Conecte-se agora

Servidora com depressão e síndrome do pânico denuncia está sendo coagida

Publicado

em

Ingrid Jardeny Guimarães faz parte dos 12 milhões de brasileiros que sofrem de depressão. Moradora de Rio Branco, ela luta ainda contra a síndrome do pânico e ansiedade generalizada, Dentre os vários sintomas, Ingrid não consegue sair sozinha e tem dificuldades para dormir.

Gerente de Suporte Técnico do Pró-saúde, por conta da doença, em abril deste ano foi afastada do trabalho pelos médicos.

Após cada período de afastamento é avaliada ou por perícia médica do INSS ou pelo médico do trabalho, contrato pelo próprio Pró-saúde, que não a consideram apta à retornar ao trabalho.

Mesmo assim, segundo Ingrid, a direção do Pró-saúde está lhe coagindo para voltar ao trabalho, mesmo sem ter condições para isso.

“Eles mandaram um documento para a minha casa mandando eu voltar ao trabalho, mesmo com um laudo assinado pelo próprio médico contratado por eles. E isso não está acontecendo só comigo. Eles querem que as pessoas retornem ao trabalho, mesmo sem ter condições. Fui hoje lá. Quem me recebeu foi o diretor, Marcelo, e assessora jurídica, Raphaela. Eles simplesmente me disseram que não podem fazer nada por mim e que querem resolver minha situação. Resolver é eu pedir demissão, o que não vou fazer porque estou doente”, afirma Ingrid.

A servidora afirma que mesmo estando com o laudo médico em mãos, Marcelo e Raphaela não quiseram ver o documento. “Não quiseram ver nada, apenas me disseram que era pra eu me virar e voltar ao trabalho. Como é que eles contratam um médico, ele diz que eu estou inapta ao trabalho e eles não querem considerar?”, questiona Ingrid.

Procurado pelo ac24horas, o Pró-saúde se pronunciou por meio de uma nota.

Segue explicação do Pró-Saúde sobre a empregada Ingryd Guimarães.

A mesma foi contratada em 19.02.19.

Nesse período, tentou auxílio doença pelo INSS, tendo 2 pedidos indeferidos e 2 pedidos deferidos.

O último período do seu auxílio doença encerrou em 30.11.19. A empregada pediu prorrogação, mas foi negado pelo INSS.

Assim, considerando que o Inss é a junta médica oficial e que o salário é considerado verba alimentícia, é usado para sustento dos empregados e de sua família, o Pro-Saude a notificou em 13.12.19 para que a mesma volte a trabalhar, em atendimento ao que prevê a legislação trabalhista, o que não ocorreu até o momento.

Até aonde sabemos, a empregada também não tomou nenhuma medida contra o INSS pelo encerramento de seu auxílio doença.

Sem mais, nos colocamos à disposição para quaisquer esclarecimentos que possam surgir.

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas