Conecte-se agora

Bater até ficar rouco 

Publicado

em

FOTO: SÉRGIO VALE

Se a estratégia do deputado Roberto Duarte (MDB)  para consolidar o apoio da máquina estatal à sua candidatura à prefeitura de Rio Branco for a de bater sistematicamente no governador Gladson Cameli, nas sessões da Assembléia Legislativa, está indo por um caminho equivocado. Mais de uma vez o Gladson já disse ao BLOG DO CRICA que, o parlamentar pode continuar lhe batendo, que não vai mover uma palha para pedir que mude o comportamento. Chegou a dizer numa das últimas entrevista que deu ao BLOG, a seguinte frase: “eu quero ele para lá e eu para cá”. E o governador está numa situação cômoda para não estar preocupado, com o que diz ou deixa de dizer o Duarte. Não precisa do seu voto para nada no parlamento. A sua base de apoio é suficiente para aprovar qualquer projeto que enviar àquela Casa. O deputado Roberto Duarte (MDB) poderia causar algum temor político se o seu voto fosse decisivo para o governador aprovar matérias. Não é, repito. O contexto pode ser definido num comentário que ouvi de um importante deputado da base do Cameli, na ALEAC: “o Roberto pode bater até ele ficar rouco, nós não precisamos dele e nem o queremos ao nosso lado”. Na política, você fica do tamanho do mal que você pode causar de uma forma ou de outra a quem governa; no caso do deputado Roberto Duarte (MDB), não poderá causar mal algum ao governador, por ser uma voz isolada dentro do campo político pelo qual se elegeu. É isso. 

JÁ DIZIA O VELHO CHE

Se a intenção do Roberto Duarte for disputar a reeleição ou uma cadeira de deputado federal, a sua conduta na ALEAC está dentro da normalidade, com o seu modo ríspido na tribuna. Se quiser disputar a PMRB está errado. Cargo majoritário requer posições mais brandas e nada emocionais. Já dizia o Che Guevara, de que se pode ser duro, mas sem perder a ternura.

MIJA NA CAMA

O governador Gladson está levando na galhofa esta questão do aumento das queimadas no Acre. Disse ante uma risonha platéia, que se a coisa apertar vai para o mato apagar o fogo com alguns auxiliares. Diz um velho ditado que: “quem brinca com fogo, mija na cama”.

UM ESGOTO FÉTIDO DE SALDO

Os governos dos últimos 20 anos do PT foram de falácia e poucas ações no campo ambiental, nada que possa ser exemplo. Não se conhece nada de destaque como resultado dos milhões de dólares que vieram da Noruega e Alemanha. Detonaram a floresta do Antimary. A Reserva Chico Mendes, boa parte virou pasto de boi e seus moradores continuam tão pobres como antes da Reserva. De saldo apenas o fétido esgoto a céu aberto do Canal da Maternidade.

HIPOCRISIA MALANDRA

Vamos acabar com essa hipocrisia malandra de que a floresta amazônica só começou a arder no governo Bolsonaro e no do Gladson Cameli, queimadas em dimensões maiores que as atuais aconteceram em outros governos. Este descaso, que agora se repete, vem de longe.

FALTA LEGITIMIDADE

Nada disso, porém, justifica que o atual governo tenha inicialmente incentivado o homem do campo a queimar porque não seria multado, que depois do aumento das queimadas, dos protestos, recuou na desastrada estratégia. Mas, falta legitimidade aos petistas para apontar o dedo.

UMA ESFINGE

O Gladson e como a Esfinge – decifra-me ou devoro-te. Decifrar o que realmente pensa é como acertar na Mega-Sena, difícil. Disse que apoiaria o Major Rocha a prefeito de Rio Branco, depois o Alan Rick, flertou com o Tião Bocalom, prometeu apoiar o Minoru e agora o Bestene.

CABIDE TEM CHANCE

Nesta batida de mudança de opinião ao sabor do vento, até o ex-vereador Cabide poderá ter chance de vir ter o apoio do governador Gladson Cameli para a prefeitura de Rio Branco.

PREFEITOS EM PARAFUSO

Depois de mais uma inusitada declaração do governador Gladson de que trabalha com a possibilidade de deixar o PROGRESSISTA, pelo qual se elegeu, os prefeitos que anunciaram mudança para esta sigla para ficar bem com o governador estão em polvorosa com o fato.

PISANDO NO FIO DA NAVALHA

O Gladson vai ter que pisar no fio da navalha na eleição municipal do próximo ano, no tocante às candidaturas a prefeito. A sua decisão, de uma forma ou de outra, estará umbilicalmente ligada a 2022, quando deverá sair à reeleição ou ao Senado. Não pode deixar arestas.

SERÁ UMA BURRADA

Colocar um candidato debaixo do braço para prefeito da capital dentro do seu campo, sem que seja uma candidatura única será uma burrada. Não pode escolher um candidato para agradar A ou B. Será seu primeiro teste após a eleição. Não creio em único candidato.

TAMANHO DA ENCRENCA

O Acre está desembolsando cerca de 46 milhões de reais para bancar o pagamento dos servidores aposentados e pensionistas do ACREPREVIDÊNCIA. A previsão é que o governo chegue em dezembro tendo que tirar do caixa 60 milhões de reais para bancar estes custos.

QUADRO GRAVE

É o quadro se torna ainda mais grave porque não existe uma iniciativa ao curto prazo que possa tirar o Acre da dependência econômica da União e das emendas parlamentares. O Estado não tem um parque industrial, a agricultura é a do cheiro-verde, o agronegócio é ao longo prazo, a legião de desempregados aumenta a cada dia, e ficamos nesta roda a girar.

UM GRANDE BLEFADOR

Seu tio, o ex-governador Orleir Cameli era jogador de Poker, um jogo em que blefar é uma arte para enganar o adversário levando-o a crer numa situação, quando as cartas que tem em mãos são diferentes. O Gladson Cameli é um grande blefador político. Com suas declarações inesperadas deixa todo mundo na dúvida se está falando para valer ou para testar o resultado.

CANDIDATURA PRÓPRIA

O MDB anunciou ontem em sua convenção em Xapuri que terá candidatura própia à prefeitura do município, sendo o nome mais cotado o do vereador Capelão (MDB), político experiente.

RELAÇÕES AFINADAS

As relações entre o governador Gladson e o prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim estão cada vez mais afinadas, o que não é uma boa notícia aos adversários, que esperavam que a briga entre ambos continuasse para tirarem proveito na eleição do próximo ano.

NOVA RODOVIÁRIA

Além da assinatura de um convênio que repassará ao município 350 mil toneladas de asfalto, na reunião o governador abriu ainda mais o pacote de bondade, prometendo atender a uma reivindicação da deputada Meire Serafim (MDB) para a recuperação da Rodoviária da cidade.

CALO NA FRONTEIRA

A SENADORA Mailza Goms (PROGRESSISTA) anunciou que destinará 1 milhão de reais em emendas para o sistema de Segurança no Alto Acre. A violência é um calo naquela região.

PASSANDO O RODO

Houve consenso no do MDB de Brasíléia de que nenhum membro da executiva municipal antiga deve permanecer na nova composição. Nem o cacique Aldemir Lopes. O MDB, que faz sua convenção municipal hoje, quer passar á população a imagem de um partido renovado.

FUGINDO DAS VELHAS CARAS

A mesma prática deverá ser adotada em relação à escolha do nome que sairá candidato a prefeito de Brasiléia, os dirigentes do MDB buscam uma cara nova que possa motivar o eleitor na campanha. Mais uma vez a disputa pela prefeitura será travada entre MDB e PT.

DEFINIÇÃO FELIZ

“Quando se trata de política o MDB, no Acre, é bipolar”. Frase ouvida de um colega no aquário da imprensa na ALEAC. Com ampla razão, o MDB oscila em ataques e defesas do governo.

POUCOS ACREDITAM

Muitos poucos acreditam em Tarauacá que a prefeita Marilete Vitorino (PSD) tenha a coragem de sair para a reeleição, tal é o estado de abandono em que se encontram as ruas da cidade. E para completar acontece algo interessante, também os candidatos não querem o seu apoio.

FRASE DO DIA

“Mesmo no mais alto trono do mundo, estamos ainda sentados sobre o nosso rabo”. Michel Montaigne, filósofo francês.

