Conecte-se agora

Bolsonaro na ONU: um grande dia 

Publicado

em

Valterlucio Bessa Campelo

Nesta terça-feira, o discurso do Presidente Bolsonaro na ONU não pegou ninguém de surpresa. A esquerda, a mídia e seus analistas já tinham textos e falas prontas, de qualquer modo seriam contra, afinal, Bolsonaro não surpreende. Uma de suas características é não dizer o que não disse antes. Nada de ser uma metamorfose ambulante como Lula ou uma estulta como Dilma. Com o presidente Bolsonaro, é papo reto. 

Do socialismo (primeira referência) ao globalismo (última referência), o discurso foi rigorosamente de acordo com o pensamento que encarna e as teses que abraça. Teses vencedoras e majoritárias na sociedade brasileira, diga-se, embora haja tanta incompreensão na mídia amestrada.

E fez bem. Deixou patente que nosso país não será palco de experimentos assassinos, corruptos e ultrapassados como ocorre na vizinhança. O itinerário proposto pelo Foro de São Paulo foi definitivamente interditado no Brasil por causa mesmo de seus efeitos deletérios na vida brasileira, pelo assalto aos cofres públicos, pelo destroço que causou às instituições. Somos uma nação liberal-conservadora e é assim que vamos resolver nossos problemas. Não há espaço para retrocessos que ameacem a vida, liberdade e a propriedade privada. “O socialismo está dando certo na Venezuela. Todos pobres e sem liberdade”.

O liberalismo econômico foi declarado nosso Norte. Todas as frentes de negociação serão abertas em nome do interesse nacional. Vários acordos estão em curso e serão potencializados. “Não há liberdade política sem liberdade econômica”.

Sobre a questão ambiental, foi enfático. Não está em discussão qualquer tipo de concessões relativas a nossa soberania sobre a Amazônia. A situação atual, falsamente transformada em tragédia pela imprensa e interesses internacionais não revogam os fatos. Ela está preservada em 61%, as terras indígenas estão demarcadas em 14% do território brasileiro e não demandam ampliação justificada. “O índio não pode ser latifundiário pobre em cima de terras ricas”.

Os direitos humanos foram respeitados e defendidos. Bolsonaro lembrou o embuste do formato original do programa mais médicos que escravizava cubanos, e o socorro prestado aos venezuelanos que fogem da ditadura de Maduro. Do mesmo modo, denunciou a perseguição a grupos religiosos de qualquer tipo. “O Brasil condena, energicamente, todos esses atos e está pronto a colaborar, com outros países, para a proteção daqueles que se veem oprimidos pela fé”.

Não escondeu a violência no Brasil, mas garantiu o combate sem tréguas. Os homicídios estão em baixa de 20% e há uma grande determinação no sentido de diminuir ainda mais. Uma série de providencias estão sendo tomadas no âmbito legislativo e administrativo. “Hoje o Brasil está mais seguro e hospitaleiro”.

Sobrou ainda para a ideologia de gênero, nefasta onda subjacente ao dominante politicamente correto que, insidiosamente, pretende solapar as bases da família tradicional. “Tentam ainda destruir a inocência de nossas crianças, pervertendo até mesmo sua identidade mais básica e elementar, a biológica”.

Por fim, chamou a ONU à verdade. Pela razão e pela fé. Situou a Organização em seu mais definitivo lugar, que NÃO é o de organização e promoção de uma agenda globalista que submeta os países à tirania do politicamente correto. Há sempre que respeitar as soberanias nacionais. “Essa Organização foi criada para promover a paz entre as nações soberanas e o progresso social com liberdade, conforme o preâmbulo de sua carta”.

Em poucas palavras isto é o que foi dito. Permeando todo o texto, Bolsonaro fez outras referências às ideologias de esquerda, renitentes em todo o mundo, às vezes explícitas, às vezes desavergonhadas, outras vezes enroladas em lençóis verdes, mas sempre a ameaçar a paz, a liberdade, a livre iniciativa, a propriedade privada.

É claro que a mídia não gostou. Imediatamente, pipocaram os especialistas de sofá a dizer que o Presidente perdera uma grande oportunidade de reposicionar o Brasil. Aonde, cara pálida? No ambientalismo juvenil, manipulado e mal acabado da viking adolescente que não vai às aulas? Na política de fronteiras abertas que devasta a Europa? No pânico aquecimentista que empanturra os cofres dos donos da “economia sustentável”?

Se a mídia esperava um homem genuflexo perante a farsa ambiental internacional ensaiada dias antes, esperou errado. O discurso de Bolsonaro na ONU dá ao brasileiro de verdade a certeza de que não haverá capitulação ao politicamente correto engendrado nas redações, partidos, ONG’S e grupos empresariais que bancam tudo supondo determinar uma nova ordem. 

Alguns, sem apontar uma linha do discurso, disseram que o presidente foi agressivo, que atacou a imprensa, que relatou teorias da conspiração… Ora, ora. O tempo em que o Presidente do Brasil ia na ONU se alinhar a discursos ensaboados, melífluos, politicamente corretos, para em seguida desdizer o que disse antes ou para estocar vento acabou. Bolsonaro disse rigorosamente o que deveria ter dito. Demarcou limites, falou grosso e mostrou a placa SOB NOVA DIREÇÃO.


 

 

Valterlucio Bessa Campelo é Eng.º Agr.º, Mestre em Economia Rural e escreve todas as sextas-feiras no ac24horas.

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas