fbpx
Conecte-se agora

Marcus Alexandre: “Não tenho como pagar as dívidas da campanha”

Publicado

em

O ex-prefeito Marcus Alexandre, candidato do (PT), derrotado na última eleição para o governo do Estado, disse ontem ao BLOG DO CRICA que, não tem como pagar a dívida de campanha contraída com a Companhia de Selva, no valor de 350 mil reais, valor divulgado pela empresa, através do marqueteiro David Sento-Sé. “Não tenho bens, vivo do meu salário como funcionário do Estado. Nós perdemos a eleição e ficou tudo mais difícil. Você sabe como as coisas funcionam quando não se ganha uma eleição”, enfatizou.  Marcus revelou que este desequilíbrio nas contas da campanha petista tem um componente que não pode ser esquecido, o de que foi feita uma programação de gastos, e que depois foi reduzido o repasse pela direção nacional do PT, o que gerou problemas no fluxo do caixa da campanha. Na sua avaliação o PT tem co-participação na dívida, mesmo os gastos tendo sido computados no CPF do candidato. Diz que não sabe como este montante será resolvido. “O que eu sei é que o presidente do PT, Cesário Braga, vem negociando com credores com dívidas de menor valor, os valores altos, não sei como serão acertados”, pontuou Marcus. Pelo visto, o desfecho será na justiça. O PT não viveu o seu calvário na última derrota, está começando a viver agora fora do poder.

NÃO SOU DO QUANTO PIOR MELHOR  

Perguntei ao ex-prefeito Marcus Alexandre o que estava achando do governo Gladson. “Ninguém vai me ouvir atacando o governo, criticando por criticar, como morador no Estado não sou do quanto pior melhor, torço para que dê certo”, revelou ao BLOG DO CRICA, na sua primeira entrevista depois da derrota petista na campanha. Não definiu o seu futuro político.

VISÃO SEM RANCOR

Diferente da maioria da cúpula petista, que no poder babava rancor contra adversários, eu não avalio os políticos pelo seu partido, pela sua ideologia, posso até contestar, mas respeito quando vejo qualidade numa pessoa que tem idéias diferentes da minha. A minha visão do Marcus é que ele é um cidadão honrado. Pouco importa a sua ideologia. Ou de que partido é.

SEM O DUALISMO IDIOTA

A política não pode ser vista pelo dualismo idiota que a maioria da cúpula do PT pregou quando estava no poder: “é do meu lado, presta; não é do meu lado, não presta”. Em todos os partidos têm pessoas de caráter e pessoas canalhas. E os partidos são compostos por pessoas.

O JOGO BRUTO DE CRUZEIRO DO SUL

A eleição para a prefeitura de Cruzeiro o Sul deve ser uma das mais conturbadas e disputadas do próximo ano, com um componente diferente: a briga pelo poder não será com um candidato dos partidos da aliança do PT, mas, ela será travada no campo dos aliados do governo estadual, entre os grupos do ex-prefeito Vagner Sales e do prefeito Ilderlei Cordeiro.

CAMELI NÃO FICA NO MURO

 E neste contexto de acirramento o governador Gladson Cameli tem sido muito firme na sua posição política: “o meu candidato a prefeito será o Ilderlei Cordeiro, por ser do meu partido e por estar realizando um bom trabalho na prefeitura”. A declaração do governador tem um peso fundamental, por dois aspectos: Cruzeiro do Sul é um dos seus principais redutos e está à frente da máquina estadual, com tentáculos naquele município.

APOIO QUE FORTALECE

O posicionamento público do Cameli é sim um fato a ser comemorado pelo prefeito Ilderlei Cordeiro, tê-lo no seu palanque é um ganho político que lhe fortalece. Disputar a reeleição com o apoio do governo e no comando da máquina municipal é uma situação que, não decide a eleição a favor do Ilderlei, mas favorece. A sua gestão se recuperou do desgaste inicial e pode chegar em 2020, ainda melhor avaliada. Já o grupo do Vagner, depois de muitos anos disputará uma eleição fora do poder. Será, talvez, o maior desafio político da sua carreira.

É MUITO NATURAL

E na composição de forças para a disputa eleitoral será natural que os partidos aliados do campo do governo se engajem no apoio ao prefeito Ilderlei. Todos estão com cargos na máquina estatal e vão formar no pelotão comandado pelo governador, até para lhe agradar. 

FUMACEIRO INCENTIVADO

Nos anos anteriores, nesta época, a cidade estava tomada pela fumaça, é hipocrisia dizer que isso é novidade este ano. O erro foi a secretária do Meio-Ambiente e o IMAC terem alardeado anistia aos multados por crimes ambientais, o que incentivou o aumento das queimadas.

