Conecte-se agora

Familiares de vítima de latrocínio vão manter comissão para reivindicar ações contra violência

Publicado

em

O empresário José Vaílson Pessoa e o pecuarista Luiz Lucena são os idealizadores da comissão popular que reivindicou da Câmara Municipal de Brasiléia a realização da audiência pública sobre segurança realizada no último fim de semana naquele município. 

Vaílson e Lucena são, respectivamente, irmão e amigo do proprietário rural e negociante de gado Raimundo Nonato Pessoa, o Mundico, assassinado durante um assalto à sua casa, localizada na BR-317, sentido a Assis Brasil, no dia 14 de julho deste ano.

Com o sucesso da solicitação feita ao legislativo municipal, os membros da comissão formada por parentes e amigos de Mundico pretendem manter o grupo em atividade para acompanhar e cobrar a efetivação das medidas que foram encaminhadas durante o encontro de Brasiléia.

A população da fronteira exige das autoridades acreanas, entre outras medidas, o controle de quem entra e sai das duas cidades – Epitaciolândia e Brasiléia – pelas pontes que dão acesso à cidade boliviana de Cobija, capital do Departamento de Pando, a criação de postos policiais na BR-317 e o aumento dos efetivos das polícias civil e militar na região.

Na audiência, a senadora Mailza Gomes, do PP, anunciou que vai destinar à região R$ 1 milhão em emendas para o setor de segurança no Orçamento da União para o ano que vem. Outro anúncio que agradou a plateia feito pelo Cel. Ulysses, da PM/AC e representante da Secretaria de Segurança Pública, de que o Gefron – Grupo Especial de Fronteira – vai começar a atuar a partir do próximo dia 7 de setembro.

O fazendeiro Luiz Lucena afirmou que confia no compromisso assumido pelas autoridades que foram a Brasiléia. No entanto, segundo ele, há a necessidade de a comissão ser mantida para que o assunto não caia no esquecimento. 

“Temos esperança de dias melhores aqui nesse lugar, onde temos os nossos familiares e os nossos amigos. Aqui é onde plantamos as nossas raízes, onde desenvolvemos o nosso trabalho, demonstramos nossas virtudes e aprendemos a viver em comunidade. Se não nos mantivermos unidos e atuantes não conseguiremos nada”, afirmou.

O irmão da vítima, José Vaílson, afirma ter a certeza de que as autoridades que compareceram a Brasiléia para ouvir as reivindicações vão ter urgência em apresentar as soluções que foram apontadas no encontro. Ele disse que a manutenção da comissão criada para reivindicar a audiência é também uma maneira de homenagear o grande ser humano que foi o seu irmão.

“O Mundico era um cara formidável, um grande ser humano que ajudava e fomentava o desenvolvimento aqui na região. Ele está fazendo muita falta e deixando uma grande saudade na gente, pois ele ajudava muito as pessoas aqui. Com a morte do Mundico, o município e o Estado perderam um grande colaborador”, relatou.

O crime

Raimundo Nonato Pessoa, 55 anos, foi morto com um tiro de escopeta após sua propriedade ser invadida por 4 homens armados, no começo da noite do último dia 14 de julho. Ele recebia um casal de amigos no momento do assalto. 

Horas depois do crime, a polícia identificou e prendeu Islomar Gerônimo de Lima, Weliton Fernandes Filho, Vanderson Felipe Marcelo Santana e Cleberson Alves Moreira. Um menor, de 15 anos, foi apreendido com o grupo. 

Dias depois, em 22 de julho, a polícia prendeu o taxista Alexandre Amorim Oliveira, de 31 anos, suspeito de participação no latrocínio. Ele teve um pedido de liberdade provisória concedido no último dia 13 de agosto, sendo o único acusado que está solto. 

Nessa mesma data, o juiz da Vara Criminal de Brasiléia, Clóvis de Souza lodi, decretou a prisão preventiva de um outro envolvido no crime, Railton de Souza Barros, que atualmente se encontra preso no Presídio de San Pedro de Chanchocoro, localizado em La Paz, Bolívia.

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas