Conecte-se agora

Rocha rebate Petecão e diz que vice-governo só teve influência de Gladson Cameli

Publicado

em

Após o senador Sérgio Petecão (PSD) afirmar em entrevista ao programa Gazeta Entrevista que não acredita na relação do vice-governador Major Rocha (PSDB) com a nota pública emitida pela cúpula da Segurança Pública do Estado, Rocha deixou transparecer que sim, que pode ter tido relação com a nota e fez cair por terra o argumento do senador acreano.

Petecão destacou que foi um dos principais influenciadores de Gladson Cameli (Progressistas) para que Rocha se tornasse parte do governo como vice. Além disso, garantiu que sua parceria política com o vice não permitira um impasse dessa magnitude.

Ocorre que na madrugada desta sexta-feira, 13, Rocha usou as redes sociais para rebater, mesmo que sem citar nomes, o que fora dito pelo parlamentar. Apensar de não endereçar o recado, o vice-governador dá a entender que seria para Petecão, por se defender do suposto apadrinhamento político.

“Entendo que não podemos vislumbrar padrinhos ou “vítimas” onde esses não existem. Minha participação na chapa majoritária se deveu ao convite feito pelo então Senador Gladson Cameli”, pontuou Rocha.

Ainda segundo Major, na oportunidade, “o PSDB havia apresentado o nome da hoje Deputada Federal Mara Rocha para disputar uma das vagas ao Senado. Depois de analisar o convite e a conjuntura política daquele momento, em nome da unidade, o PSDB decidiu retirar nossa candidatura ao Senado e aceitar compor a chapa majoritária”, garantiu.

Ao que parece, Petecão pode ter arrumado um impasse sem precedentes ao criticar a segurança pública do estado. Após ser repreendido por uma nota pública assinada por todos os representantes de instituições de segurança, agora o vice-governador endossou a represália.

“A verdade é que o partido trabalhou muito para eleger o Governador e os nossos dois Senadores, como de fato ocorreu. O resto é esperteza, fanfarronice e munganga”, completa Rocha.

Propaganda

Acre 01

Sobe para nove número de presos recapturados após fuga em massa no presídio de Rio Branco

Publicado

em

Agora restam 17 detentos a serem recapturados e reconduzidos ao presídio estadual Francisco D’Oliveira Conde, em Rio Branco. Em nota pública, o Instituto de Administração Penal do Acre (Iapen) informou neste sábado que subiu para nove o número de detentos apreendidos após a fuga em massa que ocorreu na última segunda-feira, onde 26 reeducandos fugiram do pavilhão L.

Foi a Polícia Militar que capturou Lucas Souza da Silva, na BR-364, próximo ao Conjunto Universitário. Ele foi localizado no último dia 21. Além dele, outros oito detentos já haviam sido capturados e levados para o presídio.

O Iapen ainda informou que houve um equívoco na divulgação do nomes dos foragidos. “No dia da fuga, uma lista foi divulgada por meio de aplicativo de rede social, onde constava o nome dos detentos foragidos bem como o primeiro preso encontrado, tendo em vista que este foi recapturado ainda durante o momento da fuga. Ocorre que na lista constava o nome do reeducando Anderson de Souza Alves, que havia sido transferido do pavilhão L para o pavilhão A e que por isso não foi encontrado no momento da contagem”, explica a nota.

A lista foi atualizada pela equipe de segurança e o nome do reeducando Ezimar Menezes Teixeira foi inserido à lista no lugar de Anderson de Souza Alves.

Veja a lista atualizada de foragidos:

1. Aloisio Lucas Mesquita

2. Ariclene Firmino da Silva

3. Dheyci Angelo de Lima e Lima

4. Ezimar Menezes Teixeira

5. Francisco dos Santos Braga

6. Gerilton Caetano da Silva

7. Jaciel Batista do Nascimento

8. Joel Menezes de Queiroz

9. Jose Valdenes Viana da Silva

10. Mirleson Nascimento da Silva

11. Raimundo Nonato dos Santos Fonseca

12. Rogério Furtado dos Santos

13. Roniscley Ribeiro da Silva

14. Saymom Wallace Fonseca do Nascimento

15. Sebastião Weverton Lima de França

16. Valber de Aguiar Morais

17. Wellington de Souza Lima

Continuar lendo

Acre 01

Desunião da oposição pode beneficiar reeleição de prefeito petista no município de Xapuri

Publicado

em

Faltando alguns meses para as próximas eleições municipais, as especulações em torno dos nomes dos prováveis candidatos à prefeitura de Xapuri ainda ocorrem de maneira tímida, mas já começam a movimentar as rodas de conversas na cidade, principalmente em razão dos vazamentos de pesquisas para consumo interno que têm sido contratadas com o fim de análise da conjuntura que antecede as prévias partidárias deste ano.

Entre os pré-candidatos já conhecidos estão o atual prefeito, Ubiracy Vasconcelos, do PT, que já declarou que vai em busca do terceiro mandato; o filho do deputado Antônio Pedro, Aílson Mendonça (Dem), segundo colocado na eleição passada; e os dois emedebistas que disputarão a indicação pelo partido, o vereador de três mandatos Gessi Capelão e o advogado Carlos Venícius, apontado como uma das novidades do atual cenário político local.

O policial federal Éden Barros Mota, sem filiação partidária, que figurava como um dos possíveis nomes à sucessão municipal em Xapuri, confirmou a sua desistência de ser candidato em prol da pré-candidatura de Carlos Venícius, que é seu sobrinho. O servidor público não descartou, no entanto, a possibilidade de disputar uma cadeira na câmara municipal.

Uma improvável vinda para Xapuri do delegado Emylson Farias, ex-secretário de Polícia Civil e de Segurança Pública e candidato a vice-governador nas últimas eleições, para disputar a prefeitura, chegou a ser comentada “por alto” na cidade. Consultado, Farias respondeu que “estão sendo feitas algumas conversas” a respeito dessa possibilidade.

Voltando aos levantamentos internos, o que não se trata de pesquisas registradas no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o ac24horas teve acesso a um dos mais recentes. O panorama que se apresenta é de um já conhecido favoritismo do prefeito petista. Quem mais se aproxima de Bira Vasconcelos é o vereador Capelão, que possui uma boa presença na zona rural e a bagagem acumulada dos três mandatos consecutivos na Câmara.

A surpresa tem sido o advogado Carlos Venícius, que apesar de ser filho de Xapuri, foi para Rio Branco ainda criança, voltando há pouco tempo, o que o tornou o mais desconhecido entre os pretensos candidatos à prefeitura do município, aparece à frente de Aílson Mendonça e bem próximo a Gessi Capelão, além de ser apontado como o mais capaz de vencer o candidato do PT em um cenário de confrontamento direto.

Um fator que pode ser determinante para o resultado da eleição em Xapuri é a quantidade de candidaturas que se confirmarão. Caso o pleito tenha três ou mais candidatos, o favoritismo de Ubiracy Vasconcelos aumenta. No atual momento, o Democratas de Aílson Mendonça e o MDB de Capelão e Carlos Venícius estão rachados no município. É certo que muita água ainda vai rolar daqui até a eleição e há quem diga que sem a intervenção direta do governador Gladson Cameli os dois grupos não se unirão na cidade.

Na hipótese de a desunião entre DEM e MDB ser resolvida, surgirá uma outra equação: quem encabeçará uma suposta chapa única do grupo pró-governo para desbancar o PT da prefeitura de uma das cidades mais simbólicas do cenário político acreano? A julgar pelos levantamentos internos, o consenso não será fácil, uma vez que interesses maiores que a própria cadeira de prefeito estarão em jogo nessas eleições.

Deve ser considerado ainda que o presidente da Executiva Municipal do MDB, Celso Paraná, já garantiu que a candidatura própria do partido em Xapuri é “consolidada e irrevogável”. Por outro lado, também não se pode desconsiderar que Aílson Mendonça possui o status de “primeiro do ranking”, não apenas por ser filho de um deputado extremamente fiel ao atual projeto político dominante, mas também por ter sido um adversário competitivo na última eleição, quando obteve 3.061 votos, perdendo para Ubiracy por 793 votos de diferença.

Como em política nada é conclusivo, além do que a campanha ainda nem começou, é prudente não se fazer previsões antecipadas, especialmente em um município em que o eleitorado tem a tradição de manifestar a sua insatisfação nas urnas. Desde que a democracia retornou ao país, apenas um prefeito, Júlio Barbosa (PT), se reelegeu para um segundo mandato em Xapuri (1997 a 2000 e 2001 a 2004).

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required
Propaganda
Propaganda

Mais lidas

welcome image