Conecte-se agora

Servidor

Publicado

em

Tive minha infância e adolescência em uma cidade industrial, do interior. Minha perspectiva de vida era formar e conseguir um emprego na indústria, na construção civil, ou montar um negócio próprio no setor de Serviços. Naquela época, concurso era para ser bancário ou juíz. Nem me passava pela cabeça em um dia fazer um.

Mas a vida é uma caixinha de surpresas (nada a ver com a história de Joseph Climber) e foi me conduzindo para o serviço público, sem que eu me desse conta. Depois de concluir o colégio numa escola técnica, no curso de Agrimensura, fui fazer engenharia numa universidade onde a ênfase de formação era preparar profissionais para atuarem em prefeituras. Meu primeiro emprego, há trinta e cinco anos, foi no Departamento de Transportes Públicos da prefeitura de Rio Branco.

De lá para cá, em pouquíssimas ocasiões eu atuei na área privada. Foram, porém, experiências importantes para eu entender a dimensão do que é ser um Servidor Público.

Hoje em dia, ter um emprego no governo é sinônimo de segurança. Em algumas carreiras, é garantia de bons salários e se for em cargo federal, melhor ainda. Mas isso nem sempre foi assim e há uma enorme probabilidade disso acabar.

A disparidade de vantagens entre os empregos públicos e privados promoveu uma corrida permanente aos concursos e escolha por profissões para as quais muitos não são vocacionados. Isso, e o inchamento da máquina estatal que atua ainda em muitas atividades onde deveria fazer apenas a regulação, formam na opinião pública uma imagem negativa do servidor, em geral. Ficou fácil vender, atualmente, a ideia de que todos somos os privilegiados e responsáveis por termos inviabilizado economicamente o Brasil.

Ao mesmo tempo que precisamos abandonar a cultura de estado altamente intervencionista, precisamos hoje tomar cuidado com a propaganda pelo estado mínimo. Há um limite onde ele é suficiente e necessário para garantir os serviços essenciais que a iniciativa privada não promove e, principalmente, para proteger as boas relações do mercado e a segurança dos contratos.

Ter atuado, mesmo que por pequenos períodos, em atividades privadas foi muito interessante para vivenciar as enormes diferenças entre ambas as formas de gerir um trabalho. O que costumamos chamar de burocracia são, na verdade, salvaguardas de moralidade e impessoalidade dos serviços realizados na área pública.

O lucro da atividade pública é garantir a segurança e a justiça, o atendimento igual e de qualidade para todos, ao menor custo para o contribuinte. Quando o estado cresce além da conta, ele acaba por funcionar em torno de si próprio e deixa de exercer seu papel eficientemente, distanciando o servidor de sua atividade. Infelizmente chegamos nesse estágio em muitas áreas.

Hoje, nosso desafio como servidor público é reaproximarmos o estado das pessoas, traduzirmos a burocracia em qualidade, mantermos o foco em melhorar a vida dos que contam com nosso trabalho. Precisamos valorizar menos os cargos mais cobiçados e priorizar aqueles que têm contato direto com o público, nos municípios, nas escolas, postos de saúde, segurança pública, pontos onde é feito o atendimento à população.

Muitas carreiras do serviço público sentirão brevemente as mudanças aprovadas na reforma previdenciária e já está no prelo o texto de uma reforma administrativa que promete reduzir os quatrocentos e tantos diferentes cargos a não mais que uma dúzia, no Executivo federal. Outra mudança prometida é abolir a estabilidade para os próximos concursados. Se tudo isso for adiante, haverá um cenário completamente diferente do atual, em poucos anos.

Ser um Servidor Público sempre foi, para mim, abdicar da preocupação com o futuro, investimentos e aposentadoria para me dedicar em cuidar para que os serviços do estado chegassem com qualidade aos cidadãos. Receio que, no caminho que as coisas seguem, meus sucessores tenham que compartilhar o trabalho com meios de poupar para a velhice.

Ontem comemoramos mais um dia do Servidor Público. Precisamos agora construir um futuro onde possamos comemorar por muitos anos mais. E quando possamos ter o quê realmente comemorar.


 

 

Roberto Feres escreve às terças-feiras no ac24horas.

Propaganda

Acre

Renê Fontes ataca diretor do IAPEN nas redes sociais

Publicado

em

Foto: Notícias da Hora/Internet

Renê Fontes diz que as coisas não estão bem no IAPEN e que Lucas Gomes sustenta falsa mídia para satisfazer seu ego

Levando em conta o ditado popular de quem bate esquece, mas quem apanha guarda mágoa até o fim da vida, Renê Fontes parece não ter engolido o que chamou de perseguição por parte do diretor presidente do Instituto de Administração Penitenciária do Acre (IAPEN), Lucas Gomes, durante o período em que foi chefe de departamento do órgão.

Lucas desarquivou um processo disciplinar onde Renê era acusado de tentar adentrar uma unidade prisional com um aparelho celular dentro de uma TV, com apoio de outro agente, em Rio Branco. Renê acabou absolvido da acusação.

Renê, que teve mais de 2 mil votos para deputado estadual nas últimas eleições, foi exonerado do IAPEN, mas ganhou cargo semelhante para fazer articulação política no governo, ao que parece, não esqueceu o passado e aproveitou a notícia da fuga de 26 presos da penitenciária Francisco de Oliveira Conde na madrugada desta segunda-feira, 20, para atacar a gestão de Lucas Gomes.

Em uma postagem no Facebook, Renê disse que as coisas não, que há por parte do IAPEN uma briga desnecessária, um grande descontentamento da categoria e uma luta por falsa mídia para sustentar o mega ego de Lucas Gomes.

Confira o “fogo amigo” de Renê.

Continuar lendo

Cotidiano

Presos que fugiram do FOC fizeram buraco na parede e pularam muralha com lençóis

Publicado

em

IMAGEM ILUSTRATIVA DA FUGA ANTERIOR

A Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública emitiu uma nova nota pública na manhã desta segunda-feira, 20, após a fuga em massa de cerca de 25 detentos da unidade penitenciária Francisco D’Oliveira Conde (FOC), em Rio Branco. Os presos fugiram nessa madrugada. Segundo os policiais penais, os detentos fizeram um buraco na parede da cela e com lençóis, confeccionaram cordas para escapar pela muralha.

A segurança pública afirma que todas as forças de segurança do Estado foram acionadas e várias medidas operacionais estão sendo realizadas para captura dos foragidos. – Acionamento da Secretaria de Estado de Segurança Pública de Rondônia e do Amazonas para implantação de barreiras e fiscalização nas áreas de fronteira e rodovias federais.

O governo diz que acionou a Polícia Federal para apoio com equipes de inteligência para avaliação das circunstâncias de fuga, bem como o apoio de fiscalizações em aeroportos. Entre as medidas anunciadas, estão: acionamento do Centro Integrado Regional de Inteligência para apoio quanto à produção de conhecimento sobre o ocorrido; acionamento dos corregedores da Polícia Militar e Polícia Penal para instaurar apuração imediata de eventuais responsabilidades pela fuga no aspecto administrativo, visto que a Polícia Civil irá atuar no aspecto penal e solicitação de apoio do Ministério Público e da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), para acompanhar as ações de investigação durante as ações que vão apurar eventuais responsabilidades pela fuga dos detentos.

A Polícia Penal realizou contagem dos presos que fazem parte do pavilhão L e cumprem pena em regime fechado naquela unidade e realiza ações para evitar possíveis novas fugas. Além disso, barreiras policiais na capital e municípios em rodovias federais foram instaladas na tentativa de recapturar os detentos.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required
Propaganda
Propaganda

Mais lidas