Conecte-se agora

O prefeito

Publicado

em

IMAGEM INTERNET

Quando cheguei em Rio Branco o prefeito Flaviano Melo já fazia um ano e meio no mandato. O tempo era de uma transição para encerramento da ditadura militar que, especialmente no Acre, foi bastante traumática.

Nabor Júnior havia vencido a primeira eleição de governador após a cassação do José Augusto, quase vinte anos antes, num pleito relativamente apertado. Seu PMDB era formado por diversos grupos com lideranças fortes e também eleitas para o legislativo estadual e federal, como Rui Lino, Geraldo Fleming, Aluízio Bezerra, Mário Maia e Raimundo Hermínio Melo.

Na equipe de governo, que pretendia contemplar a participação de todas as correntes do partido, o deputado Raimundo Melo não fez indicação para cargos. Naquela eleição, o filho caçula José foi eleito deputado federal aos vinte e cinco anos de idade, já entrando para a carreira política um tanto a contragosto do pai.

Não conheci Raimundo Melo pessoalmente. Quando cheguei por aqui ele havia falecido fazia pouco tempo. Mas também não conheci alguém, nesses meus 35 anos de Acre, que dissesse algo negativo sobre aquele homem. Parece que era de falar pouco, não fazia discursos, e de trabalhar muito. A ideia que tenho dele é a de um grande fomentador do empreendedorismo. Não foram poucos os casos que fiquei sabendo de gente que, com um empurrãozinho seu, montou um pequeno negócio e prosperou na iniciativa privada.

Ainda por conta do processo de transição à democracia, não havia sido instituída eleição para o cargo de prefeito das capitais, cujo mandato coincidia com o dos governadores. Cabia a Nabor indicar alguém para governar Rio Branco e escolheu o engenheiro Flaviano, filho de Raimundo e irmão mais velho de José.

A prefeitura, naquela época, não devia ser um posto dos mais cobiçados. Instalada no porão do Palácio das Secretarias, era totalmente dependente dos recursos estaduais e tida como um organismo acessório, cuja visibilidade política beirava o zero.

Flaviano, por sua vez, se formou engenheiro civil no Rio de Janeiro e fazia carreira na Construtora Mendes Júnior onde, uma década antes, ingressou como estagiário, trabalhando na construção da Ponte Rio-Niterói. Quando foi chamado para ser prefeito de Rio Branco, administrava uma obra no Recife.

Em sua biografia, recém lançada, Nabor conta que Raimundo Melo preferia o filho fora da vida pública. Aceitou, contrariado. A nomeação, pelo rito da época, era precedida de aprovação legislativa onde Flaviano obteve o voto de vinte e dois dos vinte e quatro deputados. Raimundo se absteve e somente o líder do PDS, Félix Bestene, foi contrário.

Empossado no cargo, o novo prefeito montou uma equipe enxuta. O quadro do município era reduzido e carente de técnicos e especialistas. As instalações eram precaríssimas. Seu primeiro desafio exigiu muito da experiência como gerente de obras. Conseguiu com Nabor a cessão do prédio onde funcionava o hotel Chuí, um empreendimento estatal já desnecessário e que concorria com o setor privado, fez as devidas adaptações e instalou ali seu Gabinete e as secretarias de Finanças, Administração, Planejamento e os serviços jurídicos. Ao mesmo tempo, recrutou profissionais de diversas áreas, publicando chamadas nos principais jornais do país.

O dinamismo da equipe permitiu a inserção rápida do município no programa Cidades de Porte Médio, do Banco Interamericano de Desenvolvimento e em linhas de financiamento para infraestrutura, como o CURA/BNH, com recursos do FGTS.

Virtù et Fortuna, já no início do mandato foi aprovada a emenda constitucional Passos Porto que aumentava substancialmente os repasses do governo federal para o Fundo de Participação dos Municípios.

Cheguei por aqui quando era inaugurada a pavimentação em tijolos para o bairro das Placas. Algumas ruas essenciais, como a Omar Sabino, Leblon, Aviário e Isaura Parente estavam em obras. O sistema de Táxi havia sido regulamentado e parte das linhas de ônibus recém licitada e contratada. Xavier Maia cuidava da limpeza urbana e a Emurb funcionava a pleno vapor.

Planejamento e Obras já trabalhavam um modelo inédito de orçamento público com a participação direta da comunidade e as associações de bairro eram entidades fortes e respeitadas pela população e parceiras da administração.

Era período de transição para um regime democrático, mas no Acre, a Democracia era algo vivo e vibrante.

Para alternar as eleições municipais com as gerais, foi marcado um novo pleito em 1985 para escolha popular onde havia prefeitos nomeados, os biônicos. No Acre, isso atingiu todos os municípios que, por estarem em área de fronteira, eram considerados de segurança nacional.

Após três anos a frente da prefeitura, Flaviano transferiu a Adalberto Aragão uma cidade efervescente e uma equipe preparada que deu continuidade a muitos projetos como a edição do Plano Diretor de 1986, a construção do bairro Tancredo Neves e a recuperação da infraestrutura do bairro Procon.

Guinado para um desafio onde ninguém via visibilidade política, nas eleições de turno único para o governo estadual, em 15 de novembro de 1986, Flaviano obteve mais de 60% dos votos totais.


