fbpx
Conecte-se agora

Um político acima de qualquer suspeita

Publicado

em

O ex-senador Nabor Junior (foto no dia da posse, com Iolanda Fleming de vice), uma das figuras mais respeitáveis da política acreana, ícone do MDB, lançará no dia 4 de setembro em Tarauacá e, dia 6 em Rio Branco, um livro com a sua biografia retratando todas as etapas nas quais viveu ao longo de sua vitoriosa carreira de 40 anos de mandatos, como deputado estadual, deputado federal, senador e governador do Acre. Nabor é um daqueles políticos que se pode dizer sem temor algum de errar ser um cidadão acima de qualquer suspeita. A sua vitória mais emblemática aconteceu na eleição de 1982 ao governo, como candidato azarão do MDB, quando venceu o favorito Jorge Kalume (ARENA). E mais emblemático ainda foi o fato de que sua vitória se cristalizou no maior reduto político do adversário, Cruzeiro do Sul. Nabor nunca teve grupo, sempre esteve acima de todos e, exatamente, por isso conseguia ser o pólo agregador de todas as correntes do MDB, das quais se destacavam o grupo do deputado federal Geraldo Fleming, o grupo do deputado federal Ruy Lino, o grupo dos Melos e a Tendência Popular, do Aluízio Bezerra. Nabor é um exemplo para os mais jovens, não se conhece contra ele nenhuma denúncia de desvios financeiros durante a sua administração. Entrou limpo e saiu limpo do governo. E quem acompanhou sua trajetória sabe que jamais se desviou da conduta ética e moral. Nestes tempos bicudos de Lava Jato é bom ressaltar isso.

REVIVENDO A HISTÓRIA
A vitória do MDB no Juruá tem nome: Geraldo Pereira Maia. A convenção para a escolha do candidato da ARENA acabou empatada, entre Nosser de Almeida e Jorge Kalume. Kalume foi escolhido por ser mais velho. Isso desgostou o poderoso grupo do Geraldo, que levou todo o seu pessoal no Juruá a apoiar Nabor Junior. Maia saiu candidato e foi o mais votado do MDB. Foi o responsável principal pela vitória de Nabor no Juruá e da eleição para o governo.

MANIFESTO DO MESQUITA
O ex-governador Geraldo Mesquita, que queria o Nosser de candidato ao governo, também se rebelou contra a candidatura Kalume. Lançou um manifesto, assinado por ele, pelo médico Mário Maia (se elegeu senador nesta eleição), e outros, pedindo aos amigos votos no Nabor.

VITÓRIA ESMAGADORA
Neste contexto é bom também lembrar que o governador na época era o Joaquim Macedo, cujo candidato ao governo era o Nosser Almeida. Macedo, não quis apoiar Kalume, não só cruzou os braços, mas nos bastidores trabalhou a favor da candidatura do Nabor Junior.

PARA A POSTERIDADE
Era secretário de Comunicação do governo Macedo o jornalista Eduardo Mansour. Eu era o Coordenador de Comunicação. Na semana anterior à votação o Dadinho, amigo que está em outro plano, me chamou no gabinete e disse: “calados, vamos todos votar no Nabor Junior”.

 VITÓRIA COMEMORADA
Lembro do dia seguinte da eleição. Vou subindo as escadarias do Palácio Rio Branco e encontro com o chefe do gabinete civil, Elias Mansour, e este me deu um abraço, e comovido, disse: “vencemos!”.  Elias foi um dos articuladores políticos mais inteligentes que conheci.

DASABAFO COM SENTIDO
O desabafo do professor Elias Mansour tinha sentido político. Durante a campanha foi distribuído pelos kalumistas um panfleto com a cópia de uma entrevista do general Silvio Frota, linha dura do regime militar, no jornal O ESTADÃO, com os nomes dos “comunistas” lotados em cargos importantes nos governos estaduais, o do Elias Mansour estava lá.

FOI UMA LAVADA
Além do governador Nabor Junior, na eleição de 1982 foi eleito o senador Mário Maia; e o Juruá, que era reduto dos kalumistas, foi tomado pelo MDB, que elegeu cinco deputados estaduais: Jader Machado, Geraldo Maia, Edson Cadaxo, Francisco Taumaturgo e Rezene Lima.

CONVITE OFICIAL
O deputado federal Flaviano Melo (MDB) disse que vai pessoalmente, na próxima sexta-feira, convidar a ex-deputada Leila Galvão (PT), que foi vereadora pelo MDB, para que prestigie com a sua presença a convenção do MDB, em Brasiléia. “É uma forma de homenagem”, disse Melo ao BLOG.

CANDIDATO PRÓPRIO
Numa conversa ontem no ac24horas, o presidente do MDB, Flaviano Melo, garantiu que o MDB terá sim um candidato a prefeito de Brasiléia. Não quis entrar em detalhes, mas revelou ser um nome novo com peso para enfrentar de igual a prefeita Fernanda Hassem (PT).

APOSTANDO SUAS FICHAS
Perguntei na ocasião ao Flaviano Melo (MDB) quem seria o candidato do partido a prefeito da capital. Foi taxativo que será o deputado Roberto Duarte (MDB). E ainda acrescentou: “com o apoio do Gladson”.  Não sei em que está se baseando, mas acho muito improvável de ocorrer.

GENERAL E CORONEL
A secretária de Saúde, Mônica Feres, pode não ter trazido nenhuma melhoria no atendimento da pasta, tem se notabilizado pela arrogância com que trata os subalternos, mas está transformando a SESACRE num quartel. Mandou buscar mais um Coronel e um General aposentados. Nesta batida o Gladson terá que bater continência quando chegar na SEASACRE.

PERDERAM A VALENTIA
Os valentes sindicalistas que tanto cobravam eficiência na Saúde na gestão passada do PT, alguns com cargos no governo, estão assistindo este filme maluco na SESACRE, caladinhos.

 BANDEIRA DE CAMPANHA
Não foi bandeira de campanha do Gladson, nomear secretários arrogantes, ele trata bem as pessoas, com que direito uma secretária que veio de fora, não segue o seu exemplo? A dona Mônica ainda vai trazer muita confusão política para dentro do seu governo. Pode esperar.

MISTÉRIO A SER DESVENDADO
Quem é o padrinho da dona Mônica? Veio fazer o que? É testa-de-ferro de alguma empresa de terceirização? Todas as suas decisões até aqui foram confusas. É tudo muito misterioso.

NÃO PEDIU SEGREDO
Na última conversa que tive com o Gladson Cameli, este me disse acreditar que o professor Minoru Kinpara não se filiará no PSDB e que, ele e o vice-governador Major Rocha marcharão juntos com outra candidatura de consenso. A política, já se diz, é a arte do impossível.

A NÃO SE QUE FILIE
Colocando na balança, o PROGRESSISTA não tem um nome de densidade eleitoral que possa ser candidato a prefeito da capital com chance de vitória. Se o partido do governador vai ter candidato próprio à PMRB, então terá que filiar alguém de outra sigla.

VISITA AGRADÁVEL
Recebi ontem em casa para um papo o cidadão do mundo Chagas Freitas, que é hoje o Consul brasileiro em Cobija. Veio com um amigo cubano. Foi um papo agradável e de aprendizado.

OLHADA NO PANORAMA
O deputado federal Flaviano Melo (MDB) pediu ontem que a coluna registrasse um apelo à prefeita Socorro Neri, para que entre com uma frente de tapa-buraco na estrada do Panorama até o antigo Chalé. Pedido registrado. Flaviano mora por aquelas bandas.

DIFERENÇA DE ESTILO
Enquanto o ex-senador Jorge Viana deu uma entrevista com estilo, em alto nível, na Rádio ALDEIA FM, o presidente do PT, Cesário Braga, que estava comedido, escreveu um artigo com adjetivação chula contra o governo Cameli. Nada contra a crítica, mas contra o palavreado.

FALANDO EM CRÍTICA
Esta ida do ex-senador Jorge Viana à Aldeia FM, uma emissora oficial, foi uma mostra de respeito ao contraditório e à liberdade de expressão, diferente de como agiram os governos do PT. Entre os defeitos do Cameli não está o de não respeitar a liberdade de expressão.

MELHOR NÃO EXPLICAR
Melhor é a Defensoria Pública não ficar se explicando, porque o pedido que fez a justiça para não se mostrar cara de bandido vai cercear o trabalho da imprensa. Isso é ponto pacífico.

FRASE DO DIA
“O tolo nem perdoa e nem esquece, o ingênuo perdoa e esquece, o sábio perdoa, mas não esquece”. Thomas Szasz, escritor húngaro. Um bom final de semana para todos.

 

Propaganda

Blog do Crica

Saindo do Purgatório 

Publicado

em

O ex-senador Jorge Viana (PT)  saiu do purgatório político numa longa entrevista ao ac24horas. O que eu penso da volta do JV: é o político mais sagaz da oposição e o de maior representatividade. Não meço a qualidade de um político pela cor partidária. Mudou a cara urbanística de Rio Branco quando prefeito. O seu governo teve avanços, mas não ao ponto de não ter brechas para críticas. Não compartilho das suas idéias políticas e nem da sua adoração mística pelo Lula. Mas respeito o que pensa. Mas, vamos lá: parece que o tempo em que esteve calado não foi suficiente para lamber as feridas da derrota vergonhosa do seu partido, após duas décadas no poder. Até entendo o seu silêncio pelo lado familiar, mas não pode dizer que as administrações petistas foram as maravilhas do mundo, quando o último governo do PT, do seu irmão, passou a administração ao sucessor sem pagar o 13° dos servidores, os terceirizados, e com uma dívida astronômica com fornecedores. As medidas do seu governo com a política da florestania não atingiram o foco principal do seu discurso ambientalista: os chamados “povos da floresta” não saíram da miséria e do abandono que se encontram até hoje. Aquele discurso de libertar economicamente estas comunidades com a exploração dos produtos florestais fracassou. A sua derrota JV, foi uma decisão popular e sobre a qual a então oposição não teve nenhuma influência. Vocês perderem para vocês, essa é a verdade! Não pode dissociar a sua derrota ao desgaste do governo do seu irmão e nem do erro histórico e burro de lançarem dois candidatos ao Senado. O JV coloque na sua cabeça que, embora vocês tenham tido algumas realizações o povo cansou de vocês. Cansou da arrogância e do slogan “só nos prestamos”. Vocês perderam pela empáfia que venceriam a eleição a hora que pretendessem. Quando falo “vocês”, me refiro ao coletivo de 20 anos de mando. A sua tentativa de voltar a ocupar os espaços na política não será ao curto prazo, não espere começar pela eleição municipal. Uma candidatura própria do PT á PMRB vai mostrar, por certo, o tamanho real do prestígio fora do poder. O “Fora, PT” ainda está muito forte na capital. No mais, o contraditório sempre é bom para alimentar o debate político.

CORREÇÃO NA HISTÓRIA

Falo porque vivi a campanha dentro. Não é verdade que ajudava os prefeitos de oposição. O ex-prefeito Isnard Leite, que o diga. Quando você cita que ajudou o então prefeito César Messias, não estava ajudando um oposicionista. O César era oposição na capa, porque comandou junto com o Orleir Cameli a sua campanha vitoriosa no Juruá. Natural que desse o reconhecimento quando chegou ao poder. E ajudou até o César Messias ser vice-governador.

NUNCA FOI IDEOLÓGICA

Outra contestação: fala muito da “Frente Popular” como uma grande conquista política. A FPA nunca foi uma aliança ideológica. Só existiu pelos cargos distribuídos aos partidos nanicos. Tanto é que, quando o PT fechou a comporta de ajuda, pularam para a campanha do Gladson.

O POVO DEFINIU A MUDANÇA

O que o JV tem que entender é que a um governo não se dá a sentença final no seu primeiro ano de administração. Tem que se esperar o último ano. Você fala que o Gladson errou em terceirizar o poder para feudos políticos, cujos indicados, secretários ou diretores, atendem primeiro os seus padrinhos e depois o governador. Nisso concordo, por já comentar no BLOG.

UM NOVO RUMO

Concordo também que o governo Cameli precisa fazer uma nova arrumação no seu secretariado e cobrar resultados. Não pode manter no cargo alguém por ser indicação política. Mas depois do desastre dos últimos quatro anos de governo do PT, seus dirigentes não parecem ser o melhor conselheiro para que aponte os rumos desta correção. 

CONFIRMANDO O BLOG

Em um trecho da entrevista o ex-senador Jorge Viana confirma um furo deste BLOG que o seu sonho era ver o melhor nome do PT do momento, ex-prefeito Angelim, disputar a PMRB, sendo candidato a prefeito no lugar da prefeita Socorro Neri. Não combinou com os russos.

É DA DEMOCRACIA

No mais, o ex-senador Jorge Viana (PT) tem o direito legítimo como político e cidadão de falar o que acha certo ou acha errado do atual governo, por estarmos num regime democrático.

