Conecte-se agora

Sindicatos repudiam conduta de “coronel da saúde” durante ato grevista na SESACRE

Publicado

em

Ao menos três sindicatos de diferentes categorias da área da saúde emitiram notas de repúdio contra a atitude do diretor da Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre), Coronel Jorge Fernando Resende, para com os servidores que manifestaram no hall da secretaria nessa terça-feira (10).

O Conselho Regional de Farmácia do Acre, o Sindicato dos Médicos do Estado (Sindmed) e o Conselho Regional de Enfermagem do Acre externaram indignação e consideraram desrespeitosa a atitude de Resende com os funcionários da saúde. Os farmacêuticos afirmam: “O CRF/AC considera despreparado o secretário adjunto”. O Sindmed pede uma resolução pacífica para o caso. “Não se pode admitir que gestores tentem coibir ou tolher o direito de protesto dos profissionais de saúde”.

Já o Coren, destacou que não é conivente com o desrespeito aos servidores da saúde. “Atitudes como esta atingem não só a classe de enfermagem, mas também ferem o direito à saúde de todo o cidadão (…)”.

Durante a manifestação, os servidores alegam terem sido chamados de ‘vagabundos’ pelo representante da Sesacre. O Governo do Estado também se posicionou e apontou que o movimento grevista dentro da secretaria tomou rumo político-partidário.

Para o governo, situações pontuais do protesto ocorrido ontem foram oportunistas e destoam do movimento legítimo proposto pelos representantes de classes.

O Secretário de Estado de Relações Políticas e Institucionais, Alysson Bestene, também repudiou a agressão verbal e física e aponta que a discussão envolvendo o diretor da Sesacre, Coronel Jorge Fernando Rezende, pode ter sido induzida pelo deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB).

“(…) diante da invasão desnecessária da sede da Secretaria de Estado de Saúde, foi legitimamente registrada pelo sistema de segurança. As imagens estão sendo colocadas à disposição da polícia para as devidas apurações e serão entregues aos órgãos judiciais responsáveis”.

Propaganda

Destaque 3

Para Gladson, exoneração de comissionados iguala direitos entre a base política

Publicado

em

À priori, o conhecimento da exoneração de mais de 300 cargos comissionados do governo do Estado, publicada numa edição especial do Diário Oficial nesta quinta-feira, 19, pode soar perfeitamente como uma medida de retaliação aos vetos sofridos por Gladson Cameli na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) esta semana.

Entretanto, o governador assegura que tal medida de exoneração nada tem a ver com o “massacre” cometido pelos deputados na Aleac. O chefe do Executivo diz que trata-se apenas de um ajuste. “Devido estarmos com o limite fiscal ultrapassado. Com a renegociação da dívida, tenho que estar “em dia” e fazer uma readequação om todos esses cargos comissionados”.

Dessa forma, Gladson também salienta que é possível identificar quem está e quem não está trabalhando. “E ter um equilíbrio da base, porque a maior reclamação dos parlamentares é que tem uns [deputados] que tem 10 [cargos] e outros não têm nada”, afirma.

A ação também é uma maneira de democratizar o governo, segundo Cameli. “Todos são iguais, essa foi a forma que nós adotamos para ter o equilíbrio fiscal e o equilíbrio político serem todos iguais”, diz o governador, esclarecendo que as 340 exonerações não fazem parte de retaliação: “eu sempre respeitei os poderes”.

Reunião com deputados

Para a próxima terça-feira, dia 24, Gladson Cameli irá convocar uma reunião com os deputados estaduais para debater outras situações pertinentes à situação econômica do Acre.

Continuar lendo

Destaque 3

Confira a lista dos 340 comissionados exonerados por Gladson Cameli nesta quinta-feira

Publicado

em

Foi publicado na tarde desta quinta-feira, 19, uma edição extra do Diário Oficial onde o governador Gladson Cameli exonera mais de 340 cargos comissionados da Estrutura do Estado.

ACESSE A LISTA DOS COMISSIONADOS AQUI

Com as alterações realizadas na terça-feira, 17, pela Assembleia Legislativa do Estado do Acre (Aleac) na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), o governo alega que será necessário a adoção de medidas austeras para resgatar o equilíbrio fiscal do Estado para o devido cumprimento do teto de gastos públicos.

Atualmente, o Estado extrapolou o limite máximo de gastos com pessoal que é de 49% e está com 55,17%. O assunto foi discutido durante uma reunião realizada entre a Casa Civil, Secretaria da Fazenda (Sefaz), Secretaria de Gestão e Planejamento (Seplag) e Secretaria de Relações Políticas e Institucionais (SRPI).

A decisão governamental ocorre devido aos vetos dos deputados estaduais referentes à proposta discutida com membros do Poder Executivo na semana passada, afetando diretamente o equilíbrio das contas públicas, uma vez que o Governo do Estado vem trabalhando no sentido de cumprir suas obrigações financeiras com a folha de pagamento, inclusive com a antecipação do décimo terceiro salário e o saneamento de dívidas da gestão anterior.

De acordo com o governador, o aumento do déficit previdenciário refletiu nas despesas com pessoal, levando o Estado a ultrapassar o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.