em

Um dia após a deputada estadual Juliana Rodrigues (Republicanos) ter seu mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que determinou ainda seu afastamento imediato do cargo, o clima na sessão virtual Assembleia Legislativa desta quarta-feira, 23, era de velório.

O primeiro a “tocar no ferida” foi o deputado Antônio Pedro (Democratas), que se solidarizou com a colega lembrando de sua luta junto à população do Acre ao longo de seis anos na Assembleia Legislativa.

A deputada emedebista Meire Serafim também referiu-se a Juliana: “quero dizer que estou à disposição. Sei da índole da deputada. Sei do seu caráter e tenho certeza que Deus tem um propósito maior para a senhora”, disse.

O deputado Daniel Zen e candidato a prefeitura de Rio Branco afirmou que decisão judicial deve ser cumprida. “Uma decisão de última instância, terminativa, que deve ser respeitada”, disse o petista destacando que a anulação dos votos de Juliana e o deputado federal Manuel Marcos darão os cargos para o juiz aposentado Pedro Longo e para o advogado petista Léo de Brito. “Foi inovador. Se não tivessem anulado os votos eram Railson e André da Droga Vale que assumiriam”, lembrou. “Fará um brilhante trabalho o Léo de Brito”.

Já a deputada Antônia Sales (MDB) chegou a chorar, lamentando o ocorrido. “Você conquistou o meu respeito. A gente não sabe, mas tenha fé em Deus”, disse a parlamentar da região do Juruá. Ao mesmo tempo, Sales criticou quem “faz festa com a desgraça do outro”.

Outro que também se manifestou foi o deputado Manoel Moraes (PSB). “Fica aqui nosso respeito”, disse.

Apesar das manifestações positivas em prol de Juliana, ela não participou da sessão de hoje. Na manhã que antecedeu o julgamento, a deputada afirmou que não tinha medo da decisão da justiça eleitoral e que perdoava seus acusadores. A declaração repercutiu nas redes sociais.

O ac24horas apurou que o Tribunal Regional Eleitoral do Acre ainda não foi notificado da decisão da corte superior. A expectativa é o trâmite ocorra nos próximos dias e a mesa-diretora da Aleac seja notificada a afastar Juliana. O mesmo deve ocorrer na Câmara dos deputados em Brasília, com Manuel Marcos.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2020 ac24Horas.com - Todos os direitos reservados.