MUDANDO DE ASSUNTO

Vamos parar com esta história que a recente colheita de soja é um marco para o agronegócio do Acre, como tocou trompete o diretor da EMATER-ACRE, Tião Bocalom. O mesmo produtor plantou no governo passado. A diferença é que este governo não inventa dificuldades ambientais a quem opta por esta cultura. E não limitar culturas ajuda no desenvolvimento.

QUAL O PROBLEMA DE CONVERSAR?

Não sei se é problema pessoal, birra, não consigo entender o motivo pelo qual o secretário de Educação, Mauro Sérgio, não senta para conversar com a presidente do SINTEAC, Rosana Nascimento, sobre as reivindicações da classe, até para dizer “não”, se assim for o caso.

NÃO COMENTO

Não vou fazer comentário sobre esta pesquisa a ser publicada hoje, por mais séria que seja, por estar muito longe do quadro que se formará para a disputa da PMRB. Não sei nem como ficarão as alianças, quem o Gladson Cameli apoiará, se a Socorro será candidato com ou sem o PT, sem essas definições fica muito difícil se fazer uma análise com alguma margem de acerto.

PAUTAS FAMILIARES

Não entro em discussão de pautas familiares de cidadãos comuns, mas quando este tipo de debate envolve um político, não há como deixar de fora de uma discussão. O deputado Roberto Duarte (MDB) precisa resolver esta sua situação de herança ou isso será explorada na campanha de prefeito pelos adversários. Numa campanha eleitoral não se pode ter flancos.

NOMES CONFIRMADOS

Vanda Milani (SD), Jamil Asfury (PSC), Minoru Kinpara (PSDB), Roberto Duarte (MDB), Rogério Venceslau (PSL), Socorro Neri (PSB), Jarbas Soster (AVANTE), Pedro Longo (PV), Sanderson Moura, são os nomes até aqui confirmados para a disputa da PMRB. A lista tende a crescer.

FAVORECE O PODER

Não tenho relação, nunca conversei com o prefeito Kiefer de Feijó, mas a oposição ao seu mandato está lhe dando um favoritismo, pela pulverização dos votos neste campo. O PT terá candidato a prefeito, e também; o MDB e PCdoB, esta divisão favorece quem está no poder. Pode mudar no curso da campanha, mas a fragmentação não favorece aos oposicionistas.

PEÇAS IMPORTANTES

Duas peças importantes na campanha de prefeito de Rio Branco ainda não se posicionaram no tabuleiro: deputado federal Alan Rick (DEM), bem votado na capital, e o senador Petecão (PSD), o campeão de votos da última eleição. Apoios importantes a qualquer candidato.

NÃO É POR FALTA DE AÇÃO

Todo dia se noticia prisões de bandidos, apreensões de drogas, elucidação de crimes, mas o patamar da criminalidade continua muito alto em Rio Branco. Não é por falta de ação policial.

APOSTANDO TUDO

O PSDB está apostando tudo numa decisão do Gladson de apoiar o Minoru Kinpara na disputa da PMRB no primeiro turno. Mesmo isso dando uma confusão gigante com os outros aliados.

DO TAMANHO QUE FICOU

A festa dos 40 anos do PT ficou do tamanho que saiu da última eleição, com apoiadores reduzidos. Quando estava no poder, este tipo de festa tinha dirigente partidário disputando espaço para ficar mais perto do governador ou do prefeito. Assim é a política partidária.

CONTINUA NO BARCO

O deputado Manoel Moraes (PSB) avaliou as pesquisas, viu que o prefeito de Xapuri, Bira Vasconcelos (PT) aparece bem avaliado, e decidiu manter a dobradinha indicando o vice.

MAIS DO QUE PARECE

Numa campanha de prefeito é mais importante do que parece o candidato ter o maior número possível de candidatos a vereadores o apoiando. São estes que estarão direto no corpo a corpo nos bairros pedindo votos para a candidatura majoritária. Isso tem um peso fundamental.

FRASE MARCANTE

“Política não é só a arte de engolir sapos. Já defini a política como arte de pedir votos aos pobres, pedir recursos financeiros aos ricos e mentir para ambos depois”. Antonio Ermírio de Moraes.

