Conecte-se agora

Cheia nos rios alerta riscos de choque elétrico, doenças e animais peçonhentos

Publicado

em

FOTO: SÉRGIO VALE

Chegado o inverno amazônico, é natural a incidência de cheia nos rios acreanos. As inundações provocam inúmeros transtornos aos ribeirinhos e moradores de bairros próximos aos mananciais. Com isso, alguns riscos são mais iminentes no início das alagações, como choques elétricos, doenças e proximidade de animais peçonhentos.

Ao ac24horas, o Major Cláudio Falcão, porta-voz do Corpo de Bombeiros, explicou algumas das situações em que as pessoas atingidas com a cheia dos rios devem ficar atentas. A primeira delas diz respeito ao perigo da água junto à eletricidade.

“Existem muitos riscos nesse momento de inundação, a começar pelas pessoas que estão em casa. Elas devem ter preocupação com choque elétrico, pois quando a água chega às residências, pode atingir as tomadas e provocar choques fatais”, fiz o Major. O choque elétrico na água tem uma intensidade muito maior e, consequentemente maiores danos.

Segundo os Bombeiros, os moradores devem observar quando a água atinge suas casas e prestar atenção se a água alcança as tomadas ou os padrões de energia elétrica, para assim evitar contato e acidentes.

Outra situação que deve ser evitada, de acordo com o Major, é o contato com a água, uma vez que o contato direto com água poluída também acarreta riscos à saúde. “São muitas doenças que podem afetar os moradores, como a leptospirose ou doenças de pele”, salienta Falcão.

Muitas vezes, as crianças acabam aproveitando os quintais alagados para se divertirem e até nadar, situação vista como perigosa para as autoridades. “Esses locais podem se transformar numa grande fonte de infecção”, pontua.

Por último, a aproximação de animais peçonhentos nas residências próximas da inundação ou parcialmente inundadas. “São cobras, caranguejeiras, aranhas e escorpiões. Nesse momento, as pessoas devem ter muito cuidado em locais alagados, tanto pela água do rio como água da chuva para ficar sujeito a riscos de saúde”, finaliza Cláudio Falcão.

Às 9 horas desta quarta-feira, 8, o rio Acre na capital acreana já ultrapassava cinco centímetros a cota de transbordamento, marcando 14,05 metros. Em Brasileia, o rio registra 11,56 metros. Sena Madureira mede, conforme a última avaliação, 11,95 metros. Tarauacá saiu da cota de alerta, baixando para 6,40 metros. Já em Cruzeiro do Sul, o rio Juruá segue em transbordamento, marcando 12,94 metros.

Propaganda

Cotidiano

Preso que engoliu celular pode passar por cirurgia para retirada do aparelho

Publicado

em

Um dos presos pegos com um celular no estômago durante revista por scanner corporal na Unidade Penitenciária Evaristo de Moraes, em Sena Madureira, passou a noite com o aparelho dentro do corpo e teve de ser transferido para Rio Branco. Nesta quinta-feira, 23, ele deve ser avaliado por uma equipe médica para decidir se ele deverá passar por cirurgia para retirada do aparelho.

Em entrevista ao G1 Acre, o diretor da unidade, Denis Araújo, explicou que o outro detento conseguiu expelir o aparelho através do vômito. A situação se torna inusitada porque geralmente os presos costumam envolver o celular em algum material, que facilita a remoção. Mas nestes dois casos, os aparelhos foram ingeridos sem nenhum tipo de proteção.

Para os agentes penais, os aparelhos conseguiram adentrar o presídio após serem jogados sobre os muros da unidade, localizada na região urbana da cidade. O reeducando que conseguiu “vomitar” o celular vai sofrer punição de dez dias e um procedimento administrativo vai ser instaurado para apurar o caso.

O outro que foi transferido para avaliação médica em Rio Branco ficará de sanção, ainda deve ser aberto uma sindicância e ele pode pegar até mais 20 dias de corretivo – onde fica isolado e perde o direito a visitas e banho de sol.

Com informações do G1/Acre

Continuar lendo

Cotidiano

Caminhoneiros, camponeses e indígenas bloqueiam pontes e estradas que dão acesso à Cobija

Publicado

em

Nesta quarta-feira (22) um movimento de pequenos produtores de castanhas decidiram bloquear a ponte Wilson Pinheiro, que liga a cidade de Brasileia à Cobija, capital de Pando.

O motivo do bloqueio seria preço da lata de castanha que será reduzido por volta de 40%. A redução do preço irá afetar os pequenos produtores do país vizinho.

Segundo informações, o bloqueio começou devido a vários protesto no lado boliviano que vêm ocorrendo a mais de dez dias. De acordo com as informações, o movimento começou bloqueando alguns pontos de estradas no interior do estado de Pando e Riberalta.

Já no lado de Epitaciolândia, a ponte da Internacional que é o principal acesso de caminhões de grande porte, produtos alimentícios e outros, também está bloqueada, devido um impasse entre a categoria dos caminhoneiros dos dois países e, segundo eles, a causa é a burocracia boliviana

Quem também decidiu aderir ao movimento foi a categoria de transporte urbano por meios de vans, que está exigindo mais melhorias por parte do governo.

De acordo com informações, o acesso ao lado boliviano e brasileiro, ocorre somente a pé.

No lado do comércio boliviano, as compras reduziram devido o pouco fluxo de turistas que estão apreensivos, temendo uma radicalização total com o bloqueio total das pontes.

Com informações do Alto Acre

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required
Propaganda
Propaganda

Mais lidas

welcome image