Conecte-se agora

Gladson convida Tião Bocalom para Emater e garante que Paulo Wadt fica na Agropecuária

Publicado

em

Atendi hoje pela manhã (10.30 horas) um convite do governador Gladson Cameli para um café político no seu gabinete no Palácio Rio Branco, onde passou a despachar. Voltou a reafirmar que, em hipótese alguma vai demitir ou remanejar o secretário de Agricultura, Paulo Wadt, como quer a deputada federal Mara Rocha. “Estou satisfeito com o seu trabalho e não vou tirar o que está dando certo”, assinalou. Não escondeu a chateação com Mara Rocha, com quem diz que tentou falar por três vezes e não foi atendido, logo após a sua declaração no ac24horas de que tinha saído da base de apoio do governo.

“O máximo que consegui falar foi com o seu marido”, revelou. Gladson voltou a dizer estar decidido a não mais aceitar pressão política de ninguém.

Estava alegre na conversa, citando a reação das redes sociais ao seu favor, acerca de seu endurecimento político. Aproveitou para dar em primeira mão ao BLOG DO CRICA que a Emater-Acre está de portas abertas para receber o ex-prefeito Tião Bocalom, caso queira participar do governo. “O Bocalom só não está ainda participando do governo porque não quis”, disse. Aproveitou para adiantar que esta semana vai acontecer uma enxurrada de demissões em cargos de confiança da Saúde, muitos indicados por políticos. BLOG DO CRICA.

Propaganda

Destaque 4

Seis meses depois, obras da saúde “inauguradas” na gestão do PT do Acre ainda não funcionam

Publicado

em

No final da gestão passada, o ex-governador Sebastião Viana entregou diversas obras para melhorar o serviço de saúde do Acre. O problema é que passados mais de seis meses da entrega, essas obras ainda não atendem a população, ou em alguns casos atendem de forma limitada, bem abaixo da capacidade para a qual foram construídas. A atual gestão afirma que as obras foram entregues sem a mínima condição de funcionamento.

Centro de Reabilitação Paolino Baldassari – No dia 3 de outubro do ano passado, o governo acreano entregou com toda pompa possível o Centro de Reabilitação Paolino Baldassari, um espaço de 1,4 mil metros quadrados de área construída que prometia á época unificar em um só lugar e ampliar consideravelmente os diferentes atendimentos terapêuticos de reabilitação para crianças e adultos com deficiência visual, auditiva ou intelectual. A expectativa é que o CER III atendesse cerca de 500 atendimentos mensais.

Passados 289 dias desde que foi inaugurado, nenhum paciente foi atendido até hoje no local.

O que diz a Sesacre – “O que falta é apenas a aquisição de alguns equipamentos (o que não impede o funcionamento) e o fechamento do fluxo de assistência ao cidadão. Na próxima sexta-feita (19) está marcada uma reunião para apresentação desse fluxo. Após a definição do fluxo, a oferta do serviço será comunicada ao governador Gladson Cameli e à secretária de Estado de Saúde Mônica Kanaan, e só então a data de inauguração, de acordo com a agenda de ambos, será definida”.

33 novos leitos do Huerb – Em dezembro, o ex-governador Sebastião Viana inaugurou uma nova enfermaria no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb) com 33 leitos, localizado no 4º andar, como parte da obra de verticalização do hospital que se arrasta há mais de 10 anos. O novo espaço iria permitir a reforma das antigas enfermarias. Inclusive, no dia da entrega dos novos leitos, foi assinada a ordem de serviço para a referida reforma. Mais de seis meses depois, os novos leitos nunca foram usados.

O que diz a Sesacre – “A gestão passada entregou sem a rede de gases, sem o sistema de refrigeração, sem a instalação do elevador e sem fluxo de atendimento, tendo em vista a continuidade da obra nos demais andares. A previsão de inauguração da verticalização do Huerb, com todos os serviços que serão ofertados, está prevista para o dia 1º de agosto”.

Hospital Regional Wildy Viana – Em 20 de dezembro foi a vez do governo do estado entregar a quarta e última etapa do Hospital Regional Wildy Viana, localizado em Brasileia. Com investimento de 82 milhões de reais, a unidade de saúde foi entregue com a promessa de ser referência para a população no suporte de média e alta complexidades do Alto Acre, uma população estimada em 100 mil pessoas dos municípios de Brasileia, Epitaciolândia, Xapuri e Assis Brasil, gerando economia aos cofres públicos com a diminuição de pacientes que precisam do Tratamento Fora de Domicílio (TFD), além de proporcionar maior conforto e comodidade aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Passado mais da metade de um ano, pode-se dizer que atualmente o Hospital Regional nada mais é do que um grande posto de saúde que faz cesarianas. Qualquer outro atendimento que exija maior complexidade, é necessário o encaminhamento para Rio Branco.

O que diz a Sesacre – “A unidade foi entregue parcialmente e parcialmente vem sendo utilizada. Para sua conclusão serão necessários algumas reprogramações, tendo em vista que alguns serviços essenciais para a sua total funcionalidade não estão previstos no contrato atual, problema este que está sendo solucionado pela gestão atual. Outra pendência que a gestão atual está solucionando envolve o registro oficial da unidade no Cadastro Nacional dos Estabelecimento de Saúde (CNES) do Ministério da Saúde”.

UPA de Cruzeiro do Sul – A comunicação oficial do governo à época chegou a anunciar a entrega da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cruzeiro do Sul para o dia 21 de dezembro. Sem nenhuma explicação, a entrega da obra não aconteceu. A UPA começou a ser construída em 2013 e já foram gastos mais de 4,5 milhões de reais. Formada por dois pavimentos e com uma área de mais de 2,2 mil metros quadrados, a UPA irá realizar atendimentos diversos, como ambulatoriais, urgência e espaços técnicos necessários. A unidade terá salas para classificação de risco, além de outras quatro para exames, sala de distribuição de medicamento, posto de enfermagem e atendimento social. Também serão disponibilizados 22 leitos, distribuídos em observação masculina, feminina, infantil, individual e urgência. Além de Cruzeiro do Sul, a UPA vai beneficiar as cidades de Mâncio Lima e Rodrigues Alves, alcançando, nos três municípios, uma população superior a 120 mil pessoas.

O que diz a Sesacre – “Também está em fase de finalização, com o compromisso de ser realizada, na primeira semana de setembro, a vistoria pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Desenvolvimento Urbano e Sesacre, caso o cronograma de execução seja obedecido pela empresa contratada. Os equipamentos da UPA já foram adquiridos e serão instalados mediante a conclusão da obra. Com a oferta do serviço, e não apenas da entrega estrutural, a UPA também será inaugurada de verdade em data a ser definida pelo governador juntamente com os titulares da Seinfra e Saúde”.

Continuar lendo

Destaque 4

Juiz que “enquadrou” advogados em operação diz que dificilmente eles seriam investigados

Publicado

em

O juiz Alex Oivane, da Vara de Delitos de Organizações Criminosas, responsável pelas decisões que autorizou a execução da Operação Tróia, em que a Polícia Federal prendeu membros do Comando Vermelho e conduziu advogados para depor na Superintendência da PF no Acre, resolveu quebrar o silêncio. O nome do magistrado havia autorizado a operação havia sido omitido pelos delegados da PF e membros do Gaeco do Ministério Público sobre o pretexto de manter a segurança do julgador.

Ao total, foram cumpridos cerca de 38 mandados, dentre os quais 20 prisões preventivas e 18 mandados de busca e apreensão. A investigação foi conduzida pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE/AC) da Polícia Federal.

O fato é que o magistrado, por meio da Assessoria da Associação dos Magistrados do Acre (Asmac), afirmou que caso a Proposta de Lei Complementar (PLC) 27/2017, que criminaliza o abuso de autoridade, estivesse em vigor dificultaria a prisão das pessoas acusadas de repassarem supostas ordens de execução de desafetos. Como o processo da Operação Tróia segue em segredo de Justiça, Oivane preferiu não dar detalhes, mas apontou que todas as decisões tomadas foram amparadas nas provas apresentadas durante o pedido dos mandados.

O juiz afirmou que os trabalhos executados pelo Ministério Público e pela Justiça estão sendo ameaçados pela proposta que busca dificultar a investigação, a abertura de inquéritos e o processo de pessoas que podem estar envolvidas com o crime organizado. “Uma situação muito interessante é o PLC 27/2017- denominado de lei de abuso de autoridade que vai inviabilizar o trabalho do Judiciário para não decidir contrário as forças políticas dominantes. Querem dificultar tanto o Judiciário quanto o Ministério Público para impedir decisões contrárias aos interesses dessas pessoas que dominam a política nacional”, detalhou.

Para o magistrado, a matéria aprovada no Senado e que retornou para a Câmara dos Deputados, para nova votação, possibilitará a retaliação do trabalho dos juízes e promotores que trabalham na jurisdição criminal. “É muito preocupante, porque, por exemplo, esses advogados [da Operação Troia] não seriam investigados, e dificilmente seriam objetos de busca e apreensão se a PLC estivesse sancionada e em vigor. [Caso fossem investigados e realizada buscas em seus escritórios, na vigência da lei, que criminaliza o abuso de autoridade], poderiam entrar com processo criminal contra o juiz que decidiu de acordo com a lei e em proteção da sociedade”, explicou.

Segundo o magistrado, o trabalho realizado pelo Ministério Público Estadual (MPE), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da Polícia Federal (PF) contou com a análise e deliberação do Poder Judiciário Estadual, responsável pela decisão favorável na expedição dos mandados de busca e apreensão executados, mostrando que, quando há elementos capazes de formar a convicção do juiz, a prisão é determinada. “O Judiciário faz o controle de legalidade e de constitucionalidade dos pedidos feitos. Tanto do Ministério Público quanto da polícia, que foi o caso da Polícia Federal e Gaeco, e fazemos esse controle dos pedidos e, a partir daí, analisamos, deferindo ou não, o que dependerá das provas que forem apresentadas. É preciso ter os elementos para garantir toda a legalidade, os direitos tanto do réu como da sociedade. Não é porque a pessoa é acusada que a gente presume que ela seja realmente culpada, ou que deva ser presa, então é preciso analisar todas as provas apresentadas para poder pedir ou não uma busca e apreensão, ou uma prisão, que são instrumentos graves pois atinge um dos maiores direitos da pessoa que é sua liberdade.”, afirmou.

Alex Oivane disse que a decisão de determinar a prisão é pautada pelas provas, em que a autoridade policial justifica o risco para a sociedade em manter a liberdade de um acusado. Ele apontou como exemplo a Operação Troia, demonstrando que não é verdadeiro o dito popular “polícia prende, Justiça solta”. “É muito interessante que quando essas operações são exitosas só há destaque para o Ministério Público e para as polícias. O Judiciário sempre fica de fora. Sempre atacam o Judiciário, [afirmando], por exemplo, que a polícia prende e o Judiciário solta, mas o que realizamos é esse controle de legalidade e constitucionalidade. A estrutura do ordenamento jurídico é favorável a soltura. Há uma cultura do desencarceramento, ou que os presídios estão superlotados, mas estão superlotados porque faltam investimentos”, explicou.

O magistrado argumentou ainda que as partes podem sempre recorrer das decisões a 2ª Instância, ou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou ao Supremo Tribunal Federal (STF). O juiz ainda é fiscalizado pela Corregedoria e pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). “A partir da decisão ainda há o controle do próprio Tribunal de Justiça, em que a parte pode entrar com recurso, o réu, ou investigado, ou indiciado pode entrar com recurso e o Tribunal vai fazer a revisão. Depois do Tribunal ainda tem o STJ, tem o Supremo, uma cadeia de segurança para o cidadão, para liberdade individual para que não ocorram excessos, o que vale para todas as partes, inclusive para o Ministério Público que pode entrar com recurso”, finalizou.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.