Continuar lendo

Blog do Crica

“Não temos candidato a prefeito de Rio Branco”, diz Petecão 

Publicado

em

O senador Sérgio Petecão (PSD) negou ontem ao BLOG DO CRICA ter fechado compromisso de indicar a esposa Marfisa Galvão (PSD) como candidata a vice-prefeita numa chapa liderada pelo deputado José Bestene (PROGRESSISTAS), para disputar a PMRB. Não conversei, não dei esperança, e nenhum dos nomes que estão surgindo como postulantes à PMRB pode falar que terá o meu apoio, enfatizou. Também nega de que tenha conversado a este respeito com o governador Gladson Cameli. Petecão diz que vai empurrar a posição oficial do PSD sobre a eleição municipal para pouco antes das convenções municipais, em junho. “Não tenho nenhuma pressa em declarar uma aliança para a eleição municipal, não posso errar, porque tenho projeção para a eleição de 2022, por isso terei muita cautela antes de me pronunciar sobre isso. Quem falar que tem o meu apoio não estará falando a verdade”, advertiu Petecão.

QUER SER CANDIDATO

Muito embora tire o corpo de fora quando o assunto é candidatura a prefeito de Rio Branco é uma cortina de fumaça, o deputado José Bestene (PROGRESSISTAS) trabalha sim para ser candidato à PMRB com a benção do Palácio de Rio Branco. Acha que congregaria aliados.

DOBRADINHA FORTE

Num ponto o deputado José Bestene (PROGRESSISTAS) está certo em sonhar com uma aliança com o senador Petecão (PSD). Uma dobradinha que tenha no mesmo palanque o Petecão, o mais votado da última eleição, com votos e prestígio na capital, seria forte politicamente.

NÃO SERIA POSITIVO

Com o José Bestene, com o Luziel Carvalho, com o Thiago Caetano, ou outro nome descolado da política, o certo é que soaria mal o governador Gladson Cameli não conseguir viabilizar um nome do seu partido para disputar a PMRB. Passaria a imagem de descontrole político.

PARA ENCHER EGO

Fala-se na publicação de uma pesquisa para prefeito de Rio Branco na terça-feira. Não discuto a seriedade. Mas, uma pesquisa em que não se sabe qual será a posição do Gladson; se o PT estará unido com a prefeita Socorro Neri ou não, na base de ilações de nomes, não dirá nada.

NOMES NO TABULEIRO

A primeira pesquisa que pode ser considerada como parâmetro para fazer uma avaliação sobre a eleição para prefeito da capital, só quando se souber como ficará o tabuleiro com as candidaturas. Assim, quem aparecer bem não comemore; quem aparecer mal, não se desespere, porque não se sabe nem quem serão os candidatos para valer nesta disputa.

O CASO DA SOCORRO NERI

No caso da prefeita Socorro Neri só vai se saber da sua real viabilidade para ganhar um novo mandato, após o fim do verão. Tem mais recursos do que teve no ano passado para investir e isso pode ajudar sua imagem, com um grande volume de ações nos bairros. É um dado real

 POLÍTICA É PRAGMATISMO

Uma eleição majoritária deve ser vista pelo lado pragmático, sem emoção na análise. É impossível você ter dados reais para balizar um comentário sobre quem tem maior ou menor chance de chegar à PMRB, se você não conhece como é que estarão as alianças majoritárias.

VIROU PAUTA NEGATIVA

Conversei com a maioria dos candidatos a prefeito da capital, e todos com os quais conversei falam de duas pautas negativas, que vão usar de bandeira para combater na campanha: a zona azul e a ânsia de multar dos guardas de trânsito do RBTRANS. São unanimidades para baterem.

NÃO É BOM PARA NENHUM

O deputado Daniel Zen (PT) é uma das figuras mais lúcidas da nova safra de políticos acreanos, está acima da média. Zen tem um desenho na cabeça de que, se o PT sair com candidato próprio e a prefeita Socorro Neri for candidata descolada do PT, não é bom para nenhum.

QUANDO O CARNAVAL PASSAR

Depois do carnaval vai voltar o programa “Boa Conversa”, que apresentamos no ac24 horas, com o colega Astério Moreira. E com a maioria das pautas voltadas, naturalmente, para o cenário político da eleição municipal. Vamos ouvir todos os candidatos e sem amaciamento. Quem aceitar o convite para ser entrevistado não espere o tradicional mamão com açúcar.

