Conecte-se agora

Jovem de 18 anos com queimaduras vai para hospital em Brasília

Publicado

em

Avião teve que aguardar em Tarauacá devido a névoa no aeroporto de Cruzeiro do Sul

Na manhã deste sábado, 7, a adolescente Sara Eduarda Melo, 18 anos, que estava internada no Hospital do Juruá com 45% do corpo queimado, foi levada de avião – um jato, para o Centro de Tratamento de queimados (CTQ) do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) em Brasília DF.

O transporte foi feito por empresa aérea especialista nesse tipo de transporte, contratada pelo governo do Estado, a Brasilvida.

Sara Eduarda Melo, de 18 anos, sofreu um acidente em casa no último dia 31 e a família da adolescente buscava meios de transferi la.

Segundo o coordenador regional da saúde em Cruzeiro do Sul, Roberto Holanda, “o governador Gladson Cameli cuidou diretamente do caso garantindo o leito no hospital de referência e o avião que irá transportá-la até Brasília”, disse.

Holanda afirma que, quando Sara chegar à Brasília, às 13 horas, uma ambulância estará de prontidão para levar a paciente até hospital.

Névoa no aeroporto de Cruzeiro do Sul

No início da manhã deste sábado, 7, o aeroporto de Cruzeiro do Sul ficou fechado para pousos e decolagens devido à forte névoa.

A aeronave, que veio de Brasília, teve que pousar em Tarauacá até que houvesse liberação para o pouso em Cruzeiro do Sul, o que atrasou o embarque da paciente Sara Eduarda, por mais de uma hora. O vôo do jato em Tarauacá só foi possível porque o governo do Estado recentemente recuperou a pista dos aeroporto da cidade, bem como a de Feijó.

A previsão era de que o avião pousaria em Cruzeiro do Sul as 6 da manhã, o que só aconteceu quase duas horas depois.

Propaganda

Acre

Deputados estaduais aprovam PEC que cria a Polícia Penal no Acre

Publicado

em

FOTO: SÉRGIO VALE - AC24HORAS

Na tarde desta quinta-feira, 12, os deputados da Assembleia Legislativa aprovaram a Proposta de Emenda Constitucional que cria a Polícia Penal no Acre. Por unanimidade, com 22 votos, os parlamentares aprovaram a proposta que torna agentes penitenciários em policiais. Essa é a primeira PEC estadual aprovada por um Estado. Os demais Estados devem aprovar as mudanças nos próximos meses.

O entendimento dos deputados segue baseada pela promulgação da Emenda da Emenda Constitucional número 104, que altera o inciso 14º do caput do art. 21, o § 4º do artigo 32 e o artigo 144 da Constituição Federal, para criar as polícias penais federal, estaduais e distrital.

FOTO: SÉRGIO VALE – AC24HORAS

O artigo 4º da Emenda diz que o preenchimento do quadro de servidores das polícias penais será feito, exclusivamente, por meio de concurso público e por meio da transformação dos cargos isolados, dos cargos de carreira dos atuais agentes penitenciários e dos cargos públicos equivalentes.

De acordo com a PEC, a carreira de Policial Penal será estruturada e regulamentada através da Lei Orgânica da Polícia Penal. Até a edição da Lei Orgânica da Polícia Penal, as atribuições, deveres, direitos, vantagens e responsabilidades dos Policiais Penais obedecerão à legislação aplicável aos Agentes Penitenciários e aos Motoristas Penitenciários Oficiais, vigente na data de publicação desta Emenda Constitucional.

 

Continuar lendo

Acre

“Gladson não pode deixar isso acontecer”, diz Petecão sobre climão com a Segurança Pública

Publicado

em

FOTO: TV GAZETA

O senador Sérgio Petecão (PSD) foi entrevistado na tarde desta quinta-feira, 12, no programa Gazeta Entrevista, da emissora local TV Gazeta. Ao jornalista Itaan Arruda, o parlamentar explicou a situação embaraçosa em que se viu colocado após relatar em suas redes sociais – na semana passada, que Rio Branco sofre com a criminalidade e a falta de segurança nos bairros.

Petecão reiterou que faz parte do governo Gladson Cameli (Progressistas) e que não tinha necessidade de uma nota ser emitida pela cúpula da Segurança Pública com críticas à sua atuação como senador, simplesmente pelo fato de ter mencionado o que a população tem comentado diariamente. “A questão da insegurança não é culpa do governo Gladson. É um problema que vem se arrastando há muitos anos e, por melhor que seja o governo, não dá para mudar essa situação em menos de um ano”, disse.

De acordo com o senador, foi uma total “idiotice pautarem um debate onde todos nós estamos perdendo. Nós porque eu também sou governo”. Ele afirma que foi apenas “um instrumento da população” ao comentar a situação da segurança na capital acreana.

“Não tem lógica [a nota da Segurança]”. Questionado se sua posição tem relação com as próximas eleições, o senador garantiu que não. “Não sou candidato a vereador, nem a prefeito. Se o governador não for candidato [a reeleição], aí nós vamos conversar”, pontuou.

Para o parlamentar, foi de extremo exagero o posicionamento da nota emitida pelas autoridades de segurança do estado. “O que tem a ver o Corpo de Bombeiros assinar a nota?”, indagou. Petecão aproveitou para falar que existem coisas mais importantes para se preocuparem. “Para se ter noção, um dia desses os policiais do Calafate [que fazem ronda no bairro] procuraram a segurança pública pedindo segurança”, destacou.

Relação com Major Rocha

Petecão não acredita que o vice-governador Major Rocha (PSDB) tenha alguma relação com a nota pública emitida pela cúpula de Segurança, até porque, além da parceria política, segundo ele, foi um dos influenciadores diretos para escolha de Rocha ao governo.

“É um governo que ajudei a eleger. Têm que ter humildade para quando errar assumir, pegar as críticas e melhorar”. O senador diz que torce e irá continuar trabalhando para o governo Gladson dar certo. “Mas, não posso ficar de boca calada. Da forma que me expressei, esse tipo de agressão [nota pública] foi desproporcional e o Gladson não pode deixar isso acontecer”, ressalta.

O parlamentar também frisou: “não quero acreditar que o Rocha está indo por esse caminho, que não é bom para ninguém. Não tem motivos, ajudei a segurança e influenciei diretamente na indicação do Rocha [ao governo]”.

Sérgio Petecão desmentiu a informação veiculada na nota da segurança pública alegando que ele, enquanto parlamentar, não teria alocado emendas para a segurança. “Ainda tem R$ 7 milhões pra serem licitados. Isso é incompetência. Precisa melhorar a estrutura, a equipe”, disse.

Continuar lendo
Propaganda
Propaganda

Mais lidas