 

Roberto Feres escreve às terças feiras no ac24horas.

Propaganda

Destaque 7

Jenilson Leite participa de ação de saúde voltada para os portadores de hepatite em Brasiléia

Publicado

em

O deputado estadual Jenilson Leite (PSB), vice-presidente da ALEAC e médico infectologista, a convite da presidente da Associação dos Portadores de Hepatites no Alto Acre, Neiva, realizou atendimento médico para os pacientes portadores do vírus de hepatites. A ação foi realizada no Hospital Regional Wildy Viana, na cidade Brasileia, durante todo o dia desta sexta-feira (20), em parceria com a direção do hospital que cedeu uma sala. Além dos atendimentos voltados para a área de infectologia, o médico realizou ainda exames de ultrassonografia e eletrocardiograma.

O atendimento realizado pelo médico Jenilson Leite é uma forma de minimizar a fila de espera dos pacientes que precisam se descolar até Rio Branco em busca de tratamento no SAE. Uma vez que o Acre é um dos estados que tem registrado um aumento significativo no número de pessoas que adquire o vírus hepático, sendo mais comum das hepatites b, c e delta. Segundo dados divulgados em 2018, pela Divisão de Infecções Sexualmente Transmissíveis do estado, o Acre registrou 585 casos de pessoas que contraíram o vírus em 2017.

Neiva, presidente da Associação dos Portadores da Hepatites no Alto Acre e representante do serviço de infectologia na região, agradeceu ao deputado pela disponibilidade em proporcionar aquela ação, haja vista a carência de profissionais com esta especialidade em Brasiléia e região. “Dr. Jenilson, queremos lhe agradecer por ter atendido o nosso convite, pois existe uma carência muito grande de infectologista na região. Além disso, temos uma demanda muito grande de pessoas que possui o vírus não apenas de hepatites, mas também de outras doenças infectocontagiosas. E seu trabalho com a sua equipe é de suma importância para nós. Também somos gratos à direção do hospital por ter cedido o espaço. Essa união aqui trouxe ganhos significativos à população”.

O secretário-geral da Associação dos Portadores da Hepatites no Alto Acre (APAHAC), Jacson Aroldo, destacou que em Brasiléia e região existem mais de 700 pessoas com o vírus das hepatites, sendo que apenas 10% dessas pessoas estão fazendo tratamento, pela dificuldade que é de conseguir o tratamento. “Por isso que a vinda do Dr. Jenilson é fundamental e nós agradecemos de coração, pois nós não temos um médico infectologista no município. Às vezes, uma vez por mês um médico aparece e estas pessoas ficam aguardando ou então tem que se deslocar até a capital. Sendo que para entrar em tratamento é uma romaria”, agradeceu.

Além de participar da ação de saúde em Brasiléia, Leite estará amanhã no ramal do Cachoeira, em Xapuri, prestando atendimento médico a pedido do deputado Manoel Morais, seu colega de partido.

Para Jenilson Leite, ir aos municípios do interior ou, a quaisquer postos de saúde desenvolver sua atividade médica é uma grande alegria, haja vista que é uma forma de dar sua parcela de contribuição aos que mais necessitam. “Me ponho sempre à disposição das pessoas para auxiliar como parlamentar e como médico, pois andando pelo nosso estado e mais precisamente no interior, conheço a realidade da população. Então, busco fazer minha parte”.

Continuar lendo

Destaque 6

Desmate cresce 151% em um ano no Acre, diz Imazon

Publicado

em

A área desmatada no Acre aumentou 151% comparando o mês de agosto de 2019 com igual período do ano passado, segundo o boletim do Imazon divulgado na tarde desta sexta-feira (20).

O Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon detectou 39 quilômetros quadrados de desflorestamento em agosto de 2018 e 98 km² em agosto deste ano. A área degradada foi de 8 km² este ano enquanto que em 2018 não houve registro de degradação no Acre.

A Reserva Extrativista Chico Mendes está em 5º lugar no ranking de desmate nas unidades de conservação da Amazônia, perdendo 13 km² em agosto deste ano. A APA Triunfo do Xingu, no Pará, é a recordista com 38 km².

O Acre tem o Projeto de Assentamento Extrativista (PAE) Remanso entre os dez assentamentos que mais desmataram na Amazônia em agosto. O PAE Remanso perdeu 3 km² de florestas.

Na Amazônia, o SAD detectou 886 quilômetros quadrados de desmatamento, um aumento de 63% em relação a agosto de 2018, quando o desmatamento somou 545 quilômetros quadrados. Em agosto de 2019, o desmatamento ocorreu no Pará (48%), Amazonas (15%), Rondônia (13%), Mato Grosso (12%), Acre (11%) e Roraima (1%).

As florestas degradadas na Amazônia Legal somaram 922 quilômetros quadrados em agosto de 2019, enquanto que em agosto de 2018 a degradação florestal detectada totalizou 119 quilômetros quadrados, um aumento de 675%. Em agosto de 2019 a degradação foi detectada no Mato Grosso (45%), Pará (42%), Rondônia (8%), Amazonas (4%) e Acre (1%).

“Em agosto de 2019, a maioria (48%) do desmatamento ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante do desmatamento foi registrado em Assentamentos (23%), Unidades de Conservação (20%) e Terras Indígenas (9%)”, informa o Imazon.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.