Conecte-se agora

As fake news

Publicado

em

Se os fazedores de notícias nos jornais, sites e no Facebook tivessem conhecimento da “parábola do saco de penas” certamente a reputação de pessoas seria tratada como um bem mais valioso e não como um brinquedo qualquer ou algo descartável cuja reposição pudesse ser comprada em uma bodega da esquina.

Para quem não a conhece, ou já esqueceu, a parábola é a seguinte: um sujeito magoado e ressentido, irresponsavelmente assacou calúnias e difamações contra o morador de um povoado, sendo a dignidade deste ferida morte.

Depois que o maldoso boato “pegou vento” e se espalhou pelas cercanias, poucos foram aqueles que não passaram a vê-lo de forma enviesada.

Anos depois, o peso na consciência fez caluniador voltar ao povoado para, em confissão, pedir ao padre uma penitência em busca de perdão.

Diante do arrependimento dele, o pároco deu-lhe um saco cheio de penas e ordenou que o despejasse do alto da torre da igreja.

Minutos depois, com o saco vazio em mãos, o “fiel” arrependido voltou ao padre para mostrar que a missão havia sido cumprida.

Ato contínuo, o padre ordenou-lhe a segunda parte da penitência para consumar o perdão pretendido:

–– Agora junte nesse mesmo saco todas as penas que você e o vento espalharam.

O que foi juntado não encheu nem um terço do saco.

Moral da história: depois que espalha, não há esforço que reponha tudo. Sempre haverá uma pena solta a estimular a dúvida ou pergunta: será?

Em tempos de redes sociais, os “boatos de corredores” perderam o charme. Agora eles são mundiais. Caiu na rede, lascou-se. Esse mito de mentira de pernas curtas é mais falso que uma cédula de 3 reais.

Salvo honrosas e raríssimas exceções, o jornalismo acreano e os operadores de Facebook nunca afirmam nada, eles sempre “supõem” em nome de uma fonte.

E tão grave quanto: parte dos leitores afiançam ou não a boataria de acordo com seus interesses de militantes políticos.
Aliás, o papel principal da informação é tirar a lápide dos “sepulcros caiados”, principalmente quanto estes forem figuras públicas. Entretanto, a ferramenta a ser utilizada deve ser o fato, a prova, o indício fático e não o “disse-me-disse”, a fofoca, a intriga de grupinhos.

O que é podre tem que, de fato, ser exposto. Culpados devem ser responsabilizados e punidos.

Desinfetante melhor não há que a transparência do sol e o esclarecimento das dúvidas.

Como eu saí da política depois de um derrota eleitoral, mas a política insiste em não sair de mim, sei muito bem o que significa “plantar uma notícia” para depois alguém delirar no estrago causado por ela.

Todavia, quem se abraça com essa covarde estratégia não pode esquecer que o Acre é pequeno e os muros são baixos.

A denúncia fundamentada corrige rumos e desbanca do pedestal do falso moralismo. As fake news destroem reputações.

Honestidade não é apenas uma questão monetária. Ser correto com a transmissão de informações talvez seja até um valor mais decente.

Propaganda

Luiz Calixto

Chamem o Freud

Publicado

em

Não entendo absolutamente nada de psicanálise, mas sei que tem coisas na política brasileira que ninguém consegue explicar. Nem Freud.

Aliás, se o mais famoso de todos os psicanalistas fosse ainda vivo, morasse no Brasil e atendesse no departamento médico do Congresso Nacional, a fila de parlamentares para atendimentos seria quilométrica.
Qualquer cidadão que esteja gozando de suas faculdades mentais constatará que o país vive sob uma perigosa histeria nacional e a classe política se transformou numa verdadeira gaiola de loucos.

O tema que mais discutido nas rodas econômicas é a reforma da Previdência. Segundo os alarmistas das maiores corporações financeiras do mundo, se a dita cuja não for aprovada para prover a economia nacional com o corte de R$ 1 trilhão em 10 anos, o Brasil fechará para balanço.

Da mesma forma, segundo a propaganda oficial, a reforma é a redenção da classe trabalhadora e, ato continuo à vigência dela, milhões de postos de trabalho serão gerados.

Argumento semelhante também foi usado para aprovar a reforma trabalhista.

O que Freud precisaria explicar é o seguinte: se a reforma é boa para todos, por quais razões o governo tem imensas dificuldades para convencer 308 deputados federais a votar a favor da emenda?

Estranho que deputados e senadores sejam tão vorazes ao exigir cargos e vantagens para votar a favor de algo que é tido como bom para seus eleitores.

Se é, de fato, uma dádiva, por que os governadores fogem dela e querem transferir o peso dos regimes próprios dos Estados para o lombo do governo federal?

Se boa é para a classe trabalhadora, só a burrice levaria o governo a gastar alguns milhões de reais para tentar convencer os trabalhadores a aceitarem o que lhe beneficiará? Em tempo: só o “jabá” do apresentador Ratinho foi de R$ 280 mil.

Durante os 27 anos de deputado federal, Bolsonaro votou contra as reformas propostas por FHC, Lula e Dilma argumentando na ocasião que as mudanças nas regras da Previdência atentavam contra os legítimos interesses da classe trabalhadora.

Alçado à presidência da república galopando nas costas decepção do povo brasileiro com a política, o mito agora é a favor da mudança e questionado sobre essa metamorfose, respondeu em tom mais grosso que papel de embrulhar prego:

–– Vou me arrepender porque fiz xixi na cama aos cinco anos? Saiu, pô.

A reforma não é para combater privilégios. Isso é apenas um álibi criado pela marquetagem pura e simplesmente para estimular as brigas entre as diversas categorias.

Se o fim dos privilégios fosse o objetivo dela, por que não se faz uma reforma focada apenas nisso? Ou um trabalhador rural que trabalha, ininterruptamente, de sol a sol até os 65 anos para poder se aposentar com um salário mínimo é um privilegiado? Ou o Benefício de Prestação Continuada, o tal BPC, de menos de 1/2 salário mínimo também é uma concessão diferenciada?

O fato é que o capital financeiro vai aprovar a reforma, custe o quanto custar, não porque ela é boníssima ou vai combater privilégios, mas porque o imenso buraco cavado pela corrupção no Brasil nas últimas décadas precisa de muitos sócios para tapá-lo.

Falar a verdade seria mais honesto.


Luiz Calixto escreve as quartas-feiras no ac24horas.

Continuar lendo

Luiz Calixto

O côncavo e o convexo

Publicado

em

O PMDB é um partido de profissionais. Nele não há espaços para amadores. Jocosamente, poderia se dizer que o mais “besta” deles consegue beliscar azulejo.

A eficiente tática partidária de nunca se entregar de corpo e alma nem a governo nem a oposição, sempre lhe rendeu resultados extraordinários nas urnas.

Harmoniosamente, o partido costuma se dividir em duas bandas: metade fica no poder e outra metade faz o papel de oposição.

A metade governista garante a metade oposicionista e esta, por sua vez, aumenta o cacife e, por conseguinte, as vantagens da parte que ficou ao lado do poder.

E nesse bolero de “dois pra lá, dois pra cá“ todos se dão as mãos e ninguém reclama de ninguém.

Do jeito que der todos se dão bem: se o governo estiver de bem com a população, o cobertor da parte governista cobre os rebeldes. Se o efeito for o contrário, não tem problema, pois o partido também estava na oposição.

É importante observar o respeito mútuo das bandas: a parte bem contemplada com as vantagens e benesses do poder nunca toma posição exigindo fidelidade partidária ao projeto que os elegeu e a adesão daqueles que, em tese, ficaram de fora do banquete. Estes, por sua vez, não dão um pitaco sequer para exigir o desembarque e a entrega dos cargos do governo para o qual discordam e, por isso, fazem oposição.

Nesse ritmo o partido sempre conseguiu ter a maior capilaridade nacional e é o maior partido desde os tempos do bipartidarismo vigente na ditadura militar.

 

Ou seja, é o único que tem diretórios em todos os municípios brasileiros, privilégio que sempre lhe garantiu a eleição das maiores bancadas, de vereadores a senadores, e é a noiva preferida de todos para as coligações.

E por que agem assim? Simples: são profissionais da política e o método adotado pela estratégia partidária não tem a menor chance de dar errado.

Se o governo for bem, a parte governista arrasta os que optaram por fazer oposição e, se der errado, estes retribuem a guarida correspondente.

Aqui no Acre este exemplo é patente: o “glorioso” é um dos partidos mais privilegiados na divisão de cargos no governo Gladson Cameli com secretarias, várias diretorias e mais de uma centena de CEC’s. No entanto, seus dois parlamentares fazem mais oposição que a finada Frente Popular do Acre, mas evitam questionar os parceiros que estão em cima da carne seca.

Neste momento, o Poder Executivo almeja aprovar uma reforma administrativa sob o argumento de que precisa adequar o tamanho de sua estrutura às necessidades do Estado.

Fala-se em 450 cargos comissionados. De qualquer forma o  PMDB se dará bem. Parte disso será ocupado por militantes, mas  deputados anunciam que votarão contra o projeto governista, ficando, portanto, de bem com a população, que rejeita a criação de cargos de natureza política.

Resumo: no final todo mundo vai ficar bem, tanto os governistas quanto os opositores.

*Luiz Calixto escreve todas as quartas-feiras em ac24horas.

 

 

 

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.