INÊS É MORTA

Não adianta agora, depois da porta arrombada, o secretário Israel Milani vir para a imprensa anunciando medidas de combate às queimadas, pedindo que se denuncie, pois, Inês é morta.

O QUE É POLÍTICA!

Vi muitas vezes a correria de pessoas querendo uma foto o lado do Jorge Viana e para pedir autógrafo. Quando chegava a um lugar era um Pop-Star. Nada mais dinâmico do que a política. O seu nome aparece em recente pesquisa interna para a PMRB, como o de maior rejeição.

RECUPERAÇÃO LENTA

E olhe que o Jorge Viana é ainda o nome de maior projeção do PT, no Acre. A alta rejeição, a maior entre os nomes simulados, e a aceitação baixa, na pesquisa encomendada por um partido político, mostra que a aversão ao PT continua forte e sua recuperação será lenta. O JV paga sem culpa o preço, pelo fracasso dos últimos quatro anos do governo petista. Colou nele.

EXPLICANDO O FATO

O vice-governador Major Rocha disse ontem ao BLOG DO CRICA que, no episódio da cassação do ex-prefeito Vagner Sales e do prefeito Ilderlei Cordeiro, não armou a gravação, ressaltou que a sua participação foi a de um cidadão que viu um crime eleitoral e denunciou à PF.

PODEM GUARDAR A CERVEJA

Falando neste episódio, os dirigentes do MDB podem guardar a cerveja para comemorar a realização de uma nova eleição para a prefeitura de Cruzeiro do Sul como alardeiam, porque esta é uma briga jurídica que ainda vai longe e pode até acabar na absolvição do Ilderlei.

VÃO LEVAR UM PAU

Tenho ouvido dirigentes dos partidos do campo do governador Gladson Cameli anunciar candidaturas para disputar a prefeitura de Xapuri no próximo ano. As últimas pesquisas mostram o prefeito Bira Vasconcelos (PT) bem avaliado. Se a oposição não se unir leva pau.

EQUAÇÃO FÁCIL

Além do PT ter uma boa parcela dos eleitores de Xapuri que sempre vota em seus candidatos a prefeito, perdendo ou ganhando, ter vários candidatos a enfrentar é tudo que o prefeito Bira pede a Deus. A equação é fácil: com vários candidatos a oposição enfraquece e o fortalece.

NÃO APOSTEM EM RUPTURA

O governador Gladson Cameli tem ressaltado com quem conversa que está numa afinação política perfeita com o vice Major Rocha. “Tudo o que faz, ele me consulta”, revela Cameli.

APOSTA PERDIDA

No início do governo o que mais se via no meio político eram apostas em quantos meses o vice-governador Major Rocha iria brigar com o governador Gladson. E davam como argumento o gênio explosivo do Rocha, mas pelo andar da carruagem, quem apostou na briga, perdeu.

O TEMPO ENSINA

O vice-governador Major Rocha vem de mandatos de deputado estadual, de deputado federal e, embora combativo, amadureceu muito e hoje veste o paletó do “Rochinha Paz e Amor”. Mas, o adversário não pise nos seus calos, nem tente lhe pôr no canto do ringue.

QUEM NÃO ESTÁ DO MEU LADO, NÃO COME DO MEU PIRÃO

O prefeito de Plácido de Castro, Gedeon Barros agiu de forma certa ao demitir os ocupantes de cargos de confiança do MDB da sua administração. O MDB terá candidato próprio a prefeito do município, manter seus dirigentes na gestão, seria como criar cobra para ser picado.

PRINCÍPIO POLÍTICO

É uma das máximas da política: quem não está comigo, está contra mim. Foi aplicada ao MDB.

MELHOR ENTREGAR AO ADVERSÁRIO

Caso o Gladson atenda o pedido ou pressão de empresários do MDB, partido que na ALEAC é um dos mais ferozes algozes da sua administração, para tirar o secretário Thiago Caetano da SEINFRA e pôr alguém do grupo, se enfraquece, e é melhor entregar o governo ao adversário.

COMANDANTE FORTE, EXÉRCITO FORTE

Um secretário não deve ficar no cargo quando não está dando conta do recado, quando chovem reclamações contra ele, quando não se afina nas pautas do governo, agora, tirar do cargo por politicagem, por pressão, isso não deve ser feito. Comandante forte, exército forte.

NÃO É NADA PESSOAL

Por favor, não é nada pessoal, nem a conheço, mas a secretária de Saúde, Mônica Feres, causa tanta confusão para o governo que não há como deixar de comentar. Como no caso da demissão do psiquiatra que dirigia o HOSMAC, sem nenhum sentido. Se falta de tudo naquele hospital a culpa é da Secretaria de Saúde, que é quem teria de passar recursos à unidade.

 

  

Propaganda

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas