Conecte-se agora

Demanda por drone faz instituições de ensino ofertarem cursos na área

Publicado

em

Equipamento é usado em diversos segmentos

Popularmente conhecidos no Brasil como drones, os Veículos Aéreos Não-Tripulados (VANTs), são bem aceitos pela capacidade de fazer imagens aéreas com qualidade. Por isso, vêm sendo usados em diversos segmentos, como no monitoramento no campo e na produção de vídeos de marketing.

Por conta do custo-benefício, os drones também vêm sendo usados, por exemplo, no cinema, na fotografia, construção civil e agropecuária – nessa, é uma das tecnologias empregadas no campo, onde o dispositivo ajuda a monitorar os hectares proporcionando maior agilidade na obtenção e apresentação dos dados de mapeamento, além de favorecer uma visão completa da lavoura e possibilitar um backup da área para futuras análises sazonais. Com isso, a atividade que era realizada em meses de trabalho passou a ser feita em poucos dias.

Esses equipamentos também são utilizados para lazer. No entanto, especialistas alertam que um drone não é brinquedo. Para controlar um equipamento do tipo é preciso ter licença aprovada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que dispõe de um regulamento para este fim. Também é preciso ter conhecimentos sobre a manipulação do aparelho. 

Existe faculdade para aprender a controlar drone?

Cursos presenciais de curta duração, graduação e pós-graduação já oferecem aulas para o aluno aprender a comandar o aparelho e, até mesmo, cursos online de drone estão disponibilizando essas aulas. O arquiteto e fundador da CG Drone, Carlos Galassi, explica que cada escola tem sua carga horária própria de curso, sendo que a média de um módulo básico é de 16h. Os módulos abordam legislação para saber como operar dentro das normas ANAC, Anatel e Decea; manutenção do equipamento e funcionamento.

Os cursos de operação de drone estão aptos a emitir certificado com validade legal e o custo varia conforme o módulo e tipo de curso – online, curta duração, graduação ou especialização. Para os cursos de curta duração, por exemplo, o valor médio apresentado pelo mercado varia entre R$800 e 1.400. 

 

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Anúncios

Acre 01

Fórum decide manter suspensão das aulas no Acre e retorno à escola volta a ficar indefinido

Publicado

em

Em reunião do Fórum Estadual da Educação, que ocorreu na tarde desta segunda-feira, 3, na sede da secretaria de Educação do Acre, ficou decidida a manutenção da suspensão das aulas presenciais durante a pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2). Embora tenha se cogitado inicialmente que o retorno das atividades escolares de forma presencial no Acre poderia ocorrer em setembro deste ano, a ideia foi descartada após representantes da classe educadora se posicionarem unânimes contra retorno das aulas enquanto ainda houver risco de contaminação da doença.

Agora, as atividades escolares de maneira presencial ficaram suspensas novamente por tempo indeterminado. O gestor da pasta da Educação, professor Mauro Sérgio, argumentou que a secretaria “não sabe o que pode acontecer caso os estudantes voltem às escolas. Não queremos tomar uma decisão que possa causar algo negativo para a saúde pública do nosso estado. O foco é dar segurança para alunos e profissionais e seus familiares”.

O estudante Richard Brilhante, membro do Fórum, também se posicionou contra o retorno presencial e comemorou a decisão. “De forma muito responsável, entendeu [Fórum] que as aulas presenciais continuam suspensas por tempo indeterminado. Ainda assim, levanta a preocupação com as aulas remotas, pois considera que deve existir um investimento maior, para atingir mais estudantes”, destacou.

De acordo com o governo do Acre, o objetivo do Fórum é justamente encontrar caminhos para a continuidade da vida escolar nesse momento de pandemia. A professora Fátima Miranda, representante do Conselho Estadual de Educação e da Câmara de Educação Básica, votou de forma contrária ao retorno das atividades. Para ela, é necessário que haja uma “articulação entre os órgãos de saúde e educacionais (da rede pública e privada), para discussão de um plano que possibilite o retorno das atividades, mas somente quando for possível o retorno seguro a todos os professores e estudantes”, concluiu.

Continuar lendo

Acre

Criança pilota jet ski e faz manobras perto de banhistas no Rio Acre

Publicado

em

Cenas de irresponsabilidade e desrespeito foram flagradas na tarde desse domingo, 3, quando o Estado já se aproximava dos 20 mil casos de contaminação pelo novo coronavírus. Além da aglomeração de pessoas nas margens do Rio Acre, mais precisamente na região da Praia da Base, na capital acreana, uma criança foi filmada pilotando um jet ski sozinha ao longo do rio. O veículo aquático é liberado apenas para adultos com habilitação específica.

As imagens foram captadas pela equipe de reportagem da Rede Amazônica e transmitidas no Jornal do Acre nesta segunda (3). As cenas impressionam ainda mais pelo fato de a criança praticar diversas manobras arriscadas, como ‘cavalo de pau’, bem próxima aos banhistas.

Com a chegada do verão amazônico, muitas famílias têm procurado amezinhar o calor aos finais de semana em balneários e margens do Rio Acre, mesmo em meio à pandemia da Covid-19. O risco de contaminação não tem impedido as aglomerações pela capital e também no interior do Estado.

