Conecte-se agora

Na Expoacre, novamente a AMACRO

Publicado

em

FOTO: SECOM

Valterlucio Bessa Campelo

Um dos momentos mais importantes desta Expoacre ocorreu no final da tarde de domingo, dia 28, quando na presença de várias autoridades, entre elas o governador em exercício Major Rocha e os senadores Márcio Bittar e Sérgio Petecão, além dos Secretários estaduais de Agricultura e Pecuária de Rondônia e Acre, o pesquisador Dr. Evaristo de Miranda, autor de centenas de estudos e dezenas de livros, muitos deles sobre a ocupação territorial e uso da terra no Brasil, atualmente Chefe do Grupo de Inteligência Territorial da Embrapa – GITE, sediado em Campinas –SP, desenvolveu suas ideias sobre as possibilidades do recorte regional formado pelo Sul do Amazonas, oeste de Rondônia e Leste do Acre que muito provavelmente se tornará uma região específica de desenvolvimento agropecuário – AMACRO (AM-AC-RO), inspirada no que já ocorre com o MATOPIBA (MA-TO-PI-BA). Disto já tratei aqui, superficialmente, em outro momento.

Na plateia superlotada, técnicos, agricultores e pecuaristas, anteviam um novo momento, o de destravamento de nossas potencialidades e, enfim, o verdadeiro impulso à geração de emprego e renda no campo. Sob o emblema AGRONEGÓCIO, um universo de oportunidades parece se assentar de modo promissor. É o plano, o objetivo, a expectativa manifestamente abraçada pelo Secretário da SEPA, Paulo Wadt.

Há, contudo, barreiras a vencer. Anos seguidos de submissão a uma visão de mundo quase totalitária, que durante 20 anos teve da população, no dizer do Senador Marcio Bittar “uma procuração plenipotenciária”, consubstanciada na representação política máxima – federal, estadual e municipais, implantou marcos profundos e obteve aliados renitentes. Não será tarefa fácil removê-los ou demovê-los, ainda que politicamente enfraquecidos e “em xeque” perante a realidade dolorosa em que nos encontramos.

Voltemos ao pesquisador Dr. Evaristo de Miranda. Uma das bases de seu pensamento sobre a nossa região parte de uma constatação – tem muita área preservada na Amazônia e muita área a ser explorada. Nada menos que 75% de todo o território brasileiro de algum modo está sendo preservado. No Acre, cerca de 90%. No Amazonas 98%. Isto é muito mais do que aparece no discurso predominante na grande mídia e nos organismos locais, regionais, nacionais e internacionais, segundo os quais a Amazônia está a um passo do ponto crítico, do ponto sem retorno. O que não faltam são contas de botequim feitas à base de campos de futebol. Estaríamos fadados, portanto, ao imobilismo do uso da terra ou à eterna busca do ouro perdido nos seringais. Enquanto isso, 1 milhão de almas vagueiam no Acre nas brumas do desemprego, violência, pobreza e infortúnio.

Sob o pressuposto de ampla disponibilidade de terras agricultáveis, Evaristo de Miranda nos sugere um mapa e uma estratégia conjunta. Delimitação territorial, foco, rigor no diagnóstico multisetorial, eleição de prioridades, concepção de uma agenda de remoção de gargalos, investimento, fomento, inovação tecnológica, metas e um horizonte. Há saídas, além da economia florestal. E boas saídas.

A princípio, temos vantagens locacionais quando nos voltamos para o Pacífico, temos ainda muito ganho de produtividade a realizar, temos muita inovação a incorporar nos processos produtivos, terra em disponibilidade e gente em busca de ocupação. Ingredientes que, devidamente combinados, poderiam fazer um case de sucesso mas não fizeram porque os operadores preferiram utilizar outros insumos para obter outros produtos. Este foi, aliás, o diagnóstico simples do Senador Sérgio Petecão. “Durante anos, usaram e abusaram dos recursos estaduais e de empréstimos e hoje estamos do mesmo jeito, não temos nada”. É como se para matar a fome, fosse produzida ornamentação e ostentação ecológica. Não funcionou.

Em sua proposta inicial, Miranda requer a minuciosa diagnose dos quadros natural, agrário, agrícola, de infraestrutura e socioeconômico, que poderá oferecer com rapidez (os dados são majoritariamente disponíveis), um retrato com a face real das nossas potencialidades e dificuldades, constituindo, portanto, base segura para uma intervenção pública multiestadual, de vulto, focada no desenvolvimento da agropecuária.

Acredito que, subsidiariamente, o projeto AMACRO poderá realizar um processo que defendo há décadas, de nucleação dos espaços econômicos criados pela política fundiária do INCRA. Em síntese, é importante gerar cidades, fomentar atividades econômicas rurais não necessariamente agrícolas, adensar os distritos, atrair empreendedores, acender a chama criativa da juventude, formar capital humano adequado às exigências e potencialidades locais.

Infelizmente, confundiram-se as coisas em Brasília ao ponto de praticamente impedir horizontalmente a criação de novos municípios – hoje são exigidos número mínimo de habitantes, além de uma série de estudos de viabilidade econômico-financeira, socioambiental e urbana e político-administrativa, como se todas as realidades fossem comparáveis de modo raso.
É certo que em muitos lugares, especialmente no Nordeste, muitos municípios foram criados sem razão de ser, apenas por interesses políticos paroquiais, por compromissos de compadrio que se desdobraram em prefeituras e vereanças, mas na Amazônia, em espaços geográficos de baixíssima densidade populacional, a nucleação e consequente criação de distritos e cidades é da melhor política de desenvolvimento regional. Trata-se de desconcentrar o desenvolvimento, do exercício de cidadania no nível local e de conter a explosão urbana dos médios e grandes centros.

É, portanto, natural, que o crescimento agropecuário da região AMACRO permita vislumbrar um aumento das demandas de insumos, serviços, materiais e equipamentos que justifique a criação e consolidação de nascentes urbanas, com todas as suas implicações sociais e econômicas.

Enfim, aguardemos que os esforços técnicos e criativos de inteligências como a de Evaristo de Miranda, sejam aproveitados na nova perspectiva de desenvolvimento audaciosamente empunhada pelo novo Governo.


Valterlucio Bessa Campelo é Engº Agrº, Mestre em Economia Rural e escreve todas as sextas-feiras no ac24horas.

Propaganda

Cidades

Gladson Cameli vai ver de perto o funcionamento da UPA de Cruzeiro do Sul

Publicado

em

A inauguração da UPA de Cruzeiro do Sul está confirmada para o dia 18 deste mês, mas nesta terça, 12, às 9 horas da manhã, o governador Gladson Cameli estará na cidade certificando o funcionamento da Unidade, que iniciou suas atividades nesta segunda, 11.

Ele deverá anunciar o gestor da UPA, que tem por diretor técnico, o médico cirurgião Ozziandeny Camara.

A UPA, que tem 18 leitos, funcionará 24 horas. Em cada turno de 12 horas, haverá 2 médicos, 4 enfermeiros e 10 técnicos.

Continuar lendo

Cidades

UPA de Cruzeiro do Sul começou a funcionar

Publicado

em

Começou a funcionar nesta segunda feira, 11, a UPA de Cruzeiro do Sul, que será inaugurada oficialmente no dia 18 pelo governador Gladson Cameli e oministro da Justiça, Sérgio Moro.

Dois médicos emergencistas, além de enfermeiros e técnicos atendem a população nesta segunda, mas o corpo clínico será ampliado .

A UPA vai funcionar 24 horas e segundo o governador Gladson Cameli, no local, serão realizados procedimentos cirúrgicos.

O médico cirurgião, Ozziandeny Camara, é o diretor clínico da UPA de Cruzeiro.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.