PRECISA ACABAR A CARRANCA

Quando vai à tribuna o deputado Roberto Duarte (MDB) passa a imagem nos seus discursos de um semblante raivoso, mesmo quando defende pautas legítimas. A única carranca que deu certo são as das barcaças do Rio São Francisco, na política se pode ser duro sem ser raivoso.

EXEMPLO DE POSTURA

Vou pinçar três deputados da oposição, na Assembléia Legislativa: Edvaldo Magalhães (PCdoB), Jenilson Lopes (PSB) e Daniel Zen (PT), críticos duros do governo Gladson, mas não perdem a serenidade nas suas falas. O político é mais escutado no tom sereno, que na gritaria.

PAREM DE FALAR BOBAGEM

Parem de falar bobagem! A chance do grupo de aliados que levou o Gladson Cameli ao governo ter um candidato único a prefeito de Rio Branco é zero. Não por rebeldia, mas porque a nova legislação eleitoral leva os partidos a buscarem aumentar suas representatividades.

É OUTRO QUADRO

Quando acaba uma eleição majoritária, acabam as alianças políticas. E os partidos não podem continuar como puxadinho da sigla que chegou ao poder. Ou somem na memória do eleitor. Não estão errados, MDB, PSDB, SOLIDARIEDADE, em terem candidatos próprios para a PMRB.

ERRADO ESTÁ O PROGRESSISTAS

Mais do que errado é o PROGRESSISTAS em estar no poder, e não conseguir até aqui um nome com densidade eleitoral para ser apresentado á prefeitura da capital. Isso é que é vergonhoso para um partido grande e comandando o Estado. Até os nanicos terão candidatos! My God!

OLHAR O ORÇAMENTO

Fala-se na criação de uma Guarda Municipal na PMRB, que na verdade teria como missão proteger os cidadãos que procuram, por exemplo, um lazer numa praça ou numa quadra esportiva do município. Mas a PMRB tem um orçamento capaz de bancar o alto custo?

NÃO CONHEÇO

O caminho é investir pesado na Educação. Não há porto seguro para quem não criar a prioridade. Não é um resultado para amanhã, mas é um investimento para o futuro dessa juventude desgarrada, e que em grande parte foi conquistada pelo crime organizado.

PERDEU O RESPEITO

O crime organizado em Rio Branco não tem mais respeito pela polícia. Os tiros para o alto, o foguetório, acontecido no enterro do membro de uma facção que foi morto pela PM, é um desafio não só à polícia, mas ao Estado de Direito. Se não tem medo da polícia, terá do cidadão comum? Não adianta mascarar a situação, a população da capital vive angustiada e com medo.

O QUE SE COLOCOU EM PRÁTICA?

O que se colocou mesmo em prática no combate à criminalidade depois daquela reunião do governo, do seu aparato de segurança, com os poderes, MP, deputados e senadores? Não pode ficar apenas numa carta de boas intenções, é preciso sair já do campo da teoria.

FALANDO SÓ

O deputado Antonio Pedro (DEM) vai ficar falando só na eleição para a prefeitura de Xapuri, pode tirar o cavalo da chuva que não juntará a oposição para apoiar seu filho Ailson a prefeito.

CLIMA DE GUERRA

O clima dentro do PROGRESSISTAS entre os seus grupos é de troca de acusações, numa briga insana para ver quem será indicado para disputar a prefeitura da capital. Neste tabuleiro não tem cheiro verde. Enquanto o Gladson não se pronunciar, estão brigando por algo fictício.

BOICOTE CLARO

A presidente do PROGRESSISTAS, senadora Mailza Gomes, que assim que assumiu percorreu todos os municípios, reorganizou o partido, sofreu um claro boicote e recuou nas suas ações. Tomavam decisões sem ao menos lhe consultar. Se deixar a presidência o fará com razão.

CASA DE NOCA

O PROGRESSISTAS virou uma Casa de Noca, onde todos querem mandar e ninguém obedece.

ATÉ AQUI

A eleição na capital vai bater o recorde de candidatos a prefeito: pode chegar a onze.

COM DIREITO A BOLO E VELAS

Uma luminária, na Rua das Palmeiras 746, no Jardim Tropical está queimada um bom tempo, moradores preparam a festa de aniversário com direito a bolo e velinhas para soprar.

FRASE MARCANTE

“Os mais fortes de todos os guerreiros são estes dois: tempo e paciência”. Leon Tolstói.

 

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required
Propaganda
Propaganda

Leia Também

Mais lidas