fbpx
Conecte-se agora

Em reunião secreta e com todos offline, governador do Acre dá “puxão de orelhas” em secretários e cobra mais eficiência na gestão

Publicado

em

FOTO: SECOM/ACRE

“Pull the rug“ essa seria a expressão “puxar o tapete” em Inglês. Mas não foi esse o idioma cobrado no primeiro escalão da gestão do governador Gladson Cameli. Ao pedir fim do “fogo amigo”, o chefe do executivo disse que esperava estar falando em português.

Ao chegar praticamente uma hora atrasado no prédio da biblioteca pública de Rio Branco na manhã desta quinta-feira (16) para participar do encontro com o primeiro e segundo escalão de sua gestão, o governador Gladson Cameli deixou de lado toda simpatia peculiar e falou grosso ao cobrar unidade de seus secretários e diretores e pedir o fim das famosas puxadas de tapete entre o grupo.

Cameli desceu do carro pela avenida Getúlio Vargas, entrou sorridente no hall principal do prédio recém-inaugurado, cumprimentou todos os servidores e sem conceder entrevistas entrou no auditório da Filmoteca onde já acontecia o encontro de alinhamento de seus principais assessores.

Ele foi o único a entrar com celular nas mãos. Os demais comissionados foram surpreendidos no primeiro encontro de planejamento, com o confisco do aparelho celular, gentilmente colocado em uma bandeja.

O cartão de visita parecia anunciar o cardápio que seria oferecido pelo governador que após agradecer o empenho de todos, mesmo sem sair do salto, engrossou o cangote e pediu unidade entre os que estão à frente de secretarias e autarquias.

“É um querendo puxar o tapete do outro”, desabafou o chefe do executivo.

Com olhar firme em direção aos subordinados e mãos inclinadas, ele disse que esperava estar falando em português, deixando muito bem claro que não vai mais admitir picuinhas no grupo que o ajuda a governar o Estado.

O tom já era esperado. O governo enfrentou uma séria crise no final do ano, saindo das paredes de sua gestão o desafino entre os secretários de planejamento [Maria Alice], fazenda [Semírames Plácido] e infraestrutura [Thiago Caetano].

Antes do Natal, Cameli ainda teve que administrar uma rebelião comandada pelo chefe da Casa Civil, Ribamar Trindade, que chegou a lhe entregar uma carta de demissão.

Nem mesmo contornou as cismas com o homem de maior confiança no governo, a secretaria de empreendedorismo e turismo emplacou um debate sobre dinossauros, se sobrepondo aos aspectos de desenvolvimento do estado. O carão parece ter servido, Sinhasique voltou atrás no projeto do pórtico com dinossauros.

Cameli disse o que há muito tempo queria, em seguida, optou por não sair pelo tapete estirado pelos servidores da biblioteca, mas, as portas do fundo, acesso principal a Filmoteca, onde o evento acontecia. A estratégia era para driblar a imprensa. Deu certo.

Fora a expressão “puxar o tapete” pouco ou quase nada se sabe do que foi conteúdo na reunião secreta da manhã desta quinta-feira em Rio Branco. Sabe-se através de assessores mais próximos que um pacto foi feito entre os secretários e diretores.

O estado tem meio milhão de reais para investir no primeiro semestre do ano, a maioria do aporte financeiro é de operações de crédito. O governo aposta alto nas obras de infraestrutura para recuperar a economia, gerar emprego e renda.

Propaganda

Cotidiano

Foragido do Francisco d’Oliveira Conde é recapturado em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

As polícias Militar e Civil de Cruzeiro do Sul prenderam na tarde desta terça-feira, 18, G.M.M. Segundo os policiais, ele estava foragido do presídio estadual Francisco d’Oliveira Conde, em Rio Branco. A polícia esclareceu que G.M.M não é um dos 26 fugitivos que escaparam do presídio no último dia 20 de janeiro.

Conforme a polícia, o recapturado cumpria pena no presídio da capital pelo crime de homicídio e porte ilegal de arma de fogo.

Após a prisão, ocorrida nesta terça-feira, o detido foi encaminhado para a Delegacia Geral de Cruzeiro do Sul para os procedimentos legais.

Continuar lendo

Destaque 3

Mobilização pela criação do Ministério da Amazônia convoca deputados do Acre para reunião

Publicado

em

FOTO: INTERNET

Os presidentes das Assembleias Legislativas do Amazonas, Josué Neto, e Roraima, deputado Jalser Renier, iniciaram uma mobilização junto às Assembleias dos Estados da Amazônia Legal em defesa da criação do Ministério Extraordinário da Amazônia.

Para debater essa proposta, uma reunião com os presidentes das Assembleias dos Estados do Maranhão, Amapá, Acre, Rondônia, Mato Grosso, Pará e Tocantins está marcada para o início de março, em Manaus.

“Iniciamos a articulação e já estamos buscando o apoio dos presidentes de outras Assembleias Legislativas, além dos deputados que queiram abraçar nossa mobilização pela criação do Ministério da Amazônia”, disse o deputado Josué, explicando que o objetivo é apoiar o deputado federal Átila Lins, autor do projeto, e dar sustentação ao pedido de criação do Ministério da Amazônia.

Lins chegou a tratar do assunto pessoalmente com o presidente Jair Bolsonaro no último dia 13. Segundo o deputado, a nova pasta vai cuidar da regularização fundiária na Amazônia, das estradas importantes para a região, do turismo ecológico e de uma série de ações que o presidente Jair Bolsonaro quer desenvolver diretamente na Região Amazônica.

O presidente Jair Bolsonaro fez uma coletiva de imprensa, em Brasília, no dia 13 de fevereiro, ao lado do deputado Átila Lins, afirmando que estava analisando a sugestão de criação do Ministério Extraordinário da Amazônia Legal.

(Com Aleam)

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required
Propaganda
Propaganda

Leia Também

Mais lidas