Conecte-se agora

Petecão garante que não irá lançar candidato para satisfazer PSD

Publicado

em

Apesar da recomendação do presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, para que Rio Branco tenha uma chapa majoritária na disputa pela prefeitura, o presidente do diretório regional no Acre, senador Sérgio Petecão, diz que a capital acreana pode não apresentar um candidato, caso não definam um nome à altura do cargo. A afirmação foi proferida pelo parlamentar nesta terça-feira, 7, durante entrevista ao programa Gazeta Entrevista, apresentado pelo jornalista Itaan Arruda.

Petecão aproveitou para desmentir um possível atrito que teria acontecido entre sua esposa, Marfisa Galvão e a sindicalista Rosana Nascimento. Segundo ele, pessoas externas tentam semear discórdia dentro do PSD, “Tivemos uma conversa, eu e Marfisa, e Rosana nunca falou no nome da Marfisa. Plantaram que existia atrito entre as duas. Ela mesmo publicou em rede social que hoje está preocupada somente com a família e não é autorizada a falar pelo PSD”, garante o senador.

Ainda de acordo com o parlamentar, se Marfisa tiver que ser candidata, será um processo construído a várias mãos dentro do partido e não como uma imposição.

Questionado sobre possíveis nomes na disputa pela prefeitura de Rio Branco, Petecão confirmou o desejo por algumas figuras, como a atual prefeita Socorro Neri, o ex-prefeito Raimundo Angelim e o deputado estadual José Bestene.

Mas por enquanto, as articulações continuam sendo desenhadas dentro do PSD. “É uma decisão do PSD nacional lançar candidatura majoritária em todas as capitais, mas isso não significa dizer que somos obrigados a lançar, se chegarmos a uma conclusão. Lançar uma candidatura é fácil, difícil é lançar um candidato que possa dar respostas na gestão e retorno político ao partido e à população”, explicou.

O presidente do diretório regional do PSD no Acre diz que “não quer lançar o um candidato para satisfazer suas vaidades ou as vaidades do PSD”. Na sua visão, Socorro, Bestene e Angelim são bons nomes para gestão. “É uma decisão que tem que ser amadurecida. Angelim, por exemplo, jamais tomaria uma decisão dessa sem conversar com as pessoas que o acompanham”, salientou Petecão.

Propaganda

Acre

Para tentar conter a violência, forças de segurança realizam operação

Publicado

em

Pressionado por apresentar ações eficazes no combate a onda de violência que tomou conta de Rio Branco, o governo do estado, por meio das forças de segurança, realizou nesta quarta-feira, 22, a Operação “Sinapse” na capital acreana e também nos municípios de Cruzeiro do Sul, Sena Madureira, Porto Acre e Bujari.

Segundo a Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) foram cumpridos cerca de 125 mandados de prisão, busca e apreensão durante a ação que começou ainda durante a madrugada.

Uma coletiva de imprensa foi marcada na sede da Direção de Polícia Civil onde será esmiuçada a operação e seus resultados.

Continuar lendo

Acre

Pai de Santo relata ameaça contra praticantes do Candomblé

Publicado

em

O ativista LGBTQI+ Germano Marino lidera um grande número de ações voltadas à inclusão dos homossexuais na sociedade acreana. Além disso, também é Pai de santo no Candomblé, uma religião afro-brasileira em que Germano é uma figura paternal para seu terreiro, onde cuida, literalmente, de diversas pessoas. Ele relatou uma situação que vem ocorrendo com dois dos filhos de Santo que possui. Segundo ele, “uma barra”. A situação envolve “dois filhos de Santo, com suas famílias evangélicas que não aceitam seus filhos no Candomblé”, afirma.

Marino salienta que um desses filhos está ameaçado de ser expulso de casa, “sendo vítima de todo tipo de chantagem emocional”, garante. “O segundo perseguido pela família, acreditando eles, que o rapaz está entregue ao diabo, porque o pastor disse”, completou.

O ativista lembra que ambos são humildes, pobres e gays e suas famílias negam a homossexualidade dos filhos, agindo com preconceito. “Até entendo que a religião deles não compreenda o Candomblé, mas é perceptível que justificam com a palavra de Deus os seus preconceitos”, destaca Germano.

No terreiro, Marino garante que os pais nem imaginam que a orientação é de que estes sejam bons filhos. “Oriento a estudarem, a fazerem cursos de qualificação, a não se prostituírem, a não procurem qualquer droga, a não estarem jogados ou largados por aí, talvez eles teriam outra visão do que é viver numa casa de Santo, em que aqui, por mais atividade e trabalho que se tenha, ainda é um lugar de acolhimento, respeito e responsabilidade”, assegura o ativista acreano.

Germano lamenta ainda que o homossexual e o Candomblé sofrem muito preconceito. “Se ambos forem expulsos, de nenhuma forma os deixarei no meio da rua. Onde cabe um, cabe outros. Seguindo firme e vencendo esses pré-julgamentos falsos e intolerantes”, finalizou o desabafo.

Sobre o Candomblé

Na religião, o Pai de Santo é uma pessoa espiritualmente elevada, capaz de guiar a vida de seus filhas e filhos de Santo, e se torna responsáveis por cada uma dessas vidas e de suas orientações em seus caminhos.

Na Casa de Candomblé, eles exercem suas posições como psicólogos, aconselhando os seguidores e procurando compreender e ensinar os caminhos da vida de cada um que os procuram. Precisam também acolher aqueles que necessitam de informação e entendimento, tendo assim um trabalho delicado de transmitir da melhor forma a mensagem que recebem dos Santos de acordo com a necessidade daquele que o escuta.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required
Propaganda
Propaganda

Mais lidas