Conecte-se agora

Relatório aponta que número de mortes diminuiu, mas que roubos aumentaram no Estado do Acre

Publicado

em

Um relatório do Núcleo de Apoio Técnico do Ministério Público (MP) divulgado recentemente mostra o índice de mortes violentas e roubos, e ainda faz um levantamento dos casos registrados em Rio Branco no período de janeiro a dezembro de 2019. Durante entrevista concedida pelo secretário de Segurança Pública Paulo Cézar e o comandante em exercício da Polícia Militar do Acre, Luciano Dias, ao programa Gazeta Entrevista nesta quinta-feira, 2, os representantes da segurança no estado explicaram os dados apresentados no relatório.

Conforme o estudo, houve aumento de 2% nos casos de roubos ao comparar o mesmo período de 2019 com 2018. Rio Branco registrou 6.526 roubos no último ano, enquanto que em 2018 esse número foi de 6.414 casos. O relatório aponta houve redução de 25% no número de mortes intencionais de janeiro a 26 de dezembro de 2019, se comparado ao mesmo período de 2018. Porém, também indica que 48,2% dos homicídios registrados não tiveram elucidação.

Paulo César destacou no programa que embora os casos sem elucidação ainda sejam altos, o índice de casos elucidados precisam ser ressaltados. “O número de elucidação de casos que o Acre tem são bons. O Acre tem um dos melhores índices de elucidação do país. Em um ano, mais de 50% dos casos são elucidados, tem autoria esclarecida”, afirma o secretário.

De acordo com Cézar, a Polícia Civil age com apuração de investigações e depende de uma série de procedimentos para ter sucesso na elucidação dos crimes. “As diligências dependem de autorização judicial. Há um número grande de diligências aguardando autorização para serem cumpridas. Tivemos um encontro no Tribunal, onde solicitamos maior agilidade”, disse.

Segundo ele, outros estados brasileiros não têm percentual nem de 10% na elucidação dos homicídios registrados, enquanto que o Acre apresenta número maior que 50%. “O Acre tem o poder de alcançar um patamar mais elevado ainda e estamos trabalhando pra isso. É um numero significativo”, garantiu Paulo Cézar.

A demora da Justiça em liberar mandados de busca e apreensão pode ser um dos fatores que contribuem para o baixo índice de resolução dos crimes, exemplificou Cézar. O aumento no número de homicídios em Rodrigues Alves, Porto Acre, Epitaciolândia e Xapuri podem ser explicados da seguinte forma, segundo o secretário: “fenômenos específicos em cidades pequenas levam a isso. Quando se trata de munícipios pequenos, consideramos a fim de avaliação a regional como um todo para analisar se houve realmente o aumento da violência ou se foi outro fator que desencadeou isso”.

Roubos

O relatório expõe em Rio Branco um aumento significativo de roubo nas 2ª e 3ª regionais, mas também uma redução na 5ª regional. O maior número de ocorrências na capital ocorreu em junho, com 684 roubos. Na 1ª regional, o Bosque é o bairro com mais casos, com 309 roubos. Na 2ª regional, são os bairros Belo Jardim I e II com maio índice, 595 roubos. Já na 3ª regional, o bairro Floresta Sul é o mais atacado nesse crime. Na 4ª e 5ª regional, Calafate e Alto Alegre são os que registram mais casos de roubos.

O comandante em exercício pontuou que crimes contra o patrimônio sempre foram um desafio muito grande. “Só venceremos esta guerra em parceria com a sociedade, pois o que alimenta o roubo é o receptador. O que mais se rouba em Rio Branco é celular. Quando se compra um aparelho de R$ 50 ou R$ 100 reais, a sociedade também contribui com o crime”, explica Dias. Para isso, ele garante que a PM tem trabalhado junto à população nos bairros, focando na prevenção, por meio do policiamento comunitário.

Anúncios

Destaque 3

Desemprego no Brasil bate recorde e taxa chega a 13,8% em 2020, informa o IBGE

Publicado

em

Por

A taxa de desemprego no Brasil foi de 13,8% no trimestre de maio a julho de 2020, a maior da série histórica, iniciada em 2012, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgados nesta quarta-feira, 30, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No mesmo período de 2019 a taxa ficou em 11,8% e no trimestre de fevereiro a abril deste ano, em 12,6%.

A população desocupada chegou a 13,1 milhões de pessoas, aumento de 4,5% (561 mil pessoas) em relação ao mesmo período de 2019.

O total de brasileiros ocupados recuou para 82 milhões, o menor resultado da série, com queda de de 8,1% (menos 7,2 milhões pessoas) em relação ao trimestre anterior, e de 12,3% (menos 11,6 milhões) ante o mesmo período de 2019.

Segundo a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, as quedas no período da pandemia de covid-19 foram determinantes para os recordes negativos deste trimestre encerrado em julho. “Os resultados das últimas cinco divulgações mostram uma retração muito grande na população ocupada. É um acúmulo de perdas que leva a esses patamares negativos”.

Outro indicador que está no menor patamar na série histórica é a força de trabalho (pessoas ocupadas e desocupadas), que chegou a 95,2 milhões de pessoas, com queda de 6,8% (ou 6,9 milhões) frente ao trimestre anterior, e de 10,4% (ou 11 milhões de pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2019.

A taxa de informalidade foi de 37,4% da população ocupada (o equivalente a 30,7 milhões de trabalhadores informais), ante 38,8% no trimestre anterior e 41,3% no mesmo período de 2019.

Fonte: UOL

Continuar lendo

Destaque 3

Servidores públicos estaduais recebem salário do mês de setembro nesta quarta-feira

Publicado

em

Servidores ativos e inativos da administração pública estadual recebem o salário de setembro nesta quarta-feira, 30. Nesta operação o governo do Acre investe mais de R$ 267,5 milhões e cumpre com o compromisso assumido pelo governador Gladson Cameli de pagar o funcionalismo em dia, no último dia útil do mês.

Atualmente, a folha de pagamento do pessoal do Estado do Acre possui aproximadamente 32 mil servidores ativos e cerca de 13.500 mil inativos, distribuídos entre os órgãos e entidades que compõem sua estrutura administrativa, além dos quase quatro mil pensionistas. O pagamento referente a despesas com pessoal é uma das partes mais significativas no orçamento do Estado.

Em setembro, o governo iniciou o processo de auditoria da folha de pagamento. O ato irá permitir a verificação, análise e testes de conformidade na folha de pagamento, eliminar procedimentos desnecessários, avaliar a eficácia dos controles contábeis e administrativos, observar seus procedimentos na identificação, além de ser uma forma de prevenção de falhas e irregularidades. A previsão de término é em maio de 2021.

Além do pagamento mensal, os servidores da saúde e da segurança recebem o adicional referente ao trabalho que vem sendo executado durante a pandemia do novo coronavírus. No início deste mês, Cameli anunciou a prorrogação do benefício por mais 30 dias.

Continuar lendo

Destaque 3

Governo federal reconhece situação de emergência no Acre devido a incêndios florestais

Publicado

em

O Secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil do Governo Federal, Alexandre Lucas Alves, publicou no Diário Oficial da União portaria que reconhece situação de emergência nos 22 municípios acreanos.

A portaria leva em consideração o decreto do governo acreano nº 698, de 31 de agosto de 2020, quando o governador Gladson Cameli decretou situação de emergência ambiental por causa das queimadas.

Somente durante o mês de setembro, até esta sexta-feira, 27, o Acre apresentou 2.820 focos de queimadas. Entre 1º de janeiro e 27 de setembro o estado registrou 7.319 focos ativos de incêndios no estado. O número é maior que o registrado no mesmo período do ano passado, quando foi de 6.246 focos de queimadas.

Continuar lendo

Cotidiano

3º repasse do FPM é de R$13,1 milhões e cai nesta quarta (30) na conta das prefeituras

Publicado

em

O mês de setembro fechará com uma queda de 21,51% no terceiro decêndio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), em comparação ao mesmo período de 2019.

O valor, que será creditado na quarta-feira, 30 de setembro, na conta das 22 prefeituras do Acre, será de R$13.104.081,74. No ano passado, o 3º repasse do FPM de setembro foi de R$ 13.423.752,57.

A soma das prefeituras brasileiras receberá R$ 1,9 bilhões, com o desconto do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Quando somado o Fundo, o montante será de R$ 2.4 bi.

O 3º decêndio representa a base de cálculo dos dias 11 a 20 do mês corrente. Esse decêndio geralmente representa em torno de 30% do valor esperado para o mês inteiro.

Segundo os dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), o 3º decêndio de setembro de 2020, comparado com mesmo decêndio do ano anterior, apresentou queda de 2,72% em termos nominais, ou seja, sem considerar os efeitos da inflação. E quando o valor do repasse é deflacionado, levando-se em conta a inflação, comparado ao mesmo período do ano anterior, a queda é de 4,84%.

Diante de todos os compromissos assumidos pelos gestores, o fraco crescimento da economia tem trazido cada vez mais angústias. Os municípios têm em sua frente um grande desafio, a pandemia do Covid-19.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas