Conecte-se agora

Mulher não encontra marido no trabalho, destrói equipamentos e se entrega para polícia

Publicado

em

O caso está registrado em um Boletim de Ocorrências. Era manhã de sábado, 16, quando Maria Claudiane da Silva Aguiar, 30 anos, agente do Instituto Sócio Educativo (ISE) chegou ao Pronto-Socorro de Rio Branco à procura do marido, que trabalha no local. Como não o encontrou, Claudia destruiu um monitor de um aparelho de ultrassonografia.

Como não encontrou o esposo, Claudia esperou o período da tarde e foi até a Pronto Clínica, onde o esposo também presta serviço. Como também não o encontrou, fora de controle, de posse de algo parecido com um pilão de ferro, quebrou, dessa vez, dois monitores de aparelho de ultrassonografia.

Consta no registro do B.O que uma guarnição da Polícia Militar foi acionada. Ao ouvir o registro da ocorrência, um PM afirmou que conhecia alguém que se chamava Cláudia e seria agente do ISE. Ao ligar e confirmar que se tratava da mesma pessoa, Cláudia disse ao Polícia Militar que estava arrependida e se entregou no estacionamento de um posto de combustível.

Os policiais que atenderam a ocorrência perceberam uma sonolência além do normal na acusada. Cláudia informou que teria tomado 2 vidros de um tranquilizante. A mesma foi levada ao Pronto-Socorro onde recebeu atendimento e foi medicada.

Em depoimento, Cláudia afirmou está arrependida e foi denunciada pelos crimes de dano ao patrimônio público e lesão corporal.

Propaganda

Acre 01

Deputado Nicolau Júnior suspende sessão para analisar projetos que tramitam na Assembleia

Publicado

em

O presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Nicolau Júnior (Progressistas), suspendeu a sessão desta quinta-feira (12) para que os deputados pudessem se reunir com as comissões para analisar os projetos que tramitam na casa. Em entrevista concedida à imprensa, o progressista garantiu que todas as matérias, tanto de autoria parlamentar quanto do executivo, serão votadas ainda hoje em virtude do recesso parlamentar que se inicia nesta sexta-feira (13).

“Fizemos um acordo com os deputados estaduais e decidimos suspender a sessão para dar celeridade a discussão dos projetos que se encontram na casa. Temos muitos projetos para analisar e por este motivo, creio que a sessão de hoje entrará pela noite. As comissões estão a todo vapor, queremos terminar o ano de gavetas limpas”, disse o presidente.

O parlamentar disse que dentre os principais projetos enviados pelo Poder Executivo e que foram votados na Aleac, estão o a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o exercício de 2020 e também a Reforma da Previdência. Ele acrescentou que graças a aprovação do segundo, o governo vai poder continuar honrando seu compromisso com o funcionalismo público.

“Graças a aprovação desse projeto o governo, que estava engessado, uma vez que todos os meses tinha que alocar um valor alto para a Previdência, o que era extremamente oneroso, agora vai poder continuar honrando seu compromisso com o funcionalismo público. Aos poucos estamos conseguindo equilibrar as contas públicas. Tem a questão da venda da dívida, que o governo está trabalhando nisso, esse é um débito do governo passado, são mais de três bilhões de reais em contas herdadas. Aleac e governo estão trabalhando juntos para organizar as contas”, assegurou.

Nicolau Júnior falou ainda sobre o pedido enviado pelo chefe do Executivo à Aleac, para a autorização de um novo empréstimo junto à Caixa Econômica Federal. Ele defende que essas têm sido as formas de honrar as dívidas altas deixadas pela gestão anterior e, junto a isso, continuar mantendo o Estado numa linha de crescimento econômico.

“Existe mais um pedido de financiamento feito a Caixa Econômica para amortizar dívidas herdadas da gestão passada. Essas são formas práticas que o governo está buscando para que no próximo ano consiga realizar mais investimentos no Estado. Hoje, nós estamos zerando a contas aqui, votando todos os projetos pendentes e fechando a sessão com a certeza de que temos feito nossa parte em busca de um Acre com as contas equilibradas”, pontuou.

O secretário executivo da Aleac, Cleilson Taumaturgo, adiantou alguns dos projetos que serão votados pelos parlamentares. “Um deles, trata da autorização de um novo empréstimo como o presidente Nicolau já adiantou. Também se encontram na casa, o projeto que altera a Lei do ICMS, o que trata do piso salarial dos advogados privados, o que dispõe sobre a Lei do Emolumentos do Tribunal de Justiça, e o que cria o Programa de Escolas Cívicos Militares. Esses são algumas das matérias que serão votadas hoje”, enfatizou o secretário.

Como acontece todo ano, a sessão de amanhã na Aleac será voltada para a realização de homenagens, com entrega de Moções de Aplausos e Títulos de Cidadão Acreano a pessoas que de alguma forma contribuem com o desenvolvimento do Estado.

Continuar lendo

Acre 01

Major Rocha assina Medida Provisória que muda regularização fundiária: “vitória da Amazônia”

Publicado

em

O vice-governador do Acre Major Rocha (PSDB) representou o estado esta semana, a convite do presidente da República Jair Bolsonaro, para assinar a Medida Provisória da regularização fundiária no país. A medida, que deve ser publicada no Diário Oficial da União após passar pelo Congresso Nacional, objetiva modernizar e simplificar o processo.

Para Rocha, a MP que fixa novas regras para a regularização fundiária é uma vitória dos governadores dos estados da Amazônia Legal. Segundo o vice-governador, a medida irá “beneficiar produtores rurais de propriedades com até 15 módulos fiscais que, comprovadamente, estejam ocupando o local há pelo menos cinco anos antes do dia 5 de maio de 2014”, explica.

Antes disso, o prazo para era até 22 de julho de 2008. Para se encaixar nas novas regras, os produtores rurais terão que aderir às exigências do Código Florestal e apresentar, entre os documentos exigidos, o Cadastro Ambiental Rural (CAR).

“Desde as primeiras reuniões do consórcio da Amazônia Legal, a regularização fundiária foi uma das demandas dos governadores da região”, disse Major Rocha.

A área média dos terrenos que serão regularizados é de 80 hectares. O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) utilizará ferramentas de georreferenciamento e sensoriamento remoto para concluir os processos de titulação das áreas. O governo afirma que 127.816 propriedades situadas na Amazônia Legal já estão em condições de serem analisadas por este novo método.

Continuar lendo
Propaganda
Propaganda

Mais lidas