Propaganda

Blog do Crica

Não se governa com emoção e sem políticos 

Publicado

em

No Estado de Direito, no atual contexto político, ninguém governa sem o apoio de uma forte base parlamentar. Porque é ela que aprova os projetos enviados pelo governo e permite a governabilidade. O que o governador Gladson Cameli fez ao demitir 340 cargos de confiança ligados aos deputados foi uma bravata perigosa. Passou uma imagem à opinião pública de que os deputados entupiram o governo de parasitas, quando são parceiros de campanha. Não será com o corte destes cargos que manterá o equilíbrio fiscal. Isso é matemático, é só somar os valores. Também não é verdadeiro que a derrubada dos oito vetos do governador enviados ao parlamento foi um ato de rebeldia. Não foi! Vamos pontuar a realidade. Antes do projeto da LDO ser votado foi feito um acordo do governo com os deputados de que a matéria seria votada no formato que foi aprovado. Os vetos foram inexplicáveis, porque tudo se deu num acordo com o próprio governo. E com mais um agravante: os vetos foram apresentados fora do prazo regimental. Então, descartem este motivo para as demissões. Também não se governa com o emocional à flor da pele, o Gladson Cameli ainda não entendeu isso. Se queria demitir deveria ter chamado os deputados, sentado na mesa, e pactuado as demissões. Tudo de forma transparente. Mas foi pelo caminho errado de soltar um pacotão no Diário Oficial com as demissões de surpresa, sem avisar ninguém. A caneta é sua, mas muito da tinta desta caneta foi conseguida com os votos da classe política. Só quem não conhece como funcionam as relações políticas está aplaudindo esta grande patuscada de desfecho ainda incerto.

NÃO SE GOVERNA OUVINDO LOBOS

O Gladson deveria entender de uma vez por todas é que, quem governa ouvindo os lobos, acaba um dia sendo devorado pela matilha. Tem que ter ao seu lado quem tenha a coragem de dizer que está errado quando estiver e não de conselheiros belicosos e bajuladores. A imagem que se fica é que a sua ansiedade em fazer andar o governo o leva a cometer desatinos.

JOGADOS NA LAMA

O que mais revoltou ontem os deputados é que as demissões passaram para a opinião pública que, eles são sugadores do governo. Se governa com aliados. Por conta deste ato, a imagem dos deputados foi jogada na lama e foram nominados com a pior adjetivação na rede social.

SEM CONDIÇÃO MORAL

Acompanho a ALEAC há décadas. Vi poucos líderes com a capacidade de diálogo como o deputado Luiz Tchê (PDT). Mas, depois da onda de demissões na base do governo, ficou sem moral para continuar no cargo. E por um motivo: perdeu a confiabilidade para negociar.

QUEM VAI CONFIAR NO TCHÊ?

Depois de toda esta confusão, desfazendo o que conseguiu com tanto esforço, que foi unir a base do governo, algum deputado da base ainda vai acreditar do que for acordado com ele será cumprido pelo governo? O deputado Tchê (PDT) sabe que foi atingido em cheio.

VIRA MARIONETE

Ficando na liderança do governo, o deputado Luiz Tchê (PDT) vira uma marionete e nada mais.

NÃO TENHO QI BAIXO

Sem falsa modéstia, não tenho o QI de um gênio, mas não tenho QI baixo. Não consegui entender o argumento do governo de que demitiu os cargos de confiança para depois “repactuar” com os deputados e voltar a nomeá-los. Mas as demissões não foram forçadas porque o governo está no limite da Lei de Responsabilidade Fiscal? Alguém me explica?

NÃO ACEITARÁ O CARGO

A informação que corria ontem entre os deputados é que muitos deles não aceitarão mais ter os seus indicados nomeados, porque podem ser demitidos mais na frente de novo. Um Vagner Sales aceitará expor o filho Fagner, demitido do DERACRE, a um novo constrangimento?

ROMPIDO COM O GOVERNO

Quem mais foi explícito no descontentamento foi o deputado José Bestene (PROGRESSISTA) ao falar em alto e bom som: “estou rompido com este governo”. Abandonou a reunião. Esperava que os deputados reagissem com um NOTA para mostrar que não traíram ninguém.

CONVERSA DE BÊBADO PARA DELEGADO 

O vice-governador Major Rocha foi escalado para apaziguar os ânimos entre os deputados e fracassou. Logo depois da sua saída vieram comentários, de que a reunião com o Rocha foi uma conversa de bêbado para Delegado, aquela que não resolve nada, complica mais.

VAI TER CANDIDATO

O deputado José Bestene (PROGRESSISTA) era um dos mais irritados e saiu apregoando que, quem pensa que o seu partido não terá candidato a prefeito de Rio Branco está enganado.

JENILSON NO PSB

O deputado Jenilson Lopes não teve a presença de colegas de parlamento no ato de sua filiação, porque estavam todos envolvidos na confusão com o pacote de demissões solto de forma inesperada pelo governo, e que lhes atingiu no peito. A ALEAC estava um vespeiro.

UM DADO REVOLTANTE

O secretário de Segurança, Paulo César, trouxe ontem na sua entrevista no “Boa Conversa”, que apresento com o colega Astério Moreira no ac24horas, um dado terrível: 50% do efetivo da PM que era para estar nas ruas está à disposição de autoridades. É revoltante! 

NÃO CAIA NA ESPARRELA

O governador Gladson avalie bem antes de mandar á ALEAC um projeto “regularizando” o Pró-Saúde sem ter um minucioso estudo jurídico. Para não cair na esparrela do ex-deputado Raimundinho da Saúde, que aprovou projeto neste sentido e foi considerado inconstitucional.

O CORONEL É FORTE

O Coronel da SESACRE, Rezende, é forte, sua cabeça na estava na lista da guilhotina.

ARTICULAÇÃO QUE DÁ PENA

Tudo boa gente, só isso. Mas dizer que a secretária de Articulação Política funciona no governo Gladson é brincar com coisa séria. Todas as sessões eu estou na ALEAC e não vejo nenhum dos seus assessores dialogando com os deputados. Também, conversar o que, seu poder é zero.

TENTOU DE TODAS AS MANEIRAS

Mesmo fora do Estado, o presidente da ALEAC, deputado Nicolau Junior (PROGRESSISTA), tentou de todas as maneiras convencer o governador Gladson a voltar atrás no decreto de demissões. Nicolau é uma voz ponderada que, não sei o motivo, não é ouvida no governo.

DANDO RISADAS

Quem andava ontem pela ALEAC em meio ao clima quente entre os deputados, com um riso escancarado era o deputado Roberto Duarte (MDB). Por isso é que tenho uma posição independente em relação ao governo para não passar pelo vexame de hoje, comentava.

NÃO HÁ COMO RESTABELECER A CONFIANÇA

Vamos ser real: as relações entre o governo e a sua base na ALEAC depois de tudo o que aconteceu ontem estão seriamente abalada. Quando se perde a confiabilidade pela primeira vez, uma recomposição jamais restabelece o clima anterior. Assim também é na política.

COMO ESPECTADOR

O senador Sérgio Petecão (PSD) estava ontem pelas brenhas de Cruzeiro do Sul e hoje estará em Marechal Taumaturgo. Disse ao BLOG que quer ficar bem distante do centro do poder.

FLAVIANO REVOLTADO

Não conversei com ele, mas quem conversou revelou que o deputado federal Flaviano Melo (MDB) se encontra revoltado com a forma como foi tratado o seu partido nas demissões.

FRASE SINCERA

A deputada Antonia Sales (MDB) postou no grupo dos deputados na internet que passou 20 anos sem precisar do PT e que pode passar quatro anos sem precisar do atual governo. Seu filho Fagner foi guilhotinado ontem sem aviso da direção do DERACRE em Cruzeiro do Sul.

QUEM NÃO CONHECE

Só quem diz que o governador Gladson está certo é quem não conhece a importância do parlamento para qualquer governo. Pode brecar qualquer projeto e engessar o Executivo. Um parlamento rebelde trava qualquer administração, e atravanca a vida de qualquer governante.

VIRA ESTAFETA

Um experiente deputado comentava ontem com a imprensa- em peso na ALEAC – ser balela o boato de que o governador poderia se filiar ao PSDB, e fulminou o comentário: “não deixaria de ser General no PROGRESSISTA para ser Estafeta do Rocha no PSDB”. Faz muito sentido.

PURA TOLICE

Culpar o chefe do gabinete civil, Ribamar Trindade, pelas demissões, é pura tolice, não tem a caneta que nomeia e nem que demite. Vamos situar o debate dentro da realidade do fato.

EXPLICANDO

Estafeta é aquele soldado que cumpre tarefas dadas pelos oficiais do Exército.

FRASE DO DIA

“Quando mais poder você cede, mais poder você tem”. Francis Hesseilbein, Escitor americano.

Continuar lendo

Blog do Crica

Fuxico levou à guerra dos vetos na Aleac

Publicado

em

FOTO: SÉRGIO VALE

São nos bastidores que todas as grandes decisões políticas são tomadas. E foi assim na questão da derrubada dos vetos apresentados pelo governador Gladson Cameli a projetos aprovados na Assembléia Legislativa. Não houve nenhuma medição de forças entre o Executivo e o Legislativo, como se chegou a publicar. O que na verdade envolveu a tomada de decisão que levou á apresentação dos vetos foi uma fuxicada patrocinada por uma secretária, que passou ao governador de que, o que tinha sido aprovado havia sofrido modificação por parte do líder do governo, deputado Luiz Tchê (PDT). O fato foi revelado ontem ao BLOG DO CRICA pelo deputado Tchê (PDT). Contou ainda Tchê que, isso o levou a ter uma conversa franca com o governador, onde mostrou que o tinham induzido a um erro, já que não houve nenhuma modificação ao que tinha sido acordado pelo governo e deputados. Após ter sido desfeito o fuxico infundado, o próprio Gladson liberou a sua base na ALEAC para derrubar os polêmicos vetos. Quando houve a votação já havia por parte do governador o aval pela derrubada dos vetos. Para Tchê, o que falta é uma afinação e vontade de trabalhar de alguns secretários que sentam a bunda na poltrona e não se dão ao direito de ir ao Legislativo discutir matérias polêmicas do governo. O nome da secretária que fez o “fuxico” não foi revelado por Tchê.

NÃO SÃO DONOS DOS CARGOS

O deputado Luiz Tchê (PDT) não mente quando diz que há alguma coisa errada quando o governador Gladson Cameli passa dos 70% de aprovação, e a maioria dos seus secretários, mal chega aos 20% de aceitação nas pesquisas. Secretário tem de entender que o cargo não é seu.

NÃO SE ENGANE

E esta é uma situação nada confortável para o governador Gladson Cameli, porque o fracasso de alguns secretários pode influenciar negativamente na sua imagem, fique atento a isso.

REI NA BARRIGA

Um bom exemplo é o chefe do gabinete civil, Ribamar Trindade, que não deixa de atender um telefonema de jornalista para dar uma informação. Quando não atende na hora, ele retorna. Agora, a equipe econômica parece ter o rei na barriga, nunca atende celular, para um informe.

PRECISA TER UMA CONVERSA

É hora da Secretária de Comunicação, Silvânia Pinheiro, sempre solícita em atender ligações, de ter uma conversa com a equipe econômica do governo, que vive numa bolha particular.

CHUVA DE PROTESTOS

Uma chuva de protestos desabou na rede social contra nomeação para cargo de chefia do Pronto Socorro, da ex-diretora daquela unidade no governo Tião Viana, Michele Oliveira Melo, apontada como uma petista ferrenha. Santa ingenuidade: o governo está lotado de petistas.

NÃO CONHECE NINGUÉM

Mas, essa moça nomeada, não tem culpa de mesmo com ligações com o governo petista ser chamada de volta a comandar o Pronto Socorro. A secretária de Saúde, Mônica Feres, importada de Brasília, não sabe quem ralou ou deixou de ralar na campanha do Gladson.

NÃO VOU ME ADMIRAR

Nem vou de admirar se a secretária Mônica convocar o Cesário Braga para lhe auxiliar.

MANDA CHOVER E TROVEJAR

Se tem uma cabra forte neste governo, é o assessor do governador Gladson Cameli, Ricardo França. Trouxe a cunhada Mônica Feres e seus coronéis para a SESACRE e está colocando mais um afilhado para gerir a UPA de Cruzeiro do Sul. Só não tira o Cameli, porque este foi eleito.

MATERNIDADE FAKE NEWS

Para evitar que fiquem posando agora de mãe da criança deste projeto que fixa regras para o exame Revalida para médicos formados fora do Brasil; se registre que, a proposta acolhida pelo Relator da matéria, de realização de dois exames do Revalida por ano, até por universidades particulares, é de autoria do deputado federal Alan Rick (DEM). O resto é fake news.

COMANDOU A LUTA

Os registros da imprensa estão ai para provar a luta contínua do deputado federal Alan Rick (DEM) no primeiro mandato e no segundo, de buscar uma solução para regularizar a situação dos médicos brasileiros formados na Bolívia e demais países da América do Sul.

MENOS SER OMISSO

Se há algo do qual não se pode acusar o governador Gladson é de ser omisso. Tem procurado nestes nove meses de gestão em dar condições e liberdade para os seus secretários agirem. Se boa parte não justificou até o momento a sua posse, a culpa não cabe em nada ao governador.

PONTO PARA A POLÍCIA 

Ponto para os policiais que tiraram de circulação o ladrão que vinha roubando a fiação e cabos elétricos das Praças e escolas da área do Tropical. Assim como cobramos aqui ao secretário de Segurança, Paulo César; para solução do caso, registramos o êxito das investigações e a prisão.

QUEM VAI FICAR PARA APAGAR A LUZ?

Petistas históricos como o jornalista Tião Vitor, Lidiane e Conceição Cabral, saíram do PT e estarão assinando ficha de filiação no PSOL. Quem ficará para apagar a luz no diretório do PT?

NÃO PODE SER CONIVENTE

Quem omitir casos de abuso infantil pode ser condenado até a 4 anos de prisão. Projeto neste sentido foi relatado pelo deputado federal Alan Rick (DEM) e tramita na Câmara Federal.

RECURSO NÃO CAI DO CÉU

Sem sentido a crítica do vereador N. Lima ao governador Gladson Cameli, por conta das suas viagens. Tem que estar mesmo direto em Brasília, nos ministérios, em busca de liberar recursos, não pode ficar no gabinete palitando os dentes esperando o FPE chegar no tesouro.

FORA DA DISPUTA

O ex-deputado federal Henrique Afonso, está se filiando ao PSD do senador Sérgio Petecão (PSD). Henrique ainda tem base eleitoral em Cruzeiro do Sul, mas não forte o bastante para disputar uma eleição de prefeito com chance de vir a se eleger. No máximo, sendo um vice.

NA BASE DO ABANADOR

A Rádio Difusora Acreana está na base do abanador: roubaram os aparelhos de ar condicionado.

PROVIDÊNCIA URGENTE

A mesa diretora da Assembléia Legislativa tem de tomar uma providência normativa urgente. Só está tendo sessão de debates na terça e na quarta, a quinta vem sendo usada pelos deputados para marcar sessões solenes, que nada mais são que puxa-saquismo. Ou seja: estão recebendo salários por apenas dois dias de trabalho. Não é bom para a imagem da casa.

NÃO SERÁ DECORATIVA

A candidatura da deputada federal Vanda Milani (SD) a prefeita de Rio Branco não será decorativa como se imagina, mas competitiva. Teve boa votação na capital e tem ao seu lado um bom coordenador de campanha, seu filho, o secretário do Meio Ambiente, Israel Milani.

TERCEIRA VIA

Ora batendo no governo Gladson Cameli e ora na administração da prefeita Socorro Neri, o deputado Roberto Duarte (MDB) quer se consolidar como uma terceira via ao poder vigente.

MDB DÁ COMO CERTA

Em todas as conversas sobre a sucessão municipal o deputado federal Flaviano Melo (MDB), pontua sempre: não tem volta a candidatura á PMRB do deputado Roberto Duarte (MDB) e dá como certa uma aliança com o senador Sérgio Petecão (PSD) para indicar o vice da chapa.

MUITO DIFÍCIL

O BLOG tem informação de que será difícil o governo efetuar novas contratações até o fim do ano, porque se encontra no limite com gastos na folha de pessoal e se avançar, o governador pode responder por crime de responsabilidade. O que estará em jogo é o seu CPF.

PRESSÃO DA NACIONAL

O deputado Tchê (PDT) diz que, a pressão é grande da direção nacional para que, em Estados em que há segundo turno, o partido tenha candidato próprio a prefeito, como no caso da capital. Está na busca de um nome novo para disputar a PMRB.

A QUE PONTO!

A política é uma roda-viva. Quem diria ver o PT, sem candidatura própria à PMRB!

BUSCA DE PROTEÇÃO

Já aconteceu uma reunião entre o secretário de Segurança, Coronel Paulo César, e motoristas do aplicativo UBER, na busca de uma forma de dar mais proteção à categoria. O Coronel é de um do pequeno grupo de secretários do Gladson que não deixa de atender a imprensa.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.