Para pilotar um jet ski, é obrigatório ter mais de 18 anos e possuir o Arrais, uma carteira de habilitação náutica que habilita o adulto a conduzir as referidas motos aquáticas. O mesmo vale para as lanchas. Ocorre que a atividade de recreação começa a oferecer perigo quando conduzida por crianças ou pessoas desabilitadas para navegação. Em caso de fiscalização, quem for pego pilotando esses veículos sem habilitação pode acabar detido e ter o veículo e a carteira apreendidos.

Tragédia

Em janeiro de 2019, uma colisão entre motos aquáticas provocou a morte da jovem Maicline da Costa, de 26 anos, quando um dos condutores teria realizado a manobra chamada “cavalo de pau”, que acabou fazendo com que houvesse perda de controle do veículo. A mulher teve uma das pernas arrancadas e morreu após chegar ao hospital. O acidente ocorreu na região da Gameleira, no Rio Acre, em Rio Branco.

Risco de afogamentos

O Rio Acre estava marcando 2,10 metros nesse domingo. A baixa no nível do rio faz com que as pessoas também se arrisquem nadando de um lado para o outro do manancial, favorecendo o risco de afogamentos. No ano passado, o Corpo de Bombeiros do Acre registrou 33 mortes dessa natureza, sendo 25 atendidas pelo batalhão que abrange Rio Branco, Bujari, Porto Acre, Senador Guiomard e Plácido de Castro e o restante nas demais cidades do interior.

Foto: Reprodução Rede Amazônica/Jornal do Acre

Continuar lendo

Extra Total

Advogados de Tião Fonseca e sua esposa dizem que prisão foi ilegal e ingressam com HC

Publicado

em

Os advogados Rodrigo Aiache e Keldheky Maia, responsáveis pela defesa do casal Tião Fonseca e Delba Nunes Bucar, ex-diretor do Depasa e dona da Bucar Engenharia, presos na manhã desta segunda-feira, 3, na Operação “Toque de Caixa”, desencadeada pela delegacia de Combate à Corrupção e aos Crimes contra a Ordem Tributária e Financeira (Decor) da Polícia Civil, afirmaram que devem ingressar com um pedido de habeas corpus junto ao Tribunal de Justiça do Acre ainda hoje.

“Entendemos que a prisão temporária decretada não preenche os requisitos legais. Portanto, estamos trabalhando no HC, o qual será protocolado ainda hoje”, informaram os advogados quando questionados pelo o ac24horas.

As prisões e a buscas e apreensões foram expedidos pelo juiz Cloves Augusto Alves Cabral Ferreira, da 4ª Vara Criminal da Comarca de Rio Branco, e também contou com a anuência do Ministério Público do Acre.

Fonseca e sua esposa são acusados de desvios de recursos públicos e o pagamento na ordem de R$ 561.853,06, realizado em março deste ano, em favor da empresa Bucar Engenharia, de propriedade de Delba, é o principal ponto investigado pelas autoridades que pediram ainda o bloqueio de bens dos envolvidos.

Leia também:

>>>Operação “Toque de Caixa” mira Tião Fonseca, esposa e irmão de Bittar em pagamento de R$ 500 mil

>>>Além de prisões, Polícia Civil pediu bloqueio dos bens de envolvidos na investigação do Depasa

>>>Esposa de Tião Fonseca, ex-diretor do Depasa, também é presa em operação da Polícia Civil

Continuar lendo

Cotidiano

Mais de R$ 100 milhões do Auxílio Emergencial já foram devolvidos ao governo

Publicado

em

O Governo Federal já recuperou mais de R$ 100 milhões pagos a pessoas que não se enquadravam nos critérios para recebimento do Auxílio Emergencial. Por meio do site de devolução 107.707 pessoas emitiram Guias de Recolhimento da União (GRU) para devolver os pagamentos indevidos. São 81,7 mil devoluções registradas por civis e outras 25,9 mil por militares.

Segundo dados apresentados pela Receita Federal, apenas 0,44% dos 65,4 milhões de beneficiários não se encaixavam nos critérios da lei, o que representa uma taxa de 99,6% de efetividade do programa. “A margem de desconformidade, que pode ser falha no sistema, erro humano ou fraude, em toda essa operação é muito pequena”, afirma o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni.

“Para termos ideia do tamanho dessa operação, ela representa uma Argentina e meia ou uma Itália inteira. O Auxílio Emergencial teve um impacto extraordinário na população vulnerável e pesquisas apontam que é o menor índice de pobreza nos últimos 40 anos”.

A partir das pesquisas de Amostras Domiciliares do IBGE, em especial a PNAD Covid-19, foi possível mensurar que 3,3% da população brasileira, ou sete milhões de pessoas, viviam na extrema pobreza em junho deste ano. Desde a década de 1980, quando os levantamentos ficaram mais precisos, o menor índice registrado havia sido de 4,2% em 2014.

Segundo a Dataprev, mais de 148 milhões de CPFs foram analisados. Desses, 66,9 milhões de pessoas são consideradas elegíveis por atenderem os critérios previstos na lei. Dessa forma, estima-se que o Auxílio Emergencial chegue de forma direta ou indireta a 126,2 milhões de cidadãos, mais de metade da população brasileira. Até o momento, os investimentos no Auxílio Emergencial chegaram a R$ 141,8 bilhões.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas