Conecte-se agora

Sinhasique diz que decisão sobre dinossauros caberá ao governo

Publicado

em

Em meio à avalanche de críticas e também sugestões emitidas pelos internautas acreanos, a secretária de Empreendedorismo e Turismo do Acre, Eliane Sinhasique, afirmou nesta sexta-feira, 10, que agora quem deverá decidir se coloca ou não os dinossauros gigantes como pórtico do Estado será a equipe principal de governo.

Sinhasique aproveitou para responder as críticas: “não leiam só as manchetes! Para poder de fato se inteirar dos assuntos, é preciso ir mais à fundo. Não seja aquele que lê apenas a “orelha do livro””, escreveu.

A pasta conseguiu R$ 433.798,00 de emenda parlamentar para que a secretaria de Infraestrutura possa desenvolver o projeto de engenharia e arquitetura da obra. “Minha ideia inicial era colocar o Plácido de Castro no seu cavalo e a placa com os seguintes dizeres: ‘Bem-Vindo ao Acre – Único estado que lutou para ser brasileiro’”, explicou Eliane.

Segundo ela, a equipe começou a trabalhar no projeto e apresentou a sugestão de colocar o dinossauro, entendendo que o apelo visual seria maior, tendo como base a brincadeira e piadas que fazem sobre o Acre.

“Fiquei em dúvida se seria uma boa estratégia e resolvi pedir a opinião pública.

Continuo defendendo minha ideia inicial, junto à equipe, e agora essa decisão será tomada pela equipe de governo. Toda sugestão é válida e tem seus prós e contras”, garante a secretária.

 




Propaganda

Acre

Governo inaugura Base Integrada de Segurança na Cidade do Povo

Publicado

em

O governador Gladson Cameli inaugura às 9h desta quarta-feira (29) a Base Integrada de Segurança Pública da Cidade do Povo.

O alto staff da segurança pública do Estado do Acre estará presente. A proposta é elevar a presença do poder público no bairro, regularmente assolado por atos criminosos.

A base está sediada na Delegacia da 2ª Regional de Segurança Pública, na Avenida Afif Arão.




Continuar lendo

Acre

Marcio Bittar – Adesões e traições

Publicado

em

Por

Por – Senador Marcio Bittar (MDB-AC)

A convicção de valores e a coerência são virtudes raras na política, por outro lado o adesismo pusilânime, a substituição irrefletida de valores e o pragmatismo cego são abundantes. Exemplos históricos dramáticos corroboram a hipótese da prevalência dos vícios nos jogos de poder. Quantos líderes totalitários conseguiram, primeiro pela persuasão e depois pela força, conduzir maiorias e contar com o apoio de políticos, burocratas, intelectuais, empresários, sindicatos, professores, alunos, jornalistas e magistrados cegos pela proximidade e partilha das benesses do controle do Estado?

Stalin, o tirano comunista, foi um líder de multidões e contou com o apoio da elite soviética para cometer atrocidades inomináveis. Hitler, o líder máximo dos nazistas, ajudou a mudar os valores de uma nação em desespero e conduziu a Alemanha e o mundo ao inferno. São exemplos de genocidas que conseguiram a adesão torpe das maiorias, manipularam a inversão de valores das elites e forçaram seus liderados a os seguirem de forma cega, amedrontada e desavergonhada.

Guardadas as devidas proporções, assistimos o domínio do Acre por um grupo político que conduziu a sociedade ao fracasso, à inação econômica e à insegurança brutal. A destruição levou duas décadas. Aos poucos, os petistas dominaram de forma profunda as organizações da sociedade civil e as instituições do Estado.

Contaram com apoio de todos os presidentes da República desde FHC e exerceram hegemonia ideológica com a mitologia ecológica irracional denominada florestania. Contaram com o respaldo quase irrestrito de toda imprensa; houve exceções. A adesão do setor empresarial e dos produtores não faltou, pois foi conseguida por medo, blefes e criação de dificuldades.

A persuasão foi utilizada nos primeiros anos visando mudar valores tradicionais e substituí-los por um ambientalismo socialista enganador. A força das ameaças, multas, invasões de terras, perseguições e controle burocrático se impôs; era mais eficiente. Ao final de vinte anos, ficou claro o fracasso e a turma foi banida da política pelo voto popular.

Sempre estive contra essa gente. Sempre intuí e observei o mal que a turma dos petistas fazia ao Estado. Foram 20 anos de perda de oportunidades para desenvolver, crescer e gerar riquezas. Poucos enfrentaram a esquerda acreana desde o início, entretanto uma minoria jamais deixou de observar criticamente os feitos e lutar bravamente pela queda dos responsáveis pelo atraso. Tal minoria cresceu e minou as bases do poder até a completa ruptura conquistada em 2018.

Hoje, não vejo com surpresa petista, outrora ardoroso, inventar desculpas esfarrapadas para abandonar o barco e aderir pragmaticamente a novos nichos de poder, em busca de sobrevivência política. É vergonhoso, por exemplo, uma ex-presidente do partido tirar da cartola briguinhas de 2012 para se transmutar. Também, não é digno a prefeita tentar se limpar da poeira petista com tremendo desdém. É ingrata: ela só é prefeita porque aceitou jogar junto com os petistas. Se eles ainda estivessem no poder, a prefeita romperia?

É possível perdoar as pequenas e sórdidas hipocrisias em política, mas não é recomendável esquecê-las. A lembrança da história é pedagógica e se enfrentada com verdade e rigor, pode ajudar a não cometermos os mesmos e insistentes erros. Estar atento é fundamental.

 




Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required
Propaganda
Propaganda

Mais lidas