Conecte-se agora

Diarreia

Publicado

em

Faz alguns anos, passei duas semanas numa missão em Marechal Thaumaturgo e todos os dias ouvia sobre alguém doente. Imaginei que houvesse um surto de dengue ou malária, mas acabei descobrindo a enorme incidência de casos de diarreia, principalmente entre crianças.

Na época, a água de distribuição da cidade era coletada do Juruá, em plena região central da cidade, e não havia uma estação de tratamento para que a distribuição fosse realizada garantindo padrões mínimos de potabilidade.

Descobri depois que a coisa não era muito diferente na maior parte dos municípios do interior do Acre. Mesmo Rio Branco, com todo o investimento que já foi feito por aqui, nunca conseguiu ter água nas redes nas vinte e quatro horas do dia, que é a principal condição para garantir que não ocorra contaminação no sistema de distribuição.

Estamos tão acostumados a ter somente quatro horas de água a cada dois dias que nem nos damos conta de que quando os tubos estão vazios eles recebem a lama que se forma nos locais onde a rede tem vazamentos. Como as perdas do sistema são da ordem de 60% da água que é tratada, é razoável imaginar que há muitos locais de contaminação ao longo da tubulação enterrada.

Mas basta ver a quantidade de lodo que se deposita no fundo das caixas d’água para ter alguma noção da gravidade disso.

Quando o assunto é o lixo doméstico, a coisa é ainda pior. Ninguém está muito interessado em saber onde a prefeitura esconde nossos rejeitos. Muito recurso já foi destinado para a instalação de aterros sanitários, mas somente Rio Branco, no Acre, tem um sistema que opera cumprindo as normas. Diversos municípios compraram equipamentos para o manejo adequado, mas preferiram manter seus lixões e usar as máquinas em outras atividades mais visíveis à população.

Quanto ao esgoto, nem em Rio Branco conseguimos realizar algum tratamento antes de mandar os dejetos para os igarapés e o Rio Acre, a despeito de todo o recurso gasto na construção de ETEs, elevatórias e redes.

Obras enterradas não são mesmo prioridade dos nossos administradores. Construção feita sem qualidade, falta de separação das águas de chuva e manutenção zero.

O resultado de tudo isso é a enorme quantidade de doenças de veiculação hídrica que acometem nossa população, além da proliferação de vetores associados aos locais de contaminação.

O colégio onde fiz o ensino médio mantinha um curso técnico de Saneamento. Formava uma farta mão de obra para operar os laboratórios, estações de tratamento e a construção das redes e sistemas de água e esgoto dos municípios da região. Talvez seja um motivo que faz Jundiaí, no interior de São Paulo, ter um dos melhores sistemas sanitários do país, com 100% de atendimento de água e esgoto. Falta muito, por aqui, ter profissionais para essas atividades. Falta também massa crítica para cobrar qualidade da administração nessa área.

Diz-se hoje que, no ritmo que os sistemas são implantados no Brasil, somente em 2050 conseguiremos ter um serviço de saneamento decente. Há 40 anos essa projeção era para o ano 2000. Perdemos meio século? Será que nada foi realizado nesse tempo todo? Não é o que dizem os números quando analisamos os “investimentos” realizados com recursos do FGTS, BNDES e, principalmente, emendas parlamentares e programas do governo federal.

Uns defendem a privatização dos sistemas, outros a operação pelos municípios. Corre no Congresso o projeto de lei do Marco Legal do Saneamento que, entre outras coisas, prevê a proibição dos municípios contratarem diretamente estatais de saneamento com dispensa de licitação. O importante é que as obras e os serviços sejam realizados com qualidade e profissionalismo.

Já jogamos muito dinheiro fora tratando nossa água, esgoto e lixo de forma displicente. Saneamento bem gerido dá lucro, senão não haveria tanto lobby por privatização. Com uma das tarifas mais baratas do Brasil, de R$2,23 por metro cúbico da água tratada, o potencial de faturamento no Acre é da ordem de R$4.800.000,00 com o serviço de água, que atende 60% da população, e de R$1.400.00,00 com a coleta de esgoto, que atende apenas 22% dos acreanos, imaginando um consumo médio de 150 litros por pessoa por dia, que é bem inferior à produção atual do Depasa

De qualquer forma, o custo com a manutenção de um sistema de saúde para cuidar de doenças evitáveis é muito maior que manter um bom sistema de Saneamento.


Roberto Feres escreve às terças-feiras no ac24horas.

Propaganda

Cotidiano

Em Sena Madureira, ponte é alvo de incêndio criminoso durante a madrugada

Publicado

em

Na estrada de Xiburema, em Sena Madureira, que fica à 143,7 km da Capital Rio Branco, uma ponte que cruza o Igarapé Salpico foi alvo de um incêndio na madrugada do sábado.Ao que tudo indica, o incêndio tem característica de vandalismo.

Moradores acreditam se tratar de um ato criminoso, com o intuito de causar transtornos à comunidade.

Os moradores vinham reivindicando do poder público uma reforma completa da ponte que cruza o igarapé, pois a mesma já se encontrava em situação precária antes do incêndio.

A comunidade espera que os gestores tomem uma providência o mais rápido possível.

Continuar lendo

Na rede

Familiares buscam por menor desaparecido em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

A família de Geovane Silva, de 10 anos, pede ajuda da população de Cruzeiro do Sul (AC) para encontrar o menino que está desaparecido desde a manhã deste sábado, 17.

Eles residem no bairro Miritizal e, segundo testemunhas, o menino foi visto pela última vez saindo de uma área de matagal, nas redondezas.

Agentes da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros foram acionados e já deram início às buscas nas proximidades, porém o menino não foi localizado.

Aflita, a família pede que se alguém reconheça ou tenha visto esse rapaz, entre em contato através do número (68) 99991-8992, falar com Euriclelio Silva.

Com informações do Juruá em Tempo.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.