Conecte-se agora

“Novo queridinho” de Gladson já foi preso pela Polícia Federal

Publicado

em

O novo coordenador do gabinete do Governador Gladson Cameli e chefe da Representação do Escritório de Apoio em Brasília, Ricardo Augusto França da Silva, atualmente conta com tanto poder dentro da estrutura do Palácio Rio Branco, que até mesmo o chefe da Casa Civil, Ribamar Trindade, acabou ficando escanteado na organização do poder executivo, com a tamanha influência do advogado que ultimamente vem vivendo na ponte área Rio Branco/Brasília. Tudo isso conta com o aval do governador que o considera como um confidente. Tal situação tem despertado a cizânia no Núcleo Duro do governo, onde o Conselheiro do Tribunal de Contas, Antônio Malheiro, é o principal influenciador: afinal de contas, França não é da confiança do Conselheiro.

Gladson confia tanto em França que nem mesmo o passado sombrio do atual “braço direito” em Brasília desanimou o governador de lhe dar o apoio necessário para bater de frente com parte de sua equipe. Ricardo, que é chefe de gabinete de Gladson desde o periodo que foi deputado federal foi um dos 81 envolvidos no escândalo das sanguessugas, também conhecido como máfia das ambulâncias, uma quadrilha que desviava recursos do Orçamento da União por meio da venda de ambulâncias superfaturadas a prefeituras do país. Todos foram denunciados pelo Ministério Publico Federal à Justiça, entre outros, por crimes de corrupção, fraude em licitação, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Na época, Ricardo França era funcionário da Câmara dos Deputados até dezembro de 2005 como assessor do ex-deputado federal Ronivon Santiago (PP-AC). De acordo com a investigação da Polícia Federal, ele tinha interação com a organização criminosa, com contatos freqüentes principalmente com Luiz Antônio Trevisan, um dos sócios da empresa Planam, e se beneficiava com pagamentos indevidos.

A PF deflagrou a Operação Sanguessuga em 4 de maio de 2006. Foram presas, na ocasião, 48 pessoas e cumpridos 53 mandados de busca e apreensão por 250 policiais. Todos foram soltos e responderam a processos em liberdade.

O esquema, que contava com um integrante ocupando cargo no Ministério da Saúde, manipulava as licitações valendo-se de empresas de fachada. Os preços da licitação eram superfaturados, chegando a ser até 120% superiores aos valores de mercado.

O “lucro” era distribuído entre os participantes do esquema. Dezenas de deputados foram acusados. Segundo a Polícia Federal, a organização negociou o fornecimento de mais de mil ambulâncias em todo o País. A movimentação financeira total do esquema teria sido de cerca de R$ 110 milhões.

Segundo apurou ac24horas, Ricardo trabalhou com o ex-corregedor da Câmara e ex-segundo vice-presidente da Casa, Ciro Nogueira (PP-PI), até um mês antes da PF deflagrar a Operação Sanguessugas. Seu nome e os dados de sua conta bancária estão registrados na contabilidade da Planam, empresa que teria chefiado a fraude ao vender os veículos superfaturados às prefeituras. A atuação do esquema Planam foi detectada pela primeira vez em 2002, no Acre, quando o Ministério Público Federal constatou a existência de manipulação de licitações a fim de desviar recursos do Fundo Nacional de Saúde. O caso foi comunicado à Procuradoria da República no Mato Grosso, onde estavam sediadas as empresas responsáveis pelas fraudes.

Ele chegou a ser condenado por corrupção passiva pela Justiça Federal do Mato Grosso e pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, mas como o processo se arrastou por vários anos, foi reconhecida a prescrição por meio de recente decisão da vice-presidência do Tribunal.

Procurado pelo ac24horas para falar sobre o assunto via whatsapp, Ricardo disse que fazia questão de explicar esta situação “de uma vez por todas”, mas que só falaria pessoalmente. Questionado quando isso poderia ser feito, ele informou que poderia conversar quando retornasse a Rio Branco, mas sem especificar uma data. A reportagem perguntou se ele poderia se manifestar por meio de nota, já que o material tinha prazo para ser concluído. Ele visualizou a mensagem, mas não respondeu.

Propaganda

Acre

Aberta oportunidade para renegociação de dívidas do FNO

Publicado

em

Produtores rurais da Região Norte estão com a oportunidade aberta para renegociar suas dívidas com o Banco da Amazônia. Essa chance atinge aqueles que possuem operações contratadas até 2011. O prazo para obter até 95% de desconto em juros e multas é até o dia 30 de dezembro de 2019.

De acordo com a gerente de Administração de Crédito do Banco, Mariney Demétrio, esta oportunidade está sendo realizada com base na lei 13.729, que altera a lei 13.340. “O cliente que renegociar terá carência até 2020. O vencimento da primeira parcela será em 2021 e o da última parcela para 30 de novembro de 2030”, explica. Ele acrescenta que em caso de pagamento das prestações em data anterior ao vencimento, o Banco concede bônus por adimplência.

“O Banco espera atingir um público de aproximadamente 180 mil clientes em toda a Região Norte. Somente no Acre, o Banco espera renegociar mais de 7 mil operações”, informou.

A maioria do dinheiro emprestado é do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), que financia projetos individuais ou coletivos. O programa possui as mais baixas de juros dos financiamentos rurais, além de linhas específicas em atendimento à igualdade de gênero e oportunidades produtivas para os jovens do campo.

Os interessados devem procurar as agências do Banco da Amazônia e conversar com a gerência.

Continuar lendo

Acre

Em primeira agenda oficial, Tião Bocalom fala em junção de ideias

Publicado

em

Quem torcia pela inserção de Tião Bocalom na linha de frente do atual governo do Acre ficou contente com sua primeira participação em agenda oficial pública, ocorrida na manhã desta segunda-feira, 15, durante a abertura da programação da Feira de Negócios do Estado, a Expoacre 2019.

Esta foi a primeira aparição de Bocalom ao público numa agenda do governo. Antes disso, ele havia participado apenas de uma reunião entre representantes da Secretaria de Estado de Produção e Agronegócio (Sepa). Como presidente da Empresa de Assistência Técnica Extrativista do Acre (Emater), Tião Bocalom falou em entrevista à rádio Aldeia FM que a gestão de Gladson Cameli defende o que ele sempre defendeu: “O Acre é um Estado rico e que tem condições de se abastecer, pois possui terras grandes”, afirmou.

Para ele, o que faltava para o Acre produzir era apenas políticas públicas e a extinção do modelo de florestania que foi implantado em governos anteriores. “Temos o compromisso de resgatar o Estado do Acre para que nossas ideias se juntem às ideias das equipes do setor produtivo”, destaca Bocalom.

A proposta agora é fazer valer a máxima de que a população também precisa de trabalho e dinheiro para sobreviver. “Pretendemos estabelecer políticas públicas que geram trabalho e renda e sabemos que a matéria-prima para isso acontecer sairá de nossas terras”.

Bocalom acredita que o Acre dará um grande salto ao longo dos próximos quatro anos.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.