Conecte-se agora

Bolívia tem confrontos após Tribunal indicar Evo quase reeleito

Publicado

em

O Tribunal Eleitoral da Bolívia retomou, nesta segunda-feira 21, um sistema de contagem rápida de votos, após reclamações de opositores, da OEA e vários países, e situou o presidente Evo Morales na liderança (46,86%), seguido do opositor Carlos Mesa (36,72%), com 95,23% das cédulas apuradas. Com os 10,14 pontos percentuais de vantagem, o candidato do Movimento ao Socialismo estaria reeleito em primeiro turno.

O tribunal eleitoral “fraudou a apuração e deu 10 pontos de diferença (para Morales). Agora imagino que vão aumentar isto, consumando a fraude, consumando um roubo eleitoral inaceitável”, denunciou Mesa. Segundo a Constituição boliviana, para vencer no primeiro turno o candidato deve obter mais de 50% dos votos votos válidos ou aos menos 40% com uma vantagem de 10 pontos sobre o segundo colocado.

Confronto entre apoiadores de Carlos Mesa e polícia boliviana em La Paz – 22/10/2019 (Ueslei Marcelino/Reuters)

Alguns dos simpatizantes de Mesa tentaram invadir o hotel em La Paz onde o processo está sendo realizado, obrigando a Polícia Nacional da Bolívia a jogar bombas de gás lacrimogêneo para evitar o ação. Em Potosí, manifestantes atearam fogo no Tribunal Eleitoral.

Enquanto os aliados de Mesa contestavam os resultados divulgados pelo Tribunal Supremo Eleitoral, os correligionários de Morales comemoraram a reeleição do presidente da Bolívia com base nos dados da Transmissão de Resultados Eleitorais Preliminares (TREP). No chamado “cômputo oficial”, que contabiliza os votos individuais, há virtual empate entre os dois favoritos. Com 61,9% das atas apuradas (até às 22h30 de Brasília), Mesa tinha 42,51% dos votos contra 42,24% de Morales.

O governo da Bolívia pediu tranquilidade à espera dos dados definitivos e garantiu que a apuração é transparente.

Na noite de domingo, um primeiro boletim da contagem rápida, com 84% dos votos apurados pelo TREP, dava 45,28% a Morales e 38,16% a Mesa, mas o escrutínio foi paralisado até a tarde desta segunda-feira, provocando protestos de Mesa e dos observadores da Organização de Estados Americanos. Além disso, países como Brasil, Argentina e Estados Unidos pediram a reativação do TREP.

Mesa disse mais cedo nesta segunda que os resultados do TREP garantiriam um segundo turno contra Morales em dezembro, e denunciou que a situação, em cumplicidade com o TSE, está tentando manipular os votos. Por este motivo, convocou militantes e a população a se mobilizar para que seja respeitada a vontade popular.

(Com EFE e AFP)

Propaganda

Acre

Moisés: “prefeita está chateada com trapalhada em concurso”

Publicado

em

O secretário de Educação de Rio Branco, Moisés Diniz, disse nesta segunda-feira (18) que a prefeita socorro Neri está “muito chateada” com a Fundape pela “trapalhada” no concurso deste domingo (17). As provas foram canceladas após vídeos de candidatos mostrarem problemas nas provas em alguma escolas.

Nesta segunda-feira (18) a prefeitura deverá definir a data de um novo concurso e se a banca examinadora. Se ocorrer um novo concurso, com nova banca examinadora, Diniz vê dificuldade de se contratar os aprovados para 2020 porque é ano eleitoral e pode não haver tempo suficiente para vencer as etapas exigidas pela legislação.

Segundo o secretário, houve confusão na cor do malote de cor preta com o azul, cada um relacionado a um turno das provas, manhã e tarde.

As informações foram prestadas á TV Acre.

Continuar lendo

Acre

Governo regulamenta Fundo Estadual de Segurança Pública

Publicado

em

No dia em que o Acre recebe a visita do Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, que participa da entrega de 127 viaturas ás policias acreanas, o Diário Oficial desta segunda-feira, 18, também tem a segurança como destaque.

É que Gladson Cameli publicou a regulamentação da Lei que criou, em agosto deste ano, que criou o Fundo Estadual de Segurança Pública (Fundeseg), que tem natureza complementar e contábil-financeiro e tem por objetivo prover recursos para apoiar ações, programas e projetos na área de segurança pública e de prevenção à violência, enquadrados nas diretrizes dos planos nacional e estadual pertinentes, em suplemento ao montante alocado no orçamento do Estado destinado a segurança pública.

Segundo a regulamentação, o fundo vai ter como presidente de seu Conselho Gestor o Secretário de Segurança Pública e terá ainda como demais membros o Diretor Administrativo da Secretaria de Justiça e Segurança Pública, Secretário de Estado da Casa Civil, da Fazenda, Secretário de Planejamento e Gestão, o Comandante-Geral da Polícia Militar, o Delegado-Geral da Polícia Civil, o Comandante-Geral do Corpo de Bombeiros Militar e o Controlador Geral do Estado.

Um dos objetivos da criação do fundo acreano é pegar carona no já existente Fundo Nacional de Segurança Pública e homologar os programas, projetos e atividades a serem desenvolvidos com recursos do fundo do governo federal e deliberar sobre os convênios, contratos e outros instrumentos de cooperação a serem celebrados com os órgãos e entidades da administração pública que desenvolvam projetos na fonte de recursos federal.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.